Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas

525 vues

Publié le

Seminário "Ciência e Tecnologia para a Defesa Agropecuária"

O evento aconteceu nos dias 7 e 8 de dezembro de 2016 e abordou a situação atual, desafios e avanços científicos relacionados às principais pragas e doenças que ameaçam a estabilidade da produção à luz dos novos rumos da defesa agropecuária brasileira.
O programa teve foco nas revisões e artigos científicos publicados no número temático “Pesquisa, Desenvolvimento e Inovações Frente a Ameaças Sanitárias para a Agropecuária” da revista Pesquisa Agropecuária Brasileira (PAB) de maio de 2016.

Publié dans : Sciences
  • Login to see the comments

A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas

  1. 1. Defesa Agropecuária Brasileira Luis Eduardo Pacifici Rangel Secretário Novembro 2016
  2. 2. DESAFIOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO1 IMPORTÂNCIA E MANDATO2 PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - PDA3 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA
  3. 3. DESAFIOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO 15.179 km de fronteiras Proteção de ativos Enfrentamento de diversidades Aumento do fluxo de bens e pessoas Status global sanitário Suprimento mundial de alimentos
  4. 4. Fonte: dados da ONU - Global Harvest Initiative GAP Report (2011). Expectativa de crescimento populacional por região 2010 - 2050 Source: Oxford Martin Commission for Future Generations % do crescimento populacional por região bilhões bilhões BILLION Metade da população mundial vive neste círculo. DESAFIOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO
  5. 5. Pelas redes socias, consumidores adquirem novos instrumentos para demandarem transparência dos agrossistemas (produção de alimento e indústria). Demandas: Segurança dos alimentos; Nutrição e conveniência; Proteção ao meio-ambiente; Respeito ao trabalhador; Informações claras sobre o alimento consumido. ”” DESAFIOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO
  6. 6. A Agricultura Brasileira Produção agrícola brasileira anual (milhões de toneladas) Grãos 145 Carnes 25 Frutas 41 Números Brasil » 3° maior exportador mundial: US$ 64,8 bilhões » Maior produtor mundial de café, cana-de-açúcar, laranja e etanol Fonte: IBGE, Conab e MDIC. Contribuição da Agricultura 28% PIB 37% Trabalho 42% Exportação
  7. 7. Evolução da Balança Comercial 1997-2016
  8. 8. Como abordar um mercado mundial cada vez mais diversificado e complexo? Produtividade Integração da cadeia produtiva Segmentação e customização LDCs • India • África Ásia • China • Russia Am. Latina • Brasil Or. Médio • Japão Europa • EUA Trabalho de agricultura intensiva Segurança alimentar População rural relevante (peq. prod) Politica de autossuficiência Questões Sociais: inflação, urbanização Qualidade Segurança do alimento Rastreabilidade Saúde & sanidade alimentar Players globais Coordenação da cadeia de valor Consolidação Economia de escala Variedade e branding Valor agregado Infraestrutura Diferenciação Gosto Embalagem Conveniência Serviço de alimentação Necessidades individuais & emocionais Novas tendências Questões ambientais Bem estar animal “Compre local” Livre de GM/antibióticos Orgânico, vegetariano, bio Alteração do uso terreno Fonte: BRF
  9. 9. DESAFIOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO IMPORTÂNCIA E MANDATO2 PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - PDA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA 1 3
  10. 10. Sanidade Agropecuária Conformidade dos Insumos Segurança dos Alimentos Enter Text Here SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Defesa Agropecuária - Conjunto de ações coordenadas pelo Estado com o objetivo de assegurar a sanidade animal e vegetal, a qualidade de insumos agrícolas e a segurança dos alimentos - base científica, processo decisório transparente e de acordo com a legislação atual. Qualidade e segurança de bebidas
