Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Lidando com a famìlia do bebê prematuro

Livres associés

Gratuit avec un essai de 30 jours de Scribd

Tout voir

Livres audio associés

Gratuit avec un essai de 30 jours de Scribd

Tout voir
  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

Lidando com a famìlia do bebê prematuro

  1. 1. LIDANDO COM A FAMÍLIA DO BEBÊ PREMATURO
  2. 2.  A VIOLÊNCIA DO NASCIMENTO PRÉ-TERMO TEM CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS, NÃO SÓ PARA O BEBÊ COMO TAMBÉM PARA A FAMÍLIA
  3. 3.  PREMATURAMENTE MÃE, INTERROMPIDA SUA GESTAÇÃO PSÍQUICA, A MULHER SENTE-SE DESAMPARADA, INVADIDA POR SENTIMENTOS DE CULPA E INCOMPETÊNCIA → NESSE CONTEXTO TODA CONSTRUÇÃO DA MÃE E DO FILHO FICA AFETADA
  4. 4.  É FUNDAMENTAL QUE OS PROFISSIONAIS QUE LIDAM COM ESSAS FAMÍLIAS POSSAM OFERECER SUSTENTAÇÃO PARA QUE ELES MANTENHAM UM PROJETO DESEJANTE PARA A CRIANÇA.
  5. 5.  A FAMÍLIA PARA A PSICANÁLISE SE CONSTITUI DO DESEJO DA MÃE E DO NOME DO PAI QUE ENCARNADOS, INVESTEM DESEJANTEMENTE NA CRIANÇA, FAZENDO-A OCUPAR O LUGAR DE FILHO.
  6. 6. A MÃE É UMA FUNÇÃO, QUE PRECISA SER OCUPADA POR ALGUÉM QUE PORTE UM DESEJO PARTICULAR EM RELAÇÃO ÀQUELE RN, E SE ELA FAZ PARTE DO “CORPO PSÍQUICO” DO RN, NÃO HÁ UM SEM O OUTRO.
  7. 7.  A SITUAÇÃO DE PREMATURIDADE IMPÕE UMA SEPARAÇÃO “FORA DO TEMPO” DE UM E OUTRO. ↓ PORTANTO, CONFERE SITUAÇÃO DE RISCO PARA A MÃE, PARA O BEBÊ E PARA O VÍNCULO
  8. 8.  CABEM, NESTES CASOS, INTERVENÇÕES TANTO DO LADO DA “MÃE PREMATURA”, QUANTO DO “RN PRÉ-TERMO”, JÁ QUE É NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ QUE HÁ POSSIBILIDADE DA CONSTITUIÇÃO DO APARELHO PSÍQUICO DO BEBÊ E É NA PRESENÇA REAL DO BEBÊ QUE SE EFETIVA A OCUPAÇÃO DA FUNÇÃO MATERNA.
  9. 9.  SPITZ COLOCOU EM EVIDÊNCIA QUE A RELAÇÃO MÃE-FILHO TEM CARÁTER VITAL PARA A MANUTENÇÃO DA VIDA DO RN, TANTO EM SEU ASPECTO REAL, QUANTO PSÍQUICO
  10. 10.  FOI COMPROVADO QUE RN INTERNADOS, CUIDADOS COLETIVAMENTE, APRESENTAVAM DISTÚRBIOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO, PRINCIPALMENTE NO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM, ALÉM DE FRACA RESISTÊNCIA ÀS INFECÇÕES E UMA ALTA TAXA DE MORTALIDADE.
  11. 11.  SABE-SE QUE A PRESENÇA NECESSÁRIA À MONTAGEM DO RN É UMA PRESENÇA DESEJANTE ↓ ESTA SE MANIFESTA ATRAVÉS DE UM OLHAR CONVOCANTE E UMA VOZ MELODIOSA, QUE SÃO EFEITOS DE DESEJO
