Dízimos Eclesiásticos: Um Legado da Igreja Católica às Igrejas Evangélicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Dízimos Eclesiásticos: Um Legado da Igreja Católica às Igrejas Evangélicas

on

  • 3,790 vues

Os dízimos analisados, no Antigo testamento, na igreja católica e nas igrejas evangélicas. Muitos textos de referências, em português e espanhol de livros históricos e estudos acadêmicos de ...

Os dízimos analisados, no Antigo testamento, na igreja católica e nas igrejas evangélicas. Muitos textos de referências, em português e espanhol de livros históricos e estudos acadêmicos de outras disciplinas (Economia e Direito) sobre os dízimos eclesiásticos. O Sacerdócio Levítico dependia de dízimos para sua sobrevivência, pois milhares de sacerdotes trabalhavam na Tenda Sagrada e depois no Templo construído por Salomão oferecendo os sacrifícios que a Lei determinava e faziam muitos outros serviços ligados a religião e o Estado Hebreu. O sacerdócio de Cristo não necessita de Templo terreno e nem de sacerdotes para oferecerem sacrifícios, pois todos os crentes são sacerdotes e podem se apresentar diante de Deus a qualquer hora adentrando o Santo dos Santos, lugar que no Antigo Pacto só o Sumo Sacerdote podia entrar e uma vez por ano. Os cristãos tinham plena liberdade para servirem a Deus, até que apareceram alguns que queriam mandar na igreja de Deus e criaram o sacerdócio católico e começaram a cobrar dízimos dos irmãos, pois dízimos só fazem sentido com um sacerdócio. Hoje a ideia de sacerdócio está cada vez mais presente nas igrejas evangélicas e alguns líderes constroem grandes templos e usam muitos símbolos e objetos ligados ao Antigo pacto como o Bispo Macedo, que está gastando milhões com um templo que será uma réplica do Templo de Salomão. Este arquivo tem como objetivo mostrar que a história revela que atitudes como essas acontece a séculos e sempre termina em desvios da fé, heresias e corrupção. Os escândalos da igreja católica fora encobertos por vários séculos graças a seu poderio econômico e financeiro e o uso da violência legalizada através da instituição conhecida como santa inquisição. As cruzadas também fazem parte dos desvio de conduta dos sacerdotes católicos que usava os dízimos para patrociná-las. Muitos líderes de hoje usam e abusam do dinheiro dos dízimos e ofertas do povo e se alguém fala alguma coisa é logo considerado desviado da fé, pois falam contra uma prática que foi vendida como bíblica como fez muitos séculos antes a igreja católica. Mas o autor deste arquivo prova com muitos textos que foram os católicos que criaram os dízimos eclesiásticos e eles não eram em dinheiro como hoje em dia, e sim produtos agropecuários. Quem deseja conhecer melhor a verdade sobre dízimos encontrará com certeza muita informação presente neste arquivo. E é o desejo do autor que o leitor pesquise o material disponibilizado para tirar suas próprias conclusões. Um leitor atento encontrará respostas para muitas perguntas mal respondidas pelos defensores dos dízimos. A história de mais de mil anos de dízimos eclesiásticos não deixa dúvida de que essa prática gerou mais mal do que bem para o evangelho. Basta pesquisar o assunto na internet para encontramos vários arquivos mostrando os desvios de conduta dos líderes que se enriquecem com dízimos.

Statistiques

Vues

Total des vues
3,790
Vues sur SlideShare
3,778
Vues externes
12

Actions

J'aime
2
Téléchargements
55
Commentaires
2

2 Ajouts 12

http://timas-pdfs.blogspot.com.br 9
http://timas-pdfs.blogspot.com 3

Accessibilité

Catégories

Détails de l'import

Uploaded via as Adobe PDF

Droits d'utilisation

© Tous droits réservés

Report content

Signalé comme inapproprié Signaler comme inapproprié
Signaler comme inapproprié

Indiquez la raison pour laquelle vous avez signalé cette présentation comme n'étant pas appropriée.

Annuler

12 of 2

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Votre message apparaîtra ici
    Processing...
  • Se você gostou deste arquivo, compartilhe com seus amigos no face book ou outra rede social que você participa. Você também poderá fazer o download do arquivo para estudar com mais calma os textos de referência. Muitos dos livros citados podem ser encontrados e baixados gratuitamente na internet, outros podem ser comprados também no formato original em papel ou em PDF. Este assunto precisa ser levado a sério, pois o amor ao dinheiro, é a raiz de todo mal, muitos caíram neste mal, e farão tudo para manterem seus privilégios, até mesmo perseguir os que se oporem a essa pratica. Tanto mais pessoas, ficarem sabendo dessa farsa, que são os dízimos eclesiásticos, menos pessoas cairão
    nesse golpe também. Agradeço desde já sua cooperação, nessa luta contra um sistema injusto, que tira dos pobres para dá para os ricos. Luxo e ostentação nunca foram pregado por Jesus, mas o contrario, quem era rico, dava para os pobres, e a igreja trabalhava para bem das pessoas e não para bem de alguns privilegiados, como temos visto atualmente. Um Abraço para todos. Deus os abençoe ricamente.

    Are you sure you want to
    Votre message apparaîtra ici
    Processing...
  • Este arquivo mostra com clareza que os dízimos eclesiásticos( i.e. cobrados pela igreja ) foram inventados pela igreja católica durante a Idade Média e só foi possível devido a grandes mudanças geopolíticas, socioeconômicas,socioculturais, religiossociais e etc. O sacerdócio católico emergiu da desordem que gerou o feudalismo. Numa sociedade agrícola era fácil introduzir um sistema de dízimos baseado no sistema levítico e isso durou mais de mil anos. Vale a pena examinar os textos que servem de prova para as afirmações deste arquivo.Você descobrirá que a realidade sobre os dízimos eclesiásticos é bem diferente do que você tem ouvido dos líderes que os defendem com muito zelo, pois lucram muitíssimo com isso. Você descobrirá que o sacerdócio da igreja católica não funcionou e que o sacerdócio evangélico já mostra muitos e fortes indícios de corrupção e precisamos despertar para a realidade do Sacerdócio de Cristo que substituiu o levítico.
    Are you sure you want to
    Votre message apparaîtra ici
    Processing...
Poster un commentaire
Modifier votre commentaire

    Dízimos Eclesiásticos: Um Legado da Igreja Católica às Igrejas Evangélicas Dízimos Eclesiásticos: Um Legado da Igreja Católica às Igrejas Evangélicas Document Transcript

