Ce diaporama a bien été signalé.

Planejando uma proposta educativa acessível

0

Partager

1 sur 21
1 sur 21

Planejando uma proposta educativa acessível

0

Partager

Télécharger pour lire hors ligne

Curso Educação Museal e Acessibilidade do Museu Histórico Nacional -IBRAM
Ministrante: Gabriela Aidar - Coordenadora dos Programas Educativos Inclusivos - Núcleo de Ação Educativa / Pinacoteca de São Paulo

Curso Educação Museal e Acessibilidade do Museu Histórico Nacional -IBRAM
Ministrante: Gabriela Aidar - Coordenadora dos Programas Educativos Inclusivos - Núcleo de Ação Educativa / Pinacoteca de São Paulo

Plus De Contenu Connexe

Livres associés

Gratuit avec un essai de 30 jours de Scribd

Tout voir

Livres audio associés

Gratuit avec un essai de 30 jours de Scribd

Tout voir

Planejando uma proposta educativa acessível

  1. 1. Curso Educação Museal e Acessibilidade Museu Histórico Nacional - IBRAM Planejando uma proposta educativa acessível Gabriela Aidar Coordenadora dos Programas Educativos Inclusivos Núcleo de Ação Educativa Pinacoteca de São Paulo
  2. 2. Como caracterizar a acessibilidade em museus? No senso comum da educação formal no país, o termo acessibilidade se refere especificamente a ações dirigidas a pessoas com deficiência. Entretanto, os grupos com dificuldades de acesso aos museus no país são mais ampliados, abrangendo as pessoas com deficiência, mas não se restringindo apenas a elas.
  3. 3. Segundo pesquisa sobre hábitos culturais realizada em 2017 em 12 capitais brasileiras, no que se refere aos museus, o perfil de visitantes pode ser caracterizado por: • pessoas jovens (mais da metade com até 34 anos); • com alta escolaridade (57% com ensino superior); • alta renda (62% na “classe A” - com renda superior R$18.740,00 ou mais ao mês). Leiva, João e Meirelles, Ricardo (org.) http://www.culturanascapitais.com.br/ A escolaridade e a renda são os fatores determinantes no acesso aos museus no Brasil, particularmente aos museus de arte. E, portanto, os grupos que ficam de fora desse acesso são aqueles socialmente vulneráveis, em piores condições socioeconômicas e que são os grupos majoritários no país. Dados de perfil de públicos de museus no Brasil
  4. 4. Dados da população com deficiência no Brasil Segundo resultados do Censo 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de uma população total de cerca de 190 milhões, cerca de 24% afirmou ter pelo menos uma das deficiências investigadas pelo censo: deficiência visual; auditiva; motora; mental ou intelectual. Destas, aproximadamente 68% têm 65 anos ou mais e 61% não possui instrução escolar ou têm ensino fundamental incompleto. Oliveira, Luiza Maria Borges. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) /Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD), 2012.
  5. 5. Sistema de Indicadores de Percepção Social - Cultura. IPEA - 2010. • 68% dos entrevistados nunca visitou museus / centros culturais; • 56% dos entrevistados aponta como obstáculo a barreira social imposta pelo perfil de público que frequenta espaços culturais. Pesquisa de Tendências: narrativas para o futuro dos museus. Oi Futuro/Consumoteca – 2019. • 58% dos entrevistados dizem que os museus são elitizados e pouco visitados. Dados de percepção cultural no Brasil
  6. 6. “As barreiras de acesso aos museus não são práticas; elas são mentais e psicológicas, resultado da falta de experiência prévia, conhecimento e práticas. [...] Nosso objetivo é criar as condições para que as pessoas experimentem: inspirando curiosidade, apresentando relevância, tornando os museus de alguma maneira tangíveis, promovendo conforto e bem-estar (principalmente psicológico), construindo pontes. Em muitos casos, teremos que abrir portas; não apenas para que os públicos entrem, mas também para sairmos, abandonarmos nossa zona de conforto e encontrá-los.” VLACHOU, Maria. Musing on culture: management, communications and our relationships with people. Lisbon: Bypass, 2013, p. 84-85. Acessibilidade em museus – barreiras simbólicas
