Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
Chargement dans…3
×
1 sur 28

Metodos

  1. 1. MÉTODOS E PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS
  2. 2. Caminho para se chegar a um fim; Modo ordenado de fazer as coisas; Conjunto de procedimentos técnicos e científicos. MÉTODOS
  3. 3. MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO Um conjunto de princípios teórico-procedimentais que organizam o trabalho pedagógico em torno da alfabetização. Um conjunto de saberes práticos ou de princípios organizadores do processo de alfabetização, (re)criados pelo professor em seu trabalho pedagógico.
  4. 4. . “É difícil comprovar a superioridade absoluta de um método sobre outro. (..) uma turma x pode obter maiores ou menores resultados dependendo do que se considera como “bons resultados” em matéria de leitura: capacidade de decodificar quaisquer novas combinações de letras? Leitura oral ou fluente? Interpretação do significado?” CARVALHO, Marlene. Guia Prático do Alfabetizador.4.ed. São Paulo: Ática, p.35-42 Qual é o melhor método para ensinar a ler?
  5. 5. Se todos os métodos servem para aprender a ler, tanto faz escolher um ou outro? “Não, absolutamente. (...) Exemplo: pessoas recém-alfabetizadas por métodos sintéticos são em geral mais atentas à decodificação integral do texto, que é lido palavra por palavra, sem omissões ou substituições. Contudo, são menos preparadas para a tarefa de interpretação”. CARVALHO, Marlene. Guia Prático do Alfabetizador.4.ed. São Paulo: Ática, p.35-42.
  6. 6. O que deve ser levado em conta no momento de escolher um método? “Simples: estude o método antes de aplicá-lo. É melhor refletir antes do que corrigir depois. Recomendações: considere os fundamentos teóricos (...), as etapas de aplicação (...), o material necessário (...), os resultados previsíveis (...)”. CARVALHO, Marlene. Guia Prático do Alfabetizador.4.ed. São Paulo: Ática, p.35-42.
  7. 7. SINTÉTICOS Método Alfabético (Soletração) Método Fônico Método Silábico ANALÍTICOS Palavração Sentenciação Global de Contos/Textos MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO
  8. 8. MÉTODOS SINTÉTICOS (alfabético, silábico, fônico) (Orientações da SEE, cad. 3, pg.36) PROPOSTA ENFOQUE VANTAGENS LIMITAÇÕES Progressão de unidades menores (letra, fonema, sílaba) a unidades mais complexas (palavra, frase, texto). Processos de decodificação, análise fonológica, relações entre fonemas (sons) e grafemas (letras) Possibilita a análise das relações entre fonemas (sons ou unidades sonoras) e grafemas (letras ou grupo de letras) Promove o desenvolvimento da consciência fonológica e os processos de codificação e decodificação. Desconsidera os usos e funções sociais da escrita. Em algum momento, o aprendiz tem que se desvincular da fala para codificar (escrever) e decodificar (ler) palavras, frases e textos, já que em alguns casos a escrita não representa os sons da fala.
  9. 9. MÉTODOS ANALÍTICOS (cad.3) (palavração, sentenciação, global contos/textos) (Orientações da SEE, cad. 3, pg.36) PROPOSTA ENFOQUE VANTAGENS LIMITAÇÕES Progressão de unidades de sentido mais amplas (palavra, frase, texto) a unidades menores (sílabas e sua decomposição em grafemas e fonemas). Compreensão de sentidos e aprendizagem ideovisual (reconheci- mento global pela silhueta da palavra, frase ou texto). Reconhecimento global e mais rápido das palavras, possibilitando a leitura de unidades com sentido desde o início da escolarização. Se não houver uma correta orientação do professor: Pode dificultar a leitura com sentido quando o texto apre- sentar palavras completamente novas. Se não houver uma orientação correta para a decodificação, corre-se o risco do aluno utilizar do recurso da memorização sem observar que as palavras são compostas de unidades menores.
