Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

GR junho2018

58 vues

Publié le

Tainha

Publié dans : Sciences
  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

GR junho2018

  1. 1.  2018 GLOBO RURAL 89 VIDANA FAZENDACRIAÇÃO CULTIVO CULTURA CULINÁRIA LAZER ©RAULSPINASSÉ/ED.GLOBO Interesse dos consumidores por sabores diferentes vem aumentando a demanda pela fruta da Região Norte Texto João Mathias Você conhece o abiu? 392COMOPLANTAR.indd 89 25/05/2018 19:53:54
  2. 2. 90 GLOBO RURAL  2018 COMO PLANTAR ©1THINKSTOCK;2RAULSPINASSÉ/ED.GLOBO ©1 P resente aqui an- tes da chega- da dos coloniza- dores europeus no século XVI, o abieiro (Pouteria caimito) é retratado em várias obras uti- lizadas como registro de mis- sionários, naturalistas e via- jantes que percorreram a Amazônia nos períodos colo- nial, imperial e nas primeiras décadas da República. Bas- tante cultivado em quintais, pomares e jardins brasileiros por muitos anos, sua impor- tância como produto agrícola também foi destacada por bo- tânicos estrangeiros em pas- sagem pelo país. Contudo, o abiu passou a perder espaço no mercado consumidor a partir de mea- dos dos anos 1960, período em que era uma das frutas mais comuns no Estado do Pará e, por isso, também ficou conhe- cido como abiu-do-pará. O aumento do comércio de fru- tas de outras regiões do Brasil e oriundas de diferentes paí- ses e a falta de pesquisas em melhoramento genético, con- trole de pragas e conservação pós-colheita contribuíram para reduzir a competitivida- de do fruto do abieiro, tam- bém chamado de abiu-agulha no caso dos tipos com extre- midade pontiaguda comprida. Em anos recentes, porém, a procura pelo abiu tem au- mentado com o crescimen- to do interesse pelos sabores diversificados da fruticultu- ra nacional. Maduro quando a casca apresenta-se amarela, o abiu é dotado de nutrientes como potássio, cálcio, fósfo- ro, magnésio e ferro, além de vitaminas, com destaque pa- ra a riboflavina. A polpa do- ce, gelatinosa e translúcida, que envolve de uma a cinco sementes lisas, é consumida somente in natura, pois pos- sui látex, que coagula rapi- damente ao ter contato com o ar e tem um processo veloz de escurecimento, por causa da oxidação enzimática. Pertencente à família Sa- potaceae, que inclui a plan- ta do canistel, o abieiro é uma árvore de pequeno porte, que pode atingir de 10 a 15 metros de altura na natureza. Se pro- pagada por via assexuada (en- xertia ou estaquia), não ultra- passa 7 metros em locais com bastante luz solar, podendo ser plantado em quintais. O cres- cimento, no entanto, pode ser controlado com duas podas por ano da porção terminal. A copa do abieiro chega a 8 metros de diâmetro e con- ta com flores amarelas que se mantêm abertas por mais de 24 horas, possibilitando a polinização por insetos tan- to de hábitos noturnos quan- to diurnos. As florações da fruteira variam de acordo com a região do plantio, sen- do três na Amazônia Central, por exemplo, com picos entre março e setembro e produção de frutos em abril, junho e ou- tubro. Na Amazônia Oriental brasileira, a frutificação con- centra-se nos primeiros me- ses do ano. *José Edmar Urano de Carvalho é pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Tv. Dr. Enéas Pinheiro, s/no , Belém (PA), Caixa Postal 48, CEP 66095- 100, tel. (91) 3204-1000, www.embrapa. br/fale-conosco Onde comprar: mudas e sementes podem ser adquiridas em viveiristas da região amazônica, colecionadores de espécies frutíferas da Região Sudeste, Universidade Estadual Paulista (Campus de Jaboticabal) e Embrapa Amazônia Oriental Mais informações: Abieiro, publicação da série Frutas Nativas, que pode ser adquirida pelo site da livraria Funep (http://livraria.funep.org.br) 392COMOPLANTAR.indd 90 24/05/2018 20:15:32
