Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Sae pronto unic

2 122 vues

Publié le

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

Publié dans : Carrière
  • Soyez le premier à commenter

Sae pronto unic

  1. 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Enfª. Especialista : Gabriela C.S. Minghelli
  2. 2. CONCEITO Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):----------------------- É a dinâmica das ações sistematizadas e inter-relacionadas, visando a assistência de melhor qualidade ao ser humano.
  3. 3. SAE  Decreto 94.406/87  Resolução 272/2002 do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) que determina a SAE nas instituições de saúde brasileiras. A negligência da SAE é uma das principais razões da desorganização e falta de confiança das atividades de enfermagem.
  4. 4. ETAPAS Para Horta (1979), o Histórico de Enfermagem é denominado por levantamento, avaliação e investigação que, constitui a primeira fase do processo de enfermagem. Tem a finalidade de conhecer os hábitos individuais e biopsicosociais visando a adaptação do paciente a unidade e ao tratamento, assim como a identificação de problemas (Campedelli et al., 1989).
  5. 5.  A organização do cuidado foi descrita inicialmente em forma de estudos de casos a partir de 1929 e após 1945 deram lugar aos planos de cuidado – 1ª expressões do PE.  Década de 60: busca da identidade da profissão.  Década de 70: Teoria das necessidades Humanas Básicas de Wanda Aguiar Horta (Brasil).  Após década de 80 até atualmente: Expansão de estudos e pesquisas sobre teorias de enfermagem. Passou a ter uma nova terminologia - sistematização da assistência de enfermagem – SAE. (TANNURE; PINHEIRO, 2010)
  6. 6.  O cuidado não deve ser visto apenas como uma ação, mas como um envolvimento, um compromisso, uma responsabilização, uma atitude, um modo de ser da enfermagem. - É na verdade uma prática onde é bem nítida a intercessão, entre a filosofia, a tecnologia e a ciência. (TANNURE; PINHEIRO, 2010)
  7. 7. IMPORTANTE SABER  Em 1982, tem-se a criação da NANDA - North American Nursing Diagnosis Association, cujo principal objetivo é "o estudo dos diagnósticos de enfermagem e a criação de uma taxonomia para estes diagnósticos“.  BRASIL (1986): “ Lei do Exercício Profissional de Enfermagem.” (TANNURE; PINHEIRO, 2010) NANDA, 2014
  8. 8. O Exame físico é composto por um exame detalhado das condições físicas do paciente. Realizado no sentido céfalo-caudal, através da análise da acuidade auditiva/ visual, dificuldade respiratória, batimentos cardíacos, distúrbios gastro- intestinais, eliminações fisiológicas, deambulação, presença de cicatriz e outras situações peculiares que no momento da entrevista se observa.
  9. 9. No Brasil, o Diagnóstico de Enfermagem foi introduzido por Wanda de Aguiar Horta, na década de 60. É a identificação das necessidades do paciente e a determinação, pelo enfermeiro, do grau de dependência deste atendimento em natureza e extensão. O enfermeiro após ter analisado os dados no histórico e exame físico, identificará os problemas de Enfermagem.
  10. 10. A Prescrição de Enfermagem é o conjunto de medidas decididas pelo Enfermeiro, que direciona e coordena a Assistência de Enfermagem ao paciente de forma individualizada e contínua, objetivando a prevenção, promoção, proteção, recuperação e manutenção da saúde.
  11. 11. Para Horta (1979), a Evolução de enfermagem é o relato diário ou periódico das mudanças sucessivas que ocorrem no ser humano enquanto estiver sob assistência profissional, ou seja, uma avaliação global do plano de cuidados.
  12. 12. Novamente HORTA,1979 nos diz que :``Para que a enfermagem atue eficientemente, necessita desenvolver a metodologia de trabalho que está fundamentada no método científico´´. Este método de atuação da enfermagem é denominado processo de enfermagem (PE).
