Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS

841 vues

Publié le

No Brasil até 2030, haverá 41,5 milhões de pessoas idosas e estima-se que em 2060 serão 73,5 milhões de idosos (IBGE, 2015).
De acordo com as estatísticas, em Mato Grosso do Sul (MATO GROSSO DO SUL, 2015): havia em 1991, aproximadamente 104.852 idosos (5,9% habitantes) e em 2010 o Estado já contava com 239.270 idosos (9,8% habitantes). Isso se deve a vários fatores, tais como: aumento da expectativa de vida para 75,44 anos, conquista social com melhoria das condições de vida, ampliação do acesso a serviços médicos preventivos e curativos, aumento da escolaridade e da renda, ampliação da cobertura de saneamento básico, avanço da tecnologia médica, redução dos níveis da fecundidade e mortalidade.
Da mesma forma em que se cresce o número de pessoas idosas na sociedade atual, também aumenta a incidência do HIV/Aids nesta população (BRASIL, 2010; BRASIL, 2016).

  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Répondre 
    Voulez-vous vraiment ?  Oui  Non
    Votre message apparaîtra ici

ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS

  1. 1. ENFRENTAMENTO DO HIV/AIDS EM IDOSOS: PERSPECTIVA DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE E DE MÉDICOS DA SAÚDE DA FAMÍLIA, CAMPO GRANDE, MS Valdirene Silva Pires Macena1; Maurício Antonio Pompilio2 1 Bióloga. Pesquisadora. Mestra em Saúde da Família 2 Médico. Infectologista. Orientador. Docente na UFMS CAMPO GRANDE-MS 2016
  2. 2. O mundo está envelhecendo e o envelhecimento populacional é visível na sociedade. INTRODUÇÃO Fonte: BRASIL, 2015a
  3. 3. BRASIL até 2030 - 41,5 milhões de pessoas idosas e estima-se que em 2060 - 73,5 milhões de idosos (IBGE, 2015); MATO GROSSO DO SUL (MATO GROSSO DO SUL, 2015): • 1991→ 104.852 idosos (5,9% habitantes); • 2010 → 239.270 idosos (9,8% habitantes).
  4. 4. CAUSAS DO AUMENTO DE PESSOAS IDOSAS:  Aumento da expectativa de vida para 75,44 anos;  Conquista social com melhoria das condições de vida;  Ampliação do acesso a serviços médicos preventivos e curativos; Aumento da escolaridade e da renda; Ampliação da cobertura de saneamento básico; Avanço da tecnologia médica; Redução dos níveis da fecundidade e mortalidade. (BRASIL, 2010; BRASIL, 2016)
  5. 5. NO MUNDO (até 2014) = 36,9 milhões; NO BRASIL (de 1980 a junho de 2015) = 798. 366; EM MATO GROSSO DO SUL (1980 a 2014) = 8.608;  6º estado brasileiro com maior índice da doença (2010 a 2014); MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS (2011 a 2015) = 1.035 casos de AIDS. (UNAIDS, 2015; BRASIL, 2015b; CAMPO GRANDE, 2015; MATO GROSSO DO SUL, 2015) A EPIDEMIOLOGIA DO HIV/AIDS
  6. 6. A TRAJETORIA DA Aids NO BRASIL (SANTOS; ASSIS, 2011; SOUZA, 2008) Aids Pauperização Heterossexualização Juventudilização Interiorização Feminização Envelhecimento
  7. 7. Retrovírus - família Lentiviridae (COSTA, 2009); FORMAS DE TRANSMISSÃO (BRASIL, 2013):  Relação sexual desprotegida;  Uso de drogas por agulhas/seringas compartilhadas;  Acidentes ocupacionais com instrumentos perfurocortantes;  Transfusão de hemocomponentes contaminados;  Via vertical (gravidez, parto e amamentação). HIV: Vírus da Imunodeficiência Humana
  8. 8. HIV - infecta os linfócitos T CD4+ e causa imunodepressão favorecendo as doenças oportunistas (BRASIL, 2013); A Aids - interfere nas relações sociais, na vida profissional, na vida afetiva, na sexualidade e na vida reprodutiva (SOUZA, 2008). AS CONSEQUÊNCIAS DO HIV/Aids
  9. 9. 1. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HIV - deve ser feito após o segundo mês da infecção pelo HIV (ELISA; Imunocromatográfico; outros métodos de triagem) (BRASIL, 2013); 2. RESULTADOS POSITIVOS - confirmar pelos métodos de Imunofluorescência e o Western Blot (BRASIL, 2013); A IDENTIFICAÇÃO DO HIV E O DIAGNÓSTICO DA Aids
