Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
Cateterismo vesical
conceitos e estratégias
assistenciais de
enfermagem
27/07/2016 10:20
Anatomia do sistema urinário
 A micção está
normalmente sob
controle após os três
anos de idade
 Este controle é
exercido pelo 2º
esfíncter muscular
...
27/07/2016 10:20
• Cateterismo vesical de
alívio
• Cateterismo vesical de
demora
• Cateterismo
suprapúbico
Conceito
• É a introdução de sonda na bexiga através da
uretra;
Objetivo
• Preparo para cirurgias
• Pós-operatório de ci...
Excepcionalmente é realizado
quando:
• Houver necessidade de aliviar
distensão vesical
• Evitar a umidade em paciente com...
 Idosos
 Imunodepressivos –
soropositivos
 Gestantes
 Diabéticos
 Crianças
 Pós trauma
raquimedular
 Pós cirúrgicos...
Prevenção de infecção no paciente
cateterizado
• Uso do bom senso acima de tudo!!!!!
• Antes de realizar um cateterismo a...
27/07/2016 10:20
Prevenção de infecção no
paciente cateterizado
• Quando o cliente estiver com SVD
 Nunca desconectar o ...
Fechar e interromper o fluxo da SVD,
proporcionando o enchimento da
bexiga com urina por cerca de uma a
duas horas
Solic...
 CALIBRE:
• deve ser determinado de acordo com o tamanho da uretra do
paciente em questão.
• Crianças de 8 a 10, mulheres...
 Ter atenção quanto ao intervalo de troca e encaminhar o
paciente para realizar a troca da sonda por profissional
capacit...
Até a
próxima
aula,
obrigada
27/07/2016 10:21
Prochain SlideShare
Chargement dans…5
×

Cateterismo vesical

1 594 vues

Publié le

Aula que descreve a anatomia do sistema urinário, a assistência de enfermagem e as possíveis causas que desencadeiam a necessidade do procedimento.

Publié dans : Santé
  • Soyez le premier à commenter

Cateterismo vesical

  1. 1. Cateterismo vesical conceitos e estratégias assistenciais de enfermagem 27/07/2016 10:20
  2. 2. Anatomia do sistema urinário
  3. 3.  A micção está normalmente sob controle após os três anos de idade  Este controle é exercido pelo 2º esfíncter muscular externo, localizado mais ou menos no meio da uretra ( em homens logo que a uretra penetra na glande do pênis)  Um adulto elimina cerca de 1000 a 1500 27/07/2016 10:20
  4. 4. 27/07/2016 10:20 • Cateterismo vesical de alívio • Cateterismo vesical de demora • Cateterismo suprapúbico
  5. 5. Conceito • É a introdução de sonda na bexiga através da uretra; Objetivo • Preparo para cirurgias • Pós-operatório de cirurgias • Lavagem e irrigação da bexiga • Monitorar débito urinário • Drenagem urinária em pacientes com bexiga neurogênica • Parâmetro para balanço hídrico 27/07/2016 10:20
  6. 6. Excepcionalmente é realizado quando: • Houver necessidade de aliviar distensão vesical • Evitar a umidade em paciente com incontinência urinária • Obter uma amostra estéril para urocultura 27/07/2016 10:20
  7. 7.  Idosos  Imunodepressivos – soropositivos  Gestantes  Diabéticos  Crianças  Pós trauma raquimedular  Pós cirúrgicos de via urinárias 27/07/2016 10:20
  8. 8. Prevenção de infecção no paciente cateterizado • Uso do bom senso acima de tudo!!!!! • Antes de realizar um cateterismo avaliar a real necessidade • Utilizar meios físicos para estimular a eliminação expontânea • Preferir absorventes e preservativos para clientes com incontinência 27/07/2016 10:20
  9. 9. 27/07/2016 10:20 Prevenção de infecção no paciente cateterizado • Quando o cliente estiver com SVD  Nunca desconectar o circuito para obter amostras de urina para exame, irrigar ou para transporte e deambulação do cliente  Evitar trocas fora do padrão ou necessidade expressa  Esvaziar o coletor da SVD a cada 8 horas ou quando houver um volume grande  Não permitir que o coletor toque o chão
  10. 10. Fechar e interromper o fluxo da SVD, proporcionando o enchimento da bexiga com urina por cerca de uma a duas horas Solicitar ao paciente que relate quando estiver com vontade de urinar 27/07/2016 10:20
  11. 11.  CALIBRE: • deve ser determinado de acordo com o tamanho da uretra do paciente em questão. • Crianças de 8 a 10, mulheres 14 a 16 e homens de16 a 18  TEMPO DE PERMANÊNCIA: • Cateter plástico, para uso intermitente • Cateter de látex, permanência máxima de 3 semanas • Cateter de silicone puro ou teflon, longa duração  DIÂMETRO DO BALÃO: • Até 3 ml, pediátrico • De 5 a 30, adulto • Acima de 30 ml até 75 ml, pós op de prostatectomia  COMO INSUFLAR O BALÃO: • Utilizar exclusivamente água destilada estéril. O uso de solução salina está contraindicado pelo risco de cristalização e deflação do balão  UTILIZAR MEDICAÇÃO ANTIESPASMÓDICA EM CASO DE VASAMENTO 27/07/2016 10:21
  12. 12.  Ter atenção quanto ao intervalo de troca e encaminhar o paciente para realizar a troca da sonda por profissional capacitado .  Visualizar sempre o aspecto de urina que está saindo na bolsa coletora e atentar para urina com presença de sangue, pus, grumos (como coágulos), etc.  Observar a quantidade de urina que está sendo drenada diariamente e sinais de que possam indicar a obstrução da sonda, como por exemplo, mal-estar geral , quantidade reduzida de urina na bolsa coletora e bexiga dura à palpação.  Não abrir o sistema entre a sonda e a bolsa coletora. O sistema de sondagem vesical de demora é fechado e estéril, devendo assim ser mantido. Esvaziar a bolsa coletora conforme técnica 27/07/2016 10:21
  13. 13. Até a próxima aula, obrigada 27/07/2016 10:21

×