Desidratação e diarréia

Desidratação
e Diarréia
Enfª Gladyanny Veras
Definição de Diarréia

Ocorre quando a perda de água e eletrólitos nas
fezes é maior do que a normal, resultando no
aumento do volume e da frequência das
evacuações e diminuição da consistência das
fezes.
Diarréia é geralmente definida como a
ocorrência de 3 ou + evacuações
amolecidas ou líquidas em um período de
24h. A diarréia com sangue, com ou sem
muco, é chamada de disenteria.
Principais causas
 Falta de higiene tanto pessoal como no ambiente
domiciliar e sua proximidade;
 Ingestão de alimentos contaminados: mal lavados,
mal conservados ou lavados ou cozidos em água
contaminada;
 Desmame precoce: pelo risco de a mamadeira ser
mal lavada ou feita com água contaminada;
 Falta de saneamento básico: moradias sem rede de
esgoto, com córregos ou rios contaminados, próximas
a esgotos correndo a céu aberto
Tipos de diarréia
INFECCIOSA – a
maioria dos
patógenos (vírus,
bactérias e
parasitas) são
disseminados por
via fecal-oral,
através dos
alimentos e água
contaminada. O
rotavírus é a causa
mais importante de
gastroenterites
grave em crianças
NÃO INFECCIOSA-
Alergias,
deficiências
imunológicas,
intolerâncias
alimentares
Classificação quanto ao tempo
Aguda: frequentemente
associada a um agente
infeccioso, mas também
pode estar relacionada a
antibioticoterapia ou uso de
laxativos.Ela geralmente é
autolimitada, com duração
menor que 14 dias,
resolvendo sem tratamento
específico se não ocorrer
desidratação
Crônica: possui duração
maior que 14 dias. Está
associada à síndrome de
má-absorção, doença
inflamatória intestinal,
deficiência imunológica,
alergia alimentar,
intolerância à lactose,
tratamento inadequado da
diarréia aguda e à diaaréia
crônica inespecífica
 Uma criança com diarreia se avalia para saber:
 Por quanto tempo a criança tem tido diarreia
 Se há sinais de desidratação;
 Se há sangue nas fezes para determinar se a
criança tem disenteria
 CLASSIFICAR A DIARRÉIA
1. Todas as crianças com diarreia são classificadas
quanto ao estado de hidratação
2. Caso a criança tenha tido diarreia por 14 dias ou
mais, classifique a diarreia como persistente;
3. Caso a criança apresente sangue nas fezes,
classifique a criança como disenteria.
Complicações
 Desidratação
 Distúrbio hidroeletrolítico
 Desnutrição - decorrente da inapetência e
vômitos, mau aproveitamento dos alimentos e
catabolismo aumentado
Desidratação e diarréia
Desidratação
 É a deficiência de água e eletrólitos corpóreos por
perdas superiores à ingesta devido a anorexia,
restrição hídrica, por perdas aumentadas
gastrintestinais (vômito e diarréia), perda urinária
(diurese osmótica, administração de diuréticos,
insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e
respiratórias (queimaduras e exposição ao calor).
 Mais frequente em crianças sem aleitamento
materno, desnutridas, imunodeprimidas ou em
doenças crônicas. Além do que a incidência é maior
nas populações de baixo nível socioeconômico.
Tipo de desidratação
Sinais e sintomas de desidratação
 Depressão da fontanela
 Olhos encovados e sem brilho
 ausência de lágrimas
 Lábios ressecados
 Língua esbranquiçada e grossa
 Pulso fraco
 Pouca urina ou escura
 Prostração ou torpor
 Ocorrência ou não de febre
 turgor e elasticidade da pele diminuídos
Classificação da desidratação
Sem desidratação
Desidratação leve
Desidratação grave
Desidratação e diarréia
Plano A - LAR
>5 anos - tanto quanto o doente
quiser, ate 2 litros por dia
Desidratação e diarréia
Desidratação e diarréia
Desidratação e diarréia
Plano B em 4h
Desidratação e diarréia
Plano C
 Para a administração de líquidos por via
intravenosa (IV):
 Dar 100ml/Kg de solução em partes iguais de soro
glicosado a 5% e soro fisiológico a 0,9% para
infusão em 2h.
 Ex.: 10Kg
 1000ml total 1ª fase 500ml SF
2ª fase 500ml SG 2h
Fase de expansão rápida
 Se ao final das 2h ainda tiver SS de desidratação,
administrar mais 25 a 50ml/Kg nas próximas 2h:
 Ex.: 10Kg
 500ml total 1ª 250ml SF
2ª 250ml SG 2h
 Reavaliar em 30 min, se não houver melhora na
desidratação aumentar a velocidade do
gotejamento.
 Caso não consiga encaminhar a unidade para a
terapia IV em 30 min:
 Instalar sonda nasogástrica dar 30ml/Kg/hora;
 Reavaliar a cada 1 a 2h;
 Se após 3h não melhorar o grau de desidratação,
encaminhar para terapia IV.
Desidratação e diarréia
Cuidados de Enfermagem
 Avaliar os doentes cada hora ou cada 2 em 2
horas para verificar se estão a tomar os SRO
corretamente e para monitorizar a perda de
líquidos.
 Fazer uma reavaliação completa do estado de
desidratação do doente ao fim de 4 horas e seguir
o plano de tratamento adequado para a
desidratação do doente.
 Determinar a quantidade de SRO a administrar
durante as primeiras 4 horas
 Se o doente quiser mais SRO do que a quantidade
apresentada, pode-lhe ser dado.
 Para os bebês com menos de 6 meses que não
sejam amamentados ao peito, administrar também
100 a 200 ml de água potável durante este período.
 Dar-lhe pequenos e frequentes goles por uma xícara.
 Se o doente vomitar, esperar 10 minutos. Depois,
continuar a dar-lhe líquidos, mas mais lentamente.
 Para os bebês que são amamentados ao peito,
continuar a amamentação sempre que o bebê
quiser.
Disenteria
 Quando há sangue nas fezes;
 Dar ATB recomendado em sua região para Shiguella
durante 5 dias se houver comprometimento do
estado geral;
 Retorno em 2 dias
 ATB 1ª escolha: ácido nalidixílico 10mg/Kg/dia 6/6h
por 5 dias;
 2ª escolha: trimetropim+sulfametoxazol 40mg/Kg/dia
12/12h durante 5 dias.
ÁCIDO NALIXÍLICO Trimetropim+sulfametoxazol
Idade ou peso Comprimido
250mg
Suspensão
250mg/5ml
comprimido suspensão
2 a 4 meses
4 - <6Kg
1/4 1,25ml - -
5 a 11 meses
6 - <10Kg
1/2 2,5ml 1/2 5,0ml
1 a 4 anos
10 – 19 Kg
1 5,0ml 1 7,5ml
Desidratação e diarréia
1 sur 28

