SlideShare une entreprise Scribd logo


Padre António Vieira
(Sermão pronunciado em São Luís do Maranhão, a 13 de Junho de 1654)
Exposição e Confirmação
Capítulos II, III, IV e V.

Cap. V –Repreensões aos peixes em particular

– os roncadores;
– os pegadores;
– os voadores;

– o polvo.
Repreensões
em particular

RONCADORES
- embora tão
pequenos roncam
muito (simbolizam a
arrogância e a
soberba);

PEGADORES
- sendo pequenos,
pregam-se nos
maiores, não os
largando mais
(simbolizam o
parasitismo);

VOADORES
- sendo
peixes, também se
metem a ser aves
(simbolizam a
presunção (vaidade) e
a ambição);

POLVO
- com aparência de
santo, é o maior
traidor do mar
(simboliza a traição).

"É possível que sendo vós
uns peixinhos tão
pequenos, haveis de ser
as roncas do mar?"

"Pegadores se chamam estes
de que agora falo, e com
grande propriedade, porque
sendo pequenos, não só se
chegam a outros maiores,
mas de tal sorte se lhes
pegam aos costados, que
jamais os desferram."

"Dizei-me, voadores, não
vos fez Deus para peixes?
Pois porque vos meteis a
ser aves? (...) Contentaivos com o mar e com
nadar, e não queirais
voar, pois sois peixes."

"E debaixo desta
aparência tão modesta,
ou desta hipocrisia tão
santa (...) o dito polvo é o
maior traidor do mar."
Os roncadores
Peixes de diversos tamanhos, sendo que os referidos pelo
Padre António Vieira são particularmente pequenos e o ruído
que emitem é um ronco. Têm como vício:
arrogância

soberba, orgulho
RONCADORES
Sendo peixes muito pequenos, roncam muito,
mostrando arrogância e soberba.
Ex: "É possível que sendo vos uns peixinhos tão
pequenos, haveis de ser as roncas do mar?”
● Roncam muito exatamente por serem muito
pequenos, para quererem fazer-se grandes. O
espadarte não tem essa necessidade por ter outros
argumentos. Mas Deus não quer roncadores e abate
os que muito roncam.
Atitude do Orador


O Padre António Vieira repreende a arrogância e o orgulho
dos colonos.



“E começando aqui pela nossa costa, (…), tanto me moveram
o riso como a ira.”



“Isto não é regra geral; mas é regra geral que Deus não quer
roncadores, e que tem particular cuidado de abater e
humilhar aos que muito roncam.”
Correspondência entre plano figurado e real

Plano Figurado

Plano Real

Roncar

Ser arrogante e altivo

Espada

Coragem

Língua

Falar, exprimir

Barbatear

Exibir, gabar-se

Inchar

Envaidecer, ter o ego alto
O Roncador: Comparação com o mundo dos homens

• soberbos e
orgulhosos,
facilmente
pescados

Os Roncadores:

Santo António
• tendo tanto saber e tanto
poder, não se orgulhou
disso, antes se calou. Não
foi abatido, mas a sua voz
ficou para sempre.

• Pedro
• Golias
• Caifás
• Pilatos
Exemplo de homens
que se identificam
com o roncador:
Características /
Virtudes

•Apesar da sua espada, o espadarte não se
exibe e ao contrario do roncador não é
soberbo nem orgulhoso.

Ex: “Dizei-me: o espadarte porque não ronca? Porque,
ordinariamente, quem tem muita espada, tem pouca língua.
Isto não é regra geral; mas é regra que Deus não quer
roncadores, e que tem particular cuidado de abater e
humilhar aos que muito roncam.”
O Espadarte:
Comparação com o mundo dos homens
Santo António
• muita espada e ainda
assim não ronca.
• sabia o que dizia e ainda
assim não se tornou
arrogante e orgulhoso,
pois cumpre a vontade
de Deus.

O Espadarte
Argumentos Bíblicos
Pedro

Golias

Caifás

Pilatos
Exemplo
● Aconteceu com S. Pedro, que acabou depois por
negar o próprio Cristo. Mesmos os peixes grandes,
como as baleias, não teriam segurança na sua
arrogância. Apresenta o exemplo de David e Golias.

Ideia síntese sobre a repreensão feita
Os arrogantes e soberbos confrontam Deus e
acabam por perder. Por isso, o melhor é calar e imitar
Santo António. O saber e o poder é que costumam
fazer dos homens roncadores.


Um dos 12 discípulos



Possui a chave do Céu



Renegou a Jesus 3 vezes

Roncador


deslealdade

“Tinha roncado e barbateado Pedro que, se todos fraqueassem, só ele
havia de ser constante até morrer, se fosse necessário; e foi tanto pelo
contrário, que só ele fraqueou mais que todos, e bastou a voz de uma
mulherzinha para o fazer tremer e negar.”


