FCT-DAE_Portugal2014_versãofinal03jul2014

71 vues

Publié le

  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

FCT-DAE_Portugal2014_versãofinal03jul2014

  1. 1. Daniel Ferreira 7ª Reunião da CT - APD EXCELÊNCIA | CONHECIMENTO | IMPACTO Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” 03-07-2014 1
  2. 2. Resultados da Agenda Digital para a Europa -Scoreboard 2014- “Bom progresso”: 95 das 101 ações previstas concluir em 2015 estão a ser executadas → Cidadãos e empresas europeias  estão a usar e a comprar mais usando a Internet  têm mais confiança nas TIC  aumentaram competências em TIC Mas, → Cidadãos e empresas europeias sentem falta de banda larga de alta velocidade (sobretudo nas áreas rurais) continuam com défice de competências digitais (“digital skills gap”) 03-07-2014 2
  3. 3. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Banda Larga Confirma-se bom desempenho da infraestrutura disponível Cobertura de banda larga móvel 4G (LTE) • Em 2013, quase toda a população (91%) podia ser servida por esta tecnologia: 32 p.p. acima da média UE28 (59%). 03-07-2014 3 Reconhece-se que no final de 2013 a cobertura de banda larga fixa em Portugal é de 100%: acima da média UE28 (97%) Em 2013, Cobertura Rural de banda larga fixa é de 99%: acima da média UE28 (90%) Cobertura de banda larga NGA • Em 2013, 84% da população podia ser servida “Redes de Nova Geração”: 22 p.p. acima da média UE28 (62%).
  4. 4. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Banda Larga Acesso à infraestrutura disponível com dificuldades mas com maior largura de banda Em 2013, apenas 62% das “famílias” portuguesas era subscritora de serviços de banda larga (14 p.p. abaixo da média UE28, 76%). Mas Em 2013, entre subscritores portugueses há mais acesso a maiores larguras de banda • 41% dos subscritores tinha acesso a banda larga com pelo menos 30 Mbps: mais 20 p.p. que a média UE28 (21%) • 19% dos subscritores tinha acesso a banda larga com pelo menos 100 Mbps: quase o quádruplo da média UE28 (5%) 03-07-2014 4
  5. 5. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Utilização da Internet (1) Confirma-se como um grande problema para o desenvolvimento da sociedade da informação em Portugal Um terço da população nunca usou a Internet (33%, em 2013)  longe da média UE28 (20%); Frequência de utilização da Internet menor em Portugal, face à média UE28 • Utilização frequente (base diária)  Menos de metade dos utilizadores (48%): 14 p.p. abaixo da média UE28 (62%). • Utilização regular (pelo menos uma vez por semana)  Apenas 58% dos utilizadores: 14 p.p. abaixo da média UE28 (72%) 03-07-2014 5
  6. 6. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Utilização da Internet: desafios para a análise • “Utilização”, “Acesso” e “Cobertura” são conceitos diferentes: O “Scoreboard” DAE replica uma certa tendência para se confundir estas realidades. • Utilização por idades, qualificação e situação perante o trabalho: “country report” não desce a este nível  fica-se desconhecedor da relevância destas variáveis para se compreender o desempenho dos portugueses na utilização das TIC. • Utilização por região: quanto mais desagregado melhor ! Obrigatório melhorar o conhecimento da realidade europeia introduzindo a dimensão regional  Em Portugal sabemos que NUTS II é insuficiente para se compreender a diversidade regional). • “Utilização das TIC” em vez de “Utilização da Internet”  destaque na economia digital em Portugal para a utilização de outras redes de computadores (rede Multibanco e “Identificação por Radiofrequência – RFID”/Via Verde). 03-07-2014 6
  7. 7. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Competências digitais (1) Associados aos baixos níveis de utilização da internet da população portuguesa (vista como um todo!) existem baixos níveis de competências digitais. Mais de metade da população total (55%) sem competências digitais ou com competências digitais baixas: 7 p.p. acima da média UE28 (47%). Pessoas com + de 55 anos, baixos níveis de qualificação, no desemprego, reformadas e/ou inativas (“disadvantaged people”)  Em 2012, cerca de 3 4 desta população (70%) sem competências digitais ou com competências digitais baixas  6 p.p. acima da média UE28 (64%). População ativa: níveis de qualificação aumentam mas continuam abaixo da média UE28  48% da população ativa não tem competências digitais ou tem competências digitais baixas (média UE28: 39%). 03-07-2014 7
  8. 8. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Competências digitais: desafios para a análise • Desempenho das populações mais jovens e qualificadas poderiam  uma realidade bem mais prometedora veja-se por exemplo os desempenhos tecnológicos dos estudantes portugueses nos PISA. Competências digitais (2) 62% das famílias portuguesas sem acesso à Internet referem a falta de competências como razão para isso: muito acima da média UE28 (37%, + 25 p.p.!). 03-07-2014 8
  9. 9. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Comércio Eletrónico (1) Comissão Europeia: noção de comércio eletrónico demasiado restritiva (confinado às compras e vendas pela Internet)  desempenho português sai prejudicado Em 2013, apenas 1⁄4 da população portuguesa (25%) fez compras usando a internet : quase metade da média UE28 (47%). = Comércio eletrónico pelas empresas ao nível da UE28: o peso das empresas portuguesas que usam a internet para vender é igual ao da média europeia (35%) 03-07-2014 9