Recommandé

Desidratação infantil par
Desidratação infantilDesidratação infantil
Desidratação infantilAndréa Castilho
6.9K vues13 diapositives
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL par
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALElyda Santos
55K vues31 diapositives
Diarreia A,B,C desidratação par
Diarreia A,B,C desidratação Diarreia A,B,C desidratação
Diarreia A,B,C desidratação Luciane Santana
10.3K vues22 diapositives
Cuidados ao recém nascido par
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoInstituto Superior de Ciências da Administração
73.5K vues23 diapositives
Saúde do Adulto: enfermagem par
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemCentro Universitário Ages
36.1K vues138 diapositives
Diarréia aguda par
Diarréia agudaDiarréia aguda
Diarréia agudaeliasrffilho
6.9K vues10 diapositives

Contenu connexe

Tendances

Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro par
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroJuliana Maciel
85.5K vues13 diapositives
Planejamento dos cuidados de enfermagem par
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemDaniel Félix dos Santos
150.5K vues27 diapositives
Eliminação urinária-NHB par
Eliminação urinária-NHBEliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHBJonathan Sampaio
15.5K vues17 diapositives
Diarreia Aguda na Infância par
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infânciablogped1
12.4K vues48 diapositives
Diarreia apresentação par
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoAdriana Matos
14.8K vues10 diapositives
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) par
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) cuidadoaoadulto
114.4K vues37 diapositives