Gigante da cidade de Gate



Fixou-se em Israel durante 40 dias



Davi derrotou-o

Roncador


arrogância

“Quarenta dias contínuos esteve armado no campo, desafiando a todos
os arraiais de Israel, sem haver quem se lhe atrevesse; e no cabo, que
fim teve toda aquela arrogância? Bastou um pastorzinho com um
cajado e uma funda, para dar com ele em terra.”


Líder Judeu no primeiro século.



Participou no julgamento de Jesus no supremo tribunal dos judeus



Acusou Jesus de blasfémia



Roncador



“Caifás roncava de saber: Vos nescitis quidquam.” (Vós não sabeis nada.)

Age com superioridade


Foi contemporâneo de Jesus Cristo
Foi prefeito da província romana da Judeia
Condenou Jesus Cristo à cruz



Roncador



“Pilatos roncava de poder: Nescis quia potestatem habeo?” (Não sabeis
que tenho poder?)




Gabava o seu poder
Repreensões feitas aos colonos
Os colonos eram repreendidos:
 Por prometerem o que não iriam cumprir;
 Por gabarem o seu saber;
 Por gabarem o seu poder.

Conselhos aos colonos
O Padre António Vieira aconselha os colonos a calarem-se e a imitarem
Santo António.
“Assim que, amigos roncadores, o verdadeiro conselho é calar e imitar

a Santo António.”
A estrutura das alegorias para repreender os vícios

Roncadores
A alegoria da arrogância, da soberba da vaidade

Queixa:
“…ouvindo os
roncadores e vendo
o seu tamanho,
tanto me moveram
a riso como a ira …
porque haveis de
roncar tanto?”

Aforismo:

Conselho:

Analogia:

“O muito roncar
antes da
ocasião, é sinal
de dormir nela”

“Medi-vos, e logo
vereis quão
pouco
fundamento
tendes de
blasonar nem
roncar”

“Os arrogantes e
soberbos tomam-se
como Deus. …Duas
cousas há nos homens
que os costumam fazer
roncadores, porque
ambas incham: o saber e
o poder.”
PEGADORES

Chegam-se aos maiores, defeito que tomaram dos
homens, e pegam-se-lhes aos costados, não mais os
largando, para se sustentarem.

Estes peixes terão aprendido este modo de vida
com os portugueses.
Padre António Vieira critica estes peixes pelo seu parasitismo, podendo
ser verificada essa crítica na frase: «sendo pequenos, não só se chegam

a outros maiores, mas de tal sorte lhes pegam aos costados, que já mais
os desferram».

Estes pegadores juntam-se aos grandes aproveitando-se deles e do que
fazem, como pode ser verificado na frase: «De alguns animais de menos
força e indústria se conta que vão seguindo de longe os leões na caça,
para se sustentarem do que a eles sobeja. O mesmo fazem estes

pegadores (…)». Estando mais perto dos grandes acabam por estar
protegidos por eles.
Oportunistas
Porque se aproveitam da grandiosidade dos grandes e usam a sua vaidade
graxista com o objetivo de obterem algo mais para além da pessoa, beneficiando de
características ou "coisas" que essa pessoa lhes disponibiliza, como segurança e
alimento.
Parasitas
Porque usam como suporte para a sua vida uma "vítima", beneficiando de
todas as vantagens provenientes da mesma.

Ignorantes
Porque nas suas vidas de oportunistas apesar de beneficiarem de alimento e
proteção (neste caso os peixes) deixam-se pescar com eles, morrendo com eles,
fazem tudo o que os grandes fazem sem pensar nas consequências.
Exemplos:
● Vice-rei ou governador, rodeado dos seus
pegadores; os menos ignorantes despegam-se e
seguem outra vida, os outros vêm a ter o fim dos
pegadores do mar;