  13. 13. PROCESSO DE ENFERMAGEM
  14. 14. A Evolução deve abranger:  Nível de consciência (sonolento, confuso);  Locomoção (acamado, deambulando);  Aceitação da dieta;  Mantendo jejum (sim ou não/24hs, se sim, porque?);  Sono ou repouso (sim ou não/24hs, se não, porque?);
  15. 15.  Incisão cirúrgica (dreno e cateter);  Incisão cirúrgica abdominal (aspecto da secreção drenada);  Aspectos das feridas;  Sondas (fechada ou aberta);  Cateteres venosos;  Eliminações urinárias e fecais (ausente, presente, quantos dias);  Queixas (náuseas, dor, etc.)  Exames realizados ou em haver.
  16. 16. ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM É um instrumento valorativo de grande significado na assistência de enfermagem e na sua continuidade, tornando-se, indispensável na aplicação do processo de enfermagem, pois está presente em todas as fases do processo.
  17. 17. A quantidade e principalmente a qualidade das anotações de enfermagem, desperta em outros profissionais da equipe multiprofissional o interesse e necessidade de consultá-las, pois fornecem bases para direcionar a terapêutica, os cuidados, a realização de novos diagnósticos.
  18. 18. Dicas para Anotação de Enfermagem  Preencher com data e hora as anotações do turno/ diariamente.  Anotar informações completas, de forma objetiva, para evitar a possibilidade de dupla interpretação;  Não usar termos que dêem conotação de valor (bem, mal, muito, bastante, entre outros);
  19. 19.  Utilizar frases curtas e exprimir cada observação em uma frase;  Não rasurar a anotação por ter essa valor legal; no caso de engano, usar "digo", entre vírgulas;  Não utilizar termo "o paciente", já que a folha de anotação é individual;  Cuidar as abreviaturas;  Assinar após o final da última frase. Não deixar espaço entre a anotação e a assinatura.
  20. 20. Deve abranger todos os cuidados prestados como:  Verificação dos sinais vitais;  Administração das medicações prescritas;  Dor, náuseas ou vômitos;  Banho (leito ou aspersão, c/ ou s/ auxílio);  Troca de curativos (tipo, local, aberto ou fechado);  Aceitação da dieta;  Intercorrências.
  21. 21. IMPORTANTE  Déficit de conhecimento em disciplinas básicas, como anatomia, fisiologia, farmacologia, microbiologia, psicologia e sociologia;  Déficit de conhecimento para realizar: Exame físico; entrevista dirigida; raciocínio diagnostico; prescrição de enfermagem.  Exigência de maior número de enfermeiros;  Condutas de enfermagem incipientes;  Insegurança/tomada de decisão;  Falta de envolvimento/desvalorização;  Conflitos com outros profissionais. FONTE: www.scielo.br/pdf/reben/v58n5/a13v58n5.pdf
  22. 22. O instrumento padronizado para que os enfermeiros realizem as evoluções de seus pacientes, deve ser visto como uma conquista da enfermagem e uma maneira de tornar reconhecida formalmente a importância de seus registros, já que tal documento será anexado ao prontuário do paciente, como parte de sua internação na instituição.
  23. 23. Considerações Finais Ao realizar as evoluções e as anotações de enfermagem, a equipe adquire um conhecimento individual de cada paciente, interfere de maneira positiva em seu tratamento, pois muitas considerações descritas podem dispensar exames desnecessários, além de outros benefícios, como o respaldo de seu trabalho, valorização do serviço, contribuição com o trabalho da Equipe de saúde e principalmente com o tratamento do paciente.
  24. 24. FONTES :  Referencias Fio Cruz - www.ioc.fiocruz.br/enfsaude/hoje.php COFEN - www.portalconfen.gov.br, acessado em Maio, 2014. LIVRO - SAE – Sistematização da Assistencia de Enfermagem, Guia Prático;  www.scielo.br/pdf/reben/v58n5/a13v58n5.pdf

×