    • Dízimos Eclesiásticos: Um Legado da Igreja Católica Apostólica Romana às Igrejas Evangélicas
    • Introdução O objetivo deste arquivo é provar através de textos bíblicos e históricos que os dízimos eclesiásticos foram arquitetados pela igreja católica durante a Idade Média. Que estes dízimos eram bem diferentes dos que atualmente são cobrados nas igrejas. Os dízimos cobrados na igreja católica eram semelhantes aos do Antigo Testamento (i. e. arrecadados em produtos agropecuários). Durante mais de mil anos estes dízimos foram arrecadados desta forma até serem abolidos no século XIX pelas autoridades seculares. Os dízimos eram usados pela igreja católica para fins abjetos. Cruzadas foram patrocinadas pelos dízimos e também a satânica inquisição que chacinou milhares de servos de Deus. Hoje muitos tiram proveito dos dízimos em sua versão atual (i.e. arrecadados em dinheiro). Os escândalos da igreja católica com o mau uso dos dízimos estão retratados em muitos textos históricos. Alguns acontecimentos, nas igrejas, que se dizem Cristãs, onde seus líderes desviam dinheiro, para suas contas pessoais, e compram empresas em seus nomes, ao invés de usarem, o nome da igreja, como a verdadeira proprietária, da empresa, também está retratada aqui. Busquei fazer, um pequeno balanço histórico dos dízimos, desde sua origem no Sinai e sua aplicação entre os judeus como pagamento pelo trabalho dos sacerdotes levíticos e um seguro social para órfãos, viúvas e estrangeiros, passando depois para sua abolição com a morte de Cristo que estabeleceu uma Nova Aliança que não necessitava mais de templo e nem de uma elite sacerdotal. Em seguida passa a analisar a introdução dos dízimos na igreja católica a princípio de forma voluntária nos sécs. V e VI e depois de forma obrigatória no séc. VIII e seus desvios para usos malignos, como o que aconteceu séc. XII com o início das Cruzadas organizado pelos ricos e poderosos Papas que as patrocinava com o lucro adquirido com a cobrança de dízimos, a manutenção da inquisição e muitas outras formas erradas de usarem uma contribuição que no Antigo Testamento foi instituído para o bem da sociedade. Continua sua analise falando da dos dízimos abolição no século XIX, e depois mostra a incoerência dos dízimos nos dias atuais, que são usados de forma bem mais distante da verdade. Quem se interessa pela verdade a respeito dos dízimos encontrará nos textos bíblicos e históricos um rico material para estudo e análise deste assunto tão explorado pelos que lucram com essa cobrança inventada pela Igreja Católica. Muitos são desafiados a darem
    • dízimos como prova de sua fé e respondem de boa fé. Este arquivo desafia o leitor a examinar com cuidado os textos que vários historiadores escreveram sobre os dízimos em suas obras e também muitos economistas e outros doutores que também escreveram sobre dízimos depois de sérias pesquisas em documentos e arquivos de várias épocas. Examinando com cuidado esses textos que servem de prova documental as afirmações do autor, o leitor poderá tirar suas próprias conclusões sobre o tópico. Com certeza quem ler este arquivo encontrará muitas referencias de livros importantes sobre o tema dos dízimos e estudos acadêmicos que enriquecerão seus conhecimentos. Quem busca a verdade não teme confrontar opiniões, mas está aberto a novas descobertas sobre temas importantes, e os dízimos são um destes assuntos que não podemos deixar passar sem uma análise séria e não podemos ficar encima do muro. Muitas pessoas não conhecem a verdade sobre o Senhor Jesus porque nunca param para ler a Palavra de Deus e teme tudo o que eles acham que são contra suas crenças. Este arquivo exalta o Sacerdócio de Cristo e rejeita qualquer outro que se apresente para ofuscar o brilho do evangelho de Jesus Cristo. O autor sabe da sabedoria do povo de Deus para compreender as verdades de Deus, mas sabe através do estudo da história que as elites durante todas as épocas mudaram essa verdade para beneficio próprio e hoje isso tem acontecido bem na nossa frente e ficamos calados e passivos, quando deveríamos denunciar os abusos e lutar por uma igreja moldada nas verdades bíblicas. A reforma da igreja depois de sua corrupção pelos católicos e outros, foi só o início, e como todos nós sabemos ela não pode parar. Os reformadores deixaram muitos pontos soltos e hoje falsos mestres mais do que nunca criam formas de manter nossa atenção das santas doutrinas e seguir crenças inventadas no passando como é caso dos dízimos eclesiásticos. Homens de Deus que antes eram contrários a doutrina da prosperidade e a grande ênfase em dízimos e ofertas, atualmente são riscos empresários e amigos dos que antes atacavam veementemente. Os cristãos bem informados e conscientes das verdades bíblicas, e apoiados pelos fatos históricos clamarão contra as invenções e superstições que surgem no meio cristão. Hoje somos homens e mulheres esclarecidos e dispomos de liberdade para rejeitam qualquer doutrina que não seja fiel as verdades bíblicas. Os judeus que se apegaram as suas tradições e temiam examinar as escrituras que testificavam de Jesus perderam a oportunidade de conhecerem a verdade. Hoje basta alguém se posicionar contra os dízimos eclesiásticos e já passam a serem tachados de inimigos da igreja, mas os que lucram com os dízimos e
    • gastam fortunas com todo tipo de luxo e não podem ser denunciados abertamente para não dar escândalos. Se os reformadores tivessem pensado assim ainda hoje estaríamos pagando dízimos obrigatoriamente à igreja católica e servindo ídolos mortos achando que era verdade, pois não haveria ninguém pregando contra. Ninguém hoje corre risco de vida por questionar as elites religiosas e a Bíblia não está escrita em latim, mas em nossa língua e disponível para leitores educados e capazes de estudarem e adquirir conhecimentos bíblicos e históricos e se posicionarem a respeito de qualquer assunto bíblico, mesmo que para isso tenha de bater de frente com que se consideram líderes especiais e portadores do privilégio de se enriquecerem com dízimos cobrados do povo de Deus. O mundo globalizado gerou cidadãos mais esclarecidos apesar da grande onda de alienação que mundo também tem passado. Atualmente temos mais conhecimentos do que as pessoas das épocas passadas e não podemos aceitar nenhuma doutrina que não condiz com a verdade. Informações antes escondidas para que o povo não soubesse a verdade sobre muitos assuntos hoje estão disponíveis na internet. A preguiça intelectual e o fanatismo religioso incentivado pelos que querem ver as pessoas submissas as suas idéias são um dos motivos porque o mundo desconhece a verdade sobre Jesus Cristo e outras verdades bíblicas. Este arquivo foi escrito para quem gosta de pesquisar e conhecer a verdade independente da opinião dos que são considerados autoridades no assunto. Examinar de forma critica sempre é melhor do que rejeitar sem ler, pois somos livres para aceitar ou refutar qualquer doutrina que nossa capacidade espiritual e intelectual identificar como verdadeira ou falsa. Confio na capacidade do leitor para julgar o conteúdo deste arquivo, mas não poderia deixar de fazer esta introdução devido à censura ao assunto dos dízimos. Boa leitura! O autor
    • Genuíno: Senhor Veríssimo, por que o senhor não concorda com a cobrança de dízimos nas igrejas? Veríssimo: Eu não concordo porque a Bíblia não ensina que os cristãos devam pagar dízimos. Os dízimos eram parte de um Antigo Pacto que Deus fizera com o povo Israel no monte Sinai. O Pacto exigia a obediência da Lei de Moisés, a construção de um Tabernáculo e a consagração de um Sacerdócio. Segundo a Bíblia a Igreja não vive mais debaixo da Lei e não precisa mais de sacerdotes humanos para oferecer sacrifícios por eles como era feito no Antigo Pacto. Hoje estamos debaixo da Graça. Somos Templo de Deus; uma geração eleita de sacerdotes, cujo Sumo Sacerdote é o Senhor Jesus Cristo. Ele se encontra no Verdadeiro Tabernáculo do Céu. Moisés numa visão contemplou o Verdadeiro Tabernáculo e Deus lhe ordenou que mandasse fazer um parecido com o original. Os Israelitas doaram todo o material voluntariamente. Não foram utilizados dízimos para isso. Os dízimos eram cobrados para o sustento dos sacerdotes e também para auxilio dos órfãos, viúvas e estrangeiros; para que não houvesse pessoas vivendo como miseráveis na terra de Israel.
    • Genuíno: Se a Bíblia não ensina que os cristãos não devem pagar dízimos, por que a maioria das igrejas cobra os dízimos atualmente? Veríssimo: Porque é conveniente para os líderes dessas igrejas.
    • Genuíno: O senhor poderia explicar com mais detalhes os dízimos no Antigo e Novo Pacto? Veríssimo: O Antigo Pacto feito com Israel foi temporário. Deus escolheu os descendentes de Abraão para ser o seu povo. Eles vagaram nas terras dos cananeus e depois foram para o Egito em busca de melhores condições de vida. Os egípcios os escravizaram e tentaram eliminá-los, matando todos os recém-nato do sexo masculino. Mas Deus ouviu o lamento de Seu povo e a forma arrogante e cruel como eram tratados pelos egípcios. Deus escolheu Moisés que escapou da morte depois ser escondido por três meses e ser deixado por sua mãe às margens do Nilo onde foi encontrado pelas servas da filha do Faraó que o criou como fosse seu filho. Moisés já adulto foi visitar os hebreus e viu um egípcio maltratando um deles. Moisés matou o egípcio agressor e fugiu para Midiam com medo de ser morto pelos egípcios como traidor.
    • Moisés encontrou abrigo na casa de um sacerdote de Midiam e se casou com uma de suas filhas e teve com ela dois filhos. Depois de muito tempo Deus falou com ele no deserto. Moisés viu uma sarça em chamas, porém ela não se consumia. Então se aproximou e ouviu a voz de Deus que lhe ordenava voltar para o Egito e libertar Israel da escravidão. Moisés recebeu poder para fazer alguns milagres na presença do povo. Moisés retorna ao Egito e reencontra seu irmão Arão e vai com ele falar com o povo e fazer os sinais que Deus lhe concedeu. O povo creu que Deus lhe enviara para resgatá-los. Moisés foi ao Faraó e entregou a mensagem de Deus: deixa que o meu povo siga para o deserto para que me sirva, se não Eu destruirei a ti e a todo o seu povo. O Faraó ignorou as ameaças de Deus e foi punido com todo tipo de pragas. Seu povo sofreu terrivelmente com as pragas e ele teve de deixar Israel partir. Deus ordena que o povo tome despojos dos egípcios. Desesperados os egípcios com tantas pragas e a mais dolorosa de todas: a morte de seus filhos primogênitos, eles entregam tudo que o povo almejou. Os arrogantes egípcios que antes matavam os filhos dos hebreus, agora viram seus filhos mortos. O desespero foi total. Arrependido o Faraó perseguiu o povo de Deus e foi destruído com todo seu exército. Os Israelitas viram seus cadáveres na praia. O povo cantou e festejou feliz a vitória. Enviaram espias para Canaã. Eles voltaram trazendo alguns frutos de lá e também lhes falaram de suas terras férteis e de suas cidades ricas e de grandes muralhas e habitadas por homens altos e bem armados. Eles temeram por suas vidas e começaram a reclamar de Moisés. Deus os puniu deixando que eles vagassem pelo deserto por quarentas anos até que todos morressem no deserto, deixando somente seus filhos e Josué e Calebe que creram em Deus. Foi nesse deserto que Deus fez um Pacto com eles. Deus falou com
    • eles no monte Sinai e eles ouviram e viram o poder de Deus. Além da Lei que eles receberam, também havia um Tabernáculo que deveria ser construído conforme o modelo que Moisés viu numa visão que seria cuidado pelos sacerdotes que Ele escolheria. Israel pecou fazendo um bezerro de ouro para ser adorado como seu deus. Os levitas não se contaminaram com o bezerro de ouro. Deus ordena que os idólatras sejam mortos. Os levitas mostraram seu zelo pela lei matando todos os envolvidos na apostata adoração do ídolo de ouro. Deus ordena que Moisés separe a tribo de Levi para ser consagrada para o serviço sagrado do Tabernáculo. Somente eles poderiam servir no Tabernáculo. Qualquer estranho que se aproximar seria morto. Foram