● Tubarão. Morre o tubarão e morrem os pegadores
que a ele estão agarrados.
● Exemplo bíblico: Herodes e os seus seguidores.
O Padre António Vieira, refere no seu sermão o
tubarão para reforçar a imagem de
aproveitador do pegador. O pegador como um
peixe pequeno e indefeso associa-se ao
tubarão, alimentando-se dos restos de comida
que o tubarão deixa. Se este morre por alguma
razão os pegadores que lhe estão associados
morrem também.
Padre António Vieira compara assim este caso
àqueles que estão gananciosos e ávidos de
fortuna e que quando os seus «hóspedes» ( as
suas minas de ouro ) se extinguem, de uma
maneira ou de outra, os que estão pegados a
eles deixam de ter o lucro fácil que tinham.
O que se passa com o tubarão passa-se com
Herodes, rei da Palestina, que era o homem mais
rico e poderoso do seu país. A sua família, como
ele era rei, não trabalhava, vivia apenas à custa
dele, o que significa que se Herodes morresse, a
sua família e seguidores (governantes das cidades)
“morreriam” também.
Este, juntamente com os seus seguidores
pretendia matar Jesus, o que levou José a fugir
com a sua família. Quando Herodes morreu, José
pôde voltar a sua casa visto que morrendo
Herodes, todos os seus aderentes morrem com
ele, ou seja, perdem todo o poder e fortuna que
tinham. Os «pegadores» não são nada sem a
pessoa a que estão ligados.
Os pegadores são comparados a Santo António
na medida em que, como os pegadores se
pegam de tanta ignorância, e fazem o que as
“vitimas” fazem ao ponto de morrerem com
eles, Santo António pegou-se com Cristo, a
Deus nosso senhor e tornou-se imortal. A
única diferença entre Santo António e os
pegadores é que estes pegadores evidenciados
no texto escolheram o caminho errado,
escolhendo as “vitimas” para se pegarem
acabando por morrer com elas enquanto
Santo António seguiu um caminho de
sabedoria, tornando-se imortal com Cristo.
No sermão, St. António fala-nos de Adão e
Eva pois compara o facto de, nós homens,
pagarmos pela gulodice que estes tiveram,
mas também de termos a possibilidade de
nos livrarmos deste pecado original com a
água do batismo, como os pegadores que
quando o tubarão morre, morrem
juntamente com ele como vemos no texto
« Que morra o Tubarão, porque comeu,
matou a sua gula; mas que morra o
Pegador pelo que não comeu ».
Os pegadores são também
pecadores mas não se podem
livrar dele mesmo vivendo no
elemento água « Mas nós lavamonos desta desgraça com ũa pouca
de água, e vós não vos podeis
lavar da vossa ignorância com
quanta água tem no mar ».
Ideia síntese da repreensão feita
Chegai-vos aos grandes, mas não de maneira a
"morrer" por eles ou com eles. Crítica ao parasitismo e
à adulação.
A estrutura das alegorias para repreender os vícios

Pegadores
A alegoria do oportunismo, da bajulação

Queixa:

Aforismo:

“… e me admirou que se

“… os que se deixam estar

houvesse estendido esta

pegados à mercê e fortuna dos

ronha e pegado também

maiores, vem-lhes a suceder no

aos peixes”

fim o (mesmo) que aos
pegadores do mar”
A estrutura das alegorias para repreender os vícios

Pegadores
A alegoria do oportunismo, da bajulação

Conselho:

Analogia:
“Este modo de vida … sem dúvida que

“Chegai-vos embora aos

o aprenderam os peixes … depois que

grandes; mas não de tal maneira

os nossos portugueses navegaram;

pegados, que vos mateis por
eles, nem morrais com eles”

porque não parte vice-rei ou
Governador para as conquistas, que
não vá rodeado de pegadores.”
VOADORES
A presunção, o capricho, a vaidade e a ambição
destes peixes, que são peixes e querem ser também
aves, leva-os à perdição.
Sofrem, assim, os perigos do mar e os do ar. O
início da argumentação com exemplos é marcado pela
presença de um provérbio: "Quem quer mais do que
lhe convém, perde o que quer e o que tem" (ll. 104105).
 Peixe-voador

– Nadando a uma
velocidade que alcança 29 km por hora,
o peixe sai da água até pôr de fora
metade de seu corpo. Nesse momento
abre as “asas” e golpeia a água
rapidamente com a cauda. Num
segundo alcança a velocidade de
descolagem, entre 48 e 88 km por hora.
Inicia então um planeio que chega a
durar dez segundos e se estende de 1 a
400 m. O único problema é que durante
o voo ele pode ser apanhado por uma
ave marinha ou então pode acabar por
bater nas estruturas do barco ou na
vela. Quando salta fora da água para
“voar”, ele pode atingir uma altura de 6
metros e planar por uma distância de
90 metros.
Exemplos
● Simão Mago, um voador da terra. Fingindo-se o
filho de Deus, quis subir ao céu e voou muito alto, mas
acabou por cair, por oração de S. Pedro e castigo de
Deus, partindo os pés e desfazendo a sua reputação
aos olhos de todos. O castigo aparece justificado com
a autoridade do Papa S. Máximo, com a sentença para
tal ousadia.
● Breve referência a Ícaro que, na sua ambição, subiu
demasiado alto. Tão perto do Sol chegou que a cera
que colava as suas asas derreteu e acabou por cair no
Mar Egeu, onde se afogou.
● Através de uma apóstrofe, o pregador invoca ainda
a alma de Santo António, apresentando o seu
exemplo: teve as asas da sabedoria natural e
sobrenatural para "voar para baixo" (ll. 122-123). Na
sua humildade era reputado de homem de pouca
ciência.
Ideia síntese da repreensão feita
Cada um deve contentar-se com o seu elemento. Se as
barbatanas parecem asas, que sejam usadas para
descer a lugares onde a segurança seja maior.
A estrutura das alegorias para repreender os vícios

Peixes-voadores
A alegoria da vaidade, da ambição

Queixa:

Aforismo:

Conselho:

Analogia:

“Dizeime, voadores, não
vos fez Deus para
peixes? Pois
porque vos meteis
a ser aves?”

