Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Neuralgia do Trigêmeo

5 295 vues

Publié le

Publié dans : Formation
  • Login to see the comments

Neuralgia do Trigêmeo

  1. 1. Débora Larissa Xavier Feitosa Marcella Rayanny Silva Souza Maria Carolina Thó de Lima Thais Eliane Benicio da Silva Viviane Rodrigues Lacerda NEURALGIA DO TRIGÊMEO João Pessoa/PB 2013
  2. 2. 2 Débora Larissa Xavier Feitosa Marcella Rayanny Silva Souza Maria Carolina Thó de Lima Thais Eliane Benicio da Silva Viviane Rodrigues Lacerda Neuralgia do Trigêmeo Trabalho apresentado na avaliação da disciplina de Fisioterapia Bucomaxilofacial, na Faculdade Maurício de Nassau, sob coordenação do professor Bertran Gonçalves Coutinho. João Pessoa/PB 2013
  3. 3. 3 DEDICATÓRIA Aos nossos familiares e amigos que estão sempre conosco nos momentos em que precisamos de amparo e fortalecimento.
  4. 4. 4 AGRADECIMENTOS Manifestamos nesta página, nossos agradecimentos ao professor Bertran Gonçalves Coutinho pela orientação efetiva que nos inspirou para a realização deste trabalho.
  5. 5. 5 “Concedei-nos, Senhor, Serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, Coragem para modificar aquelas que podemos e Sabedoria para distinguirmos umas das outras”. (AUTOR DESCONHECIDO)
  6. 6. 6 RESUMO A Neuralgia do Trigêmeo é uma síndrome de dor crônica, caracterizada por paroxismos de dor intensa, ocorrendo, na maioria das vezes, em áreas de maior sensibilidade da face como ao redor das narinas, da boca e da mandíbula. A neuralgia do trigêmeo é mais debilitante forma de neuralgia facial, apresentando dor lancinante de curta duração, desde alguns segundos até minutos, intercalada por pequenos períodos de alívio. A causa mais comum da neuralgia do trigêmeo é a compressão focal da raiz do nervo trigêmeo. O principal tratamento dessa algia é o farmacêutico, mas também pode ser usada a fisioterapia e a cirurgia em alguns casos. Palavras-chave: Neuralgia do Trigêmeo, Dor facial.
  7. 7. 7 ABSTRACT The Trigeminal neuralgia is a chronic pain syndrome characterized by paroxysms of intense pain, occurring most often in areas of greatest sensitivity of the face such as around the nostrils, mouth and jaw. Trigeminal neuralgia is the most debilitating form of facial neuralgia, featuring searing pain of short duration, from a few seconds to minutes, interspersed with short periods of relief. The most common cause of trigeminal neuralgia is the focal compression of the trigeminal nerve root. The main treatment of the pain, and pharmaceutical, but may also be used physiotherapy and surgery in some cases. Keywords: Trigeminal Neuralgia, Facial Pain.
  8. 8. 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO............................................................................................9 2. ETIOLOGIA E CAUSAS........................................................................9 3. SINTOMAS.............................................................................................10 4. DIAGNÓSTICO......................................................................................10 5. TRATAMENTO......................................................................................10 CONCLUSÃO.............................................................................................12 REFERÊNCIAS...........................................................................................13
  9. 9. 9 1. INTRODUÇÃO O trigêmeo é o quinto par dos doze nervos cranianos e é considerado o grande nervo sensitivo da cabeça e o nervo motor dos músculos da mastigação. As fibras sensitivas são de grande interesse para esta neuralgia, pois são responsáveis pela sensibilidade proprioceptiva (pressão profunda e cinestesia) e pela sensibilidade exteroceptiva (tacto, dor e temperatura) da face e parte do crânio. Enervam também os músculos responsáveis pela mastigação. (GRAY, 1987) Segundo ANDRADE (2001), a neuralgia do trigêmeo foi mencionada pela primeira vez em torno do ano 400 a.C. Aparentemente, Hipócrates e outros que o precederam não a reconheceram, porém Arataeus e Galeno fizeram as primeiras referências não comprovadas e imprecisas sobre casos de neuralgia do trigêmeo. Arataeus, no primeiro século da era cristã, descreveu em seu livro Cephalaea, como condição álgica da face que sugere tanto enxaqueca como neuralgia do trigêmeo. O primeiro caso comprovado ocorreu na Inglaterra com o Bispo Button, falecido em 1274, que solicitava a vinda de peregrinos para aliviar a dor de seu dente. Em 1773, Sir. John Fothergill, fez a primeira descrição clássica da neuralgia do trigêmeo, caracterizando-a como afecção dolorosa da face com padrões clínicos definidos. Em 1782, Thouret, considerou a neuralgia do