Ce diaporama a bien été signalé.

Estudo(s) de Público: conceitos e aplicações

3

Partager

Chargement dans…3
×
1 sur 72
1 sur 72

Estudo(s) de Público: conceitos e aplicações

3

Partager

Télécharger pour lire hors ligne

Programa Saber Museu - Ibram.
Oficina: Estudo(s) de Público - conceitos e aplicações.
Ministrante: Rafaela Gueiros (Ibram).
Coordenação de Produção e Análise da Informação (CPAI).
Coordenação-Geral de Sistemas da Informação Museal (CGSIM).

Site Saber Museu: www.sabermuseu.museus.gov.br

Programa Saber Museu - Ibram.
Oficina: Estudo(s) de Público - conceitos e aplicações.
Ministrante: Rafaela Gueiros (Ibram).
Coordenação de Produção e Análise da Informação (CPAI).
Coordenação-Geral de Sistemas da Informação Museal (CGSIM).

Site Saber Museu: www.sabermuseu.museus.gov.br

Plus De Contenu Connexe

Livres associés

Gratuit avec un essai de 30 jours de Scribd

Tout voir

Livres audio associés

Gratuit avec un essai de 30 jours de Scribd

Tout voir

Estudo(s) de Público: conceitos e aplicações

  1. 1. ESTUDO(S) DE PÚBLICO conceitos e aplicações Ministrante: Rafaela Lima
  2. 2. PÚBLICO – conceito e contextos PÚBLICOS PÚBLICO
  3. 3. • Público geral  Visitantes Usuários • Público alvo • Público potencial  Não público • Não público  Público potencial • Audiência • Usuários  Público geral Visitantes • Visitantes  Público geral Usuários • Frequentadores • Público geral • Público alvo • Público potencial • Não público • Audiência • Usuários • Visitantes • Frequentadores PÚBLICO – conceito e contextos
  4. 4. PÚBLICO – conceito e contextos MUSEU Público alvo Visitante Frequentador Não público Público potencial
  5. 5. • Norma ISO sobre estatísticas museais – User: recipient of museum services – Visitor: person (individual) entering the museum premises to see the exhibition(s) offered – Visit: act of a visitor passing through a certain marked point and thus entering into one or all of the parts of the museum premises which are destined for public attendance PÚBLICO – conceito e contextos
  6. 6. ESTUDO ou ESTUDOS de Público • O que se quer entender? • Quais são as “visões” já existentes sobre o que se quer entender? • O que se espera obter do(s) estudo(s)? – Resultado – Uso da informação – Transformação da realidade
  7. 7. ESTUDO ou ESTUDOS de Público • Exemplo “Museu X” – Conhecido crescimento de visitação de 5% ao ano (a.a.). – Percepção de aumento maior que 5% a.a. dos visitantes com alta escolaridade • Alta escolaridade em 2010  35% da visitação • Alta escolaridade em 2015  50% da visitação Por que os índices de visitação do público com menor escolaridade não está aumentando na mesma proporção?
  8. 8. • Qual a função/uso dado ao museu por seus visitantes? • O que a gestão interfere ou pode interferir nesses usos? ESTUDO ou ESTUDOS de Público FUNÇÃO SOCIAL DO MUSEU PARA QUE FAZER COMO FAZER
  9. 9. ESTUDO ou ESTUDOS de Público • Intenções • Hipóteses • Objetivos • Resultados • Planejamento • Execução FUNÇÃO SOCIAL DO MUSEU PARA QUE FAZER COMO FAZER
  10. 10. ESTUDO ou ESTUDOS de Público
  11. 11. ESTUDO PESQUISA ESTUDO PESQUISA TIPOS e APLICAÇÕES
  12. 12. TIPOS e APLICAÇÕES • Estudos de público têm 4 elementos essenciais: – O que você quer saber (perguntas) – A quem você quer perguntar (pessoas/organizações a perguntar) – Recursos (financeiros, humanos, materiais) – Restrições de privacidade, legais ou éticas (“regras” de condução da pesquisa)
  13. 13. TIPOS e APLICAÇÕES • O que se quer entender? • Quais são as “visões” já existentes sobre o que se quer entender? • O que se espera obter do(s) estudo(s)? – Resultado – Uso da informação – Transformação da realidade
  14. 14. TIPOS e APLICAÇÕES • Estudos ou pesquisas de: – Qualidade – Expectativa – Opinião ou percepções – Comportamento de público – Perfil de público – Avaliação – Contagem
  15. 15. TIPOS e APLICAÇÕES • Divisão por tipos e aplicações: Pesquisa de opinião ou percepção do visitante Pesquisa de qualidade Expectativas dos visitantes Pesquisa de comportamento de público Contagem Pesquisa de perfil de público