  10. 10. MARCHA 1º Passo: Memorização do nome das letras; 2º Passo: Representação gráfica; 3º Passo: Representação famílias silábicas (b+a=ba; b+e=be, b+i=bi) 4º Passo: Monossílabos, dissílabos, trissílabos e sílabas não canônicas. 5º Passo: Textos segmentados (a ca sa a ma re la na flo res ta) MÉTODO ALFABÉTICO (SOLETRAÇÃO) (SINTÉTICO)
  11. 11. MARCHA 1º passo: Vogais: nome e som das letras são iguais 2º passo: palavras formadas apenas por vogais 3º passo: apresentação dos fonemas regulares (d, b, f, j,m,n...) de forma isolada e processualmente os irregulares 4º passo: junção dos fonemas regulares e, processualmente os irregulares, com as vogais, formando sílabas 5º passo: formação de palavras 6º passo: formação de frases 7º passo: formação de textos MÉTODO FÔNICO (SINTÉTICO)
  12. 12. MARCHA 1º passo: Apresenta-se as vogais, com ajuda de ilustrações e palavras como “o” de OVO; “e” de ELEFANTE; 2º passo: Apresentam-se as sílabas canônicas, utilizando palavras e ilustrações e destacando a sílaba na palavra: ma de macaco, na de navio, pa de panela, e as não canônicas, de forma processual; 3º passo: Famílias silábicas da sílaba em destaque na palavra; 4º passo: Formação de palavras; 5º passo: Formação de frases; 6º passo: Formação de pequenos textos. MÉTODO SILÁBICO (SINTÉTICO)
  13. 13. MARCHA 1º passo: Apresentação de palavras ilustradas que fazem parte do universo infantil; 2º passo: Memorização (leitura e escrita da palavra) 3º passo: divisão silábica das palavras 4º passo: formação de novas palavras com as sílabas estudadas; 5º passo: estudo e análise de grafemas/fonemas 6º passo: formação de frases 7º passo: formação de textos PALAVRAÇÃO (ANALÍTICO)
  14. 14. MARCHA 1º passo: Apresentação de frases que fazem parte do universo infantil; 2º passo: Memorização (leitura e escrita da frase); 3º passo: Observação de palavras semelhantes dentro da sentença; 4º passo: Formação de grupo de palavras; 5º passo: Isolamento de elementos conhecidos dentro da palavra (sílaba); 6º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas SENTENCIAÇÃO (ANALÍTICO)
  15. 15. MARCHA 1º passo: Apresentação de partes do texto com sentido completo, em cartazes; 2º passo: Memorização - leitura e escrita do texto; 3º passo: Decomposição do texto estudado em frases, (iniciando- se o estudo do 2º cartaz)‫;‏‬ 4º passo: Decomposição das frases em palavras; 5º passo: Decomposição das palavras em sílabas; 6º passo: Formação de novas palavras com as sílabas estudadas; 7º passo: Estudo e análise de grafemas/fonemas. GLOBAL DE TEXTOS/CONTOS (ANALÍTICO)
  16. 16. MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO (equilíbrio e articulação) • princípios de decodificação e de organização do sistema alfabético-ortográfico da escrita; • princípios de compreensão, reconhecimento global e construção de sentidos em contextos de usos sociais da escrita e da leitura; • princípios pertinentes à progressão das capacidades das crianças, com ênfase em intervenções para avanços. Caderno 3 SEE/MG
  17. 17. E hoje, que critérios observar na escolha dos métodos de alfabetização? - Qualquer que seja o método escolhido, deve ser observado um envolvimento sistemático dos alunos com a escrita em muitas situações sociais. - Qualquer que seja o método, o reconhecimento da dimensão fonológica da língua é indispensável para a aquisição da base alfabética.