trigêmeo como consequência de alterações funcionais dos nervos da face. Já Bell em 1821, realizou a identificação anatômica e funcional do nervo trigêmeo, separando-o do nervo facial e permitindo o desenvolvimento da terapêutica cirúrgica das neuralgias que vieram a ocorrer a partir da segunda metade do século XIX. 2. ETIOLOGIA E CAUSAS A patologia tem início na segunda metade da vida e em três quartos dos casos a dor é percebida pela primeira vez após a idade de 50 anos. O início tardio, após 65 ou 70 anos de idade, é relativamente frequente, sendo seu início excepcionalmente antes dos 20 anos. A mulher é acometida mais que o homem na relação de 3:2. A neuralgia que apresenta um caráter familiar é difícil de ocorrer, porém quando acontece tende a se iniciar mais precocemente e a se tornar bilateralmente com maior frequentemente que nas formas comuns. A dor da neuralgia do trigêmeo vem do nervo trigêmeo. Esse nervo transmite dor, sensibilidade e outras sensações do cérebro à pele do rosto. Pode afetar parte ou todo o rosto e a superfície dos olhos. A doença em geral afeta adultos mais velhos, mas pode afetar pessoas de todas as idades. A neuralgia do trigêmeo pode ser parte normal do processo de envelhecimento. (CHAITOW, 2001) A neuralgia do trigêmeo pode ser causada por: • Esclerose múltipla • Pressão no nervo trigêmeo por um vaso sanguíneo inchado ou um tumor Frequentemente, nenhuma causa específica é encontrada. Os médicos têm maior probabilidade de encontrar uma causa em pacientes com menos de 40 anos.
  10. 10. 10 3. SINTOMAS A dor neuropática é definida como uma lesão, que ocorre em resposta a um estímulo não nóxico dos receptores nervosos. Esta dor pode ser episódica ou contínua. É das mais conhecidas e debilitantes formas de neuralgia facial e pertence ao grupo das condições álgicas crônicas. É uma dor intensa, paroxística (curta duração, segundos ou minutos), que aparece e desaparece em diferentes intervalos de tempo. Manifesta-se como, dor tipo facada, agulha, queimor ou choque elétrico. Normalmente é uma dor que está limitada ao território de distribuição do nervo trigêmeo, é profunda, podendo ser superficial quando atinge o lábio superior, supercílios, pálpebras ou regiões próximas ao frontal. (Gaspar, 2006) Os episódios de dor normalmente são desencadeados por estímulos sensoriais leves (não nociceptivos), quando o indivíduo toca ou manipula determinadas áreas da face, situadas ipsilateralmente à dor, nas chamadas zonas de gatilhos que podem ser na pele, na mucosa ou mesmo num dente. A dor é provocada por estímulos não dolorosos que em condições normais são indolores, como: uma leve brisa ao passar pelo rosto, fazer a barba, lavar o rosto, escovar os dentes ou mastigar. (Teixeira, 2001) Após o episódio de dor, existe um período refratário em que a estimulação dos pontos de gatilho é ineficaz, que vai depender apenas do paroxismo doloroso, ou seja, da intensidade e do tempo que durou a dor. No inicio da nevralgia, a dor é menos intensa, mas com o passar do tempo os episódios vão aumentando a sua intensidade, tornando - a dor mais forte e com caráter lancinante. (Barros, 1995) 4. DIAGNÓSTICO Um diagnóstico preciso e rápido é importante, pois a dor da NT é insuportável. A história clínica, as características clínicas, os sinais e sintomas, a localização da dor, fatores de alívio ou agravamento, fazem parte de um exame clínico minucioso. Os exames complementares como: radiografias, tomografia computadorizada, ressonância magnética; uma avaliação oftalmológica, otorrinolaringológica e /ou odontológica, e o resultado do bloqueio dos anestésicos (podem apontar com precisão o nervo envolvido), devem ser cuidadosamente ponderados no diagnóstico diferencial. Para avaliar doentes com dor facial atípica, em particular quando são casos de déficits neurológicos ou evidências de processos expansivos extras ou intra-cranianos, afecções vasculares, inflamatórias, infecciosas ou doenças desmielinizantes no sistema nervoso, são recomendados, exames de imagem electrofisiológicos, bioquímicos ou morfológicos ao sangue e ao líquido cefalorraquidiano (Peterson, 2007) 5. TRATAMENTO O tratamento da neuralgia do trigêmeo possui uma abordagem muito mais clínica do que terapêutica-reabilitatória. Em decorrência de a dor ser considerada insuportável pela maioria dos pacientes e, a partir disso, o mesmo necessitar de controle analgésico imediato, as estratégias de tratamento estão, em grande parte, vinculadas à administração de medicamentos de alta dosagem, o tratamento por acompanhamento médico se solidifica na base assistencial aos pacientes portadores da neuralgia do trigêmeo. No entanto a fisioterapia, hoje, através de pesquisas científicas, vem salientando a possibilidade de uma atuação mais perseverante e concreta, no que concerne ao atendimento direcionado e específico, com fundamentações de estudos