  16. 16. TIPOS e APLICAÇÕES • Etapas 1. Ideia 2. Formulação do problema 3. Preparo/planejamento para desenho e desenvolvimento 4. Desenvolvimento do desenho 5. Coleta de dados 6. Análise dos dados 7. Produtos finais
  17. 17. TIPOS e APLICAÇÕES 1. Ideia – O que levou a pensar no estudo – Inquietações – Intenções/motivações 2. Formulação do problema – O que se quer resolver – Quais as hipóteses – Quais os impactos
  18. 18. TIPOS e APLICAÇÕES 3. Preparo/planejamento para desenho e desenvolvimento – Recursos que podem ser implementados • Materiais • Humanos • Financeiros – Tempo disponível a ser investido – Pesquisas a serem feitas para dar base conceitual e teórica ao estudo
  19. 19. TIPOS e APLICAÇÕES 4. Desenvolvimento do desenho – Definição da metodologia – Definição e seleção da amostra – Escolha das técnicas para coleta, tratamento, interpretação e análise de dados – Definição da duração do estudo – Envolvidos no estudo
  20. 20. TIPOS e APLICAÇÕES 5. Coleta de dados – Período de aplicação do questionário – Realização das entrevistas – Realização dos encontros – Coleta de material para ser analisado 6. Análise dos dados – Compilação dos dados – Cruzamento de dados – Levantamento de outras hipóteses
  21. 21. 7. Produtos finais – Relatório – Documento informal – Desenvolvimento de atividades – Aplicação do conhecimento extraído TRANSFORMAÇÃO DE UMA REALIDADE TIPOS e APLICAÇÕES CONSTATAÇÃO DE UMA REALIDADE
  22. 22. MÉTODOS e TÉCNICAS Pesquisa QUANTITATIVA X Pesquisa QUALITATIVA • Possibilidades • Principais diferenças • Principais similaridades
  23. 23. MÉTODOS e TÉCNICAS • Estudos de público poderão auxiliar a: – Fidelizar as visitas atuais e gerar frequentadores (taxa de retorno) – Atrair novos visitantes – Encontrar meios de persuadir visitantes que se sentiram negligenciados a retornarem – Usar de modo mais efetivo o orçamento de promoção e marketing do museu – Monitorar como os visitantes se sentem sobre suas experiências no museu
  24. 24. MÉTODOS e TÉCNICAS • Estudos de público poderão auxiliar a: – Identificar “concorrências” (exemplos de sucesso e de fracasso) – Identificar novas “oportunidades” – Identificar mudanças no ambiente operacional do museu que possam impactar a instituição – Identificar possíveis financiadores e oportunidades de captação de recursos – Identificar possíveis parceiros
  25. 25. MÉTODOS e TÉCNICAS • Para escolher o tipo, lembre-se das etapas 1. Ideia intenções e motivações 2. Formulação do problema o que se quer ter resolvido, hipóteses, impactos 3. Preparo/planejamento para desenho e desenvolvimento recursos e tempo disponíveis
  26. 26. MÉTODOS e TÉCNICAS • Entrevista – Qualitativa • Mais íntimas, flexíveis e abertas • As primeiras entrevistas são normalmente abertas e de caráter “piloto” – Quantitativa • Mais sistemáticas • Com opções de respostas pré-determinadas
  27. 27. MÉTODOS e TÉCNICAS • Entrevista – Estruturada • Limitações: respostas impostas • Alcances: ◦ Padronização ◦ uso de instrumentos estatísticos ◦ alta porcentagem de respostas para as perguntas (80% ~ 85%) • Cuidados: uniformidade do processo
  28. 28. MÉTODOS e TÉCNICAS • Entrevista – Não estruturada • Limitações: ◦ Dificuldade de generalização ◦ Esgotamento do tema • Alcances: ◦ Maior flexibilidade ◦ Obtenção de informações mais ricas • Cuidados: ◦ Conseguir naturalidade, espontaneidade e grande quantidade de respostas ◦ Estabelecer o clima de confiança (rapport)
  29. 29. MÉTODOS e TÉCNICAS • Entrevista – Semiestruturadas ou aberta Perguntas gerais e fáceis Perguntas complexas Perguntas sensíveis Perguntas finais
  30. 30. MÉTODOS e TÉCNICAS • Grupos de discussão – Flexível, sem rigidez de procedimentos – Não há preocupação metodológica com o tamanho do grupo – Usado como técnica exploratória inicial; – Alto grau de diretividade – Semelhante à dinâmica e natureza da entrevista informal
  31. 31. MÉTODOS e TÉCNICAS • Grupos focais – Entrevista projetada para grupos pequenos de pessoas – Geralmente não diretiva – Relevância do processo grupal – Grupo X Indivíduos – Observação participante X entrevista aberta – Não restrito a perguntas ou a sugestões temáticas, podendo envolver algum tipo de atividade coletiva