    • consagrados e separados para Deus. Eles não deveriam se preocupar com o seu sustento, pois todo Israel contribuiria com uma décima parte de toda sua produção agropecuária para o sustento deles e dos órfãos, das viúvas e dos estrangeiros. Os sacerdotes também podiam se alimentar de todas as primícias e ofertas voluntaria do povo. Não herdariam terras como os demais israelitas. O Sacerdócio seria sua herança. Eram milhares de homens consagrados juntamente com suas famílias para Deus. Seguiam normas regidas de conduta sócio-religiosas e não deviam se contaminar com o mundo. Deviam se dedicar de todo coração as suas funções. Eram sacerdotes, cantores, professores das leis de Deus e faziam muitos outros serviços relacionados com culto e o bem estar do povo. Eles julgavam muitas questões do povo sobre muitos assuntos e examinavam também os suspeitos de doenças contagiosas. O Tabernáculo precisava de muitos trabalhadores, pois a lei exigia muitos rituais e cerimônias. No Tabernáculo tudo deveria estar impecável. Havia rituais diários e mensais, além de muitas festas anuais ordenadas pela Lei que davam muito trabalho para eles. Eles desmontavam o Tabernáculo sempre que recebiam o sinal de Deus para partirem. Tudo era feito com muito cuidado e zelo.
    • Depois da construção do Templo de Jerusalém foi que os trabalhos aumentaram. O Templo era magnífico e o rei Salomão era muito exigente com os sacerdotes, assim como foi Davi seu pai que estabeleceu por escrito a organização das funções e dos turnos deles. Os cantores eram escolhidos entre as famílias separadas para o ministério de Louvor. Na inauguração do Templo, milhares de animais foram oferecidos por Salomão para serem sacrificados por eles e depois deixarem o magnífico Templo impecavelmente limpo e arrumado como exigia a Lei.
    • Os sacerdotes também eram os responsáveis pela guarda dos valiosos objetos sagrados que eram utilizados no Templo e das enormes riquezas em ouro e prata que eram doados pelos reis de Israel, pelo povo e até por reis e pessoas de outras nações. Esse pequeno resumo do Antigo Pacto e das funções dos sacerdotes levitas nos mostra porque Deus cobrava do povo a décima parte dos produtos agropecuários para sustentá-los e também auxiliar os órfãos e viúvas de todo Israel e também os estrangeiros pobres que morassem no país. A Bíblia relata que Coré, Datã e Abirão questionaram a autoridade de Arão e dos levitas como os únicos que poderiam oferecer os sacrifícios e também receberem pelo serviço uma décima de todos os produtos agropecuários e também as primícias e ofertas do povo. Moisés organiza uma cerimônia para provar que Deus escolhera Arão e os levitas para serem seus sacerdotes. Deus mostra sua indignação sepultando alguns dos conspiradores vivos com todos os seus bens e queimando outros incendiando os incensários que eles usavam desafiando os levitas.
    • Genuíno: Então pelo que eu entendi, esses homens eram os representantes de Deus aqui na Terra e ninguém poderia se aproximar de Deus se não fosse através deles? Veríssimo: Exatamente. Eles representavam o Antigo Pacto e tiveram obrigações que somente eles poderiam fazer e também foram honrados com a décima parte de toda produção agropecuária da nação de Israel. Eles administravam o culto e auxiliavam os órfãos e viúvas e estrangeiros. Os Sumos Sacerdotes que se iniciaram com Arão, irmão de Moisés, eram as pessoas mais importantes da Teocracia de Israel, pois eram os únicos que poderiam se apresentar diante de Deus no lugar do Templo conhecido como o Santo dos Santos e só uma vez por ano, para oferecer sacrifício pelo pecado. Primeiramente por eles mesmos que eram humanos e falhos como qualquer outra pessoa diante da Santidade de Deus e depois por toda a nação de Israel que não parava de pecar. Os judeus idolatravam o Templo e confiavam em seus sacerdotes que ofereciam os sacrifícios por eles. Mas sabemos pelas Escrituras que o Pacto não foi perfeito, e Deus prometeu por intermédio de Jeremias fazer um novo Pacto. Ele cumpriu essa promessa quando deu Seu Filho Jesus para morrer pelos pecados não somente de Israel, mas de toda a humanidade. A epístola aos Hebreus nos ensina maravilhosamente sobre isso.
    • Genuíno: Então a morte de Jesus aboliu o sacerdócio Levítico e com ele os dízimos? Veríssimo: Sim. Hoje não precisamos mais de sacerdotes para oferecer sacrifícios e dádivas por nós. Podemos entrar no Santos dos Santos diante da presença de Deus sem precisar de intermediários. A idéia da igreja com sacerdotes representando o povo de Deus foi uma criação de Roma e Bizâncio.
    • Os dízimos eclesiásticos só apareceram muitos séculos depois da morte do Senhor Jesus e somente na igreja de Roma.
    • Os historiadores são unânimes na opinião, que os dízimos tiveram seu grande impulso na Época Carolíngia. Paul Johnson em sua História do Cristianismo registra o acordo feito por Carlos Magno com a Igreja Católica no oitavo século. O acordo que o rei Carlos Magnum fez com o clero romano: Eu cuido dos assuntos do reino e a Igreja cuida do culto e do auxilio aos pobres, usando a cobrança de dízimos que seria obrigatória como fonte de renda para isso. O assunto é longo e precisaria de muito tempo para explicar.
    • Genuíno: O senhor afirma que os católicos que hoje não pagam mais dízimos, foram os que introduziram os dízimos na Igreja? Veríssimo: Sim. E apesar de existirem muitos livros que tratam do assunto e até estudos acadêmicos sobre o tema estarem disponíveis na internet, alguns ainda insistem que dizimar é doutrina bíblica. Os livros disponíveis escritos para defenderem os dízimos e até alguns que são contra, omitem a parte histórica dos dízimos cobrados pela Igreja Católica durante um longo período da história da Igreja Cristã.
    • Genuíno: O senhor poderia fazer um resumo para explicar melhor tudo isso? Veríssimo: Com certeza. Os dízimos são filhos do feudalismo e do monarquismo. A ignorância do povo também foi outro fator importante. Tudo começou quando a igreja passou cada vez mais a se prostituir com a política e os bispos passaram a ter cada vez mais poder. A queda de Roma também contribuiu, pois os imperadores jamais autorizariam a cobrança de dízimos em seu império. Eles ficariam muito irritados com tal presunção dos bispos. Eles desconfiariam dos bispos, pois com os
    • dízimos eles ficariam muito ricos e poderosos e isso seria um problema para os imperadores. Os romanos recebiam grandes quantidades de produtos agrícolas de varias partes do mundo dominado por eles e havia grandes proprietários de terras que usavam trabalho escravo. Os magnatas romanos da agricultura matariam o imperador, como fizeram Julio Cesar quando ele começou a mudar as regras do jogo. Por isso não temos informações sobre dízimos na igreja ortodoxa. Alguns até mostraram interesse, mas não tiveram sucesso. Cobrar dízimos agropecuários em Roma ou Bizâncio seria impossível. Os ricos proprietários jamais aceitariam.
    • Com a queda de Roma tudo mudou. Os líderes da igreja de Roma viram uma boa oportunidade depois da queda de Roma para fortalecer a idéia de sacerdócio e passaram a cobrar dízimos dos agricultores e pecuarista. Os povos que invadiram a parte ocidental do império eram pessoas que não sabiam ler e muito menos tinham como administrar o reino sem a ajuda do clero católico. Os eclesiásticos se intitularam sacerdotes de Deus e escolheram entre si um que seria o representante deles com o
    • título de Papa. (Os reis bárbaros eram ungidos e coroados pelo Papa.) Esse Papa seria como o Sumo Sacerdote Arão e os demais seriam como os levitas e passariam a cobrar os dízimos agropecuários do povo. A princípio esses dízimos eram voluntários, mas depois com a ajuda dos reis merovíngios e carolíngios, passaram a ser obrigatórios. Quem não pagasse estava pecando contra Deus e a igreja, corria o risco de ser excomungado e punido para servir de exemplo para os outros. Os dízimos obrigatórios deixaram a igreja riquíssima e independente para usar essa riqueza para impor sua vontade. A igreja primitiva jamais cobrou dízimos dos irmãos, pois sabia que os dízimos pertenciam aos sacerdotes do Templo. Eles seriam acusados de crime contra o Templo e seriam julgados e mortos pelas autoridades judaicas ou romanas que estavam controlando os sacerdotes. Dízimos na Igreja durante a existência do Templo de Jerusalém só existe na cabeça de quem não conhece a historia do zelo dos judeus pelas coisas consagradas para o
    • Templo. Paulo que pregava na diáspora jamais aceitaria uma doutrina tão sem fundamento como essa de dízimos na Igreja. A Igreja perderia toda a sua credibilidade e seria acusada pelos judeus de usurparem algo que pertencia por lei aos levitas. O historiador Flávio Josefo escreveu bastante sobre isso.
    • Depois da destruição do Templo os sacerdotes passaram a trabalhar para se sustentarem. Isso é: os que sobreviveram, pois foram massacrados pelos romanos, como aconteceu também na época de Jeremias. Já não fazia sentido receber dízimos sem o Templo para oferecer sacrifícios. A destruição do Templo foi um grande choque para os judeus. Cobrar dízimos na Igreja seria uma ofensa para os judeus que lamentavam a destruição da cidade de Jerusalém e de seu querido Templo. No Novo Pacto os dízimos não faziam o menor sentido por isso não temos informações de dízimos nos primeiros quatro séculos da Igreja. Mas a igreja católica vendeu a idéia de um sacerdócio e também de reis ungidos para estabelecer a vontade de Deus na Terra. Deus não se agradou do sacerdócio Levítico e o substituiu pelo o de Cristo. Muito menos do sacerdócio católico, pois foi preciso que muitos servos de Deus sacrificar suas vidas para que o povo pudesse ter o direito de servir a Deus em espírito e em verdade. O Senhor Jesus mostrou o tipo correto
    • de adoração quando falava com a mulher de Samaria e ela lhe perguntou o sobre lugar certo para adorar a Deus. Judeus e Samaritanos tinham templos rivais, mas Deus não queria templo e sim verdadeiros adoradores. Deus recusou o sacerdócio judaico e romano. Genuíno: Por que o senhor afirma que Deus recusou os sacerdócios dos levitas e católicos? Veríssimo: Vou explicar melhor para você voltando para os tempos bíblicos. Quando Deus fez o Pacto com Israel e lhes deu os levitas como sacerdotes, Ele também os ameaçou com a destruição da nação e do Tabernáculo se eles não obedecessem as suas leis e não zelassem pelo Pacto. Eles foram infiéis durante toda a existência do Tabernáculo principalmente na época do Sumo Sacerdote Elí e seus filhos rebeldes. Quando Salomão construiu o Templo em Jerusalém, Deus alerta o rei e povo sobre a importância deles cumprirem o Pacto para que Ele não destruísse o povo, a cidade e o Templo. Eles profanaram o Pacto de tal forma que Deus entregou o povo, a cidade e o Templo para serem destruídos pelos Caldeus. Os babilônicos mataram os sacerdotes sem misericórdia como Deus havia dito pela boca de Jeremias.
    • O povo foi para o exílio por causa dos pecados deles, dos reis e dos sacerdotes que foram infiéis ao Pacto enchendo o cálice da ira de Deus.
    • Deus permitiu o retorno deles para sua terra depois de setenta anos de cativeiro e reconstruir o Templo. Isso aconteceu durante a dominação do Império Meda-Persa. Mas eles foram mais rebeldes ainda e o Templo foi profanado por eles e por povos estrangeiros. Os livros de Esdras e Neemias mostram a dificuldade que foi para eles reconstruírem a cidade e o Templo. Os dízimos foram também um grande problema, pois havia corrupção e desvios de conduta dos sacerdotes e do povo. Isso mostra que sistema não funciona por causa da fraqueza humana. Esdras e Neemias suaram a camisa para tentar mudar as coisas, mas depois de suas mortes o sacerdócio virou um negócio e pessoas que não descendiam de Arão assumiram o título de Sumo Sacerdote. Malaquias nos mostra o rumo que as coisas haviam chegado durante a época de seu ministério. Ele faz muitas denuncias dos sacerdotes que nunca são citadas pelos defensores dos dízimos, só falam de: quem paga o dízimo é
    • abençoado e quem não paga está roubando de Deus e é amaldiçoado. A corrupção dos sacerdotes, a falta de zelo pelas coisas santas, o abandono dos pobres, a superstição, a idolatria e os outros erros que o profeta denuncia não se ouve em seus discursos. Não explorar os pobres e oprimidos e cuidar de órfãos, viúvas e estrangeiros deveria ser também muito abordado, visto que o profeta e o Novo Testamento dão uma grande ênfase a esse assunto. O mundo helênico com sua idolatria e seu sincretismo foram muito prejudiciais para a fé dos judeus e principalmente pela vulnerabilidade do Templo. Eles queriam transformá-lo em um templo para todos os deuses e muitos judeus helenistas, apoiavam essa idéia.