  3. 3.  2018 GLOBO RURAL 91 Mãos à obra ©1 INÍCIO Além de viveiristas, sobretudo localizados no Estado do Pará, mudas enxertadas estão disponíveis até por meio do comércio eletrônico. Antes de com- prar, porém, obtenha referências sobre o estabelecimento, para garantir uma aquisição segura. O campus de Jaboticabal da Universi- dade Estadual Paulista (Unesp) também fornece garfos, enquanto a Embrapa Amazônia Oriental, sementes na época da safra. AMBIENTE Quente e úmido, com chuvas distribuídas o ano todo, é o ideal para o plantio do abiei- ro, que não suporta geadas. A espé- cie também se adapta a locais com temperaturas mais amenas (clima subtropical). A planta de abiu deve ser cultivada, contudo, em áreas com pleno sol, para atingir uma produção de frutos vigorosa, desde que não seja submetida a seca. PROPAGAÇÃO Mais fácil é por via sexuada, método bastante utilizado pelos agriculto- res familiares. Entretanto, para pomares comerciais, recomenda- -se a prática da enxertia por garfa- gem no topo em fenda cheia, com uso do próprio abieiro como porta- -enxerto. A estaquia ainda não tem registros suficientes em larga es- cala para ser indicada. PLANTIO Deve ser em terra firme, com solos profundos e com boa drenagem o ano inteiro, se contar com irrigação suplementar. Caso contrário, dê preferência para o início do período de chuvas. Áreas de várzea alta sem inunda- ções são mais uma alternativa. Uma dica para reduzir os custos é cultivar a fruteira em terrenos antes ocupados com plantas anu- ais ou semiperenes. Faça o tutora- mento com estacas de bambu para que as mudas não tombem com rajadas de vento. ESPAÇAMENTOParaplan- tasoriundas desementes éde 5x5metros,8x8metros ou 14 x6 metros, enquanto paramudas obti- das porviaassexuadaéde7x5 metros. É importantequeaslinhas sigam a orientação leste-oeste.Abra com dragas manuais,enxadões ou mecanicamentecovas comdimen- sõesde40x40x40centímetros. ADUBAÇÃO De, no mínimo, 5 litros de esterco de galinha, ou 10 litros de cama de aviário, mais 200 gramas de superfosfato triplo para cada cova. O esterco de galinha pode ser substituído por 2 quilos de torta de mamona ou 8 litros de esterco de bovino, que devem estar fermentados. Em um raio de cerca de 50 centíme- tros da planta, aplique cobertura morta para diminuir a incidência de ervas daninhas e impedir variações bruscas de temperatura do solo. PRODUÇÃO Inicial do abieiro multiplicado por semen- tes, aos dois anos de idade, raramente ultrapassa 2 quilos de frutos por planta. Porém, a partir do terceiro ano, a produtivi- dade aumenta para, em média, 15 quilos de abius. No quarto ano, a frutificação pode chegar a 100 quilos, quantidade que é atingida somente aos oito anos em frutei- ras enxertadas. Colha manualmen- te o abiu quando estiver com 50% a 70% da casca amarela, para uma vida pós-colheita mais longa. RAIO X SOLO: profundo e com boa drenagem CLIMA: quente e úmido ÁREA MÍNIMA: quando adulto, ocupa entre 20 e 25 metros quadrados COLHEITA: após dois anos do início do plantio de abieiros propagados por via sexuada (semente) CUSTO: a muda enxertada tem preço que varia de R$ 15 a R$ 20 392COMOPLANTAR.indd 91 24/05/2018 20:15:33