  10. 10. 3. DEFINIÇÃO DOS CASOS DE Aids - CDC Adaptado, Critério Rio de Janeiro/Caracas e o Critério excepcional de óbito (BRASIL, 2013); 4. MONITORAMENTO DA DOENÇA - deverá ser monitorada clinicamente e laboratorialmente (dosagem da carga viral e das células T CD4+) (STEPHENS et al., 2014). A IDENTIFICAÇÃO DO HIV E O DIAGNÓSTICO DA Aids
  11. 11. HÁ TRÊS GRUPOS DE PESSOAS MAIS VELHAS - Idosos jovens (65 a 74 anos de idade), Idosos velhos (75 a 84 anos) e Idosos mais velhos (85 anos a mais) (SCHENEIDER; IRIGARAY, 2008); Os idosos estão cada vez mais adquirindo DST sendo uma delas - a Aids (KLEBER; QUEIROZ; MOTA, 2013); IDOSOS E A VULNERABILIDADE PELO HIV/Aids
  12. 12. BRASIL (de 1980 a 2014) → 23.271 casos de Aids em pessoas com 60 e mais, sendo 14.756 em homens idosos e 8.515 em mulheres idosas (BRASIL, 2015b); CAMPO GRANDE, MS (de 2010 a 2014) ocorreram 33 casos de Aids em idosos, sendo 16 casos em homem e 17 casos de AIDS em mulheres (CAMPO GRANDE, 2014). IDOSOS E A VULNERABILIDADE PELO HIV/Aids
  13. 13. Falta de ações em saúde para orientar a população idosa sobre a prevenção do HIV; Preconceito do uso de preservativos; Associação à ampliação do acesso a medicamentos para distúrbios eréteis; A participação de idosos em grupos de convivência; A maior vulnerabilidade de contrair DST. (BRASIL, 2007; GLINA, 2004; LIMA-COSTA; VERAS, 2003; SANTOS; ASSIS, 2011) FATORES QUE COLABORAM PARA A EPIDEMIA DO HIV/AIDS EM IDOSOS:
  14. 14. FINAL DA DÉCADA DE 90 – Envelhecimento Ativo e a Saúde do Idoso passou ser uma das prioridades no Pacto pela Vida (BRASIL, 2010). ATENÇÃO À SAÙDE DA PESSOA IDOSA NA ESF OCORRE POR (BRASIL, 2007): Demanda espontânea e busca ativa dos ACS; Atribuições dos médicos em realizar: consulta, prescrição de medicamentos, solicitação de exames complementares, encaminhamento a serviços de referência de média e alta complexidade. ESF COMO POLÍTICA PÚBLICA A SAÚDE DO IDOSOS
  15. 15. Integra os serviços de saúde da Atenção Básica e fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS) (BRASIL, 2009); ACS – realiza atividades educativas para adesão ao tratamento e prevenção das DST e Aids (HILDEBRAND; SHIMIZU, 2008). O ACS E SUAS ATRIBUIÇÕES
  16. 16. A ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PELO FIM DA EPIDEMIA DE AIDS BRASIL (até 2020) tem a expectativa de atingir a meta 90-90-90 estabelecida pelo país, perante a ONU; A meta consiste em ter 90% das pessoas com HIV diagnosticadas; deste grupo, 90% seguindo o tratamento; e, dentre as pessoas tratadas, 90% com carga viral indetectável; A meta mundial prevê novas infecções limitadas a 500 mil ao ano e zero discriminação. (BRASIL, 2015)
  17. 17. OS NÓS-CRÍTICOS PARA PREVENÇÃO DAS DST/AIDS EM IDOSOS NAS ESF As campanhas, as ações de promoção de saúde e prevenção HIV/Aids do Programa Nacional de DST e AIDS estão voltadas aos jovens (ZORNITTA, 2008); Quando os Programas estão voltados a terceira idade, ainda há a dificuldade dos organizadores e participantes abordar o tema sexualidade e isso dificulta que as informações sobre a prevenção atinja esta população (AFFELDT; SILVEIRA; BARCELOS, 2015); Percebe-se que as atuais políticas públicas não estão sendo suficientes para suprir as necessidades da educação e saúde sexual da população idosa (MOREIRA et al., 2015).
  18. 18.  Identificar ações de enfrentamento ao HIV/Aids em idosos na perspectiva dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Médicos de Saúde da Família no Município de Campo Grande, MS. OBJETIVO
  19. 19. TIPO DE PESQUISA - estudo descritivo, seccional, quantitativo. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
  20. 20. 8 UBSF 3 UBSF11 UBSF 10 UBSF
  21. 21.  O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFMS no dia 16 de julho de 2015 (Parecer nº 1.151.462).  Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). ASPECTOS ÉTICOS DA PESQUISA