  11. 11. Departamento de Sanidade Vegetal Agências Estaduais Inspeção e Fiscalização Federais Departamento de Saúde Animal Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal Departamento de Inspeção de produtos de Origem Vegetal Departamento de Fiscalização de Insumos Pécuários Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Apoio
  12. 12. DESAFIOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO IMPORTÂNCIA E MANDATO PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - PDA3 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2 1
  13. 13. BASE DO PDA Garantir a preservação da vida, saúde animal e da população, segurança dos alimentos e acesso a mercados Transparência e Isonomia Racionalização de Processos
  14. 14. PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA (PDA) Objetivo: Promover e implementar programas e ações nas áreas animal e vegetal, e sistemas de produtos alimentares com foco no desenvolvimento sustentável do agronegócio brasileiro, considerando os meios para preservação da saúde da população, de animais e plantas, segurança dos alimentos e acesso a mercados.
  15. 15. PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO SUSTENTABILIDADE CONHECIMENTO & SUPORTE ESTRATÉGICO REENGENHARIA MARCO REGULATÓRIO PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS
  16. 16. APOIO DA PESQUISA MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO SUSTENTABILIDADE CONHECIMENTO & SUPORTE ESTRATÉGICO REENGENHARIA MARCO REGULATÓRIO PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS
  17. 17. VIGILÂNCIA DE FRONTEIRAS EIXO - PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS Objetivo: Reduzir o risco de introdução de pragas. Fronteiras brasileiras: 10 países; 11 estados; 17,8% do território; 25 milhões de bovinos; 15.719 de fronteiras terrestres Objetivos para 2016 Plano operative para 11 estados consolidado; Acordo de Cooperação Técnica com Embrapa Gestão Territorial; Inserção do MAPA no Plano de Defesa de Fronteiras. 2016 - R$ 35,2 milhões Estados 2017/2018 - R$ 92,8 milhões AP, PA, AM, RR, AC, RO, MT, MS, PR, RS, SC
  18. 18. Identificação de locais prioritários para implementação ou fortalecimento da vigilância. Fonte: Produção Agrícola Municipal (IBGE, 2013); VIGIAGRO (MAPA, 2013); Base Territorial (IBGE, 2007); Hidrovias, Rodovias, Portos e Aeroportos (DNIT, 2010); Ferrovias (PNLT, 2010). Caracterização das fronteiras brasileiras com foco na Defesa Agropecuária
  19. 19. Bractocera carambolae Programa de erradicação Área de proteção do Vale do São Francisco Serviço de Mitigação de Risco - Mamão Anastrepha grandis -área livre Serviço de Mitigação de Risco - Anastrepha grandis Moscasul - Biofábrica Moscamed - Biofábrica Estratégias de controle e erradicação R$ 184 milhões em 4 anos PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS EIXO - PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS
  20. 20. Objetivo: erradicação sustentável da aftosa no país. Objetivo do programa: Aumento da área livre de aftosa com vacinação até 2018 para o país e transição para retirada da vacina completa até 2030; Reconhecimento do continente livre da doeça. Objetivos para 2016: Reconhecimento de RR como área livre com vacinação; Concluir a base técnica e as estratégias para o programa nacional de erradicação e prevenção da aftosa. PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DE FEBRE AFTOSA EIXO - PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS
  21. 21. 2011 200 82007 2008 2005 1998 2000 2001 2002 2003  77,2% do território reconhecido como livre– 25 estados  99% dos animais são criados em áreas livres PROGRAMA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO E PREVENÇÃO DE FEBRE AFTOSA EIXO - PROGRAMAS E PROJETOS TÉCNICOS Área livre com vacinação Área Livre sem vacinação 2014
  22. 22. Aumento no investimento em pesquisa por meio de acordos com CNPq, Embrapa and Universidades; Aumento de investimentos na coleta e tratamento de dados para apoio a estudos epidemiológicos; Reestruturação e fortalecimento da área de análise de risco. EIXO - CONHECIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO ÊNFASE EM CIÊNCIA E CONHECIMENTO COMO BASE DE PROCESSO DECISÓRIO