  12. 12. NESSE SENTIDO DUAS INTERVENÇÕES SÃO FUNDAMENTAIS:  INTERVIR PARA QUE O CUIDADOR PRIMORDIAL NÃO SEJA ANÔNIMO;  EVITAR QUE A MÃE/FAMÍLIA PERCA SEU DESEJO DE OCUPAR A FUNÇÃO MATERNA
  13. 13.  A PRIMEIRA DIFICULDADE DA MÃE É “SE SENTIR MÃE” ENQUANTO O BEBÊ ESTÁ NO SERVIÇO. É A ESTRANHEZA DE ESTAR EM UMA MATERNIDADE SEM O SEU BEBÊ, SITUAÇÃO QUE SUSCITA A ANGÚSTIA DA ESPERA, RIVALIDADE COM OS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO E AGRESSIVIDADE REPRIMIDA.
  14. 14.  É PRECISO INTERDITAR FANTASIAS DE SER MORTÍFERA PARA SEU BEBÊ. A MÃE FERIDA NARCISICAMENTE PODE PASSAR A OLHAR SEU BEBÊ DE FORMA PERSECUTÓRIA, COMO SE O ESTADO DO BEBÊ TESTEMUNHASSE CONTRA ELA (JULGANDO-A E CULPABILIZANDO-A)
  15. 15.  É NECESSÁRIO INSISTIR PARA QUE A FAMÍLIA PREPARE O “ESPAÇO” DO BEBÊ, SIMBÓLICA E IMAGINARIAMENTE. AO “SONHAR O FILHO” A MÃE CONTINUA UMA GRAVIDEZ PSÍQUICA INDISPENSÁVEL.
  16. 16.  É IMPRESCINDÍVEL QUE A FAMÍLIA SEJA ESCUTADA, ACOLHIDA, “MATERNADA” PARA QUE ENCONTRE, PELAS PALAVRAS, A VIA DE SIMBOLIZAR O TRAUMATISMO PELA SEPARAÇÃO DO FILHO, O SENTIMENTO DE PERDA E FRACASSO.
  17. 17.  OS PROFISSIONAIS DEVEM FACILITAR QUE A MÃE PREMATURA FAÇA O TRABALHO DE LUTO DO BEBÊ IMAGINÁRIO, “O QUE PODERIA TER SIDO”, LEVANDO-A A RECONHECER ALGO SEU, ALGUM TRAÇO FAMILIAR NO SEU BEBÊ.
  18. 18.  AO LIDAR COM A FAMÍLIA DO BEBÊ PREMTURO O PROFISSIONAL FUNCIONARÁ COMO UMA “PONTE” ENTRE O BEBÊ E A FAMÍLIA, PROMOVENDO UM CIRCUITO PROPICIATIVO DE VÍNCULO.
  19. 19.  DURANTE A ESTADIA DO BEBÊ EM UTI-NEONATAL, DEVE-SE ACOMPANHAR MÃE E BEBÊ, PARA EVITAR UM “DESMAME” PSÍQUICO PREMATURO, DE UM E OUTRO.
  20. 20.  QUANDO POSSÍVEL A VISITAÇÃO AO BEBÊ, LEVAR A MÃE A EMBALÁ-LO COM PALAVRAS: NOMEANDO-O, CONTANDO O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM ELES, QUAL O CONTEXTO ANTERIOR AO NASCIMENTO, COMO É A FAMÍLIA QUE O ESPERA – COLOCANDO O RN NUM CONTEXTO SIMBÓLICO, QUE AJUDARÁ O BEBÊ A SE CONSTRUIR E À MÃE A NÃO PERDER SUAS REFERÊNCIAS EM RELAÇÃO AO FILHO.
  21. 21.  DEVE-SE INFORMAR A ESTAS MÃES QUE OS RN PREMATUROS SÃO, MAIS DO QUE QUAISQUER OUTROS, SENSÍVEIS À PRESENÇA MATERNA.  É PRECISO AFIRMAR PARA ELAS, QUE ESTÁ PROVADO QUE O RN RECONHECE A VOZ DA MÃE DENTRE DEZENAS DE OUTRAS.
  22. 22.  O PERÍODO QUE SE SEGUE AO NASCIMENTO PODE SER CONSIDERADO UM PERÍODO CRÍTICO PARA A MULHER, JÁ QUE LHE EXIGE RÁPIDAS TRANSFORMAÇÕES E REORGANIZAÇÕES PSÍQUICAS
  23. 23.  PARA QUE A MULHER POSSA OCUPAR A FUNÇÃO MÃE ELA TEM QUE SE COLOCAR NA TEMPORALIDADE DA ANTECIPAÇÃO