Tendances(20)

Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro par Juliana Maciel
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel85.5K vues
Diarreia Aguda na Infância par blogped1
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infância
blogped112.4K vues
Diarreia apresentação par Adriana Matos
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentação
Adriana Matos14.8K vues
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) par cuidadoaoadulto
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto114.4K vues
Banho de leito.atualizada par hospital
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital49.9K vues
Distúrbios hidroeletrolíticos par resenfe2013
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
resenfe201339.4K vues
Aula anotação de enfermagem par Rafaela Amanso
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso5.1K vues
Hemodiálise e diálise peritoneal par Sonara Pereira
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira96.1K vues
Úlcera por Pressão: Prevenção par Proqualis
Úlcera por Pressão: PrevençãoÚlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: Prevenção
Proqualis73.8K vues
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx par Rafaela Amanso
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
Rafaela Amanso4.6K vues
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea par Mario Gandra
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Mario Gandra4.6K vues
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação. par Luciane Santana
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana947 vues

Similaire à Desidratação e diarréia

Aula (1) par
Aula (1)Aula (1)
Aula (1)Conceição Moura de Albuquerque
1.6K vues32 diapositives
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID par
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDDiarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDLiga De Pediatria Med Unicid
3.1K vues17 diapositives
Água não tratada é porta aberta para várias doenças par
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasAndré Luiz Fachardo
675 vues14 diapositives
Água não tratada é porta aberta para várias doenças par
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasCopasa Digital
259 vues14 diapositives
Copasa doenças par
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doençasAdriana Gotschalg
2K vues14 diapositives
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf par
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfCONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfRAVENA AQUINO
20 vues4 diapositives

Similaire à Desidratação e diarréia(20)

Água não tratada é porta aberta para várias doenças par Copasa Digital
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Copasa Digital259 vues
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf par RAVENA AQUINO
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfCONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
RAVENA AQUINO20 vues
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos par KarineRibeiro57
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
KarineRibeiro5731 vues
Manejo do paciente com diarreia.pdf par CelsoSoares25
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdf
CelsoSoares25138 vues
Doenças diarréicas agudas par gisa_legal
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
gisa_legal6.1K vues
Aula+intestino+delgado par Raquel Stein
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
Raquel Stein3.1K vues
Formação para cidadania par myri2000
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000362 vues
Formação para cidadania par myri2000
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000193 vues
Formação para cidadania par myri2000
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000718 vues
Formação para cidadania par myri2000
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000203 vues

Plus de Gladyanny Veras

Ciclo menstrual par
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrualGladyanny Veras
5.7K vues10 diapositives
Crescimento e desenvolvimento infantil par
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilGladyanny Veras
921 vues31 diapositives
Semiologia pediátrica par
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Gladyanny Veras
15.8K vues103 diapositives
Intervenções de enf pediátrica par
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaGladyanny Veras
1.9K vues15 diapositives
Desnutrição par
DesnutriçãoDesnutrição
DesnutriçãoGladyanny Veras
22.1K vues19 diapositives
Crescimento e desenvolvimento infantil par
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilGladyanny Veras
4.7K vues31 diapositives

Plus de Gladyanny Veras (7)