  22. 22. RESULTADOS Tabela 2 – Capacitações e treinamentos em DST/Aids e percepção da necessidade, Campo Grande, MS (n=140) ACS e as ações de enfrentamento da epidemia da Aids na terceira idade
  23. 23. ACS Os idosos possuem poucas informações sobre DST/Aids (CEZAR; AIRES; PAZ, 2012) A falta de informações leva tratamento tardio da doença (MATO GROSSO DO SUL, 2015b) A capacitação dos ACS favorece a ampliação de conhecimentos (DINIZ; SALDANHA, 2008) Quadrilátero da formação: a gestão, atenção, ensino e controle social (CECCIM; FEUERWERKER, 2004)
  24. 24. RESULTADOS Tabela 3 – Campanhas educativas e ações de prevenção das DST/Aids e fornecimento de preservativos nas unidades de saúde, Campo Grande, MS (n=140) UBSF e o contexto das DST/Aids
  25. 25. ACS Os idosos são sexualmente ativos, expostos às DST. A questão do uso de preservativos, deve ser assunto natural durante as consultas (LAROQUE et al., 2011) Importante investir em ações de prevenção e capacitação de profissionais da saúde para melhorar a qualidade de vida do idoso e reduzir esses índices (GIRONDI et al., 2012) Disponibilizar às pessoas idosas: preservativo masculino e feminino e gel lubrificante para práticas sexuais mais seguras (BRASIL, 2007)
  26. 26. ACS e idosos RESULTADOS Tabela 4 – Vulnerabilidade do idoso a infecção pelo HIV e dificuldade de abordar a sexualidade, Campo Grande, MS (n=140)
  27. 27. ACS Crenças equivocadas sobre a prevenção do HIV em idosos e isso contribui para aumentar a sua vulnerabilidade à infecção (BITTENCOURT et al., 2015) Os idosos acreditam que picada de mosquito (79,9%), compartilhamento de sabonetes e toalhas (62,1%), talheres, copos e pratos (62,3%) podem transmitir o vírus (PEREIRA; BORGES, 2010) ACS, enquanto veículos de informações colaboram para que as famílias sejam orientadas a se prevenir de inúmeras doenças e pensar em ter saúde (DINIZ; SALDANHA, 2008) É recomendável incentivar o uso de preservativos durante a relação sexual e realizar atividades para ampliar a procura do teste anti-HIV (ANDRADE; SILVA; SANTOS, 2010)
  28. 28. Médicos da estratégia de saúde da família e idosos RESULTADOS Tabela 5 – Diagnóstico de DST em idosos, oferta de testagem e medicamentos para disfunção erétil e orientação para uso de preservativos, Campo Grande, MS (n=48)
  29. 29. MÉDICOS 56% dos idosos dos CCI são vulneráveis a Aids por manterem relação sexual desprotegidas (DRIEMEIER, 2010) Existem ideias conflitantes sobre o uso de preservativos (RODRIGUES; PRAÇA, 2010) Os idosos são sexualmente ativos, mas não dialogam com os profissionais de saúde. (LAROQUE et al., 2011)
  30. 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os ACS tem o conhecimento da vulnerabilidade dos idosos ao risco de infecção do HIV; Parte dos ACS não receberam capacitação para esta temática, encontram dificuldades para abordar a sexualidade nas visitas domiciliares e necessitam de treinamento específico; Os ACS referem que há distribuição regular de preservativos, entretanto, não identificam estratégias e ações para enfrentamento da epidemia neste grupo etário. A Educação Permanente em Saúde pode ser uma grande oportunidade dos ACS e outros profissionais da ESF aprofundar seus conhecimentos como metodologia crítico-reflexiva sobre seu processo de trabalho.
  31. 31. REFERÊNCIAS AFFELDT, A. B.; SILVEIRA, M. F.; BARCELOS, R. S. Perfil de pessoas idosas vivendo com HIV/AIDS em Pelotas, sul do Brasil, 1998 a 2013. Epidemiologia de Serviços de Saúde, Brasília, v. 24, n. 1, p. 79-86, jan./mar. 2015. BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. ______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia prático do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. ______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. ______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS Ano III, n. 1. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. ______. Guia de Políticas, Programas e Projetos do Governo Federal: Compromisso Nacional para o Envelhecimento Ativo, Brasil. Neusa Pivatto Müller (Org.). Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, 2015. ______. IBGE. Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades da Federação. [Acesso em 2016 abr 30]. Disponível em: URL: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO. Programa Municipal de DST/AIDS. Campo Grande: SESAU, 2014. Anual.
