Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
Prochain SlideShare
Livreto ana
Livreto ana
Chargement dans…3
×
1 sur 13

O que é o pacto

  1. 1. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA MEC/ SEB/ Estados e Municípios
  2. 2. I- InformaçõesGerais • Polo UFSCar- São Paulo • Dr.ª Maria Sílvia Cintra Martins • Coordenadora Geral • Dr.ª Mônica Baltazar Diniz Signori • Coordenadora Adjunta • Coordenadora do Pacto na SME: Fátima Ap. Antonio • Formadoras do grupo: Alfredina Nery e Yeda Lima Varlotta
  3. 3. O que é o PACTO O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados e municípios de assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º ano do ensino fundamental. Ao aderir ao Pacto, os entes governamentais se comprometem a: • alfabetizar todas as crianças em língua portuguesa e em matemática; • realizar avaliações anuais universais, aplicadas pelo INEP, junto aos concluintes do 3º ano do ensino fundamental; • no caso dos estados, apoiar os municípios que tenham aderido às Ações do Pacto, para sua efetiva implementação. http://pacto.mec.gov.br/
  4. 4. Ações do Pacto/ Articulação Gestão Comu ni- cação Controle social e Mobilização Materiais, L iteratura, Te cnologias Avaliação Formação
  5. 5. Eixos de Atuação 1- Formação • - 360 mil professores alfabetizadores nos municípios onde trabalham • CONTEÚDO • - Curso presencial e contínuo, carga horária de 120 horas anuais, com 2 anos de duração • - Encontros mensais conduzidos pelos Orientadores de Estudo • - Foco nas práticas pedagógicas em sala de aula, apoiado nos direitos de aprendizagem de cada etapa • - Articulação dos livros, materiais pedagógicos e sistemas de avaliação. • METODOLOGIA • - 18 mil Orientadores de Estudo que atuarão como formadores locais, formados por 34 universidades públicas • - Curso inicial de 40 horas e mais 160 horas distribuídas ao longo do ano
  6. 6. 2- Materiais • Livros didáticos de 1º, 2º e 3º anos, distribuídos por meio do Programa Nacional do Livro Didático • Obras complementares aos livros didáticos para cada turma • Jogos Pedagógicos para o apoio à alfabetização (para salas de aula de 1º e 2º ano). • Livros de literatura (mini-bibliotecas para cada turma de alfabetização), por meio do Programa Nacional Biblioteca da Escola, inclusive no padrão para com necessidades especiais. • Obras de apoio pedagógico para os professores. • Uso e integração de conteúdos, com foco na alfabetização, da TV Escola, Portal do Professor, Banco Internacional de Objetos, dentre outros.
  7. 7. 3- Avaliações • Avaliações contínuas em sala de aula, conduzidas pelos professores, utilizando instrumentos de avaliação e de registro de aprendizagem. • Avaliação das atividades realizadas em sala de aula, nos encontros mensais de formação entre Professores Alfabetizadores e seu Orientador de Estudos. • Avaliações nas reuniões, também mensais, entre Orientador de Estudo, Diretor, Coordenador Pedagógico e Coordenador local. • Aplicação da Provinha Brasil, pelas próprias redes, no início e no final do 2º ano do ciclo de alfabetização. • Aplicação de avaliação externa, universal, ao final do 3º ano, desenvolvida e aplicada pelo INEP.
  8. 8. 4- Gestão e Mobilização • Arranjo institucional • Comitê Gestor Nacional • Fóruns Estaduais de Coordenação Institucional • Coordenações Estaduais • Coordenações Municipais • Sistema informatizado de monitoramento (SisPacto) • Controle social e mobilização – Reuniões periódicas com Conselhos de Educação, Conselhos Escolares e pais para acompanhamento da aprendizagem das crianças. • Mecanismos de incentivo e reconhecimento para os professores, escolas e redes que alcançarem bons resultados.
  9. 9. Cadernosde Formação/Estrutura • Iniciando a conversa • Identificação de concepções • Aprofundando o tema • Estudo dirigido: conceitos norteadores • Compartilhando • Diálogos entre teoria e prática • Relatos de experiência • Ações pedagógicas • Aprendendo mais • Sugestões de leitura • Sugestões de atividades para os encontros em grupo
  10. 10. II-Início de conversa: reflexão sobre “mudança de perspectiva” Por que PACTO e não Programa? Por que DIREITO de APRENDIZAGEM, para além de Competências / Habilidades / Expectativas / Objetivos de Aprendizagem?
  11. 11. III- O PACTO: concepções e conceitos 1- Direito à alfabetização PACTO = a criança brasileira tem o Direito de estar alfabetizada até os 8 anos de idade # “espera-se que a criança aprenda...”. Trata-se de a criança TER O DIREITO DE ESTAR ALFABETIZADA, numa perspectiva da construção da cidadania.
  12. 12. 2- Currículo, na perspectiva da Educação Inclusiva; 3- Alfabetização, na perspectiva do Letramento; 4- Direitos de Aprendizagem explicitados nos Eixos estruturantes: oralidade, da produção escrita, da leitura e da análise linguística ( discursividade, textualidade, normatividade e apropriação do sistema de escrita).
  13. 13. O sujeito que aprende Trecho de “Infância” ( ...) Eu não lia direito, mas, arfando penosamente, conseguia mastigar os conceitos sisudos: “A preguiça é a chave da pobreza – Quem não ouve conselhos raras vezes acerta – Fala pouco e bem: ter-te-ão por alguém.” Esse Terteão para mim era um homem, e não pude saber que fazia ele na página final da carta. As outras folhas se desprendiam, restavam-me as linhas em negrita, resumo da ciência anunciada por meu pai. - Mocinha, quem é o Terteão? Mocinha estranhou a pergunta. Não havia pensado que Terteão fosse homem. Talvez fosse. “Fala pouco e bem: ter-te-ão por alguém.” - Mocinha, que quer dizer isso? Mocinha confessou honestamente que não conhecia Terteão. E eu fiquei triste, remoendo a promessa de meu pai, aguardando novas decepções. (Ramos, Graciliano. Infância. Capítulo “Leitura”. São Paulo: Martins, 1972)

×