  23. 23. Conceito: •Prover uma base de conhecimento técnico, científico e analítico que permita à SDA ser a fiadora da segurança alimentar dos que consomem os produtos agropecuários (nacionais e importados) e também da preservação do setor mais dinâmico da economia nacional. Implementação: •Execução de seis projetos desenhados para, conjuntamente, priorizarem a melhoria das capacidades técnica, científica e analítica da Defesa Agropecuária e alavancar a pesquisa e desenvolvimento em Defesa Agropecuária. Objetivo: •Mobilizar a busca de conhecimento sobre problemas importantes, novos ou emergentes para que as decisões sejam baseadas em informações geradas no País para os nossos problemas. Para atacar o problema, será dada prioridade a melhorar a capacidade técnica, cientifica e analítica da Defesa Agropecuária, e alavancar a pesquisa e desenvolvimento em Defesa Agropecuária. EIXO DE CONHECIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO
  24. 24. INSPIRAÇÃO EM ESTRUTURA E SERVIÇOS PROVIDOS PELO APHIS-USDA EIXO DE CONHECIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO
  25. 25. INSPIRAÇÃO EM ESTRUTURA E SERVIÇOS PROVIDOS PELO APHIS-USDA EIXO DE CONHECIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO
  26. 26. Conceito: •Ambiente para Inovação •Estrutura compartilhada – sinergia interinstitucional •Agregação de talentos •Desenvolvimento regional sustentável •Promoção de empreendedorismo •Governança compartilhada – gestão estratégica com os âncoras •Interação Academia-Serviços-Empresas nos níveis público e privado A. PARQUE TECNOLÓGICO EM DEFESA AGROPECUÁRIA Base Física – Lanagro Pedro Leopoldo: •Localização estratégica – aeroporto+academia+fazenda+governo •Espaço para novas edificações – adequação ao conceito
  27. 27. B. PROGRAMA INTERNACIONAL DE EXCELÊNCIA EM DEFESA AGROPECUÁRIA Conceito: •Estrutura avançada de mobilização de conhecimento junto a instituições de referência em defesa agropecuária no exterior. Objetivo: •Ampliar a atuação colaborativa e internacional, incorporando as atividades já existentes a um Programa de Longo Prazo Estruturado de intercâmbio de técnicos para trabalhar em temas de grande urgência (novas pragas, por exemplo) ou alta prioridade para a defesa agropecuária brasileira, estabelecidos pelo MAPA.
  28. 28. C. APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DEFESA AGROPECUÁRIA Conceito: •P&D alinhada aos objetivos da defesa agropecuária. •Base em dois programa já executados (CNPq/Sagres e Edital CNPq/MAPA/SDA Nº 064/2008) Objetivo: •apoiar atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação mediante a seleção de propostas para apoio financeiro a projetos que ampliem a competência científica, tecnológica e de gestão de modo a contribuir para ampliação e melhoria das ações de Defesa Agropecuária do País.
  29. 29. D. CAPACITAÇÃO EM DEFESA AGROPECUÁRIA Conceito: •Programa estruturado de formação e capacitação de competências em Defesa Agropecuária. Objetivos: •Estabelecimento de um núcleo mobilizador de competências nacionais e estrangeiras para apoiar e capacitar os talentos federais, estaduais, municipais e privados. •Desenvolvimento de cursos online em temas gerais, específicos ou emergentes.
  30. 30. E. SUPORTE ESTRATÉGICO Conceito: •Uso de ferramentas de inteligência para orientar gestão em Defesa Agropecuária. Objetivo: •Estruturar uma área de inteligência capaz de municiar o Secretário de Defesa Agropecuária com informação estratégica de QUALIDADE. •Centralizar ações de inteligência dispersas em diferentes áreas na SDA.
  31. 31. F. FORTALECIMENTO DA REDE DE COLABORADORES Conceito: •Amplo portfólio de serviços de defesa integrando os serviços oficiais e estimulando a criação de parcerias com empresas privadas ou organismos acadêmicos a fim de qualificar e ampliar este apoio. Objetivo: •Transformar o que são hoje colaborações pontuais dispersas em uma rede atuante, fortalecida e capaz de apoiar tecnicamente tomadas de decisão no âmbito da Defesa Agropecuária.
  32. 32. Obrigado!

×