  4. 4. 92 GLOBO RURAL  2018 COMO CRIAR C arne saborosa com preço aces- sível para a maior parte da popu- lação é a combi- nação que faz da tainha (Mu- gil liza) uma excelente opção para a piscicultura comer- cial. Seu baixo valor de mer- cado, que pode ser visto como um desestímulo à criação, é compensado pela boa procura pelos brasileiros. Além disso, sem necessidade de grandes investimentos, a atividade é favorecida pelo competitivo custo-benefício que oferece à produção do peixe. Ao contrário de outras es- pécies que apresentam pre- ço de venda alto, mas deman- dam elevados recursos para a engorda, a tainha tem ótimo desenvolvimento quando vi- ve em confinamento, exigindo pouco capital de giro e possi- bilitando obter resultados lu- crativos. A tainha ainda tem a vantagem de ser criada tan- to em água doce quanto sa- lobra, ampliando as alternati- vas de empreendimento para o produtor. Na natureza, após passar seu primeiro ano de vida no mar, nada até os estuários e lagoas costeiras – áreas flu- viais próximas do mar com água doce e salgada mistu- radas –, onde permanece por quatro a seis anos, tornando- se adulta. A volta ao oceano ocorre na migração reprodu- tiva, quando desova cerca de 5 milhões de ovos por fêmea. Operíododemultiplicação, quevaideabrilajulho,tam- béméodegrandeperigopara atainha.Apescapredatóriaem buscadeovasdopeixeantes dafecundação,produtovalori- zadoempaíseseuropeuseasi- áticos,vemreduzindooesto- quenaturaldopescado.Como temhábitodesedeslocarem cardume,especialmentepró- ximoaolitoral,atainhaépresa fácilparaospescadores. No Brasil, pode ser en- contrada do Estado do Ama- pá até o Paraná. Tem hábitat nas proximidades dos costões rochosos e recifes, perto das Criado em água doce ou salobra, sem exigir grandes gastos, peixe tem carne muito apreciada e garantia de boa demanda Texto João Mathias Tainha 392COMOCRIAR.indd 92 24/05/2018 20:52:26
  5. 5.  2018 GLOBO RURAL 93 Mãos à obra praias de areia e nos mangue- zais, locais que são fonte das algas consumidas pelas tai- nhas. Mas a poluição e outros aspectos do desenvolvimento urbano têm degradado essas áreas de alimentação do pei- xe, gerando mais uma dificul- dade para sua sobrevivência. Em vivieiros, a produção de tainha pode ser realizada o ano inteiro, permitindo for- necimento contínuo de carne para o comércio sem depen- der apenas da época de safra. O uso de tanques escavados e de tecnologia simples, além do fácil manejo alimentar, fa- vorece o cultivo da espécie, que atinge com 1 ano de idade o peso de 600 gramas a 1 quilo para iniciar as vendas. Da família Mugilidae, a tai- nha sempre esteve presente nos pratos dos consumidores daqui e do mundo. Faz parte da dieta humana desde o im- pério romano e é comum na cozinha do Mediterrâneo. Pei- xe de corpo alongado, cober- to por escamas e de coloração prata-azulado nos flancos, gosta de se deslocar com ve- locidade na parte superior das águas, característica adequa- da para a pesca esportiva, po- dendo assim também ser for- necido vivo para estabeleci- mentos de pesque-pague. *Fábio Rosa Sussel é zootecnista, doutor e pesquisador científico do Instituto de Pesca de São Paulo – UPD Pirassununga/Cachoeira de Emas (SP), tel. (19) 3565-1200, fabio@pesca. sp.gov.br Onde adquirir: Laboratório de Piscicultura Marinha (Lapmar) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Caixa Postal 476, CEP 88040- 970, Florianópolis (SC), tel. (48) 3721- 4793 / 3721-6386, lapmar@ufsc.br Mais informações: Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Rod. Admar Gonzaga, 1347, Itacorubi, Caixa Postal 502, CEP 88034-901, Florianópolis (SC), tel. (48) 3665-5000; e Bruno Scopel, engenheiro de pesca, tel. (85) 99286-6767, brscopel@hotmail.com RAIO X Criação mínima: 1 milheiro Custo: R$ 1 é o preço de cada unidade Retorno: 1 ano Reprodução: a partir dos 3 anos INÍCIO Alevinos com tama- nho comercial pesam 2 gra- mas e são bem resistentes, já se apresentando tolerantes ao manejo em viveiros. Adquira o milheiro de criadores idôneos ou com referên- cia. Consultar técnicos e especialis- tas também colabora para ampliar o conhecimento sobre os cuidados básicos da criação. AMBIENTE A tainha tem boa adaptação em regiões de clima temperado e tropical, possibili- tando seu desenvolvimento em todo o território nacional. No Nordeste, porém, a atividade pode ser mais vantajosa, pois a espécie tem cres- cimento acelerado em águas mais quentes, apesar de precisar de baixas temperaturas para a repro- dução. Embora também possa ser criado em água doce, os melhores resultados da atividade têm sido obtidos na salgada, que, por sua vez, não exige correções de pH, dureza e alcalinidade. TANQUES Não necessitam de adaptação especial. De di- ferentes tipos, podem ser escava- dos com fundo de terra, revestidos com geomembrana, tanques-redes ou com sistema de recirculação de água. Precisam, no entanto, de um sistema de abastecimento e vazão de água, com tubulações e mon- ge. É preciso verificar a viabilidade da topografia do terreno e a docu- mentação do empreendimento. ALIMENTAÇÃO Natural (adubação orgânica) existente no viveiro pode ser suficiente para a engorda da tainha, reduzindo os cus- tos de produção do peixe, que é pou- co exigente no consumo de proteína. Sem ração específica disponível no mercado, a tainha aceita bem as op- ções existentes no varejo para outras espécies aquáticas. CUIDADOS São necessários em re- lação ao ataque de predado- res. O hábito de a tainha nadar próximo da superfície torna o pei- xe alvo fácil para a caça de pássaros. Redes de proteção vendidas em lo- jas agropecuárias são uma alternati- va de proteção. Também é importan- te ter atenção quanto à qualidade da água. Por isso, assegure a origem do fornecimento e a manutenção, cujas técnicas podem ser auxiliadas com dicas dadas por um profissional ex- periente em piscicultura. REPRODUÇÃO Tem início em períodos diferentes para machos, os quais são mais precoces que as fêmeas. No sul do país, ocor- re entre maio e agosto, variando de um ano para outro, de acordo com a temperatura. Mas, como em viveiro é necessária a indução hormonal, o processo reprodutivo deve ser rea- lizado em laboratórios especializa- dos. Embora exista criação comer- cial de tainhas na Ásia há mais de 400 anos, o Brasil é pioneiro na re- produção artificial da espécie. ©THINKSTOCK 392COMOCRIAR.indd 93 24/05/2018 20:52:30