  32. 32. MÉTODOS e TÉCNICAS • Observação etnográfica – Contato direto do pesquisador com o objeto a ser pesquisado – Relato descritivo e detalhado de um sistema social particular • Experiência de Valente (1995) no Museu Nacional, Rio de Janeiro • Experiência de Dabul (2005) no CCBB-RIO e no Centro Dragão do Mar e Arte e Cultura, Fortaleza.
  33. 33. MÉTODOS e TÉCNICAS • Observação etnográfica – Método de inserção intensa X observação a distância • Hawthorne Effect – Postura de neutralidade, não comprometimento das observações • Self-fulfilling prophecy
  34. 34. MÉTODOS e TÉCNICAS • Observação comportamental e social – Observação do comportamento dos visitantes nas exposições – Quantificação de padrões e tendências no comportamento dos visitantes • tempo total gasto no museu • tempo dedicado em cada obra na exposição • rastreamento do percurso dos visitantes
  35. 35. MÉTODOS e TÉCNICAS • Observação comportamental e social – Pode ser invasiva ou não-invasiva • Experiência de Almeida (2008) na Pinacoteca do Estado de São Paulo • Experiência de Beaumont (2005) na New Art Gallery, em Walsall, no Reino Unido
  36. 36. MÉTODOS e TÉCNICAS • Observação comportamental e social  Transmissor  Percurso individual  Tempo de permanência em uma posição
  37. 37. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Autoadministrado • Não há intermediários • Individual, em grupo ou por envio • Deve ser curto, com poucas perguntas • Recomendável fornecer um “canal de ajuda” – Entrevista pessoal (aplicado por um terceiro) – Entrevista telefônica
  38. 38. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Perguntas diretas/objetivas – Múltipla escolha – Múltipla escolha com espaço para observações – Perguntas abertas Como será aplicado? Qual o meio em que será disponibilizado? Como se dará a tabulação dos dados?
  39. 39. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Museu da Vida e Observatório de Museus e Centro Culturais (OMCC), Brasil, 2005 • Variáveis para contextualização social e pessoal • Variáveis temporais • Variáveis relativas à visita realizada e opinião sobre ela • Variáveis relativas à identificação sociocultural • Variáveis culturais
  40. 40. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Museus da Escócia • Perguntas essenciais ◦ Conhecimento sobre o museu ◦ Data e razão da visita ◦ Frequência ◦ Origem ◦ Qualidade dos serviços (pergunta fechada) • Perguntas adicionais ◦ Conexão com o museu ◦ Preterimento e predileção ◦ Solicitação de serviços ou assuntos adicionais
  41. 41. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Departamento de Museus da Malásia • Detalhes pessoais ◦ Faixa etária ◦ Gênero ◦ Etnia ◦ Nível de educação ◦ ocupação • Frequência de visitas ao museu • Visita realizada quando acompanhado ou sozinho
  42. 42. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Laboratório Permanente de Público de Museus (LPPM), Espanha, 2008 • Questionário para visitantes • Questionário para grupos escolares e estudantes • Publicações ◦ 2007 ◦ 2007-2008 ◦ 2008-2009
  43. 43. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários – Conselho Nacional para a Cultura e as Artes (CONACULTA), México, 2010 • Com entrevistador • Dados gerais • Perfil sociodemográfico
  44. 44. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários 1. Esta é a minha primeira visita: __Sim __Não 2. As coisas que eu mais gostei sobre a minha visita de hoje foram: _______________________________________________________________ _______ 3. As coisas que eu menos gostei sobre a minha visita de hoje foram: _______________________________________________________________ _______ 4. Eu gostaria de ver mais: __atividades para crianças __informações e comentários sobre o acervo que compõe a exposição __atividades educativas durante a visita __Outro:________________________________________________________ ______ 5. Eu gostaria de receber informações sobre a programação das exposições e programas: (endereço eletrônico) _______________________________________________________________ Formulário de sugestões