    • Quem queria seguir a Lei corretamente era perseguido e até morto caso não demonstrasse a renuncia de sua fé participando de culto pagão e comendo de sacrifício de animais impuros. Muitos perderam suas vidas por amor as verdades de Deus. Os Macabeus se recusaram e lutaram para libertar seu povo da dominação helênica e dos judeus apostatas. Liberaram o Templo e tentaram manter o funcionamento dentro das normas que achavam corretas. Assumiram eles mesmos o cargo de Sumos Sacerdotes. Mas, infelizmente se sabe que eles também fracassaram e foram substituídos por outros ainda piores. Uma nova potência ajudara os Macabeus, agora queriam controlar o país e os
    • lucros do Templo. O Império Romano estende seus tentáculos para Judéia de seus protegidos com segundas intenções. Surge a dinastia de Herodes. Herodes destruiu o Templo de Zorobabel e depois o reconstruiu deixando-o bem mais magnífico do qualquer outro templo no mundo de sua época. Mas foi nesse magnífico Templo que o Senhor Jesus encontrou os seus piores inimigos: os sacerdotes se achavam os representantes de Deus e os guias de Israel. Eles pensavam que seriam os primeiros a serem procurados pelo Messias. Afirmavam que Jesus não poderia ser o Messias, pois ele os recusou como sacerdotes de Deus, e os chamava de hipócritas e guias cegos que apascentavam a si mesmos. Os saduceus controlavam o Templo, porém eram incrédulos, corruptos, amantes da boa vida e dos romanos que os mantinham no poder, por eles serem manobráveis.
    • Alguns anos depois da morte do Senhor Jesus os romanos arrasaram a cidade e o Templo, matando a maioria dos sacerdotes. O povo de Israel foi novamente para o exílio por causa da quebra do Pacto. O exílio durou por quase dois mil anos. Deus restaurou a nação depois de grande sofrimento e a morte de milhões deles pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Hoje eles choram diante do muro das lamentações pedindo que Deus restaure o Templo para eles e os sacerdotes possam voltar a oferecer os sacrifícios. Estão também esperando que Deus mande o Messias. Cristo está no Verdadeiro Templo no Céu e quando Ele voltar, eles serão restaurados espiritualmente. O lugar do Templo está ocupado por uma Mesquita muçulmana construída durante a conquista de Jerusalém e consagrada como uma das principais do Islamismo. Somente Deus poderá dizer o que irá acontecer em Jerusalém. Sabemos que ela não está liberta espiritualmente falando. A cidade de todas as nações e patrimônio da humanidade como quer a ONU e que foi disputada por quase todas as grandes nações do mundo um dia reconhecerá o Senhor Jesus como seu Salvador.
    • Amo e respeito judeus e muçulmanos e não tenho intenção de falar mal deles, mas não posso deixar de mencioná-los, pois estão ligados com o assunto em questão. Não podemos mudar o que aconteceu, mas seguir um novo rumo: aceitar Cristo voluntariamente de todo coração e ter o perdão e a vida eterna. O sacerdócio da igreja romana foi o maior exemplo de corrupção e crueldade que destruiu a fé de milhões de pessoas no mundo inteiro. Eles adotaram todo tipo de tradições dos pagãos e inventaram as suas próprias que são totalmente contrarias a Palavra de Deus. Fizeram pior que os judeus. Os sacerdotes da igreja de Roma deram muitos escândalos.
    • Genuíno: Esses escândalos seriam os crimes da inquisição? Veríssimo: A inquisição foi uma forma cruel e desumana de manter as pessoas caladas e submissas às leis da igreja. As pessoas estavam com medo, mas não cegas para os escândalos do clero. A inquisição perseguia de forma implacável a todos que ousassem desafiar o poder da igreja ou questionar suas doutrinas. Mas também havia os massacres em massa realizados pelos cruzados. Quando os funcionários da igreja pagos com dízimos eram desafiados por algum grupo que se unia contra as injustiças da inquisição e os desafiavam, era massacrado por uma equipe de cruzados enviada pelo Papa. Qualquer cidadão que teve aulas de história sabe disso. Os Papas se sentiam super poderosos e resolveram libertar Jerusalém querendo fazer o papel de Deus, mas com as atitudes do Diabo quando se sente sem barreira para poder matar, roubar e destruir. Leia o livro de Simon Sebag sobre Jerusalém e você verá o horror que foi a conquista de Jerusalém pelos cruzados. As cruzadas também foram um grande motivo para árabes e judeus afirmarem que Jesus não era o Messias, pois os católicos que eram o maior grupo de cristãos matavam milhares de pessoas em nome de sua fé. Eles sabiam
    • que Jesus nunca pregou a violência e se escandalizavam com os crimes e a hipocrisia da igreja.
    • Genuíno: Os dízimos tiveram alguma coisa a ver com esses crimes da igreja católica? Veríssimo: Com certeza. Pois além de ser um peso nas costas dos produtores rurais, era a principal fonte de renda da igreja católica que se enriquecia cada vez mais e patrocinava as cruzadas. Os depósitos das igrejas ficavam cheios de produtos e poderiam alimentar um grande exército de cavaleiros prontos para matar ou morrer por sua fé. Comida, bebida, animais, sal e outros produtos lotavam os depósitos das igrejas. A venda dos produtos gerava uma fortuna para comprar armas e equipamentos militares para os cruzados. A inserção do pagamento de dízimos atraia também muitos cruzados, pois algumas regiões poderiam ficar anos sem pagar dízimos se mandassem guerreiros para as cruzadas do Papa.
    • O rei Filipe o Belo deu uma volta no Papa ficando com o dinheiro tirado dos dízimos e não foi para a guerra. Também para não pagar suas dívidas, perseguiu e exterminou seus credores. Os ricos cavaleiros Templários que eram patronos da construção de muitos templos, devido à grande fortuna que conquistaram com as cruzadas, com roubos e saques, e também pelo controle das viagens a Jerusalém feita pelos peregrinos que buscavam perdão ou para ficarem mais perto de suas relíquias. Eles criaram um negocio muito lucrativo. Eles foram alvo da cobiça do Rei Filipe que devia muito dinheiro para eles. Acusados de vários crimes foram roubados e massacrados. O Papa nada pode fazer para livrá-los das mãos do rei. Quando a fé vira um negocio e faz fortuna
    • também atrai muitos ladrões. Por isso o Senhor Jesus disse: Acumulai riquezas no Céu. Augustinho quando defendia a igreja das acusações dos pagãos dela ter sido a culpada do saque de Roma por um grupo de bárbaros porque havia desafiado os deuses, elogiava a sabedoria dos que haviam doado suas fortunas para ajudar os pobres e nada perderam com o saque da cidade, mas tinham um grande tesouro no Céu. Os dízimos agropecuários eram uma mina de ouro e reis espanhóis também viram o grande negócio que eram e se tornaram sócios da igreja. O Papa espanhol deu todos os dízimos das colônias espanholas para os reis católicos. Existem muitos estudos acadêmicos sobre a grande riqueza da igreja católica adquirida através de dízimos e o impacto dessa cobrança na economia agropecuária. A igreja recebia anualmente milhões de toneladas de grãos, milhões de litros de vinhos, recebia também dízimos da produção de cana de açúcar, café, sal, peles, lenha, algodão, animais e outros produtos. O povo era obrigado a dar por livre e espontânea pressão os dízimos para os depósitos da igreja. A quantidade de produto era tão grande que existiam pessoas responsáveis pelo recolhimento e a venda dos excedentes desses produtos. A soma das vendas dos dízimos era altíssima e os reis e o alto clero ficavam com a maior parte. O baixo clero era o que menos recebia.
    • Os exércitos papais, dominicanos, franciscanos, beneditinos, jesuítas, universidades, orfanatos, escolas, hospitais e outras instituições também recebiam dinheiro e produtos dos dízimos para sua manutenção. A corrupção na distribuição dos dízimos era bem semelhante como as de algumas igrejas hoje. Alguns ficavam com muito e outros trabalhavam quase de graça. Os cruzados praticavam crimes horríveis contra judeus, mulçumanos e até outros cristãos. A principal fonte de riqueza da igreja de Roma eram os dízimos.
    • Genuíno: Tenho observado desde o início que o senhor não fala de dízimos em dinheiro como hoje em dia, somente menciona produtos agropecuários. O senhor pode explicar melhor? Veríssimo: Gostei de sua observação e da sua sabedoria de ter esperado o momento que achou mais adequado para perguntar sobre isso. Pois bem, no Antigo Testamento era permitida a pessoa que morasse longe do local onde se encontravam os sacerdotes do Senhor, vender os produtos dos dízimos e levar o dinheiro para comprar o que quisesse no local onde Deus escolhesse para os sacerdotes fazerem o seu serviço. Eles compravam e comiam junto com os sacerdotes do Senhor, tudo que desejavam. Era uma maravilhosa festa. Elcana o pai de Samuel gostava de ir todos os anos com toda a sua família. A Bíblia não diz que eles davam o dinheiro dos dízimos para os sacerdotes. Eles podiam comer e beber dos produtos comprados com o dinheiro dos dízimos que eles vendiam. Havia um sistema bem organizado pelos sacerdotes para atender a grande demanda de dízimos e ofertas de produtos agropecuários e também a venda de produtos para os israelitas que moravam longe e traziam o dinheiro dos dízimos
    • vendidos ou que eles queriam resgatar. Assunto bem complicado até para os especialistas bíblicos. A Bíblia não menciona pagamento de dízimos em dinheiro como pregar alguns defensores dos dízimos hoje. A Bíblia fala de uma forma mais eficaz das pessoas fazerem suas viagens para o local do Santuário. Havia muitos dízimos que eram dados pelo povo em épocas e formas diferentes. Levariam horas para tentar explicar isso. Mas existiam dízimos que tinha que ir para o Santuário sem falar em votos e outros impostos do Templo. Todo judeu também pagava uma taxa pelos filhos primogênitos. Levar o dinheiro para comprar os produtos no local era bem mais eficiente do que passar dias carregando peso e estragando os produtos. Deus deu essa forma mais eficiente para que todos pudessem participar das festas em Seu Santuário temporário.
    • Sabemos através de Flavio Josefo que os romanos controlavam as remessas de dinheiro que os judeus da diáspora mandavam para Jerusalém como ofertas sagradas para o Templo. Havia muitas formas dos sacerdotes e outros lucrarem além dos dízimos. O Senhor Jesus foi morto porque bateu de frente com os negócios do Templo. Os produtos agropecuários que os israelitas compravam custavam uma fortuna, sem falar do lucro dos cambistas que não era pouco. O imposto anual obrigatório para a manutenção do Templo gerava uma grande fortuna que todos os nobres queriam controlar, sem falar dos romanos. Enfim muito dinheiro rolava e todos queriam lucrar com isso tornando a Casa de Deus um comércio.