  7. 7. Aspectos da acessibilidade em museus • aspectos físicos (relativos à possibilidade de mobilidade e circulação); • aspectos financeiros (por meio da liberação dos valores de ingresso e subsídio de transporte); • aspectos intelectuais (relativos à compreensão dos objetos e discursos expositivos, da organização conceitual e da linguagem utilizada, das normas institucionais e da orientação espacial); • aspectos sensoriais (relativos à possibilidade de ter acesso aos objetos culturais por meio de outros sentidos além da visão e da audição, para as pessoas com deficiências visuais e auditivas);
  8. 8. • aspectos atitudinais ou emocionais (relativos ao sentimento de acolhida pela instituição, confiança e prazer pela participação e identificação com os sistemas de produção cultural); • aspectos culturais (no que se refere ao reconhecimento da diversidade cultural presente na instituição). AIDAR, Gabriela. “Acessibilidade em museus: ideias e práticas em construção”. In: Revista Docência e Cibercultura – Educação Museal. V. 3, n. 2 (2019), pp. 155-175. Aspectos da acessibilidade em museus
  9. 9. Podemos ainda mencionar a tendência em tratar o tema do ponto de vista das desigualdades sociais, em particular daquelas de caráter socioeconômico. Esse olhar para a acessibilidade dialoga diretamente com a realidade brasileira e as pesquisas de público da cultura e dos museus no país, que indicam como principal corte que limita o acesso às instituições os níveis de renda e escolaridade dos indivíduos. Essa é também uma percepção transversal da acessibilidade, uma vez que outros aspectos que dificultam o acesso, tais como a faixa etária ou o fato de serem pessoas com deficiência, podem ser influenciados pela renda e capital cultural familiar. Em outras palavras, um idoso ou pessoa com deficiência de uma família de alta renda e escolaridade tem maior chance de acesso às instituições culturais e às oportunidades socioeducativas de modo geral. Acessibilidade em museus – desigualdades sociais
  10. 10. Acessibilidade em museus – participação e co-criação “Há muitos de nós que defendem o ‘acesso’, mas o acesso ao que definimos como cultura válida. Ainda assim, e se tentássemos conhecer melhor as comunidades nas quais estamos inseridos? E se abríssemos nossos espaços (que também são delas), envolvendo-as, criando conforto (físico, psicológico e intelectual) e sentimento de pertencimento? E se programássemos junto com elas? E se os artistas fossem elas?” VLACHOU, Maria. Musing on culture: management, communications and our relationships with people. Lisbon: Bypass, 2013, p. 92. “Trabalhar com as pessoas não significa ‘dar às pessoas o que querem’ [...] É estarmos sensíveis ao que interessa, preocupa, inquieta, alegra a comunidade que nos envolve, e procurar construir uma programação que nos permite refletir, em conjunto, sobre tudo isso.” VLACHOU, Maria. Acessibilidade e cultura. Conversas de Lisboa. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa/Agenda Cultural de Lisboa, 2017, p. 53.
  11. 11. Pinacoteca de São Paulo A Pinacoteca é o mais antigo museu de arte de São Paulo, fundada em 1905. É uma instituição pública, pertencente ao Governo do Estado de São Paulo, de gestão privada, por meio de contratos de gestão com a APAC - Associação Pinacoteca Arte e Cultura, uma organização social de cultura. Possui atualmente em sua coleção cerca de 10.000 obras de arte principalmente brasileira, dos séculos XVII até os dias de hoje. Localizada na região central da cidade, local que conta com boa infraestrutura e diversos equipamentos públicos e privados. Está dentro de um parque público, vizinho a populações de baixa renda e de importantes áreas comerciais. Faz parte de um polo cultural que compreende 5 museus e uma sala de concertos.