  6. 6. NINA HORTA écozinheira, escritorae proprietáriado bufêGinger.É autoradoslivros Nãoésopa(uma misturasaborosade crônicasereceitas) eVamoscomer 94 GLOBO RURAL  2018 TABULEIRO POR NINA HORTA ©ILUSTRAÇÃO:THINKSTOCK Comidaàsvezesatéumpou- co perigosa, será que está fresca debaixodessesol?Podeserperi- gosa,masraramentemata.Mor- rer de pastel de feira. Muito difí- cil. A sensação é tão boa, aquele vento, a descontração, o cuidado comoguardanapodepapelpara não sujar a blusa ou a camisa. O mesmopastel,emcasa,nalouça da avó, fica estranho e sem pro- porção. Na mesa do restauran- te fino, pior ainda. Grande e mal acabado,comgostodegordura,é possívelquevolteparaacozinha. Desaforo,paga-seoolhodacara paratermosumpastelãodesses. E a banana real que os meni- noslevavamcedoemItapoãpa- ra te vender e depois com o di- nheiro no bolso, felizes, subiam nocoqueiro,lánoalto,entrerisa- das e gritos finos. No dia em que aavócompetitivafezopastelem casa, antes das crianças chega- rem, foi um pastel triste, mesmo quecheiodeaçúcarecanela. O mesmo com o acarajé, a gordura borbulhando, a boca vai até se enchendo de água, já pensamos no recheio, que a baiana capriche, tão bonita, ali, com sua bata de renda. Um saco de pipoca bem feio, daqueles de carrinho em fren- te do cinema, não é mais pipoca que o comprado no shopping? É, sim. A mão do pipoqueiro, forte, é a mesma que montou o carri- nho de manhã, que fez a pipoca e devolve o troco, unhas maltra- tadas. E o calor inconfundível de umcarrinhovelho,meiodescon- juntado,juntoaoseucorpo,esta- landoomilho,setransformando, sóparavocênaquelahoramági- cadeantesdo filmeprometido. Ultimamentenãosevêmuito aquele vendedor de beijus, com umamatracaeumarodadasor- te. Você comprava o saquinho dos beijus e dava uma volta na rodadosnúmeros.Seganhasse, não pagava. De onde vinha essa ideia,damatraca,dosorteio,dos homens, sempre homens, feios, mal vestidos e tristes que co- mandavam o espetáculo? Nun- ca descobri. Agora foi-se a sor- te e os beijus são vendidos nos sinais, crocantes, dentro de um plástico, um profundo sabor de infância grudado nas gengivas, no céu da boca. Eocarrinhobembrasileirode beijus e seus acompanhamen- tos, e o milho assado e a pamo- nha, o curau no copo de plástico. Oalto-falantedapamonhaéou- tro que tenta. A pamonha em si desmancha o sonho, é pesada e ruim.Etodoscansadosdesaber, ecompramosassimmesmo,co- moqueencantadospelasereia. EmSãoPaulo,naRuaAugus- ta, havia a mulher que vendia maçãseuvascarameladas.Eraa melhoruvaquejamaisseprovou. Falem a verdade. Tem gra- ça um churro no prato, no café da manhã? Nem pensar, a gra- ça toda perdida. Umdiativeaideiadeumcar- rinho de frutas secas, de no- zes, amêndoas, amendoins, to- das frescas, umas doces, ou- tras salgadas, vendidas em co- nes de papel colorido. Já estava quase escolhendo a cor de cada noz, quando vi que alguém tinha passadonafrente,roubadoami- nhaideiaeomundotodocheira- va doce, enjoado. Nunca experi- mentei,achoquepordespeito. Com certeza, as crianças de hoje vão ter muitas lembranças de comida de rua pela moda dos food trucks, vão se lembrar de sanduíches, comidas veganas, macarrõesaoluar.Ébom. Delícias das ruas C omida de rua quando consumida dentro de casa ou no restaurante mudadegostoedenome.Olugaréo mais importante. Na praia, num be- co de uma cidade desconhecida, o coração se enche de alegria porque você teve um desejo naquela hora e alguém o satisfez, na sua frente. Você viu a comida, sentiu o chei- ro, observou quem a fazia, como se fosse um homem primitivo de posse de sua caça. Come-se ali mesmo, na hora, gostoso. 392Tabuleiro.indd 94 25/05/2018 15:30:00