“”Quem quer

“Se vos parece que as
vossas barbatanas vos
podem servir de asas,
não as estendais para
subir … encolhei-as
para descer.”

“Eis aqui, voadores
do mar, o que
sucede aos da
terra, para que cada
um se contente
com o seu
elemento.”

mais do que lhe
convém, perde o
que quer e o que
tem.”
POLVO

A alegoria da dissimulação,
do disfarce, da hipocrisia, da traição
Caracterização do polvo como
figuração humana na sua aparência

Caracterização do polvo como
figuração humana na sua essência

Parece

O polvo é um traidor, o maior
traidor do mar,

um monge, uma estrela, a
própria brandura e mansidão,

e, por isso, aparenta
santidade, brandura e
mansidão

porque

se esconde, mudando de cor,
para, com malícia e mentira,
atacar as suas vítimas.
POLVO

A relação semântica das palavras:
capelo / monge; raios / estrela; não ter / brandura
“O polvo
com aquele seu capelo na cabeça, parece um monge;

A presença
da anáfora

com aqueles raios estendidos, parece uma estrela;
com aquele não ter osso nem espinha, parece a mesma
brandura, a mesma mansidão.”

Anáfora salientada nas comparações citadas,
onde o termo de comparação “como” é substituído por “parece”.
Outros há: lembra; faz lembrar; faz pensar.
A relação de semelhança está na base da comparação
A relação metónímica (a parte sugere o todo)
que permite a comparação nas duas primeiras transcrições.
POLVO

A relação semântica das palavras:

A presença
da simetria

A presença da
metáfora

A presença da
antítese
A presença da
personificaçã
o

“As cores, que no camaleão são gala,
no polvo são malícia;
As figuras, que em Proteu são fábula,
no polvo são verdade e artifício.”

“ O polvo dos próprios braços faz as cordas.”

“traçou a traição às escuras,
mas executou-a muito às claras.”

“E debaixo desta aparência tão modesta, ou desta hipocrisia tão
santa, (…) o dito polvo é o maior traidor do mar.”
POLVO:
a alegoria da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição

A consequência que advém para os outros, da desconformidade entre
aparência e essência

A completa desconformidade
entre aquilo que o polvo mostra ser
e aquilo que é verdadeiramente,
faz com que os outros sejam enganados.
Então o polvo,
apanhando-os desprevenidos, ataca-os em segurança.
POLVO:
a alegoria da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição

A escolha do caso de Judas como a última ampliação dos argumentos

Este é não só conhecido do auditório,
como tem o valor de exemplo recolhido nos textos sagrados, valendo, por
isso, como argumento de autoridade.
A amplificação
da traição do polvo reside no facto de este ser apresentado como mais
traidor do que Judas,
o símbolo da traição por excelência para os cristãos.
Um remate que surpreende e deleita pelo arrojo da argumentação
POLVO: a alegoria
da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição (concl.)

Comparação das características
da água com as do polvo
A água,

pura, clara, cristalina, espelho natural da terra e do céu, diáfana, transparente, em que nada
se pode ocultar, encobrir ou dissimular,
acentua
o contraste com o polvo, pondo em evidência o que este tem de monstro dissimulado, de
fingido, de astuto, de enganosos, de

traidor.
O POLVO
Disciplina de Português
Profª: Helena Maria Coutinho
Cap v repreensões particular

Contenu connexe

Tendances

Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
ClaudiaSacres
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
AnaGomes40
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
Emília Maij
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Cap vi
Cap viCap vi
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
EuniceCarmo
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Daniel Sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Paula Oliveira Cruz
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
Dina Baptista
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 

Tendances (20)

Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 

En vedette

Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Dina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Redução da Camada de Ozono
Redução da Camada de OzonoRedução da Camada de Ozono
Redução da Camada de Ozono
Fajac
 
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRAApresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
ecolealcamara
 
Características da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica AcrobáticaCaracterísticas da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica Acrobática
waldeck
 
Trabalho - Renascimento
Trabalho - RenascimentoTrabalho - Renascimento
Trabalho - Renascimento
Felipe B. Vianna
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
PROFºWILTONREIS
 