  12. 12. Programas de Atendimento ao Público Escolar e em Geral: voltados a públicos autônomamente visitantes • Programas de Atendimento ao Público Escolar e em Geral • Programas de Formação para Professores • Pinafamília • Dispositivos para a Autonomia de Visita Programas Educativos Inclusivos: voltados a públicos não tradicionalmente visitantes • Programa Educativo para Públicos Especiais (pessoas com deficiência e em sofrimento psíquico) • Programa de Inclusão Sociocultural (pessoas em situação de vulnerabilidade social – muitas do entorno do museu) • Programa Meu Museu (pessoas com 60 anos ou mais) • Programa Consciência Funcional (funcionários da Pinacoteca, em particular do receptivo e equipes terceirizadas) Programas do Núcleo Ação Educativa da Pinacoteca
  13. 13. Programas Educativos Inclusivos Alguns pressupostos metodológicos • desenvolver ações a partir dos perfis, repertórios, experiências, interesses e demandas dos grupos; • estabelecer parcerias com organizações, projetos e coletivos com os quais os grupos estejam vinculados; • desenvolver ações educativas continuadas; • atuar na formação de profissionais que trabalham com os grupos.
  14. 14. Programa Educativo para Públicos Especiais • Visitas educativas a grupos de pessoas com deficiência ou em sofrimento psíquico; • Recursos multissensoriais; •Contação de Histórias em Libras; • Curso para profissionais que atuam com os públicos-alvo; • Ação extramuros; • Publicações em dupla leitura (letras ampliadas e Braille); • Galeria Tátil de Esculturas e videoguia para surdos;
  15. 15. Programa de Inclusão Sociocultural • Visitas educativas para grupos de pessoas em situação de vulnerabilidade social; • Curso de formação para educadores sociais; • Ação Educativa Extramuros com adultos em situação de rua do entorno; • Publicações para educadores sociais, de caráter avaliativo das ações e com as produções plásticas dos educandos;
  16. 16. Programa Meu Museu • Visitas educativas para grupos de pessoas com 60 anos ou mais; • Curso para profissionais que atuam com idosos; • Publicações educativas para os educandos;
  17. 17. Programa Consciência Funcional • Programa de integração e formação continuada dos funcionários; • Visitas em exposições temporárias do museu; • Formação básica em Libras; • Oficinas de experimentação plástica; • Atividades para os filhos dos funcionários;
  18. 18. Projetos educativos: organizar o pensamento e a ação Toda prática educativa que desenvolvemos está baseada em nossos conhecimentos prévios, em nossa experiência cotidiana, no envolvimento com o grupo e comunidade no qual nos inserimos, na proposta educativa da instituição em que atuamos etc. Esse conjunto de saberes e experiências é o que fundamenta nossa ação profissional, porém é válido também sistematizarmos essas ações por meio de projetos. Os projetos são formas de organizar nossa prática educativa, aquilo que sabemos, aquilo que queremos alcançar, para quem destinamos nossa ação e como pretendemos que ela aconteça. Porém, devemos estar cientes de que um projeto não é algo definitivo, mas está sempre em constante construção, sujeito a mudanças e transformações uma vez que está diretamente ligado aos acontecimentos e interesses de cada instituição, educador e grupo em particular. Salientamos que, ao organizar o pensamento e a ação educacional em forma de projetos, é possível construir um “banco de ideias” que estimulará novas práticas, não apenas suas, mas também de seus colegas educadores. Aidar, G. e Chiovatto, M. Arte+. SP: Pinacoteca de São Paulo, 2009. P. 7.
  19. 19. Por que fazemos projetos/propostas educativas? 1) Para organizar e concretizar nossas ideias. 2) Para fazer com que nossas ideias e intenções sejam compreensíveis para outras pessoas.
  20. 20. Em grupos, elaborem uma proposta educativa acessível para o público- alvo selecionado a partir das seguintes etapas: 1. Características do grupo (público-alvo com dificuldade de acesso ao museu); 2. Objetivos da proposta; 3. Seleção de objetos e temas; 4. Indicação de atividades (práticas, interpretativas, poéticas, etc.); 5. Justificativa das escolhas temáticas e das atividades; 6. Indicação de continuidade (no próprio museu ou na organização de origem do grupo); 7. Sugestão de avaliação da proposta. Planejamento de proposta educativa acessível no Museu Histórico Nacional
  21. 21. Gabriela Aidar gaidar@pinacoteca.org.br 11 3324 0942

×