Dernier

insuficiência cardíaca G1 pptx.pptx par
insuficiência cardíaca G1 pptx.pptxinsuficiência cardíaca G1 pptx.pptx
insuficiência cardíaca G1 pptx.pptxDaniel37211
11 vues22 diapositives
XXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdf par
XXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdfXXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdf
XXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdfGrupo Tordesillas
92 vues15 diapositives
APRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdf par
APRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdfAPRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdf
APRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdfDaniloBrando10
12 vues32 diapositives
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx par
DIALISE PERITONEAL POWER.pptxDIALISE PERITONEAL POWER.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptxDaniel37211
8 vues16 diapositives
v2 -CHAT GPT E BARD SESDF.pptx par
v2  -CHAT GPT E BARD SESDF.pptxv2  -CHAT GPT E BARD SESDF.pptx
v2 -CHAT GPT E BARD SESDF.pptxProf. Lobo
8 vues38 diapositives
PNEUMOTÓRAX,23.pptx par
PNEUMOTÓRAX,23.pptxPNEUMOTÓRAX,23.pptx
PNEUMOTÓRAX,23.pptxDaniel37211
10 vues13 diapositives

Dernier(6)

insuficiência cardíaca G1 pptx.pptx par Daniel37211
insuficiência cardíaca G1 pptx.pptxinsuficiência cardíaca G1 pptx.pptx
insuficiência cardíaca G1 pptx.pptx
Daniel3721111 vues
XXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdf par Grupo Tordesillas
XXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdfXXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdf
XXIII Encuentro Rectores - CDT_BRASÍLIA_2023 - v2.pdf
APRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdf par DaniloBrando10
APRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdfAPRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdf
APRESENTAÇÃO NOVEMBRO AZUL PARA SERVIDORES PMVV2.pdf
DaniloBrando1012 vues
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx par Daniel37211
DIALISE PERITONEAL POWER.pptxDIALISE PERITONEAL POWER.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx
Daniel372118 vues
v2 -CHAT GPT E BARD SESDF.pptx par Prof. Lobo
v2  -CHAT GPT E BARD SESDF.pptxv2  -CHAT GPT E BARD SESDF.pptx
v2 -CHAT GPT E BARD SESDF.pptx
Prof. Lobo8 vues

