Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
SOCIEDADE
56 DE MARÇO DE 2014
Graça Ribeiro, Manuel Lima, Paulo Fernandes e Dalila Dias falaram das aldeias históricas
NOV...
Prochain SlideShare
Chargement dans…5
×

Aldeias históricas jf março 2014

162 vues

Publié le

  • Identifiez-vous pour voir les commentaires

  • Soyez le premier à aimer ceci

Aldeias históricas jf março 2014

  1. 1. SOCIEDADE 56 DE MARÇO DE 2014 Graça Ribeiro, Manuel Lima, Paulo Fernandes e Dalila Dias falaram das aldeias históricas NOVAS SUBSECÇÕES NO“REGIONAL” No contínuo processo de oferecer um jornal cada vez melhor aos nossos leitores, foram introduzidas alterções na secção Regional. A criação de sub-secções territoriais irá permitir, sempre que possível, que se leiam as notícias acondicionadas geograficamente. Já nesta edição são apresentadas as sub- secções “Pinhal” e “Raia” com a atualidade daqueles territórios da Beira Interior. Aldeias Históricas mudam ponteiros para o turismo de qualidade e excelência ■ Está em marcha uma nova estratégia de desenvolvimento turístico na rede das Aldeias Históricas de Portugal. Mais e melhor investimento REUNIÃO EM CASTELO NOVO ✦ PROMOTORES E EMPRESÁRIOS ANALISARAM SITUAÇÃO Dulce Gabriel ESTÁamudaroparadigmadoturis- ta que procura as aldeias como pro- duto de excelência para dias de des- cansoelazer.Atentaaessanovarea- lidade,aAssociaçãodasAldeiasHis- tóricasdePortugal(AHP)estádesde háalgumtempoatrabalharemações que possibilitem aos visitantes um contacto real com as singularidades doterritório,contactoaculturaesuas gentes. Além de iniciativas dinami- zadas pelos habitantes e agentes lo- cais, a AHP tem vindo a trabalhar numaestratégiaquepodeajudaraes- tancar a saída de residentes. “Um compromisso para a sustentabilida- de” é, então, o lema de atuação da AHP que espera da comunidade ca- pacidade de reinventar percursos e potenciarahistória.AmarcadasAl- deias Históricas de Portugal desen- volveu recentemente alterações no seuwebsiteorientando-oparaaven- daeinteraçãocomoturistaeassocia- dos da AHP. “Uma nova linha de merchandisingaliadaàspersonagens das Histórias Criativas sobre as Al- deias Históricas de Portugal desen- volvidoporAnaAlmeida”,seráuma das novidades para o ano em curso. PoroutroladoasHistóriasCriativas queforamrecolhidasparaumasérie televisiva,quecomeçouestasemana apassarnoCanalPanda,vãodarlu- garàediçãoliteráriadeumaobraque terá a chancela da Leya e será mais umveículodetransmissãodoconhe- cimento intergeracional do passado e história de cada uma das doze al- deias. Uma estratégia de comunica- çãobastantemaisabrangentequeterá novidades na edição deste mês da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL). “Alémdeseropalcoparaotestezero à linha de personagens em forma de bonecosalusivosacadaumadasal- deiashistóricas”,aBTLseráumes- paçoparadaraconhecero“GuiaTu- rístico Oficial das Aldeias Históri- cas”.De12a16demarço,osvisitan- tesdaBTLconhecerãoaindaanova coleção do estilista Miguel Gigante que foi criada no âmbito do projeto “VestiraHistória”.Destavezaapos- ta recai num conjunto de modelos masculinosajuntaràspeçasfemini- nas. “Inspirado no património e nas indústriasculturaiserecreativas”,o projetofomentaaintegraçãoeoem- prego. “Se precisamos de pessoas é preciso gerar emprego”, explicou DalilaDias,sobreumaestratégiaque conciliaosaberfazercomodesigne e modernidade. Além do atelier do burel que foi instalado em Belmon- te (aproveitando o labor de antigas trabalhadorasdaindustriadeconfe- ção),aAHPprepara-separareplicar a ideia em Sortelha. Ali será desen- volvida “uma linha de mobiliário e decoração” que resulta do trabalho do bracejo. No coração de Sortelha residemapenasduaspessoas“conhe- cedorasdestesaberancestralquenão pode perder-se” e nesse sentido o “Projeto Entrelaços” poderá tradu- zir-se em “20 postos de trabalho”. Este mês de março (de 21 a 23) rea- liza-seumworkshopsobreaartede trabalhar o bracejo e deverá iniciar- seaformaçãodeumprojetoqueaté játemunidadeshoteleirasinteressa- dasnanovalinhademobiliárioede- coração.Aperspetivadegerarrique- za e fomentar o crescimento de mi- croeconomialevouaAHPapensar numaapostanosetoragroalimentar. Porqueoturistaexigemaisque“dor- midaepequeno-almoço”,omunicí- piodoFundãoprepara-separaabra- çar essa dinâmica e tirar partido das potencialidades.“Fazeraligaçãoen- treaAldeiaeoagroturismoéaapos- ta.Fomentarprodutoturísticoemtor- no da pastorícia, queijo e colheitas. Desenvolveroturismodeexperiên- cias em que Castelo Novo pode ser excecional”,éaestratégiaadiantada por Paulo Fernandes, presidente da Câmara. Após o projeto de comuni- cação, divulgação e afirmação da marca,aAHPprepara-seagirlocal- mente.Énestecontextoquesurgem os workshops que funcionam como um“apeloaosprivadosnodesenvol- vimento de um trabalho em rede, criando escala num projeto em que todoscolaboremeacreditem”,expli- couGraçaRibeiro,proprietáriadeum TER–TurismoemEspaçoRuralem Caria. MINI ENTREVISTA AAHPpensouglobalevaiagirlocal- mente.Qualéaestratégiadomo- mento? NesteQuadroComunitáriopropuse- mo-nosaumentaranotoriedadeda marcacomodestinoturísticoeconso- lidaroefeitodetrabalhoemrede.É issoqueestáaacontecer. Noâmbitodessaestratégiaqualéa frequênciamédiadevisitantesna RededasAldeiasHistóricas? Nestemomentonãodisponhodeda- dosespecíficossobreessarealidade. Esseéumtrabalhoquedeveserfeito emarticulaçãocomasautarquias, alojamentosenãoéfácilobteresses dados.Em2012foirealizadoumle- vantamentoquenosdácontadosnú- merosemPostodeTurismo.Em 2014esperamosconseguirobteres- sesdadosjuntodosalojamentos paraapurarmosresultados. “NãofiquedeforadaRede,junte-se anós”.Umapeloàintegraçãopara amarcaganharmúsculo,éisso? Oobjetivoéesse.Eficiênciacoletiva. Noâmbitodessaestratégiaháuma preocupaçãocomodesemprego? Aempregabilidadeéfundamental. Asaldeiassãoumespelhodode- semprego,oêxodonãoestáaseres- tancado.Daíanossaapostanumafi- losofiaqueajudearetersaberese pessoas,trazendonovosatores,co- nhecimentoenovasrealidadesque setraduzemnumanovadinâmica dasAldeiasHistóricas. Apardadinamizaçãolocaldopro- dutoturístico,aAHPmantémumaes- tratégiadepromoçãodamarcano exterior.Énessecontextoquesere- forçaaparceriacomaTAP? Estamosemalta.Em2013tivemos, noperíododoverão,umaexperiên- ciaquedestavezduraumanoeem queaprópriaTAPdandoprovasde queacreditanoprojeto,poisvêna marcaumcomplementoàvaloriza- çãogenuínadaquiloqueéportu- guês,vaimostraraospassageiroso filmedeumaaldeiahistóricapor mês. Estáachegarumnovopacotedefi- nanciamentocomunitário.Até2020 haverámaisdinheirosdaEuropa, ourosobreazulparaaAHP? Obviamentequedaríamoscontinui- dadeanovasdinâmicasqueperspe- tivemempregabilidade,coesãoterri- torial,económicaesocial.Espera- mostercondiçõesparafomentaro patrimónioimaterial.Sãonecessá- riasintervençõesfísicasnasaldeias. “Aldeias são espelho do desemprego” DALILADIAS Coordenadora TécnicadaAsso- ciaçãodasAl- deiasHistóricas dePortugal

×