    • Milhares de pessoas lo época da Páscoa. Rebanhos com m Jerusalém anualmente com da páscoa, sem falar em vários tipos de cereais, frutas, vinhos e outras infinidades de produtos agrários oferta e também para serem vendidos valia mais do que dinheiro porque pela lei de Moises a pagarem os seus dízimos ofertas. Nessa época quase toda população sugavam quase toda produção Cartago para alimentar sua elite em Roma e da cidade. A elite da cidade de Jerusalém era rica em agropecuários de dízimos e ofertas e também para o Templo. Os dízimos em produtos agropecuários garantia sustento dos sacerdotes de forma mais perfeita, pois numa época de seca os preços dos produtos começa e passar fome. Os sacerdotes não tinham ter comida. As coisas ficariam ruins para eles mesmo que ganhassem muito dinheiro. Por isso a promessa de bênçãos para a agricultura no livro de Malaquias que também concorda seca em caso de rebeldia contra direitamente com a falta de chuva. Tinham que orar pelo bem do povo. Milhares de pessoas lotavam a cidade de Jerusalém, principalmente na Rebanhos com milhares de animais eram lev Jerusalém anualmente como dízimos e ofertas principalmente na sem falar em vários tipos de cereais, frutas, vinhos e outras infinidades de produtos agrários de chegavam com dízimos, primícias, oferta e também para serem vendidos por comerciantes locais. valia mais do que dinheiro porque todos que produziam eram obrigados de Moises a pagarem os seus dízimos e darem primícias e Nessa época quase toda população mundial vivia do campo. Os romanos uase toda produção de cereais do Egito e das terras da antiga para alimentar sua elite em Roma e também a grande cidade de Jerusalém era rica em produtos agropecuários de dízimos e ofertas e também em dinheiro con ízimos em produtos agropecuários garantia sustento dos sacerdotes de forma mais perfeita, pois numa época de seca os preços dos produtos sobem e quem não tem dinheiro para gastar começa e passar fome. Os sacerdotes não tinham terras para produzir comida. As coisas ficariam ruins para eles mesmo que ganhassem muito Por isso a promessa de bênçãos para a agricultura no livro de Malaquias que também concordam com as ameaças de Deus de mandar seca em caso de rebeldia contra o Pacto. Os sacerdotes seriam afetados direitamente com a falta de chuva. Tinham que orar pelo bem do povo. cipalmente na ilhares de animais eram levados para o dízimos e ofertas principalmente na época sem falar em vários tipos de cereais, frutas, vinhos e outras com dízimos, primícias, por comerciantes locais. Tudo isso todos que produziam eram obrigados e darem primícias e vivia do campo. Os romanos das terras da antiga nde população produtos consagrado ízimos em produtos agropecuários garantiam o sustento dos sacerdotes de forma mais perfeita, pois numa época de sobem e quem não tem dinheiro para gastar ras para produzir comida. As coisas ficariam ruins para eles mesmo que ganhassem muito Por isso a promessa de bênçãos para a agricultura no livro de eus de mandar o Pacto. Os sacerdotes seriam afetados direitamente com a falta de chuva. Tinham que orar pelo bem do povo.
    • A igreja católica explorou muito esse conceito para cobrar dízimos na idade das trevas européia. A Bíblia fala sobre a importância da agricultura desde os primeiros versículos da Bíblia. Deus criou tudo perfeito para o ser humano viver bem. A Terra produzia tudo para todos os seres vivos. Deus criou Um Jardim. Adão e Eva tinham o dever de guardar e cuidar do Jardim. O pecado estragou tudo. O mundo foi amaldiçoado e homem passou trabalhar duro para obter seu sustento. Houve uma mudança na alimentação de todos os animais. O pai de Noé previu que ele libertaria os humanos do penoso trabalho da terra amaldiçoada por Deus. Noé herdou com sua família uma terra mais produtiva do que conhecera antes do dilúvio. O interessante é que se fala muito da agricultura, de bênçãos e maldiçoes, mas não mostra Deus pedindo dízimos. Se os dízimos existissem desde principio como dizem alguns, seria uma hora perfeita para Deus falar alguma coisa. Mas não temos nada além de uma oferta de produtos da terra amaldiçoada que Caim deu e Deus rejeitou porque ele ser mal e outra que Abel deu das primícias de seus rebanhos e foi bem aceita por Deus.
    • Noé oferece animais em sacrifício e Deus se agrada e faz com ele um acordo que não inclui dízimos. Logo podemos ver que os dízimos foram criados somente com o objetivo de sustentar os sacerdotes, órfãos, viúvas e estrangeiros com o melhor da terra que o Senhor daria a seu povo. Eles colheram e comeram de graça dos frutos da terra pela primeira vez na terra de Canaã e cessou o Maná.
    • Os hebreus desde a época de Abraão sofreram com as secas. Deus sabia da importância da agricultura e por isso deu para seus sacerdotes a décima parte de sua produção. Era algo vital. Deus mandou José para o Egito para salvar milhões de vida da destruição da fome. Durante a época de abundância foi recolhido para os depósitos do Faraó, um quinto de toda a produção de alimentos. Isso garantiu a sobrevivência de milhões de pessoas durante todo o período de escassez. Os alimentos valiam mais que todas as coisas que as pessoas tinham. Elas vendiam tudo para comprar comida. Depois que acabou o dinheiro e os bens, elas se venderam, como escravos de Faraó para poderem se alimentar. A comida era o bem mais precioso. Dízimos em produtos agropecuários foi uma forma mais eficiente de manter o sacerdócio levítico. A população mais vulnerável como órfãos, viúvas e estrangeiros, também poderiam sobreviver em épocas de secas com a ajuda dos dízimos que todos doavam. Mas sabemos que isso não acontecia com a perfeição que Deus exigia por causa da ganância dos sacerdotes. O pior exemplo de tudo foi quando Cristo falou da hipocrisia deles em publico. Eles deram um jeito para que ele fosse acusado de muitos crimes contra as leis deles e do império para ser condenado pelos romanos. Cristo morreu para acabar com essas falhas que existia no Antigo Pacto, mas os católicos recriaram o sistema foram piores do que os judeus matando para garantirem seus lucros dos dízimos e indulgencias. Quando os dízimos agropecuários dos católicos foram
    • questionados, eles quase tiveram uma crise de nervos só pensar em perderem suas milionárias rendas. Os cátaros pagaram um alto preço quando também pregaram contra os dízimos eclesiásticos. Todos nós sabemos da importância dos alimentos para qualquer sociedade, pois todos precisam de comida. Os imperialistas de todas as épocas exploravam os recursos das terras de seus conquistados. Muitas nações produziam uma grande quantidade de comida e viviam sua população morrer de fome por causa da política colonialista e imperialista dos países dominante.
    • A igreja só tinha a ganhar com os dízimos agropecuários vindos de novas terras conquistadas. Os levitas não poderiam ter herança de terras como os demais israelitas, mas os sacerdotes de Roma possuíam um terço das terras da Europa. O vaticano ainda é muito rico, mas a igreja católica perdeu bilhões com a Reforma Protestante e depois com abolição dos dízimos. Hoje muitas igrejas que se dizem cristãs lutam com unhas e
    • dentes para manterem as pessoas escravas dessas coisas. Deus deu Seu Filho para morrer por nós para substituir tudo isso por um Sacerdócio Eterno longe do alcance dos corruptos e deu melhores promessas para o Seu povo. Ninguém pode tocar na Santidade do Templo onde o Senhor Jesus serve a Deus. Somente uma oferta que Deus reconheceu como a mais pura conseguiu entra lá: o Sangue Santo de Seu Filho Jesus.
    • Genuíno: E os dízimos que Abraão deu de todos os despojos de guerra? Veríssimo: Não justificam a cobrança de dízimos no passado pela igreja católica e nem hoje em dia nas igrejas evangélicas. Não adianta inventar teorias para justificar o pagamento dos dízimos hoje, dizendo que é bíblico dizimar porque os dízimos são antes da Lei porque Abraão pagou dízimos para Melquisedeque de todos os despojos que conseguiu vencendo um grande exército de invasores.
    • Os dízimos dos despojos que Abraão deu a Melquisedeque foi um gesto generoso da parte dele. A recompensa disso não foi coisas matérias, mas um descendente que abençoaria todas as nações e nós sabemos através da Epistola aos Hebreus que Senhor Jesus abriu a porta de todas as bênçãos de Abraão para todos que o reconhecesse como o Filho de Deus. Ele é Rei e Sumo Sacerdote ao mesmo tempo. O Senhor foi ungido para assumir das às funções de comando na Terra e no Céu. Na Terra e no Céu somente Ele recebeu de Deus autoridade sobre todas as coisas. Na Terra todos são servos e não podem receber de seus irmãos em Cristo uma décima parte de seus rendimentos. Abraão já era rico antes do encontro com Melquisedeque, pois Deus o abençoara desde o dia que ele aprendeu a temer e obedecer as suas ordens. Temor e obediência fazem os crentes serem prósperos. O reconhecimento e a certeza que de Jesus de Nazaré era o Messias prometido e que sua morte fizera que todos os rituais do Templo se tornassem inúteis. Eles tinham agora um Novo e Vivo Caminho e deixavam tudo para traz sem se preocuparem com as conseqüências. Deixaram tudo para abraçar a nova fé e foram perseguidos por causa disso. Não teria lógica pregar sobre dízimos e ofertas além dos frutos dos lábios confessando o Nome do
    • Senhor como disse o escritor da Carta aos Hebreus.
    • A Bíblia é muito clara a respeito da divisão e das contribuições dos despojos de guerra. A Lei não exigia dízimos dos despojos de guerra, mas uma contribuição bem diferente das partes dos despojos que eram divididas entre os guerreiros e a comunidade de Israel. Não vemos Deus pedindo dízimos dos despojos. Animais e mulheres virgens capturadas eram divididos entre o Sumo Sacerdote e o restante dos levitas: Números 31: 25-47. 25
    • Os guerreiros não deram dízimos dos bens (ouro, prata...) tomados do inimigo, mas uma oferta voluntária que foi depositada na Tenda Sagrada como um memorial: Números 31: 48- 54. Gênesis 13 SUBIU, pois, Abrão do Egito para o lado do sul, ele e sua mulher, e tudo o que tinha, e com ele Ló. E era Abrão muito rico em gado, em prata e em ouro. Salmos (1) BEM-AVENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá. Até os católicos não viram base teológica para cobrarem dízimos em dinheiro. Por mais de mil anos a igreja católica somente exigiram dízimos
    • de produtos agropecuários. Mas graças a Deus isso já acabou. Imagine você como seria hoje a riqueza da igreja católica recebendo dízimos da agroindústria e dos enormes rebanhos dos pecuaristas. Imagine você a situação dos pequenos produtores e como seria auto o preço dos alimentos por causa dos dízimos. Nossa situação seria pior do que as das pessoas do passado. Muitos hoje também sofrem com os dízimos de suas igrejas. Às vezes os dez por cento são que o sobra de seus salários depois de pagarem suas despesas e honrarem seus compromissos. O povo trabalha quase a metade do ano para pagar impostos para o governo que tem o dever de cuidar da população. O povo recebe benefícios mesmo que insuficiente por isso. Vários serviços são prestados para população: saúde, educação, segurança... Os idosos recebem uma aposentadoria e assim como as pessoas que ficam invalidas... Pagar dízimos com medo de estarem pecando contra Deus, e saber que parte de sua renda muitas vezes vão para os bolsos de artista de TV que se exibem morando em casas grandes e luxuosas como os principais artistas da Record e alguém acha que é normal, já é conformismo demais.
    • Eles entregam para um rico pastor que diz que serão abençoados. Você já é abençoado desde que aceitou o Senhor Jesus como seu Salvador. Basta andar no caminho e mesmo que tudo der errado no princípio, você irá prosperar, pois existe promessa de Deus para sua vida como servo de Cristo. Você poderá dizer que não é para o pastor, mas para obra de Deus. Se os dízimos são para obra a de Deus, muitos pastores estão roubando, quando pegam do dinheiro para comprarem bens valiosos para eles mesmos. Um administrador que usa o dinheiro de seu patrão para comprar coisas para si, segundo a lei dos homens é um ladrão. Qualquer servidor público que também agir dessa forma será considerado como ladrão. Por que esses senhores podem pegar a vontade o dinheiro da igreja e comprar todo que eles querem até um canal de televisão e também eles mesmos podem determinar seus salários? Pagam uma fortuna para um apresentar deixar outra emissora para trabalhar na TV que eles compraram com o dinheiro da igreja. Gastam milhões com um programa que ganha audiência mostrando fortes cenas de mulheres e homens seminus e muita baixaria.
    • Genuíno: O que o senhor pensa a respeito disso? Veríssimo: Eu penso que eles se acham donos das igrejas, quando deveriam ser humildes e souber que são servos de Deus e das Igrejas.
    • Genuíno: Por que a igreja católica deixou de cobrar dízimos? Veríssimo: A igreja católica nunca deixou de cobrar dízimos. Foram os políticos que proibiram o pagamento obrigatório. O poder da igreja vinha sendo questionado por muitos séculos e todos sabiam que os dízimos eram a sua principal fonte de renda e dava muito prejuízo para a agricultura, pois ninguém queria produzir para ver sua produção passar para as mãos de pessoas que eram os piores exemplos de conduta cristã. Os preços dos produtos agrícolas aumentavam por causa da cobrança dos dízimos. O povo passava fome enquanto o clero engorda de tanta comida e bebida produzida pela cobrança obrigatória de dízimos. A