Apres peixes para blog
Apres peixes para blogApres peixes para blog
Apres peixes para blog
ecolealcamara
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
secretaria estadual de educação
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
franciscaf
 

En vedette (11)

Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Redução da Camada de Ozono
Redução da Camada de OzonoRedução da Camada de Ozono
Redução da Camada de Ozono
 
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRAApresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
 
Características da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica AcrobáticaCaracterísticas da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica Acrobática
 
Trabalho - Renascimento
Trabalho - RenascimentoTrabalho - Renascimento
Trabalho - Renascimento
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Apres peixes para blog
Apres peixes para blogApres peixes para blog
Apres peixes para blog
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
 

Similaire à Cap v repreensões particular

Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo vSermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Rita Magalhães
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
Rafael Nadal
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
beonline5
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixesResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Cristina Lourenço
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticosResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Inácio Vitorino
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
Jose Pinto Cardoso
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
nanasimao
 
Portugues8 2
Portugues8 2Portugues8 2
Portugues8 2
Pedro Vaz
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44
luisprista
 

Similaire à Cap v repreensões particular (20)

Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo vSermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixesResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticosResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
 
Portugues8 2
Portugues8 2Portugues8 2
Portugues8 2
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 43-44
 

Plus de Helena Coutinho

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Helena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
Helena Coutinho
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
Helena Coutinho
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 

Plus de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Enquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesseEnquanto quis fortuna que tivesse
Enquanto quis fortuna que tivesse
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 

Dernier

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Dernier (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