  18. 18. Orientações para a Organização do Ciclo Inicial de Alfabetização (Caderno 1 – p.22) “As metodologias de ensino, por si mesmas, não são suficientes para assegurar resultados positivos, pois dependem sempre do professor, de sua sensibilidade para interpretar as necessidades dos alunos – particularmente daqueles queparticularmente daqueles que apresentam dificuldades no processoapresentam dificuldades no processo de aprendizagem”.de aprendizagem”. (grifo nosso)(grifo nosso)
  19. 19. “Mais do que pensar em métodos, é preciso compreender os processos de aprendizagem da criança ao tentar reconstruir a representação do sistema alfabético”. EMÍLIA FERREIRO
  20. 20. TEORIA X MÉTODO Caminho para chegar a um fim; Modo ordenado de fazer as coisas; Conjunto de procedimentos técnicos e científicos. Forma de pensar e entender algum fenômeno. MÉTODOTEORIA
  21. 21. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO (Magda Soares, 1998) O PAPEL DO PROFESSOR É ENSINAR A LER E ESCREVER NO CONTEXTO DAS PRÁTICAS SOCIAIS DE LEITURA E ESCRITA, DE MODO QUE O INDIVÍDUO SE TORNE, AO MESMO TEMPO, ALFABETIZADO E LETRADO.
  22. 22. MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO Longe de estarem aqui para nos confundir, para determinar nossa personalidade ou nossa prática como professores,estão aqui para nos darem suporte e nos ajudar a alcançar nossas metas!
  23. 23. Eu educo hoje, Com os valores que eu recebi ontem Para as pessoas que são o amanhã. Os valores de ontem eu conheço, Os de hoje, percebo alguns Dos de amanhã, não sei. Se só uso os de hoje,não educo: complico Se só uso os de ontem, não educo: condiciono. Se só uso os de amanhã, não educo Faço experiências as custas das crianças EDUCAR EM TRÊS TEMPOS
  24. 24. Se uso os três, sofro, mas educo Por isto educar é perder sempre, sem perder-se. Educa quem fundi ontens, hojes e amanhãs Transformando-os num presente Onde o amor e o livre arbítrio Sejam as bases. Terezinha Matheus Andrade
  25. 25. Para saber mais sobre métodos... Orientações para a Organização do Ciclo Inicial de Alfabetização Caderno 1, p.22 - Um problema de método? Caderno 2, p.11 – Concepção de alfabetização e letramento Caderno 3, p.35 – O lugar da discussão metodológica no conjunto de decisões relacionadas à alfabetização Cantalelê Caderno do Professor, p.2 – A disputa entre os métodos de alfabetização.
  26. 26. REFERÊNCIAS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS  CARVALHO, Marlene. Guia prático do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1999. 95p.  Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita. Orientações para a organização do ciclo inicial de alfabetização. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, 2003. 6 vol.  ELIAS, Marisa Del Cioppo. De Emilio a Emilia: a trajetória de alfabetização.  FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1991.103p.  FONTANA, Roseli; CRUZ, Nazaré. Psicologia e trabalho pedagógico. São Paulo: Atual, 1997. 231p.  FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. METODOLOGIA e didáticas de alfabetização: história, características e modos de fazer de professores. Belo Horizonte: CEALE, 2005.  Guia do Alfabetizador. Belo Horizonte: 2008.  MADI, Sônia. Cantalelê.  LEMLE, Miriam. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática, 2000. 70p.  LUCK, Heloísa. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. São Paulo: Vozes, 1994. 90p.
  27. 27. REFERÊNCIAS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS  MENDONÇA, Onaide Schwartz; MENDONÇA, Olympio Correa. Alfabetização: método sociolinguístico: consciência social, silábica e alfabética em Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2007.150p.  OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione 1997. 111p.  Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Secretaria de Educação Fundamental. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. 126p.  RIZZO, Gilda. Alfabetização natural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998, 336p  SEE. Resolução 1086/2008. Belo Horizonte: 16/04/2008.  SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.124p.  VEREDAS, Coleção. Formação Superior de Professores. Módulo 5, vol. 1, SEE/MG, pg. 27.  www.google.com.br, pesquisa baseada nos termos: História dos Métodos de Alfabetização, Vygotsky, Métodos de Alfabetização, Piaget, Construtivismo, Comenius, Paulo Freire,entre outros. portal.mec.gov.br, em História dos Métodos de Alfabetização no Brasil, de Maria do Rosário Longo Mortatti

×