    • revolução francesa deu um grande golpe no poder da igreja quando o povo morrendo de fome invadiu os depósitos da igreja lotados de comida para se alimentarem. O povo revoltado agrediu e matou muitos clérigos e muitos foram e condenados pelos tribunais da revolução. Napoleão Bonaparte manteve a abolição dos dízimos em todos os territórios de seu império. Os intelectuais do século XIX condenaram a cobrança de dízimos. Eles provavam com documentos históricos que os dízimos foram impostos pela igreja católica numa época de muita ignorância com a ajuda da espada dos reis que temiam o poder que ela tinha sobre as pessoas. Sabiam que a igreja primitiva jamais cobrou dízimos e todas as contribuições eram voluntárias. Depois da abolição dos dízimos na frança, outros países também aboliram essa pratica desumana que tirava dos pobres para dar para os ricos. Os liberais provaram que havia muita corrupção e desvio dos dízimos e a abolição era melhor forma de acabar com esse injusto sistema de exploração dos agricultores e pecuarista.
    • Portugal e Espanha onde os dízimos foram introduzidos obrigatoriamente pelos reis católicos, também cederam e aboliram os dízimos para a alegria dos agricultores e pecuaristas. Os dízimos foram abolidos porque as autoridades viram que sua cobrança era ilegal. O clero, a monarquia e a nobreza eram os únicos que desfrutavam de verdade dos dízimos. Órfãs e viúvas e os mais pobres comiam migalhas. O Novo Testamento não autoriza ninguém a cobrar dízimos da igreja. Todos que cobram dízimos estão usurpando um direito que só os levitas receberam de Deus. Os dízimos só fazem sentido com um sacerdócio terreno e é isso o que a igreja católica fez e varias das igrejas estão fazendo atualmente e isso levará a mais escândalos do que os católicos. Em quarenta anos o bispo Macedo já conquistou um enorme patrimônio em seu nome e usa o dinheiro como quer. Daqui a algumas décadas mais estaremos sofrendo perseguições dos multimilionários que sempre irão inventar novas formas de ganhar mais dinheiro como já fez a igreja católica no passado. Usarão o poder econômico, financeiro e político para calar a todos os que querem pregar a verdade. A história já provou o erro que foi os dízimos na igreja e suas conseqüências para o povo de Deus. Esses líderes usurparam o direito de receber dízimos.
    • Genuíno: Por que senhor chama de usurpadores todos os que cobram dízimos hoje? Veríssimo: Porque não existem textos bíblicos que autorize ninguém a receber dízimos hoje. Eu desafio qualquer um a provar com textos do Velho e Novo Testamento que a dízimos de seus irmãos. Genuíno: A igreja não tem o Veríssimo: Não. Genuíno: Por quê? Veríssimo: Porque a Bíblia nos ensina que Pacto onde não existe mais separação e nem diferença entre nós, o hor chama de usurpadores todos os que cobram : Porque não existem textos bíblicos que autorize ninguém a dízimos hoje. Eu desafio qualquer um a provar com textos do Velho e Novo Testamento que alguém hoje tem o direito de co dízimos de seus irmãos. : A igreja não tem o direito de receber os dízimos? : Porque a Bíblia nos ensina que fazemos parte de um Novo onde não existe mais separação e nem diferença entre nós, o hor chama de usurpadores todos os que cobram : Porque não existem textos bíblicos que autorize ninguém a dízimos hoje. Eu desafio qualquer um a provar com textos do lguém hoje tem o direito de cobrar fazemos parte de um Novo onde não existe mais separação e nem diferença entre nós, ou
    • seja, todos somos sacerdotes e Cristo é o nosso Sumo Sacerdote. Ele não mora aqui na Terra, mas serve a Deus no Templo do Céu. Hoje vemos alguns líderes que são verdadeiros empresários da fé. Administram grandes somas de dinheiro geradas pela cobrança de dízimos, sem falar de ofertas e milhares de campanhas que contradizem o principal argumento deles a respeito dos dízimos que é o sucesso financeiro. Esses líderes são grandes empresários no ramo das telecomunicações. São proprietários de canais de Televisão e Rádio que foram comprados com o dinheiro da igreja. Os salários desses homens são determinados por eles mesmos. São proprietários de casas e apartamentos em áreas nobres das cidades do país e no exterior. Usam carros de luxo e roupas de marca. Alguns têm até jatinhos para viajarem e visitarem suas ricas congregações. São verdadeiros marajás. Tudo isso contradiz a mensagem de igualdade que foi pregada pela igreja primitiva que conquistou milhões de vidas. Os não crentes ficavam encantados com a forma que os cristãos viviam suas vidas sem apegos a bens matérias e procuravam remediar a pobreza dos irmãos nivelando a situação por baixo para que todos tivessem o que come e vestir igualmente em Jerusalém. Paulo também ensinava os irmãos que viviam em outras partes do mundo a buscarem o bem estar das igrejas e nunca mencionou dízimos para isso, mas contribuições voluntárias. Hoje os ricos líderes querem que todos busquem ficar ricos. Para isso acontecer precisam dar dízimos e ofertas cada vez maiores para os sacerdotes ungidos e consagrados orarem por eles. Alguns líderes viajam para o Oriente Médio, indo até monte Sinai para realizarem o ritual da fogueira santa. Segundo a Bíblia o Sinai representa o Antigo Pacto e a
    • Jerusalém terrestre que é escrava com todos os seus filhos. Que terrível erro teológico! Vejamos o que Deus diz na sua Palavra: Dizei-me vós, os que quereis estar sob a lei: acaso, não ouvis a lei? Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da mulher escrava e outro da livre. Mas o da escrava nasceu segundo a carne; o da livre, mediante a promessa. Estas coisas são alegóricas; porque estas mulheres são duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão; esta é Agar.
    • Ora, Agar é o monte Sinai, na Arábia, e corresponde à Jerusalém atual, que está em escravidão com seus filhos. Mas a Jerusalém lá de cima é livre, a qual é nossa mãe; porque está escrito: Alegra-te ó estéril, que não dás à luz, exulta e clama, tu que não estás de parto; porque são mais numerosos os filhos da abandonada que os da que tem marido. Aqui vemos que esses líderes atropelam as Escrituras em nome de suas crenças. Mais adiante lemos que os filhos da escrava perseguem os filhos da livre. Isso já aconteceu e voltará a aconteceu. As cruzadas geraram muitas relíquias no passado; hoje as viagens a Jerusalém também estão gerando suas relíquias. Genuíno: Realmente são gritantes os escândalos desses líderes milionários. Suas teorias religiosas não resistem a um exame simples das Escrituras. Veríssimo: Vou citar para você um exemplo para sua reflexão: Existe um pregador que diz que é Jesus Cristo e fez uma fortuna cobrando dízimos de seus seguidores. Ele imitou o estilo dos pregadores milionários e teve o mesmo sucesso que eles. Ele possui muitos seguidores em seu país em varias outras partes do mundo. Ele apresenta programas de televisão como os pastores que pregam prosperidade para os doam dinheiro para seus ministérios. Ele costuma se deslocar de helicóptero comprado com o dinheiro dos dízimos. Os vídeos mostram que as pessoas de sua igreja são sinceras e dedicadas à obra realizada por ele. É tudo muito
    • semelhante às principais igrejas que vemos na televisão pregando prosperidades. O falso profeta mostra que não precisa pregar a verdade para prosperar na vida ministerial. Não se engane com as aparências. Veja você mesmo na internet, basta digitar “Apollo Quiboloy”. Genuíno: Então o senhor acha que esses pregadores são todos iguais e só buscam ganhar dinheiro com o evangelho? Veríssimo: Não afirmo que todos são iguais. Mas estou dizendo que o pagamento do dízimo hoje não é bíblico e que existem líderes que são verdadeiros usurpadores que roubam o povo cobrando dízimos que foram abolidos com a morte do Senhor Jesus. Existem quadrilhas que surgiram para lucrar com os dízimos. Basta rever os vídeos do bispo Macedo ensinando sua gangue a tirar dinheiro do povo para constatar o tipo de pessoas que eles são. A justiça condenou o bispo Rodrigues como ladrão de dinheiro público. O Valdemiro comprou fazendas com dinheiro da igreja e jura que não. O bispo Macedo apresenta mulher supostamente possuída por um demônio que afirma que ele faz milagre na igreja de Valdemiro para enganar o povo. O Valdemiro diz a mesma coisa do Macedo e pede para ele explicar como ele conseguiu o dinheiro para comprar a Record. Um amaldiçoa o outro. Eles afirmam que têm poder, e podem determinar bênçãos e maldições. Então os dois estão maldiçoados e indo para o inferno junto de mãos dadas. Assim podemos ver que eles não passam de dois sujeitos descarados que abusam da fé das pessoas pouco informadas sobre as verdades bíblicas. A verdade é que esses falsos profetas ariscaram e se deram bem. Eles estão milionários ou até bilionários. Agora cabe a todos que desejam ver a verdade estabelecida fugir desses mafiosos. Lembre-se das palavras do Senhor Jesus quando Ele disse que falsos profetas são amados e bem tratados pelo povo.
    • As pessoas que não se importam com isso são como os católicos que continuam seguindo sua religião, mesmo depois de todo o mal que a igreja cometeu durante séculos. Muitos evangélicos estão seguindo cegamente seus lideres sem verem que estão criando uma elite como as do passado. Genuíno: Voltando para o assunto dos dízimos, o senhor não crê na promessa de benção para os que são féis no pagamento do dízimo? Veríssimo: Não. Eu creio na promessa que Deus fez a Abraão que todos os seus descendentes seriam abençoados. Eu creio que sou herdeiro de
    • todas as bênçãos de Deus através de Nosso Senhor Jesus. Todos os que crêem em Jesus Cristo como o Único Salvador são filhos de Abraão como afirma as Escrituras. Deus aboliu o Antigo Pacto e eu não preciso mais ficar preocupado com a maldição da lei e sim desfrutar do Novo Pacto que me liberou para estar diante de Deus sem a necessidade de intermediários. Não preciso mais pagar dízimos para manutenção do culto, pois Cristo ofereceu o sacrifício perfeito para Deus: Sua própria vida na cruz morrendo pelos pecadores e ressuscitou e hoje está à direita de Deus no Templo de Deus. Não vivo com medo do devorador, pois sou de Jesus e Ele não pede dízimos. Ele é dono de tudo e não precisa ser mantido por ninguém. O que Jesus deseja de nós é sejamos bons exemplos para essa sociedade materialista e incrédula, que busca o sucesso a qualquer custo. Hoje os cristãos estão buscando riqueza e poder e se apegando a todo tipo de campanhas para ficarem mais prósperos. Os pregadores da prosperidade comprada se contradizem em seus ensinamentos. Eles dizem que o dízimo abre as portas do Céu, mas pede para o povo fazer campanhas para Deus abençoar! Fogueira santa, unção com azeite santo, travesseiro de não lá sei o quê, florzinha, sal, pedra, meias e muitas bobagens que o povo acredita. Conheço alguém que participou de uma campanha que mandava enterrar uma Bíblia. Estamos no século XXI ou no século XI? Se o pagamento do dízimo deixa Deus sem saída com afirma o Macedo, por que tantas campanhas de prosperidade? Por que eles cobram também pelas mesmas? Não sejamos crianças na fé. Deus te abençoa pela tua fé irmão. Abre tua mente para a grandeza do Sacerdócio de Cristo. Seja livre para servir a Deus sem precisar pagar dízimos e ofertas para ninguém.
    • Genuíno: Mas o dinheiro do dízimo não é necessário para pagar as despesas da congregação? Veríssimo: Os dízimos nunca foram usados para a construção ou reformas do Templo como venho explicando, mas para os sacerdotes, os órfãos e as viúvas e os estrangeiros. Os israelitas pagavam um imposto anual para o Templo e contribuíam com ofertas em dinheiro e material com podemos ver em varias partes da Bíblia. Orei Davi acumulou uma grande quantidade de materiais valiosos como prata, ouro bronze e ECT, para ser usadas na construção do Templo. Salomão investiu pesado na obra do Templo. Os reis, os nobres e povo em geral doavam grandes somas de dinheiro para as reformas do Templo. As reformas festas no Templo durante toda sua história foram pagas com o dinheiro doado pelo povo. Os dízimos não tinham nada a ver com isso, faziam parte do sustento dos servidores do Templo. Sempre que se fala de Templo, temos de falar de sacerdotes pagos com dízimos como ordena a lei. Precisamos entender a diferença entre a riqueza do Templo de Jerusalém e as igrejas de hoje. O Templo recebia tanta riqueza com o imposto anual e com as doações que os reis, os nobres e povo faziam que uma grande quantidade de guardas armados se revezava na segurança.