Desidratação e diarréia

  • 2. Definição de Diarréia  Ocorre quando a perda de água e eletrólitos nas fezes é maior do que a normal, resultando no aumento do volume e da frequência das evacuações e diminuição da consistência das fezes. Diarréia é geralmente definida como a ocorrência de 3 ou + evacuações amolecidas ou líquidas em um período de 24h. A diarréia com sangue, com ou sem muco, é chamada de disenteria.
  • 3. Principais causas  Falta de higiene tanto pessoal como no ambiente domiciliar e sua proximidade;  Ingestão de alimentos contaminados: mal lavados, mal conservados ou lavados ou cozidos em água contaminada;  Desmame precoce: pelo risco de a mamadeira ser mal lavada ou feita com água contaminada;  Falta de saneamento básico: moradias sem rede de esgoto, com córregos ou rios contaminados, próximas a esgotos correndo a céu aberto
  • 4. Tipos de diarréia INFECCIOSA – a maioria dos patógenos (vírus, bactérias e parasitas) são disseminados por via fecal-oral, através dos alimentos e água contaminada. O rotavírus é a causa mais importante de gastroenterites grave em crianças NÃO INFECCIOSA- Alergias, deficiências imunológicas, intolerâncias alimentares
  • 5. Classificação quanto ao tempo Aguda: frequentemente associada a um agente infeccioso, mas também pode estar relacionada a antibioticoterapia ou uso de laxativos.Ela geralmente é autolimitada, com duração menor que 14 dias, resolvendo sem tratamento específico se não ocorrer desidratação Crônica: possui duração maior que 14 dias. Está associada à síndrome de má-absorção, doença inflamatória intestinal, deficiência imunológica, alergia alimentar, intolerância à lactose, tratamento inadequado da diarréia aguda e à diaaréia crônica inespecífica
  • 6.  Uma criança com diarreia se avalia para saber:  Por quanto tempo a criança tem tido diarreia  Se há sinais de desidratação;  Se há sangue nas fezes para determinar se a criança tem disenteria  CLASSIFICAR A DIARRÉIA 1. Todas as crianças com diarreia são classificadas quanto ao estado de hidratação 2. Caso a criança tenha tido diarreia por 14 dias ou mais, classifique a diarreia como persistente; 3. Caso a criança apresente sangue nas fezes, classifique a criança como disenteria.
  • 7. Complicações  Desidratação  Distúrbio hidroeletrolítico  Desnutrição - decorrente da inapetência e vômitos, mau aproveitamento dos alimentos e catabolismo aumentado
  • 9. Desidratação  É a deficiência de água e eletrólitos corpóreos por perdas superiores à ingesta devido a anorexia, restrição hídrica, por perdas aumentadas gastrintestinais (vômito e diarréia), perda urinária (diurese osmótica, administração de diuréticos, insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e respiratórias (queimaduras e exposição ao calor).  Mais frequente em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas ou em doenças crônicas. Além do que a incidência é maior nas populações de baixo nível socioeconômico.
  • 11. Sinais e sintomas de desidratação  Depressão da fontanela  Olhos encovados e sem brilho  ausência de lágrimas  Lábios ressecados  Língua esbranquiçada e grossa  Pulso fraco  Pouca urina ou escura  Prostração ou torpor  Ocorrência ou não de febre  turgor e elasticidade da pele diminuídos
  • 12. Classificação da desidratação Sem desidratação Desidratação leve Desidratação grave
  • 14. Plano A - LAR >5 anos - tanto quanto o doente quiser, ate 2 litros por dia
  • 20. Plano C  Para a administração de líquidos por via intravenosa (IV):  Dar 100ml/Kg de solução em partes iguais de soro glicosado a 5% e soro fisiológico a 0,9% para infusão em 2h.  Ex.: 10Kg  1000ml total 1ª fase 500ml SF 2ª fase 500ml SG 2h Fase de expansão rápida
  • 21.  Se ao final das 2h ainda tiver SS de desidratação, administrar mais 25 a 50ml/Kg nas próximas 2h:  Ex.: 10Kg  500ml total 1ª 250ml SF 2ª 250ml SG 2h  Reavaliar em 30 min, se não houver melhora na desidratação aumentar a velocidade do gotejamento.
  • 22.  Caso não consiga encaminhar a unidade para a terapia IV em 30 min:  Instalar sonda nasogástrica dar 30ml/Kg/hora;  Reavaliar a cada 1 a 2h;  Se após 3h não melhorar o grau de desidratação, encaminhar para terapia IV.
  • 24. Cuidados de Enfermagem  Avaliar os doentes cada hora ou cada 2 em 2 horas para verificar se estão a tomar os SRO corretamente e para monitorizar a perda de líquidos.  Fazer uma reavaliação completa do estado de desidratação do doente ao fim de 4 horas e seguir o plano de tratamento adequado para a desidratação do doente.  Determinar a quantidade de SRO a administrar durante as primeiras 4 horas
  • 25.  Se o doente quiser mais SRO do que a quantidade apresentada, pode-lhe ser dado.  Para os bebês com menos de 6 meses que não sejam amamentados ao peito, administrar também 100 a 200 ml de água potável durante este período.  Dar-lhe pequenos e frequentes goles por uma xícara.  Se o doente vomitar, esperar 10 minutos. Depois, continuar a dar-lhe líquidos, mas mais lentamente.  Para os bebês que são amamentados ao peito, continuar a amamentação sempre que o bebê quiser.
  • 26. Disenteria  Quando há sangue nas fezes;  Dar ATB recomendado em sua região para Shiguella durante 5 dias se houver comprometimento do estado geral;  Retorno em 2 dias  ATB 1ª escolha: ácido nalidixílico 10mg/Kg/dia 6/6h por 5 dias;  2ª escolha: trimetropim+sulfametoxazol 40mg/Kg/dia 12/12h durante 5 dias.
  • 27. ÁCIDO NALIXÍLICO Trimetropim+sulfametoxazol Idade ou peso Comprimido 250mg Suspensão 250mg/5ml comprimido suspensão 2 a 4 meses 4 - <6Kg 1/4 1,25ml - - 5 a 11 meses 6 - <10Kg 1/2 2,5ml 1/2 5,0ml 1 a 4 anos 10 – 19 Kg 1 5,0ml 1 7,5ml