  24. 24.  A PARTIR DE SINAIS MÍNIMOS DO BEBÊ, A MÃE TRANSITIVA O BEBÊ, ISTO É, COLOCA-SE NO LUGAR DELE, E DAÍ, LÊ SUAS AÇÕES, ATRIBUINDO-LHE INTENÇÕES, COLOCANDO NELAS SENTIDO.
  25. 25.  A PARTIR DAÍ, O BEBÊ RESPONDERÁ AINDA MAIS, ESTABELECENDO-SE UM CIRCUITO HUMANIZANTE. ESTE É O PARADIGMA DE INVESTIMENTO NO PRIMERÍSSIMO MOMENTO DO ENCONTRO FUNDANTE – A “loucura necessária da mãe”
  26. 26.  PORTANTO É IMPORTANTE FACILITAR QUE O “SABER” SOBRE O BEBÊ ESTEJA DO LADO DA MÃE, RECONHECENDO-A EM SEU LUGAR, AUTORIZANDO-A EM SUA FUNÇÃO.
  27. 27.  NESSE SENTIDO O RECONHECIMENTO DO BEBÊ ENQUANTO FILHO É FUNDAMENTAL PARA QUE A MÃE POSSA TOMÁ-LO PARA SI.
  28. 28.  AS FRATURAS NA FUNÇÃO MATERNA PODEM LEVAR A MÃE A NÃO REMETER AO BEBÊ SUAS DEMANDAS – NÃO SUPONDO NELE “NADA” QUE RESPONDA
  29. 29.  COMO TAMBÉM PODEM SITUÁ-LA COMO NÃO RECEPTORA DOS APELOS DO RN. ↓ EM AMBOS OS CASOS, O RN FICARÁ EM SITUAÇÃO DE RISCO, PODENDO MESMO VIR A SER DE ALTO RISCO BIO-PSICO-SOCIAL
  30. 30.  MERECE ESPECIAL ATENÇÃO O ESTADO DE DEPRESSÃO MATERNA. ESTE PODE ESTAR PRESENTE, MASCARADO OU NÃO, DESDE A GRAVIDEZ
  31. 31.  ESSES CASOS EXIGEM UMA INTERVENÇÃO PRECOCE NA MEDIDA EM QUE OS ESTADOS DEPRESSIVOS IMPEDEM O INVESTIMENTO PSÍQUICO NECESSÁRIO À MONTAGEM DO RN COMO FILHO
  32. 32.  DENTRE AS INTERVENÇÕES POSSÍVEIS: 1. PODE-SE LEVÁ-LA A FALAR SOBRE O BEBÊ QUE GESTA; 2. OU PROMOVER UMA FIGURA TERCEIRA DE AMPARO CONSTANTE À MULHER, TENTANDO-SE QUE A “PATOLOGIA” NÃO INVADA O VÍNCULO EM CONSTRUÇÃO
  33. 33.  NO CASO DE DEPRESSÃO MELANCÓLICA, A LIBIDO DA MÃE SE CONGELA, NÃO CONSEGUINDO INVESTIR SEU BEBÊ
  34. 34.  A NÃO ADOÇÃO SIMBÓLICA DO BEBÊ POR SUA MÃE, DEIXA-O NUM LIMBO INCERTO, REDUZIDO A PURO NADA. SE ISTO SE PROLONGA, PODERIA CONTRIBUIR PARA A CONSTRUÇÃO DE UM ESTADO AUTÍSTICO NO BEBÊ.
  35. 35.  PARA OCUPAÇÃO SUPLENTE DA FUNÇÃO MATERNA, MESMO QUE TEMPORARIAMENTE, É NECESSÁRIO QUE ISTO SE FAÇA MOVIDO A DESEJO, POR ALGUÉM QUE SE SINTA FISGADO POR ALGO DESTE BEBÊ.
  36. 36.  ENCARNAR A FUNÇÃO MATERNA É SE FAZER DESTINATÁRIO DAQUELA CRIANÇA, TORNANDOSE DISPONÍVEL, DESEJANTE DE SER DESEJADO PELO BEBÊ.
  37. 37.  DEVE-SE RESSALTAR O PAPEL PROFILÁTICO DAS PRÁTICAS DE SAÚDE QUE COLOCAM, DE SAÍDA, MÃE E BEBÊ, NUM MOVIMENTO DINÂMICO ATIVO, ONDE ELES INTERAGEM MUTUAMENTE, TORNANDO-SE COMPETENTES UM PARA O OUTRO.
  38. 38.  DOS PRIMEIROS MOMENTOS DE CONHECIMENTO E RECONHECIMENTO, PROGRESSIVAMENTE, UM E OUTRO VÃO SE FAZENDO UM AO OUTRO; A SEU TEMPO O MESMO IRÁ SE PRODUZIR COM O PAI.
  39. 39. Obrigada!

×