  32. 32. COSTA, I. B. Epidemiologia molecular do vírus da imunodeficiência humana 1 (HIV-1) em mulheres (mães e grávidas) dos Estados do Acre e Tocantins, Brasil. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários, Belém, 2009. FIOCHI, P. I. C. Q. De posição em posição: os giros de discurso e a questão do saber na Educação em Saúde a partir de uma experiência junto a equipes da Estratégia Saúde da Família. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Assis, 2009. GOMES, R. S. O trabalho no programa saúde da família do ponto de vista da atividade: a potência, os dilemas e os riscos de ser responsável pela transformação do modelo assistencial. Tese (Doutorado) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de janeiro, 2009. GLINA, S. Aids também atinge os idosos. Diário de São Paulo, 2004. Disponível em:< http://www.aids.gov.br/noticia/aids-tambem-atinge-os-idosos>. Acesso em: 18 fev. 2016. HILDEBRAND, S. M.; SHIMIZU, H. E. Percepção do agente comunitário sobre o Programa Família Saudável. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 61, n. 3, p. 319-24, maio/jun. 2008. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mudança Demográfica no Brasil no Início do Século XXI Subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. KEIBER, R.; QUEIROZ, T. B.; MOTA, M. M. A. Incidência de HIV/AIDS na Terceira Idade Atendidos de 2006 a 2011 no Serviço de Assistência Especializada da Policlínica de Gurupi – Tocantins, São Paulo, v. 1, n. 6, p. 269-869, 2013. Disponível em: <http://ojs.unirg.edu.br/files/journals/6/articles/269/supp/269-869-1-SP.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2014.
  33. 33. LIMA-COSTA, M. F.; VERAS, R. Saúde pública e envelhecimento. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 700-701, maio/jun. 2003. MOREIRA, W. C. LAGO, E. C. VIANA, M. R. P. CARVALHO, A. R. B. FROTA, B. C. PEREIRA, P. S. L. Sexualidade e prevenção de IST e HIV/aids entre idosos usuários da estratégia saúde da família. Revista Prevenção de Infecção e Saúde - REPIS, v. 1, n. 3, p.76-82, 2015. SANTOS, A. F. M.; ASSIS, M. Vulnerabilidade das idosas ao HIV/AIDS: despertar das políticas públicas e profissionais de saúde no contexto da atenção integral: revisão de literatura. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 14, n. 1, p. 147-157, jan. 2011. SCHNEIDER, R. H.; IRIGARAY, T. Q. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 4, p. 585-593, out./dez. 2008. SOUZA, T. R. C. Impacto Psicossocial da Aids: enfrentando perdas...ressignificando a vida. São Paulo: Centro de Referência e Treinamento DST/Aids, 2008. STEPHENS, P. R. S.; OLIVEIRA, M. B. S. C.; RIBEIRO, F. C.; CARNEIRO, L. A. D. Virologia: Conceitos e Métodos para a Formação de Profissionais em Laboratórios de Saúde. Capítulo 2, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: < http://www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/cap2.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2014.
  34. 34. UNAIDS - Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. People living with HIV. july/ sept., 2014. Disponível em: http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/01_PeoplelivingwithHIV.pdf. Acesso em: 20 dez. 2015. ZORNITTA, M. Os novos idosos com aids e desigualdade à luz da bioética. 2008. 100 p., tab., graf. Dissertação (Mestrado) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2008.
  35. 35. OBRIGADA!!! “Apenas quando somos instruídos pela realidade é que podemos mudá-la”. (Bertolt Brecht)

×