Engenharia Web

590 vues

Publié le

Notas de aula da disciplina Web e Internet do curso de Midialogia da UNICAMP.

  • Soyez le premier à commenter

Engenharia Web

  1. 1. Comunicação Social - Midialogia Web e Internet Engenharia Web Daniel Paz de Araújo professor@danielpaz.net
  2. 2. Atributos ● Concentração em Redes: reside em uma rede e precisa servir às necessidades de uma comunidade diversificada de clientes. ● Concorrência: um grande número de usuários pode ter acesso à WebApp ao mesmo tempo, e os padrões de utilização entre os usuários finais vão variar muito. ● Carga imprevisível: o número de usuários pode variar por ordens de magnitude de um dia para o outro. ● Desempenho: se um usuário tem de esperar muito, ele pode decidir ir para outro lugar. ● Disponibilidade: usuários de diferentes partes do mundo podem requerer acesso durante horários em que as aplicações domésticas de software tradicional poderiam estar fora do ar para manutenção.
  3. 3. Atributos ● Voltada a dados: a função principal de muitas WebApps é usar hipermídia para apresentar conteúdos ao usuário final. Elas são comumente usadas para dar acesso a informação que existe em bancos de dados que não eram originalmente parte integral de um ambiente baseado na Web. ● Sensível ao conteúdo: a qualidade e natureza estética do conteúdo permanecem como um considerável determinante na qualidade de uma WebApp. ● Evolução continuada: diferentemente do software de aplicação convencional, que evolui ao longo de uma série de versões planejadas e cronologicamente espaçadas, as aplicações Web evoluem continuamente.
  4. 4. Atributos ● Imediatismo: os engenheiros Web precisam usar métodos de planejamento, análise, projeto, implementação e teste que tenham sido adaptados aos cronogramas de tempo reduzido, requeiridos para o desenvolvimento de WebApp. ● Segurança: a fim de proteger conteúdo reservado e fornecer modos seguros de transmissão de dados, fortes medidas de segurança precisam ser implementadas em toda a infra-estrutura que apoia uma WebApp. ● Estética: quando uma aplicação é projetada para o mercado ou para vender produtos ou idéias, a estética pode ter tanto a ver com o sucesso quanto o projeto técnico.
  5. 5. Categorias ● Informacional: conteúdo somente de leitura é fornecido com navegação e links simples. ● Para baixar: um usuário baixa informação de um servidor adequado. ● Adaptável: o usuário adapta o conteúdo a necessidades específicas. ● Interação: a comunicação entre uma comunidade de usuários ocorre por intermédio de salas de bate-papo, quadros de avisos ou mensagens instantâneas. ● Estrada do usuário: entrada baseada em formulários é o principal mecanismo para comunicar a necessidade.
  6. 6. Categorias ● Orientada a transação: o usuário faz uma solicitação (por exemplo, um pedido) que é atendida pela WebApp. ● Orientada a serviços: a aplicação fornece um serviço ao usuário (por exemplo, ajuda o usuário a calcular um pagamento). ● Portal: a aplicação orienta o usuário para outros conteúdos ou serviços da Web fora do domínio de aplicação do portal. ● De acesso a banco de dados: o usuário consulta uma grande base de dados e extrai a informação. ● Armazém de dados: o usuário consulta uma coleção de grandes bancos de dados e extrai informação.
  7. 7. Processos webE Fonte: Pressman (2009)
  8. 8. Formulação Questões de formulação: ● Qual é a principal motivação (necessidade de negócio) da WebApp? ● Quais são os objetivos que a WebApp deve preencher? ● Quem vai usar a WebApp? Coleta de requisitos para WebApps: ● Identificar os requisitos de conteúdo. ● Identificar os requisitos funcionais. ● Definir os cenários de interação para as diferentes classes de usuários.
  9. 9. Passos ● Começa pela formulação do problema a ser resolvido pela WebAp ● O projeto WebE é planejado e os requisitos e o projeto da WebApp são modelados. ● O sistema é construído usando tecnologia e ferramentas especializadas associadas com a Web. ● É entregue aos usuários finais e avaliado usando tanto critérios técnicos quanto de negócio. ● Como as WebApps evoluem continuamente, devem ser estabelecidos mecanismos para controle de configuração, garantia de qualidade e suporte continuado.
  10. 10. Projeto de webApp Fonte: Pressman (2010)
  11. 11. Equipes webE ● Desenvolvedores/provedores de conteúdo: geração ou coleta de conteúdo. ● Editor da Web: organiza o conteúdo gerado pelos desenvolvedores e provedores. ● Engenheiro da Web: elicitação de requisitos, modelagem de análise, projeto arquitetural, navegacional e de interface; implementação da WebApp e teste. ● Especialistas no domínio do negócio: responde às questões relativas às metas, objetivos e requisitos do negócio associados a WebApp. ● Especialista de suporte: responsável pela continuidade da WebApp ● Administrador: responsável pela operação do dia-a-dia da WebApp.
  12. 12. Qualidade Fonte: Pressman (2010)
  13. 13. Melhores Práticas ● Empregue tempo para entender as necessidades do negócio e os objetivos do produto, mesmo se os detalhes da WebApp forem vagos. ● Descreva como os usuários irão interagir com a WebApp usando uma abordagem baseada em cenário. ● Desenvolva um plano de projeto, mesmo que ele seja muito abreviado. ● Empregue algum tempo modelando o que você está querendo construir. ● Revise os modelos quanto à consistência e qualidade. ● Use ferramentas e tecnologia que lhe possibilitem construir o sistema com tantos componentes reusáveis quanto possíveis. ● Não confie nos primeiros usuários para depurar a WebApp.
  14. 14. Referências PRESSMAN, R.S. LOWE, D. Engenharia Web. São Paulo: LTC, 2009. PRESSMAN, R.S. Engenharia de Software. São Paulo: Bookman, 2010.

×