  11. 11. 11 sobre as prováveis alterações anatômicas, neurofisiológicas e biomecânicas no crânio que causem o aparecimento desta síndrome álgica. Pesquisadores que seguem a filosofia osteopática como Sutherland, que preconiza pulsação craniana pelo líquido céfalo-raquidiano e o correspondente movimento intersutural acompanhado por um ritmo respiratório e Upledger, identificando que durante as incursões respiratórias o crânio sofre uma dilatação em um retorno ao estado inicial, defendem a ideia de que existe esta micromobilidade entre os ossos que compõem o crânio e perante o surgimento de alterações por fixações nas suturas cranianas, existe a grande possibilidade da diminuição da circulação do líquido cerebroespinhal e, consequentemente, diminuição da mobilidade dos nervos cranianos. Esta diminuição da mobilidade dos nervos cranianos perpassa sobre fixações e lesões por compressão no decorrer do trajeto dos feixes axononeuronais, podendo provocar distúrbios na alteração da sensibilidade tátil, térmica e dolorosa, episódios parésicos, ou até mesmo paréticos nas ramificações do nervo trigêmeo e na raiz funcional correspondente. A paresia de músculos mastigatórios com subsequente dor trigeminal pode ter início em uma lesão na raiz sensitivo motora no nervo trigêmeo. Em virtude de a lesão ser craniana é necessário o tratamento pela fisioterapia através de técnicas osteopáticas para liberação das estruturas comprometidas e a partir da avaliação da mobilidade craniana, velocidade de pulsação do líquido céfaloraquidiano, grau de fixação das suturas, é que se pode montar o plano de atendimento. Cada ramificação do nervo trigêmeo apresenta um canal ósseo que permite sua trajetória no interior do crânio, logo, os limites ósseos que compõem estes canais devem ser liberados para condicionarem o aumento da mobilidade neuronal periférica e, consequentemente, melhora da função. Alguns trabalhos já publicados comprovam alguma eficácia na aplicação de recursos eletroterápicos como é caso da Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TENS) sobre a trajetória dolorosa dos ramos do trigêmeo na face, visando a inibição a nível central do processo estimulatório nociceptivo, porém a grande maioria dos pacientes ao menos suportam o estímulo elétrico de baixa intensidade gerado, dificultando a terapêutica. O tratamento por Acupuntura e Carboxiterapia também pode ser bastante eficaz, tendo resultado quase que imediato. (COTA, 2012)
  12. 12. 12 CONCLUSÃO A neuralgia do trigêmeo é considerada na atualidade como a doença que provoca os maiores sintomas álgicos em toda a literatura de síndromes dolorosas já catalogadas. Os pacientes descrevem a dor como uma sensação insuportável e desesperadora. Nem todos os pacientes apresentam os mesmos sinais e sintomas de todos os portadores. A partir disto, é que identificamos as facilidades e as dificuldades encontradas, mas ao mesmo tempo representa a chance para a aplicação de novos recursos, técnicas alternativas, que faz com que o fisioterapeuta tenha necessidade do conhecimento mais aprofundado da patogenia e a realização de uma avaliação bastante coerente a respeito dos sinais indicativos de alterações neuromecânicas, que sejam a fonte de toda problemática e traçar uma conduta viável às condições físicas e psicológicas do paciente.
  13. 13. 13 REFERÊNCIAS 1. ANDRADE, A.C. Dor: Diagnóstico e Tratamento. São Paulo: Roca, 2001. 2. BARROS. (1995). Tratamento de disfunções craniomandibulares. In: Frizzo, H. M., et al. (2004). Neuralgia do Trigêmeo: Revisão Bibliográfica Analítica. In: Revista de Cirurgia e Traumatológica Buco-Maxilo-Facial. v.4, n.4, Out/Dez, pp-212-217 3. CHAITOW, L. Teoria e prática da manipulação craniana. São Paulo: Manole, 2001. 4. COTA, C. K. S. L. Nova Fisio, Revista Digital. Rio de Janeiro, Brasil, Ano 15, nº 88, Set/Out 2012. 5. GASPAR, G. A. T., Baptista, C. E., Pedroso, C. S., Flores, D. L. (2005). Neuralgia Trigeminal - do diagnóstico ao tratamento. In: Revista Dentística on line. v.5, n.11, Jan/JuN 2005. 6. GRAY, H. Gray anatomia, 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987. 7. TEIXEIRA, M. J., SIQUEIRA, S. R. D. T. (2006) . Neuralgias do segmento facial. In: Góes, T. M. P. L., Fernandes, R. S. M. (2008). Neuralgia do Trigémio:diagnóstico e tratamento. In: Int J Recife.v 7(2), Jan/Mar, pp-104-115 8. PETERSON, L. J. (2007). Cirurgia oral e maxilo facial contemporânea. In: Borbolato, R. M., Ambiel, C. R. (2009). Neuralgia do Trigémio: Aspectos Importantes na clínica odontológica. In: Revista Saúde e Pesquisa.v.2, Mai/Ago, pp-201-208

×