  45. 45. MÉTODOS e TÉCNICAS • Questionários 1. Você já visitou esse museu? __Sim __Não 2. Se SIM, quantas vezes você esteve aqui? __Uma vez __2 a 3 vezes __4 a 5 vezes __Mais de 5 vezes 3. Aproximadamente quando foi sua última visita? __Mês passado __2 a 6 meses __6 a 12 meses __Mais de 1 ano 4. Com quem você está fazendo essa visita? __Estou sozinho(a) __Com cônjuge/companheiro(a) __Com a família, incluindo crianças __Com a família, sem crianças __Com amigos __Com grupo ou com empresa de turismo (grupo) 5. Como você veio para o museu hoje? (...) Do-it-yourself Visitor Survey
  46. 46. MÉTODOS e TÉCNICAS • Contagem – Permite a captação de dados sociodemográficos – Possibilita a expansão das informações coletadas, incluindo novas variáveis de coleta Obs. mais de três ou quatro variáveis pode tornar o trabalho demorado e de difícil exequibilidade
  47. 47. MÉTODOS e TÉCNICAS • Contagem – Três fatores imprescindíveis a serem levados em consideração na contagem • Todos os visitantes devem passar pela mesma entrada (ou por um número limitado que podem ser monitoradas) • Deve haver alguém responsável pelo monitoramento da chegada de visitantes • Não deve haver períodos com um fluxo tão alto de visitação que não possa ser monitorado
  48. 48. MÉTODOS e TÉCNICAS • Contagem – Livro de Assinatura – Roleta/catraca – Ingresso contabilizado – Sensor eletrônico – Formulário – Lista de presença em atividades do museu
  49. 49. MÉTODOS e TÉCNICAS • Contagem – Livro de Assinatura • Limitações • Alcances • Cuidados
  50. 50. MÉTODOS e TÉCNICAS • Contagem – Roleta/catraca – Ingresso contabilizado – Sensor eletrônico
  51. 51. MÉTODOS e TÉCNICAS • Contagem Dia/Data Adulto (Homem) Adulto (Mulher) Criança Total Segunda (29/06/201) |||| |||| || |||| |||| |||| |||| |||| |||| 42 Terça (30/06/2015) Quarta (01/07/2015) Quinta (02/07/2015) Sexta (03/07/2015) Sábado (04/07/2015) Domingo (05/07/2015) Folha de registro
  52. 52. PÚBLICO no IBRAM • Semana Nacional de Museus – Meta Mobilizar os museus brasileiros a desenvolver atividades especiais como exposições, palestras, oficinas, seminários, ações educativas – Resultados • Sensibilizar os museus e a comunidade para o debate sobre temas da atualidade • Estimular a visitação a museus • Incentivar a aproximação entre sociedade e museus.
  53. 53. PÚBLICO no IBRAM • Semana Nacional de Museus – Taxa de visitação durante a SNM Aumento de visitação dos museus participantes durante a realização da SNM foi de 129% em relação ao período anterior ao evento (mês e semana)
  54. 54. PÚBLICO no IBRAM • Cadastro Nacional de Museus – Antigo questionário do CNM • Existência de pesquisa de público • Quantitativo de público anual (2001 a 2008) – Pesquisa Anual de Museus • Bloco dedicado à contagem de público ◦ Método/técnica de contagem ◦ Quantitativo anual de visitantes (2010 a 2013) ◦ Existência de pesquisa sobre perfil de público ‫٭‬ Instrumento utilizado
  55. 55. PÚBLICO no IBRAM • Cadastro Nacional de Museus
  56. 56. PLÚBLICO no IBRAM • Exposições no Brasil – Demanda inicial do periódico britânico The Art Newspaper: produção de ranking mundial de visitação em exposições de curta duração – Estudar as exposições de curta duração realizadas no Brasil, procurando entender o que pode causar impacto na visitação • 1ª coleta de dados em 2013 • Ferramenta online: LimeSurvey
  57. 57. PÚBLICO no IBRAM • Exposições no Brasil – Levantamento de informações sobre exposições de curta duração realizadas no Brasil • Título da exposição e local de realização • Visitação total e formas de contagem de público • Duração: data de abertura e encerramento • Formas de divulgação • Formas de financiamento • Procedência do acervo em exposição
  58. 58. Formulário de Visitação Anual • Lei n° 11.904/2009, art. 36 As estatísticas de visitantes dos museus serão enviadas ao órgão ou entidade competente do poder público, a forma fixada pela respectiva entidade, quando solicitadas • Lei n° 8.124/2013, art. 4, VIII Compete ao museus, públicos e privados, enviar ao IBRAM dados e informações relativas às visitações anuais, de acordo com ato normativo do Instituto