  7. 7. www.craftcom.com.br As mensagens dos Classificados da Revista Globo Rural são de responsabilidade de quem as assina. (11) 2657-4190 MUDAS DE ABACATE Prod. em sacola c/ substrato e se- mentescercavivaSansãodoCam- po. (17) 9.9744.5781 • 9.8209.0768 CERCA VIVA  SANSÃO DO CAMPO Faz. Renascença em promoção. Entr. todo o Brasil. Inoculante grátis. F.: (11) 4702-7078. WWW.BRAGARURAL.COM.BR Fazendas na Bahia pecuária, re- florestamento, agricultura, la- zer, etc. Atuamos em diversas regiões, com excelentes opções para seu investimento. F: (71) 9.9958-3342 Braga, Creci 6432 TRAMALTRATAMENTODE MADEIRAS Mourões, esticadores, balan- cim, lascas e Arames, tratados em autoclave. Itapetininga (15) 99119-8358/3272-3591 TELAS PARA SOMBREAMENTO SELONIT – Fone: 0800-14 44 54 Rolos de 50m x 2,5m. Site: www.selonit.com.br
  8. 8. 96 GLOBO RURAL  2018 GLOBO RURAL RESPONDE ©1 Por que ficam pretas as castanhas do meu cajueiro? Sérgio Bessa via Facebook A ANTRACNOSE É UMA doença muito comum no cultivo de cajueiro nas regiões centro-sul e centro-oeste do país. O problema ocorre so- bretudo pela incidência de chuvas nas regiões durante o período de frutificação da planta. Entre outros sintomas, a enfermidade provoca a necrose dos te- cidos superficiais das folhas, dos ramos e dos frutos do cajueiro. O controle pode ser feito com a adoção de pulverizações preven- tivas, com uso de fungicidas à base de cobre, como, por exemplo, o oxicloreto de cobre. Também recomenda-se o plantio de clones resistentes Embrapa 51, BRS 189 e BRS 275. CONSULTOR: JOSÉ EMILSON CARDOSO, pesquisador do Laboratório de Fitopatologia da Embrapa Agroindústria Tropical, Rua Dra. Sara Mesquita, 2270, Campus do Pici, CEP 60511-110, Fortaleza (CE), tel. (85) 3391-7357, www.embrapa.br/fale-conosco Caju preto Recuperação de nascente Gostaria de recuperar uma nascente que fica em uma encosta da minha pequena propriedade. O que devo plantar em seu entorno para proteção e aumento de água? Por perto, há capim- gordura, alecrim e mata nativa, composta por canudo- de-pito, pimenteira e outras espécies que desconheço. Elias Junior Vermelho Novo (MG) A RECUPERAÇÃO DE UMA nascente passa obrigatoria- mente pela restauração de sua mata ciliar. Para isso, o produtor pode desde “abandonar” a área, para que a natureza faça seu trabalho sozinha, até auxiliar nesse restabelecimento com métodos de plantio de espécies florestais. Caso opte pela inter- venção, deve-se estar sempre atento à composição das plan- tas que vai utilizar, procurando identificar quais são as nativas e indicadas para a região. Evite o uso de produtos químicos pa- ra controle do mato e cerque o local para impedir o pisoteio de animais grandes. Feijão com mosca-branca Existe algum defensivo orgânico para combater o ataque de moscas-brancas em minha plantação de feijão preto e carioca? Wender Antonio via Facebook NÃO EXISTE PRODUTO ORGÂ- NICO para o controle da mos- ca-branca, inseto que trans- mite vírus ao feijão. O comba- te da praga deve ser feito com inseticidas químicos que te- nham registro no Ministério do Ambiente, Pecuária e Abaste- cimento (Mapa). A recomenda- ção é realizar o plantio de feijão no início da estação das chu- vas, entre os meses de outubro e novembro, para que a mos- ca-branca não tenha ambien- te favorável para reduzir a pro- dução da leguminosa. Assim, não é indicado o cultivo do ali- mento no trimestre de janeiro a março, época em que as po- pulações da mosca-branca são muito altas, ao migrarem da cultura da soja para a do feijão. CONSULTORA: ELIANE DIAS QUINTELA, pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijão, Rodovia GO-462, Km 12, Fazenda Capivara, Zona Rural, CP 179, CEP 75375-000, Santo Antônio de Goiás (GO), www.embrapa.br/fale-conosco CONSULTOR: EMBRAPA FLORESTAS, Estrada da Ribeira, km 111, Caixa Postal 319, CEP 83411- 000, Colombo (PR), tel. (41) 3675-5600, www. embrapa.br/fale-conosco ©2 392GRURESPONDE.indd 96 24/05/2018 20:50:08