    • Lemos muitas passagens bíblicas que contam que reis de Israel pegaram do tesouro do Templo para pagarem resgate pela cidade de Jerusalém. Teve até um rei de Israel que invadiu Jerusalém e roubou tesouros do Templo. Os historiadores dizem que o Coliseu de Roma onde os irmãos enfrentaram feras foi construído com os tesouros roubados do Templo de Jerusalém na época da guerra que travaram com eles.
    • Dinheiro e riqueza se encontravam no Templo, por isso havia muita disputa pelo seu controle. Muitas mortes aconteceram na luta pelo cargo de Sumo Sacerdote. seus inimigos para não poderem mais ser Sumos sacerdotes. lermos a História dos Hebr constatarmos que a administração do Templo era disputada com a força das armas. Pessoas que não eram descendentes de Arão assumiam o cargo de Sumo Sacerdote. Monarcas nomeavam e destituíam apostasia. Durante toda historia de Templo houve falha porque esse sistema era passageiro. nacional, ou regional dos judeus municipal por causa de sua ligação com Jerusalém e Dinheiro e riqueza se encontravam no Templo, por isso havia muita disputa pelo seu controle. Muitas mortes aconteceram na luta pelo cargo de Sumo Sacerdote. Houve até pessoas que foram mutiladas por para não poderem mais ser Sumos sacerdotes. a História dos Hebreus contada por Flávio Josefo para constatarmos que a administração do Templo era disputada com a força das armas. Pessoas que não eram descendentes de Arão assumiam o mo Sacerdote. Monarcas helênicos e romanos escolhiam, e destituíam Sumos Sacerdotes. Havia muita corrupção e apostasia. Durante toda historia de Templo houve falha porque esse sistema era passageiro. O sucesso do Cristiano foi se desvincular do cu regional dos judeus, podia também ser chamado de culto municipal por causa de sua ligação com Jerusalém e o Templo. Dinheiro e riqueza se encontravam no Templo, por isso havia muita disputa pelo seu controle. Muitas mortes aconteceram na luta pelo Houve até pessoas que foram mutiladas por para não poderem mais ser Sumos sacerdotes. Basta contada por Flávio Josefo para constatarmos que a administração do Templo era disputada com a força das armas. Pessoas que não eram descendentes de Arão assumiam o helênicos e romanos escolhiam, Sumos Sacerdotes. Havia muita corrupção e apostasia. Durante toda historia de Templo houve falha porque esse incular do culto , podia também ser chamado de culto o Templo.
    • O Sumo Sacerdote Jesus Cristo foi levado para o Céu e exerce o Seu Ministério num Templo incorruptível, sem que ninguém possa se aproximar para tentar roupar ou ameaçar destruir como aconteceu com o Antigo Pacto. Qualquer um em qualquer lugar poderia servi-lo sem precisar se preocupar com sua nacionalidade ou condição social. Ele disse: onde estiver dois ou três, reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles. Os sacerdócios que sugiram depois, mantidos pelos imperadores e contribuições voluntariam do povo no início da corrupção da igreja e depois pelos dízimos agropecuário e vendas de indulgencias e ofertas do povo tem sido a fonte de ricos templos cristãos. Os confiscos dos bens dos considerados hereges pela santa inquisição, principalmente de judeus e muçulmanos, engordavam os cofres da igreja católica. As cruzadas também a princípio geravam muitas com saques e confiscos. As relíquias eram uma grande fonte de renda para igreja e enganadores e traficantes de supostas relíquias deitavam e rolavam na grana, vendendo para os bispos. Sem uma boa relíquia não conseguiam boas doações.
    • Hoje os dízimos pagos em dinheiro estão patrocinando principalmente ricos templos, canais de radio e televisão, que pagam fortunas para seus apresentadores e artistas que não são crentes e muito menos levitas (mas comem dos dízimos e ofertas do povo) e fazem tudo que o povo gosta de ver nos programas do mundo.
    • A prova que esses homens estão no Antigo Pacto é que eles tentam recriar rituais do passado. O bispo Macedo está gastando centenas de milhões de reais construído um templo que será parecido com o de Salomão. Esses homens não entendem que Deus não habita em templo feito pelas mãos de homens.
    • Hoje temos um Sumo Sacerdote que ofereceu seu sangue no Templo do Céu e é Sumo Sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque. Os judeus choram diante do muro das lamentações porque não acreditam que Jesus morreu para salvá-los. Eles só crerão na
    • segunda vinda. O cidadão do Céu não se preocupa com templo aqui na terra, mas busca o do Céu. O Macedo está empenhado é na luta que vem travando com os católicos e a Rede Globo, busca a gloria de sua igreja e não a gloria de Deus. Milhões estão morrendo de fome e nas drogas e o cara está gastando dinheiro com algo que Deus rejeitou e entregou para ser destruído. A igreja católica na Espanha e Portugal alcançou muito prestigio e fama devido o pagamento de dízimos, mas todas as riquezas e poder conseguido por ela através dos dízimos, não serviu para a gloria de Deus. A grande perseguição sofrida por judeu, muçulmanos e também de outros grupos cristãos comanda pelos reis católicos, foram as mais cruéis durante toda a existência da inquisição. Uma igreja prospera e cheia de erros não é prova de sucesso espiritual.
    • A igreja da Inglaterra também era rica e próspera, mas isso não impediu a exploração de indianos e outros povos que os ingleses dominaram. A igreja católica viu a descoberta das terras americanas como uma grande oportunidade de levar a mensagem de sua religião para os nativos. Mas o que sucedeu foram massacres infernais, praticado por católicos e também pelos grandes grupos de protestantes que chegavam como abelhas nas novas terras e cheios de esperanças e logo ficaram ricos e passaram a comprar pessoas que eram traficadas da África. Tudo isso acontecia e quase ninguém falava contra porque era considerado normal pelos líderes religiosos da época. Por mais de 300 anos toleraram a escravidão, pois os senhores de escravos pagavam dízimos da rica produção. São muitos os erros que foram cometidos no passado por ignorância e falta de conhecimento bíblico. Sempre houve pessoas que buscam na Bíblia motivos para justificarem suas ganâncias. Como diz a Bíblia, ‘o amor ao dinheiro, é a raiz de todo o mal. Genuíno: Eu já entendi o seu ponto de vista a respeito da lei de Moisés e do Sacerdócio Levítico e como a igreja católica explorou o conceito de sacerdócio, mas eu gostaria de saber mais sobre os dízimos pagos por
    • Abraão a Melquisedeque, senhor poderia explicar melhor? Veríssimo: Com certeza. Essa passagem tem sido usada desde a idade média para justificar a cobrança de dízimos pela igreja católica e agora pelas igrejas evangélicas. Para começar gostaria de lembrar para esses senhores que não foi Abraão que procurou Melquisedeque, mas foi ele que foi ao encontro de Abraão e o abençoou. Abraão lhe deu a décima parte dos despojos que tomou dos reis. Abraão reconheceu nele dignidade e por isso lhe deu o dízimo de tudo. Abraão não tinha o costume de dar dízimos, pois não existia ninguém que ele reconhecesse como sacerdote e não existia templo dedicado a Deus com sacerdotes. Ele foi chamado por Deus e tinha a promessa de ser pai de uma grande nação de adoradores de Deus. É por isso que o autor da epistola aos Hebreus escreveu: Considerai, pois como era grande esse a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos. Ora, os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm mandamento de recolher, de acordo com a lei, os dízimos do povo, ou seja, dos seus irmãos, embora tenham estes descendidos de Abraão; entretanto, aquele cuja genealogia não se inclui entre eles recebeu dízimos de Abraão e abençoou o que tinha as promessas. Evidentemente, é fora de qualquer dúvida que o inferior é abençoado pelo superior. Aliás, aqui são homens mortais os que recebem dízimos, porém ali, aquele de quem se testifica que vive. É, por assim dizer, também Levi, que recebe dízimos, pagou-os na pessoa de Abraão. Porque aquele ainda não tinha sido gerado por seu pai, quando Melquisedeque saiu ao encontro deste. Aqui não vemos um relato de uma pratica de pagar dízimos, mas um acontecimento histórico envolvendo Abraão e esse personagem misterioso que Deus falando pela boca de Davi diz que o Sacerdócio de Cristo seria semelhante ao dele. Será que temos hoje alguém digno de receber dízimos de seus irmãos?
    • Melquisedeque era rei e Sumo Sacerdote. Arão e levitas receberam de Deus esse direito. Mas os pastores, que hoje cobram dízimos receberam de quem esse direito? Cristo não deu o direito de ninguém cobrar dízimos de seus irmãos. Se tivesse irmãos, Deus teria com certeza falada através dos escritores do Novo Testamento. Paulo quando comentava sobre o sustento dos pregadores nunca mencionou dízimos, mas se limitou a dizer que os trabalham precisam receber pelo seu serviço. O Reverendo John D Davis em seu Dicionário da Bíblia muito apreciado pelos estudantes da Bíblia, quando comenta sobre dízimos se limita ao Antigo Testamento. Por que será que ele não menciona dízimos nas igrejas? Será que ele esqueceu, ou não acreditava nisso? Por que Eusébio de Cesaréia na sua História Eclesiástica, e Augustinho em sua obra A Cidade de Deus não mencionam os dízimos na igreja? Essas e muitas outras perguntas nós podemos fazer para os defensores dos dízimos hoje, mas eles sempre irão apelar para alguns versículos de Malaquias, que eles tentam justificar sua doutrina.
    • Abraão sendo o pai da nação pagou dízimos para Melquisedeque para mostrar que reconhecia que sendo ele Sumo Sacerdote de Deus era maior do que ele. O escritor de Hebreus mostrava sem deixar dúvida que Cristo era superior a todas as formas e tipos de autoridade existente no Universo. Cristo era maior do que os anjos, Moisés, Arão, Josué e os profetas. Melquisedeque fora o único que tivera o privilégio de receber do patriarca Abraão os dízimos antes de existir uma lei que determinasse isso. Cristo sendo Rei Eterno como ensina as Escritura também é Sumo Sacerdote Eterno segundo a ordem de Melquisedeque. Cristo unifica todos os poderes no Céu e na Terra. Os judeus esperavam o Ungido, ou seja, o Messias, ou Cristo como ficou mais conhecido graças à língua grega. O escritor queria deixar os irmãos confiantes e não temerem ficarem longe do Templo e das tradições dos judeus, mostrando para eles que Jesus era Messias Rei e Sumo Sacerdote que sua humilhante morte foi para trazer um Pacto superior ao Antigo. Não precisava de Templo terrestre nem de sacrifícios, pois sua morte abolira todos os antigos rituais de sacrifícios. Eles também não precisariam se preocupar com a cidade de Jerusalém, mas buscassem a Jerusalém Celeste, não deviam se preocupar com uma nação carnal, todos os cristãos formavam uma grande Nação Santa comprada de todas as outras nações sem descriminação diante de Deus. Todas as barreiras haviam sido derrubadas por Cristo em sua morte e ressurreição. Todo isso, eu volto a repetir, não deixa dúvida que cobrar dízimos dos irmãos é um absurdo já que somos todos de igual condição diante de Deus. Os irmãos de Jerusalém cumpriam com o dever de pagar dízimos para o Templo, mas a mensagem de salvação através da morte do Senhor Jesus como sacrifício definitivo e sua ressurreição e subida para Deus como Rei e Sumo Sacerdote insubstituível, logo mostraria que os dois Pactos não poderiam andar juntos sem estarem de acordo. Os judeus passaram a perseguir os irmãos violentamente, os expulsando do Templo e das Sinagogas, maltratando com palavras e agredindo fisicamente, prendendo e até matando a todos que confessavam que Jesus de Nazaré que fora crucificado e morto pelos romanos como o mais indigno marginal era o Messias Salvador de Israel. Depois da destruição do Templo os irmãos não teriam mais motivos para falar sobre dízimos. Era um assunto inexiste até a época que alguns passaram a se deixar levar pelo desejo de poder e riqueza. A comunidade de irmãos que sempre buscava na simplicidade no viver e caminhar com Cristo, aos poucos cedia lugar a uma elite de bispos iguais aos que vemos hoje. No início todos buscavam as coisas do alto. Hoje se buscam as coisas
    • daqui do mundo. Hoje a mensagem que mais se ouve é: prosperidade, riqueza, boa saúde... Essas coisas são importantes, mas não podem tomar o lugar de: amai- vos uns aos outros, vigiar e orai, não ames o mundo, cuidado com os falsos profetas...