  59. 59. Formulário de Visitação Anual • Portaria nº110/2014 (Regimento Interno do Ibram), art.53, VII, VIII, IX VII – coordenar e realizar atividades relativas à elaboração de metodologia de apuração das estatísticas museais e promover sua disseminação VIII – elaborar procedimentos relacionados aos estudos de público de museus IX – coletar, analisar e monitorar dados de visitação das Unidades Museológicas e dos museus brasileiros
  60. 60. Formulário de Visitação Anual • Lei n° 8.124/2013, art. 3°, V, b Compete ao IBRAM elaborar, divulgar e manter atualizado material com recomendações técnicas relacionadas a estudos de público, diagnóstica de participação e avaliações periódicas a serem realizadas pelos museus, para melhorar progressivamente a qualidade do funcionamento e o atendimento às necessidades de visitantes u usuários
  61. 61. Formulário de Visitação Anual • O projeto em si – Campanha de sensibilização • Folders • Vídeo • Cartilha – Regulamentação – Formulário de Visitação Anual
  62. 62. Formulário de Visitação Anual • Campanha de sensibilização – Folders
  63. 63. MUSEUS & PÚBLICO - Números • Campanha de sensibilização – Vídeo
  64. 64. Formulário de Visitação Anual • Regulamentação – Resolução Normativa nº3, 19 de novembro de 2014 • Conceitos a serem utilizados • Período de preenchimento envio dos dados • Forma de envio • Consolidação dos dados para resposta à sociedade via relatório Edital de publicação: D.O.U. nº226, seção 1, página 6, 21 nov 2014
  65. 65. Formulário de Visitação Anual • Formulário de Visitação Anual (FVA) – Dados da Instituição – Dados do responsável pelo preenchimento do questionário – Dados sobre visitação anual – Atestando a veracidade das informações
  66. 66. PERSPECTIVA LEGAL • Constituição Federal de 1988 – Constitucionalização da universalização do acesso às instituições culturais (art. 215 e art. 216-A, §1º, II) – Criação de instrumentos para a eficácia da vontade constitucional
  67. 67. PERSPECTIVA LEGAL • Lei nº 11.906/2009, art.4º, IV, IX IV – promover o fortalecimento das instituições museológicas como espaços de produção e disseminação de conhecimento e de comunicação IX – implantar e manter atualizado cadastro nacional de museus visando à produção de conhecimentos e informações sistematizadas sobre o campo museológico brasileiro
  68. 68. PERSPECTIVA LEGAL • Lei nº 11.904/2009, art. 28, caput e §2º Caput – O estudo e a pesquisa fundamentam as ações desenvolvidas em todas as áreas dos museus, no cumprimento das suas múltiplas competências §2 – Os museus deverão promover estudos de público, diagnóstico de participação e avaliações periódicas objetivando a progressiva melhoria da qualidade de seu funcionamento e o atendimento às necessidades dos visitantes
  69. 69. PERSPECTIVA LEGAL • Portaria nº110/2014 (Regimento Interno do Ibram), art.53, VII, VIII, IX VII – coordenar e realizar atividades relativas à elaboração de metodologia de apuração das estatísticas museais e promover sua disseminação VIII – elaborar procedimentos relacionados aos estudos de público de museus IX – coletar, analisar e monitorar dados de visitação das Unidades Museológicas e dos museus brasileiros
  70. 70. PERSPECTIVA LEGAL • Lei nº 8.124/2013, art. 3º, V, b Compete ao IBRAM elaborar, divulgar e manter atualizado material com recomendações técnicas relacionadas a estudos de público, diagnóstico de participação e avaliações periódicas a serem realizadas pelos museus, para melhorar progressivamente a qualidade do funcionamento e o atendimento às necessidades de visitantes e usuários
  71. 71. TIPOS e APLICAÇÕES ATENÇÃO: DESCONSTRUIR – Realizar uma boa pesquisa só é possível com pesquisadores e pessoas altamente capacitadas para desenvolvê-la – O estudo de público em museus é uma atividade pontual – A contagem de público não é um estudo – Estudos de público são muito complicados e difíceis de realizar – Estudos de público não se relacionam com o cotidiano
  72. 72. MUITÍSSIMO OBRIGADA! Rafaela Lima rafaela.lima@museus.gov.br

×