  9. 9.  2018 GLOBO RURAL 97 ©1,4,5ARQUIVOPESSOAL;2E3THINKSTOCK ©3 Bois briguentos Como evitar brigas entre os bois da minha pequena criação de gado? José Lima Quixaba (PE) É NORMAL VERIFICAR NO re- banho a ocorrência de certo ní- vel de agonismo entre bovinos. Entretanto, essas brigas podem se intensificar logo que os ma- chos chegam à maturidade se- xual, quando atingem cerca de 1 ano e meio de vida. O compor- tamento antagônico do gado costuma ser manifestado pa- ra os bois estabelecerem, ou re- definirem, a posição hierárqui- ca deles no grupo. Outro mo- tivo também é a disputa pelas fêmeas que estão no cio. Apar- tar bois de vacas no período da desmama até o sobreano é uma alternativa que ajuda a acalmar os ânimos dos animais. A solu- ção mais drástica é a castração dos machos, principalmente dos que apresentam temperamento mais agressivo e problemático. CONSULTOR: HAROLDO PIRES DE QUEIROZ, zootecnista, analista e difusor de tecnologia da Embrapa Gado de Corte, Av. Rádio Maia, 830, Zona Rural, CEP 79106-550, Campo Grande (MS), tel. (67) 3368-2000, www.embrapa.br/ fale-conosco AS MEDIDAS NECESSÁRIAS PARA preparar uma cova onde será plantado o cajá-manga são 40 x 40 x 40 centímetros. Mistu- re a terra que retirou com com- posto orgânico ou 10 litros de es- terco curtido – material amon- toado e umedecido durante, pelo menos, 40 dias, que não ofere- ça risco de esquentar e queimar as raízes –, 200 gramas de calcá- rio e 200 gramas de adubo fosfa- tado, podendo ser o superfosfato simples. Retire a muda de cajá- -manga da embalagem e colo- que no centro da cova, que será preenchida com a terra adubada. Firme bem a muda e mantenha o nível do torrão com o do solo. Em seguida, levante a terra em vol- ta como uma bacia e molhe bem o plantio. CONSULTOR: JOSÉ ANTONIO ALBERTO DA SILVA, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Cova para cajá-manga Como se faz cova para plantio de cajá-manga? Guilherme Cerqueira Falci via Facebook Aveia para bovino Posso acrescentar aveia para moer na hora de fazer a silagem do milho para mistura para o gado? Andrea Moreira Chaves via Facebook EM VEZ DE ADICIONAR aveia à silagem de milho, é melhor que ela seja fornecida ao gado se- paradamente na forma de feno (a partir de plantas cortadas no estágio de floração plena), grão moído ou forragem verde, que tem como características des- tacadas a precocidade e a boa capacidade de rebrota. Com al- to teor de proteína bruta no grão e nas folhas, a gramínea é uma ótima forragem e de qualida- de para bovinos confinados, de- vendo ser usada como pasta- gem de inverno na alimentação dos animais durante os meses mais frios do ano. Uma opção também indicada é a utilização da aveia, que apresenta alta di- gestibilidade, na produção de si- lagem pré-secada. CONSULTOR: PÉRSIO SANDIR, pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Rua Eugênio do Nascimento, 610, Dom Bosco, CEP 36038-330, Juiz de Fora (MG), tel. (32) 3311-7400, www. embrapa.br/fale-conosco ©5 ©4 392GRURESPONDE.indd 97 24/05/2018 20:50:15

×