Cap v repreensões particular

  • 1.   Padre António Vieira (Sermão pronunciado em São Luís do Maranhão, a 13 de Junho de 1654)
  • 2. Exposição e Confirmação Capítulos II, III, IV e V. Cap. V –Repreensões aos peixes em particular – os roncadores; – os pegadores; – os voadores; – o polvo.
  • 3. Repreensões em particular RONCADORES - embora tão pequenos roncam muito (simbolizam a arrogância e a soberba); PEGADORES - sendo pequenos, pregam-se nos maiores, não os largando mais (simbolizam o parasitismo); VOADORES - sendo peixes, também se metem a ser aves (simbolizam a presunção (vaidade) e a ambição); POLVO - com aparência de santo, é o maior traidor do mar (simboliza a traição). "É possível que sendo vós uns peixinhos tão pequenos, haveis de ser as roncas do mar?" "Pegadores se chamam estes de que agora falo, e com grande propriedade, porque sendo pequenos, não só se chegam a outros maiores, mas de tal sorte se lhes pegam aos costados, que jamais os desferram." "Dizei-me, voadores, não vos fez Deus para peixes? Pois porque vos meteis a ser aves? (...) Contentaivos com o mar e com nadar, e não queirais voar, pois sois peixes." "E debaixo desta aparência tão modesta, ou desta hipocrisia tão santa (...) o dito polvo é o maior traidor do mar."
  • 4. Os roncadores Peixes de diversos tamanhos, sendo que os referidos pelo Padre António Vieira são particularmente pequenos e o ruído que emitem é um ronco. Têm como vício: arrogância soberba, orgulho
  • 5. RONCADORES Sendo peixes muito pequenos, roncam muito, mostrando arrogância e soberba. Ex: "É possível que sendo vos uns peixinhos tão pequenos, haveis de ser as roncas do mar?” ● Roncam muito exatamente por serem muito pequenos, para quererem fazer-se grandes. O espadarte não tem essa necessidade por ter outros argumentos. Mas Deus não quer roncadores e abate os que muito roncam.
  • 6. Atitude do Orador  O Padre António Vieira repreende a arrogância e o orgulho dos colonos.  “E começando aqui pela nossa costa, (…), tanto me moveram o riso como a ira.”  “Isto não é regra geral; mas é regra geral que Deus não quer roncadores, e que tem particular cuidado de abater e humilhar aos que muito roncam.”
  • 7. Correspondência entre plano figurado e real Plano Figurado Plano Real Roncar Ser arrogante e altivo Espada Coragem Língua Falar, exprimir Barbatear Exibir, gabar-se Inchar Envaidecer, ter o ego alto
  • 8. O Roncador: Comparação com o mundo dos homens • soberbos e orgulhosos, facilmente pescados Os Roncadores: Santo António • tendo tanto saber e tanto poder, não se orgulhou disso, antes se calou. Não foi abatido, mas a sua voz ficou para sempre. • Pedro • Golias • Caifás • Pilatos Exemplo de homens que se identificam com o roncador:
  • 9. Características / Virtudes •Apesar da sua espada, o espadarte não se exibe e ao contrario do roncador não é soberbo nem orgulhoso. Ex: “Dizei-me: o espadarte porque não ronca? Porque, ordinariamente, quem tem muita espada, tem pouca língua. Isto não é regra geral; mas é regra que Deus não quer roncadores, e que tem particular cuidado de abater e humilhar aos que muito roncam.”
  • 10. O Espadarte: Comparação com o mundo dos homens Santo António • muita espada e ainda assim não ronca. • sabia o que dizia e ainda assim não se tornou arrogante e orgulhoso, pois cumpre a vontade de Deus. O Espadarte
  • 12. Exemplo ● Aconteceu com S. Pedro, que acabou depois por negar o próprio Cristo. Mesmos os peixes grandes, como as baleias, não teriam segurança na sua arrogância. Apresenta o exemplo de David e Golias. Ideia síntese sobre a repreensão feita Os arrogantes e soberbos confrontam Deus e acabam por perder. Por isso, o melhor é calar e imitar Santo António. O saber e o poder é que costumam fazer dos homens roncadores.
  • 13.  Um dos 12 discípulos  Possui a chave do Céu  Renegou a Jesus 3 vezes Roncador  deslealdade “Tinha roncado e barbateado Pedro que, se todos fraqueassem, só ele havia de ser constante até morrer, se fosse necessário; e foi tanto pelo contrário, que só ele fraqueou mais que todos, e bastou a voz de uma mulherzinha para o fazer tremer e negar.”
  • 14.  Gigante da cidade de Gate  Fixou-se em Israel durante 40 dias  Davi derrotou-o Roncador  arrogância “Quarenta dias contínuos esteve armado no campo, desafiando a todos os arraiais de Israel, sem haver quem se lhe atrevesse; e no cabo, que fim teve toda aquela arrogância? Bastou um pastorzinho com um cajado e uma funda, para dar com ele em terra.”
  • 15.  Líder Judeu no primeiro século.  Participou no julgamento de Jesus no supremo tribunal dos judeus  Acusou Jesus de blasfémia  Roncador  “Caifás roncava de saber: Vos nescitis quidquam.” (Vós não sabeis nada.) Age com superioridade
  • 16.  Foi contemporâneo de Jesus Cristo Foi prefeito da província romana da Judeia Condenou Jesus Cristo à cruz  Roncador  “Pilatos roncava de poder: Nescis quia potestatem habeo?” (Não sabeis que tenho poder?)   Gabava o seu poder
  • 17. Repreensões feitas aos colonos Os colonos eram repreendidos:  Por prometerem o que não iriam cumprir;  Por gabarem o seu saber;  Por gabarem o seu poder. Conselhos aos colonos O Padre António Vieira aconselha os colonos a calarem-se e a imitarem Santo António. “Assim que, amigos roncadores, o verdadeiro conselho é calar e imitar a Santo António.”