  10. 10. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Comércio Eletrónico: desafios para a análise A OCDE reconhece e recomenda uma visão mais ampla de comércio eletrónico:  trocas e vendas usando redes de computadores  a Internet é apenas um subconjunto dessas redes!  em 2012, 67% da população portuguesa utilizava comércio eletrónico através de browsers da Internet, Multibanco ou Sistemas de Identificação por Radio Frequência (RFID). (Fonte: INE) Tipos de utilização de comércio eletrónico através de browsers da Internet, do Multibanco ou de Sistemas de Identificação por Radio Frequência, em Portugal (2012) 2012 Carregamentos de telemóveis com saldo pelo Multibanco 54% Utilização de Via Verde 28% Compra de bilhetes através de Multibanco 7% Encomendas através da Internet 13% Fonte: INE, Inquérito à Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação pelas Famílias 03-07-2014 10
  11. 11. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Governo eletrónico (1) Confirma-se o bom desempenho de Portugal na oferta de serviços públicos eletrónicos.  Novo indicador (User-centric eGovernment Indicator) mede a disponibilidade de serviços “e-Gov”, a sua conetividade e acessibilidade para 7 áreas dos serviços públicos (abordagem centrada nas necessidades do utilizador): Portugal está muito acima do nível médio da UE28 (90 contra 70, em 2012-2013) 03-07-2014 11  Indicador que mede a transparência online das administrações públicas em diversas dimensões da oferta de serviços online e tratamento de dados pessoais (Transparent eGovernment Indicator): Portugal está ainda mais acima da média EU28 (71 para Portugal, 49 da UE)
  12. 12. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” Governo eletrónico (2) Utilização do Governo eletrónico – imita atraso do país na adoção e utilização da Internet, embora neste caso as distâncias face à média U.E.28 sejam menores 03-07-2014 12 Em 2013, apenas 38% dos portugueses usaram serviços “e-Gov”: abaixo da média UE28 (41%) Oportunidade: Portugueses usam mais “preenchimento de formulários eletrónicos” associados a serviços de Governo eletrónico  em 2013, 27% dos portugueses usaram estes formulários eletrónicos: acima da média UE28 (21%).
  13. 13. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” e-Health: desafios para a análise • Inquéritos pan-europeus  dados do “Scoreboard” baseados em Inquérito promovido centralmente pela CE apenas para uma amostra. • Não existe na Europa recolha estatística feita em cada país sobre as TIC nos Hospitais, como acontece com as TIC para as Famílias e para as Empresas. • Portugal é referência: criou um inquérito específico sobre as TIC nos Hospitais (desde 2004) Um inquérito a trabalhar e a reformular mas que é um caso exemplar, muitas vezes reconhecido internacionalmente, nomeadamente na OCDE. 03-07-2014 13
  14. 14. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” e-Health (1) Infraestrutura TIC ao serviço da saúde e a sua utilização em Portugal melhor do que na média da UE28, em 2013. 03-07-2014 14  2/3 dos hospitais portugueses (66%) tinham ligação de banda larga com mais de 50Mps: 30 p.p. acima da média da UE28 (36%)  Praticamente todos (99%) os profissionais de saúde (general practioners-GPs) usavam computadores durante as consultas: acima da média da UE28 (97%)
  15. 15. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” e-Health (2) Gestão/troca eletrónica de dados médicos  a situação portuguesa bem mais avançada que na média UE28, em 2013 03-07-2014 15  43% dos prestadores de cuidados de saúde em Portugal efetuavam troca eletrónica de dados médicos/clínicos entre si: 15 p.p. acima da média da UE28 (28%)  88% dos prestadores de cuidados de saúde em Portugal efetuavam o registo eletrónico de dados médicos/clínicos: 5 p.p. acima da média da UE28 (83%)
  16. 16. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” I&D em TIC Financiamento da I&D no 7º Programa Quadro da U.E. 03-07-2014 16  Entre 2007 e 2013, 137 instituições portuguesas participaram em 278 projetos TIC do 7ºPQ (com 29 coordenações) = As PME asseguram 18% do total das participações portuguesas: peso igual ao registado para o total de participações de todo o 7ºPQ Oportunidade: A maior fatia do financiamento da participação portuguesa vai para os objetivos estratégicos: • Internet e Redes do Futuro • Robótica e Sistemas Cognitivos • FET (Future and emerging technologies)
  17. 17. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” I&D em TIC: desafios para a análise (1) • “Country report” sobretudo dados sobre Despesas em I&D nas Empresas  papel decisivo das empresas sairia reforçado com conhecimento sobre o peso da TIC na totalidade do sistema nacional de I&D&I, incluindo portanto a I&D do Estado, das Universidades e outros dos Centros de I&D • I&D com TIC?  há indicadores de e-Ciência que poderiam ser explorados para este tipo de exercício. Em Portugal, a FCT colabora com DGEEC nesta área. 03-07-2014 17
  18. 18. Portugal Análise macro do posicionamento no “Digital Agenda Scoreboard” I&D em TIC: desafios para a análise (2) 7º PQ tornado central na avaliação dos países no que respeita à I&D  Uma primazia que deveria ser atenuada: PQ da UE é uma fonte de financiamento com pouco peso no sistema português de I&D&I  A I&D em TIC em Portugal sairia mais valorizada caso se se considerassem outras dimensões, por exemplo: • recursos humanos em I&D (Investigadores, Doutoramentos, etc. • infraestruturas eletrónicas (veja-se o bom exemplo da RCAAP e da conetividade da nossa rede de C&T). 03-07-2014 18
  19. 19. www.fct.pt Obrigado! Daniel.ferreira@fct.pt 03-07-2014 19

×