    • Muitos acham que são abençoados porque pagam dízimos para suas igrejas e temem deixar de pagar com medo do devorador. Mas a verdade pode ser outra, pois poderão usar o dinheiro para ajudar em sua educação e formação profissional e passarem a ganhar mais dinheiro e ajudarem suas famílias e também com certeza à obra de Deus. Os irmãos do passado e o do início da Reforma buscavam no trabalho dedicado e honesto e nos estudos sua prosperidade, rejeitando as formulas mágicas da igreja romana, mas hoje parece que estamos retrocedendo e buscando a prosperidade comprada. O Macedo antes de ser empresário da fé foi funcionário de Loteria e sabia muito bem das apostas que as pessoas faziam para ficarem ricas e apostou na idéia de vender bênçãos para quem desejasse pagar por elas. Os vídeos sobre isso estão disponíveis na internet. Quem conferir os textos que eu tenho mostrado e as imagens sobre os dízimos poderá ver estamos indo para uma grande furada com dízimos e altas ofertas cada vez mais em destaque nas igrejas. Tem até o “dízimo do que você quer ganhar”. Estou certo que piores coisas virão, repetindo
    • os erros do passado que tanto envergonha o Evangelho. A história da Igreja mostra que alguns erros se repetem, pois sabemos que o Diabo trabalha para destruir a espiritualidade da Igreja. Quando tentava o Senhor Jesus, ele buscou explorar as principais fraquezas humanas. Todos conhecem a história, mas vale lembrar que tentar a Deus e o desejo de riqueza foram as mais exploradas por ele. O Senhor recusou todas as ofertas, mas muitos aceitaram e continuam aceitando suas sugestões malignas. Hoje vemos pessoas que se dizem crentes dando ordens e exigindo as bênçãos de Deus como se fosse eles e não Deus quem manda. Amam as riquezas e os melhores lugares no seio da sociedade que nós sabemos não está nem aí com Deus. Existe uma fascinação para ganhar os ricos para suas igrejas pensando em seus dízimos. Também existe um grande interesse em elegerem políticos evangélicos que são verdadeiras ciladas para Evangelho, pois muitos foram envolvidos em corrupção. Um político que era pastor e agora é bispo para se diferencia dos demais, criou uma dinastia de pastores e também novos títulos. Passaram cem anos sendo chamados de pastores, mas agora surgiu um bispo, que é um político que já deu vexame se misturando com falso profeta. Mas isso não é nenhuma novidade, já aconteceu antes e a história está sendo revelada para quem quiser. As riquezas e desejo de poder sempre foi à ruína da humanidade, pois a prosperidade de alguns gera a pobreza de muitos e isso é mais verdadeiro hoje do que no passado. A Revolução Francesa e o comunismo foram os maiores flagelos para os nobres e eclesiásticos que se aliaram com todo tipo de ditadores para não perderem seus privilégios. Sempre haverá guerras e revoluções e ninguém está seguro por causa de suas riquezas. Basta uma desgraça caí sobre a terra e todos mudarão de discurso. O mundo é hoje menos seguro do que antes. A Bíblia não anuncia um final feliz para os que amam o mundo e muito menos só paz e prosperidade para sua Igreja. Haverá provação e muitos crentes perderão sua fé, pois estão aprendendo que tudo são bênçãos e vitória. Basta determinar. Mas cuidado, irmão. O Evangelho é muito mais que isso. Hoje ninguém está obrigado a seguir falso ensinamento com medo de represálias como foi no passado. Temos liberdade para servir a Deus sem sacerdotes. Precisamos trabalhar para Jesus e ganhar almas pregando a verdade e também vivendo a verdade. Igreja não é empresa que alguém comanda pesando em metas. A Igreja não é uma propriedade privada de ninguém, ela pertence a Jesus.
    • Genuíno: E o voto feito por Jacó? Veríssimo: É o dízimo usado hoje. Genuíno: O senhor pode explicar melhor? Veríssimo: Jacó como todos sabemos era uma pessoa que gostava de se dar bem. Ele sempre buscava um jeito de conseguir o que queria usado todo tipo de artimanhas. Conseguiu ganhar a primogenitura do irmão usado um prato de comida. Enganou o pai com a ajuda da mãe e roubou a benção do irmão. Quando saia da casa de seu pai foi abençoado por ele. Teve um sonho com uma escada que chegava até o Céu e anjos subiam e desciam por ela. Deus promete está com ele e abençoar sua viagem dando-lhe vitoria por onde ele fosse e cumpririam nele as promessas feitas a Abraão seu avô e a Isaque seu pai. Sua descendência seria como as estrelas dos Céus. Incrédulo ele tenta negociar com Deus, pedindo ajuda e proteção para sua viagem, prometendo assumir o Senhor com seu Deus e lhe dar a décima parte de tudo que conseguisse em Aram e fazer um altar no lugar onde ele teve o sonho com anjos que desciam e subiam a escada que tocava o Céu. Uma pessoa de consciência pesada age como Jacó. Não ver as promessas de Deus e passa a fazer voto para conseguir aquilo que Deus está concedendo de graça. Jacó roubou a benção do irmão, mas não confiou que ela se cumpriria. Recebeu a benção do pai, mas não confiou porque enganara seu pai. Não confiou sonho por sabia que não era fiel a Deus. Hoje muitos estão agindo como Jacó. Mesmo sabendo que Deus nos recebe como filhos através de Jesus e nos faz herdeiros de todas as bênçãos de Abraão, querem subornar Deus com dízimos e doações em dinheiro para campanhas inventadas por homens que lucram com a ingenuidade do povo que segue os de passos de Jacó. Precisamos olhar é para o Jacó transformado, que lutou em invés de tentar comprar a benção de Deus. Ganhou um novo nome e passou a confiar mais nas promessas de Deus. Também não o vemos reclamando de Deus quando estava ficando pobre comprado comida cara por causa da seca. Depois que teve de mandar os filhos com grande perigo para o Egito comprar comida. Deus cuidou dele sem cobrar nada. Nós somos pessoas abençoadas por Deus porque aceitamos que Deus enviou Jesus Cristo para nos salvar e nos enriqueceu com todas as benções do Céu. Nosso reino não é aqui. Como diz a epistola aos Hebreus não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a celestial. Não temos aqui templos, mas somos o Templo de Deus. Não temos uma elite sacerdotal, mas fomos todos sacerdotes de Deus. Não temos um sumo sacerdote que não pode se compadecer de nossas fraquezas e perdoar nossos pecados,
    • mas temos “Jesus Cristo Nosso Sumo Sacerdote” que serve a Deus no Templo Celestial, não feito por mãos humanas. A Ele toda honra e toda glória.
    • Genuíno: Agora eu gostaria que o senhor falasse mais sobre a incoerência dos dízimos hoje. Veríssimo: No Antigo Pacto todos que serviam no Templo eram sustentados pelos dízimos e ofertas. Ninguém em todo Israel deixavam suas casas para trabalhar no Templo além dos levitas que eram pagos
    • para isso. Hoje milhares de obreiros trabalham de graça nas igrejas que mais recebem dízimos e ofertas. Eles são escalados para trabalhar uniformizados, cumprem horários, recebem ordens, são repreendidos pelos chefes quando cometem erros ou chegam atrasadas para trabalhar e muitas outras coisas que caracterizam que são funcionários dessas igrejas, mas não recebem nada de salário. Ainda precisam comprar os uniformes na igreja que lucra com isso também. Isso é um absurdo! Por que será que quando se trata de dízimos e ofertas eles seguem o Antigo Testamento, mas quando se trata de trabalho na igreja eles seguem as normas do Novo Testamento de trabalho voluntário? Vemos que as pessoas que exploram o trabalho dos outros sempre procuram conseguir mais lucros. Os líderes gananciosos também incentivam o trabalho voluntário para aumentar seus rendimentos. Paulo abria mão de seus direito de apostolo para não ser pesado a ninguém, mas esses líderes incentivam as pessoas trabalharem de graça em suas igrejas milionárias e não se importam se elas estão se sacrificando e também suas famílias que ficam sem sua presença enquanto eles trabalham de graça nas igrejas. Elas cobram um imposto que antes servia para pagar quem trabalhava no Templo, mas seus obreiros nada recebem além de muito trabalho. Muitos trabalham de graça e se esforçam para serem escolhidos como pastores e passarem a ganhar uma ajuda de custo ou quem sabe se entrarem para folha de pagamento recebendo um bom salário, como os seus líderes milionários. São muitas as incoerências dos dízimos hoje por não é verdade e por isso, essas coisas acontecem. Existem muitos pastores que abriram não desse falso ensino e pregam a Palavra de Deus sem peso na consciência e sem tentar justificar algo que a Bíblia não ensina. A igreja substituiu Israel como povo de Deus, mas os dízimos não eram para o povo e sim para os sacerdotes. Os apóstolos não substituíram os sacerdotes, mas os patriarcas como lideres do povo. Os presbíteros não substituíram os antigos levitas, mas eram conselheiros e guias do povo. Os lideres não recebiam dízimos, mas os sacerdotes levitas sim. Hoje alguns líderes se acham na função de sacerdotes ou de reis, pois foram esses que segundo a Bíblia tinha o direito de receberem do povo dízimos. Isso já aconteceu no passando com a igreja católica e os reis seus sócios no negocio dos dízimos eclesiástico.
    • Deixo com você a opção de estudar mais o assunto ou aceitar passivamente as teorias dos que lucram com os dízimos. Somos livres para escolher sem constrangimento.
    • Aconselho a você que deseja servir a Deus a prestar mais atenção na Palavra de Deus, ao invés de ficar refém de quem busca seus próprios interesses e não aceitam que estão errados. Mudaram de opinião sobre muitas coisas, mas sobre dízimos só alguns que não buscam fama nem dinheiro. Leia mais em Hebreus sobre o Novo Pacto. “Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus, aguardando daí em diante, até que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés. Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados. E disto nos dá testemunho também o Espírito Santo; porquanto, após ter dito: Esta é a aliança que farei com eles, depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei no seu coração as minhas leis e sobre a sua mente as inscreverei, acrescenta: Também, de nenhum modo me lembrarei dos seus pecados e das suas iniqüidades, para sempre. Ora, onde há remissão destes, já não há oferta pelo pecado. Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo Grande Sacerdote sobre à casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura. Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel.”
    • O Senhor Jesus mostrou sua indignação com o comércio que existia no Templo do Antigo Pacto... Dízimos eclesiásticos: Um legado da Igreja Católica Apostólica Romana as Igrejas Evangélicas
    • ALGUNS LIVROS PARA CONSULTA Enriqueça seus conhecimentos adquirindo bons livros... Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida A Bíblia na Linguagem de Hoje História dos Hebreus – Flávio Josefo História Eclesiástica – Eusébio de Cesaréia A Cidade de Deus – Santo Augustinho História dos Judeus – Paul Johnson História do Cristianismo – Paul Johnson História da Igreja Católica- Lenzenweger La Verdadera Historia de La Orden Del Templo de Jerusalén: A La luz de La Documentación histórica - Antonio Galera Gracia Os Dízimos no Final do Antigo Regime: Aspectos Econômicos e Sociais – Daniel Alves Historia da Ciência II – Carlos Augusto de Proença Rosa Biografia No Autorizada Del Vaticano – Santiago Camacho O Bispo: A História Revelada de Edir Macedo – Douglas Tavolaro Breve Historia de España – Fernando García de Cortázar | José Manuel González Breve História do Cristianismo - Geoffrey Blainey Jerusalém: A Biografia – Simon Sebag Montefiore
    • Busque livros na internet sobre dízimos no Google Livros. Você encontrará uma grande quantidade de material para estudo e pesquisa para melhorar seus conhecimentos da Bíblia e da História. Espero ter lhe ajudado a compreender melhor a história dos dízimos. Meu objetivo não é falar mal das igrejas, mas alertar sobre o perigo que são os falsos profetas que lucram com essa exigência não bíblica de dízimos e campanhas absurdas iguais as da Idade Média. O apóstolo João aconselha: Filhinhos guardem-se dos ídolos. Se você gostou deste trabalho, divulgue para os seus amigos, para que eles e também outros possam conhecer mais sobre esse assunto, que tem gerado tanta polemica e envergonhando o evangelho. Baixe o arquivo e envie por e-mail para seus amigos. O conhecimento das verdades do evangelho precisa ser compartilhado sem ganâncias para o crescimento e enriquecimento espiritual do povo de Deus. A paz do Senhor esteja em sua vida e de sua família.