  • 18. A estrutura das alegorias para repreender os vícios Roncadores A alegoria da arrogância, da soberba da vaidade Queixa: “…ouvindo os roncadores e vendo o seu tamanho, tanto me moveram a riso como a ira … porque haveis de roncar tanto?” Aforismo: Conselho: Analogia: “O muito roncar antes da ocasião, é sinal de dormir nela” “Medi-vos, e logo vereis quão pouco fundamento tendes de blasonar nem roncar” “Os arrogantes e soberbos tomam-se como Deus. …Duas cousas há nos homens que os costumam fazer roncadores, porque ambas incham: o saber e o poder.”
  • 19.
  • 20. PEGADORES Chegam-se aos maiores, defeito que tomaram dos homens, e pegam-se-lhes aos costados, não mais os largando, para se sustentarem. Estes peixes terão aprendido este modo de vida com os portugueses.
  • 21. Padre António Vieira critica estes peixes pelo seu parasitismo, podendo ser verificada essa crítica na frase: «sendo pequenos, não só se chegam a outros maiores, mas de tal sorte lhes pegam aos costados, que já mais os desferram». Estes pegadores juntam-se aos grandes aproveitando-se deles e do que fazem, como pode ser verificado na frase: «De alguns animais de menos força e indústria se conta que vão seguindo de longe os leões na caça, para se sustentarem do que a eles sobeja. O mesmo fazem estes pegadores (…)». Estando mais perto dos grandes acabam por estar protegidos por eles.
  • 22. Oportunistas Porque se aproveitam da grandiosidade dos grandes e usam a sua vaidade graxista com o objetivo de obterem algo mais para além da pessoa, beneficiando de características ou "coisas" que essa pessoa lhes disponibiliza, como segurança e alimento. Parasitas Porque usam como suporte para a sua vida uma "vítima", beneficiando de todas as vantagens provenientes da mesma. Ignorantes Porque nas suas vidas de oportunistas apesar de beneficiarem de alimento e proteção (neste caso os peixes) deixam-se pescar com eles, morrendo com eles, fazem tudo o que os grandes fazem sem pensar nas consequências.
  • 23. Exemplos: ● Vice-rei ou governador, rodeado dos seus pegadores; os menos ignorantes despegam-se e seguem outra vida, os outros vêm a ter o fim dos pegadores do mar; ● Tubarão. Morre o tubarão e morrem os pegadores que a ele estão agarrados. ● Exemplo bíblico: Herodes e os seus seguidores.
  • 24. O Padre António Vieira, refere no seu sermão o tubarão para reforçar a imagem de aproveitador do pegador. O pegador como um peixe pequeno e indefeso associa-se ao tubarão, alimentando-se dos restos de comida que o tubarão deixa. Se este morre por alguma razão os pegadores que lhe estão associados morrem também. Padre António Vieira compara assim este caso àqueles que estão gananciosos e ávidos de fortuna e que quando os seus «hóspedes» ( as suas minas de ouro ) se extinguem, de uma maneira ou de outra, os que estão pegados a eles deixam de ter o lucro fácil que tinham.
  • 25. O que se passa com o tubarão passa-se com Herodes, rei da Palestina, que era o homem mais rico e poderoso do seu país. A sua família, como ele era rei, não trabalhava, vivia apenas à custa dele, o que significa que se Herodes morresse, a sua família e seguidores (governantes das cidades) “morreriam” também. Este, juntamente com os seus seguidores pretendia matar Jesus, o que levou José a fugir com a sua família. Quando Herodes morreu, José pôde voltar a sua casa visto que morrendo Herodes, todos os seus aderentes morrem com ele, ou seja, perdem todo o poder e fortuna que tinham. Os «pegadores» não são nada sem a pessoa a que estão ligados.
  • 26. Os pegadores são comparados a Santo António na medida em que, como os pegadores se pegam de tanta ignorância, e fazem o que as “vitimas” fazem ao ponto de morrerem com eles, Santo António pegou-se com Cristo, a Deus nosso senhor e tornou-se imortal. A única diferença entre Santo António e os pegadores é que estes pegadores evidenciados no texto escolheram o caminho errado, escolhendo as “vitimas” para se pegarem acabando por morrer com elas enquanto Santo António seguiu um caminho de sabedoria, tornando-se imortal com Cristo.
  • 27. No sermão, St. António fala-nos de Adão e Eva pois compara o facto de, nós homens, pagarmos pela gulodice que estes tiveram, mas também de termos a possibilidade de nos livrarmos deste pecado original com a água do batismo, como os pegadores que quando o tubarão morre, morrem juntamente com ele como vemos no texto « Que morra o Tubarão, porque comeu, matou a sua gula; mas que morra o Pegador pelo que não comeu ».
  • 28. Os pegadores são também pecadores mas não se podem livrar dele mesmo vivendo no elemento água « Mas nós lavamonos desta desgraça com ũa pouca de água, e vós não vos podeis lavar da vossa ignorância com quanta água tem no mar ».
  • 29. Ideia síntese da repreensão feita Chegai-vos aos grandes, mas não de maneira a "morrer" por eles ou com eles. Crítica ao parasitismo e à adulação.
  • 30. A estrutura das alegorias para repreender os vícios Pegadores A alegoria do oportunismo, da bajulação Queixa: Aforismo: “… e me admirou que se “… os que se deixam estar houvesse estendido esta pegados à mercê e fortuna dos ronha e pegado também maiores, vem-lhes a suceder no aos peixes” fim o (mesmo) que aos pegadores do mar”
  • 31. A estrutura das alegorias para repreender os vícios Pegadores A alegoria do oportunismo, da bajulação Conselho: Analogia: “Este modo de vida … sem dúvida que “Chegai-vos embora aos o aprenderam os peixes … depois que grandes; mas não de tal maneira os nossos portugueses navegaram; pegados, que vos mateis por eles, nem morrais com eles” porque não parte vice-rei ou Governador para as conquistas, que não vá rodeado de pegadores.”
