Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
Um olhar transversal para as
desigualdades de classe,
raça, gênero e outros marcadores
sociais no jornalismo
Bianca Santan...
Meu ponto de partida
nome;
de onde veio;
expectativas em relação à
oficina em 15 segundos.
e no jornalismo, o que se perde na tradução?
A partir do que foi
apresentado por
Patrícia Hill Collins,
o que há de bom e
de ruim nesta
abordagem?
Teste de Bechdel
Teste Russo
Teste Chavez Perez
“O que é agora conhecido como o teste de Bechdel foi
introduzido na história em quadrinhos Dykes to Watch Out
For de Aliso...
“Em 2013 a organização de mídia lésbica, gay, bissexual e
transgênero (LGBT) GLAAD introduziu o ‘Teste Vito Russo’,
com a ...
“CHAVEZ PEREZ TEST
A test invented by the Swedish author Inti Chavez Perez
has proved very useful in measuring diversity, ...
O que seria um teste correlato para uma
produção jornalística? Como saber se
uma reportagem apresenta
uma abordagem transv...
Vale dar uma olhada no teste de Finkbeiner,
explicado pelo Nexo (que, a meu ver, merece
questionamentos):
https://www.nexo...
Um olhar transversal para as
desigualdades de classe, raça, gênero e
outros marcadores sociais no jornalismo
é, e sempre s...
Prochain SlideShare
Chargement dans…5
×

Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros marcadores sociais no jornalismo

Aula prepara para a Escola de Jornalismo do Internet Lab 2017

  • Identifiez-vous pour voir les commentaires

  • Soyez le premier à aimer ceci

Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros marcadores sociais no jornalismo

  1. 1. Um olhar transversal para as desigualdades de classe, raça, gênero e outros marcadores sociais no jornalismo Bianca Santana biancasantana@gmail.com Escola InternetLab Para contar as histórias do futuro: jornalismo e políticas de Internet 5 de abril de 2017
  2. 2. Meu ponto de partida
  3. 3. nome; de onde veio; expectativas em relação à oficina em 15 segundos.
  4. 4. e no jornalismo, o que se perde na tradução?
  5. 5. A partir do que foi apresentado por Patrícia Hill Collins, o que há de bom e de ruim nesta abordagem?
  6. 6. Teste de Bechdel Teste Russo Teste Chavez Perez
  7. 7. “O que é agora conhecido como o teste de Bechdel foi introduzido na história em quadrinhos Dykes to Watch Out For de Alison Bechdel. Em uma tira de 1985 chamada "A regra" [6][7] , uma personagem feminina sem nome diz que ela só assiste a um filme se ele satisfizer os seguintes requisitos: 1. Deve ter pelo menos duas mulheres; 2. Elas conversam uma com a outra; 3. Sobre alguma coisa que não seja um homem.”
  8. 8. “Em 2013 a organização de mídia lésbica, gay, bissexual e transgênero (LGBT) GLAAD introduziu o ‘Teste Vito Russo’, com a intenção de analisar a representação de personagens LGBT em filmes. Inspirado no teste de Bechdel, recebeu o nome do historiador de cinema Vito Russo, ele abrange três critérios: 1. O filme contém um personagem que é identificado como lésbica, gay, bissexual e/ou transgênero; 2. O personagem não deve ser exclusiva ou predominantemente definido pela sua orientação sexual ou identidade de gênero; 3; O personagem deve estar vinculado na trama de tal forma que sua remoção teria um efeito significativo.”
  9. 9. “CHAVEZ PEREZ TEST A test invented by the Swedish author Inti Chavez Perez has proved very useful in measuring diversity, much like a Bechdel–Wallace test but for racism. The criterion is whether a film has two non-white people speaking to each other about something other than a crime. 1. Two non-white people; 2. Talking to eachother; 3. About something besides crime.” http://www.a-listfilm.com/
  10. 10. O que seria um teste correlato para uma produção jornalística? Como saber se uma reportagem apresenta uma abordagem transversal para as desigualdades de classe, raça, gênero e outros marcadores sociais?
  11. 11. Vale dar uma olhada no teste de Finkbeiner, explicado pelo Nexo (que, a meu ver, merece questionamentos): https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/04/06/Como-escrever-sobre-uma-cientista-sem-destacar-que-ela-%C3%A9-uma-mulher
  12. 12. Um olhar transversal para as desigualdades de classe, raça, gênero e outros marcadores sociais no jornalismo é, e sempre será, um exercício inacabado.Mas precisamos nos dedicar a ele! Obrigada. Bianca Santana biancasantana@gmail.com

×