  • 32.
  • 33. VOADORES A presunção, o capricho, a vaidade e a ambição destes peixes, que são peixes e querem ser também aves, leva-os à perdição. Sofrem, assim, os perigos do mar e os do ar. O início da argumentação com exemplos é marcado pela presença de um provérbio: "Quem quer mais do que lhe convém, perde o que quer e o que tem" (ll. 104105).
  • 34.  Peixe-voador – Nadando a uma velocidade que alcança 29 km por hora, o peixe sai da água até pôr de fora metade de seu corpo. Nesse momento abre as “asas” e golpeia a água rapidamente com a cauda. Num segundo alcança a velocidade de descolagem, entre 48 e 88 km por hora. Inicia então um planeio que chega a durar dez segundos e se estende de 1 a 400 m. O único problema é que durante o voo ele pode ser apanhado por uma ave marinha ou então pode acabar por bater nas estruturas do barco ou na vela. Quando salta fora da água para “voar”, ele pode atingir uma altura de 6 metros e planar por uma distância de 90 metros.
  • 35. Exemplos ● Simão Mago, um voador da terra. Fingindo-se o filho de Deus, quis subir ao céu e voou muito alto, mas acabou por cair, por oração de S. Pedro e castigo de Deus, partindo os pés e desfazendo a sua reputação aos olhos de todos. O castigo aparece justificado com a autoridade do Papa S. Máximo, com a sentença para tal ousadia. ● Breve referência a Ícaro que, na sua ambição, subiu demasiado alto. Tão perto do Sol chegou que a cera que colava as suas asas derreteu e acabou por cair no Mar Egeu, onde se afogou.
  • 36. ● Através de uma apóstrofe, o pregador invoca ainda a alma de Santo António, apresentando o seu exemplo: teve as asas da sabedoria natural e sobrenatural para "voar para baixo" (ll. 122-123). Na sua humildade era reputado de homem de pouca ciência. Ideia síntese da repreensão feita Cada um deve contentar-se com o seu elemento. Se as barbatanas parecem asas, que sejam usadas para descer a lugares onde a segurança seja maior.
  • 37. A estrutura das alegorias para repreender os vícios Peixes-voadores A alegoria da vaidade, da ambição Queixa: Aforismo: Conselho: Analogia: “Dizeime, voadores, não vos fez Deus para peixes? Pois porque vos meteis a ser aves?” “”Quem quer “Se vos parece que as vossas barbatanas vos podem servir de asas, não as estendais para subir … encolhei-as para descer.” “Eis aqui, voadores do mar, o que sucede aos da terra, para que cada um se contente com o seu elemento.” mais do que lhe convém, perde o que quer e o que tem.”
  • 38.
  • 39. POLVO A alegoria da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição Caracterização do polvo como figuração humana na sua aparência Caracterização do polvo como figuração humana na sua essência Parece O polvo é um traidor, o maior traidor do mar, um monge, uma estrela, a própria brandura e mansidão, e, por isso, aparenta santidade, brandura e mansidão porque se esconde, mudando de cor, para, com malícia e mentira, atacar as suas vítimas.
  • 40. POLVO A relação semântica das palavras: capelo / monge; raios / estrela; não ter / brandura “O polvo com aquele seu capelo na cabeça, parece um monge; A presença da anáfora com aqueles raios estendidos, parece uma estrela; com aquele não ter osso nem espinha, parece a mesma brandura, a mesma mansidão.” Anáfora salientada nas comparações citadas, onde o termo de comparação “como” é substituído por “parece”. Outros há: lembra; faz lembrar; faz pensar. A relação de semelhança está na base da comparação A relação metónímica (a parte sugere o todo) que permite a comparação nas duas primeiras transcrições.
  • 41. POLVO A relação semântica das palavras: A presença da simetria A presença da metáfora A presença da antítese A presença da personificaçã o “As cores, que no camaleão são gala, no polvo são malícia; As figuras, que em Proteu são fábula, no polvo são verdade e artifício.” “ O polvo dos próprios braços faz as cordas.” “traçou a traição às escuras, mas executou-a muito às claras.” “E debaixo desta aparência tão modesta, ou desta hipocrisia tão santa, (…) o dito polvo é o maior traidor do mar.”
  • 42. POLVO: a alegoria da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição A consequência que advém para os outros, da desconformidade entre aparência e essência A completa desconformidade entre aquilo que o polvo mostra ser e aquilo que é verdadeiramente, faz com que os outros sejam enganados. Então o polvo, apanhando-os desprevenidos, ataca-os em segurança.
  • 43. POLVO: a alegoria da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição A escolha do caso de Judas como a última ampliação dos argumentos Este é não só conhecido do auditório, como tem o valor de exemplo recolhido nos textos sagrados, valendo, por isso, como argumento de autoridade. A amplificação da traição do polvo reside no facto de este ser apresentado como mais traidor do que Judas, o símbolo da traição por excelência para os cristãos. Um remate que surpreende e deleita pelo arrojo da argumentação
  • 44. POLVO: a alegoria da dissimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição (concl.) Comparação das características da água com as do polvo A água, pura, clara, cristalina, espelho natural da terra e do céu, diáfana, transparente, em que nada se pode ocultar, encobrir ou dissimular, acentua o contraste com o polvo, pondo em evidência o que este tem de monstro dissimulado, de fingido, de astuto, de enganosos, de traidor.
  • 46. Disciplina de Português Profª: Helena Maria Coutinho