Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Da lei do progresso

9 vues

Publié le

Mensagem espírita

Publié dans : Spirituel
  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

Da lei do progresso

  1. 1. O QUE É O PROGRESSO? Progresso significa movimento ou marcha para frente. Avanço natural e regular da humanidade para maior conhecimento e maior ventura. (Delta Larousse) J. B. Bury expressa o progresso nos seguintes termos: "A ideia de progresso é a síntese do passado e a profecia do futuro".
  2. 2. O QUE É O PROGRESSO? É a aspiração pelo melhor, pelo bem; é a prova da existência em nós de um princípio superior, que nos encaminha para destinos mais altos, que nos lança sempre para frente, nos domínios do pensamento e da consciência. O progresso é uma Lei que se realiza independente da vontade do homem. Segundo o Espiritismo, o sentido de Progresso abrange a ideia de Perfeição e Aperfeiçoamento.
  3. 3. Muitas das vezes, as pessoas acham que o mundo está de cabeça para baixo. Muitas das vezes, as criaturas acham que a nossa Humanidade está caminhando para trás. Bombardeados que somos diariamente por noticiários sobre violência e regressão social, algumas vezes podemos imaginar se a humanidade está mesmo evoluindo e se há possibilidade de regressão nos níveis evolutivos alcançados. E, às vezes, até traçam desígnios fatídicos para o nosso planeta. Estamos vivendo dias confusos. A situação atual nos preocupa e nos faz refletir em todas as esferas, material e espiritual. Mas houve sim, crescimento e evolução, embora muito pouco. Trazemos, ainda, resquícios atávicos do passado. Pensemos em como se agia na Roma antiga ou na época da Inquisição, onde se praticava o mal e até matava-se em nome de Deus.
  4. 4. Porém, esta não é a visão espírita, como podemos verificar. Há duas espécies de progresso que mutuamente se apoiam e, entretanto não marcham juntos: o progresso intelectual e o progresso moral. Muito falta para que o segundo se ache no mesmo nível do primeiro. Comparando-se os costumes sociais de hoje com os de alguns séculos atrás, só um cego negaria o progresso realizado. Entretanto, é necessário que alarguemos os horizontes de nossa vista para um futuro que nos aponte a possibilidade de prosseguir confiantes e seguros de que na vida tudo passa. O progresso é lei natural e nada poderá impedir ou atrapalhar que ele aconteça. Consultando as obras básicas do Espiritismo, começando pelo O Livro dos Espíritos, verificamos que Kardec teve pensamento similar, registrando-o na Questão 784:
  5. 5. Bastante grande é a perversidade do homem. Não parece que, pelo menos do ponto de vista moral, ele, em vez de avançar, caminha aos recuos? Resposta dos Espíritos: “Enganas-te. Observa bem o conjunto e verás que o homem se adianta, pois que melhor compreende o que é mal, e vai dia a dia reprimindo os abusos. Faz-se mister que o mal chegue ao excesso, para tornar compreensível a necessidade do bem e das reformas.” Corrobora esse pensamento a observação de que a História conta episódios de extrema brutalidade vigendo por enorme porção da população do planeta, como, por exemplo, entre os anos 980 e 1040, conforme narrado pelo cientista Camille Flamarion em sua obra “O Fim do Mundo”, capítulo 6 (“a crença no fim do mundo através dos tempos”). Outras duas citações embasam esse raciocínio, abaixo.
  6. 6. Ainda em O Livro dos Espíritos, Kardec, perguntando aos Espíritos na Questão 776, indaga se o estado de natureza seria igual a lei natural, e os benfeitores espirituais responderam que não. O estado de natureza é o estado primitivo, pelo qual todos nós já passamos. Agora, a lei natural é uma lei que rege a nossa evolução. Toda sociedade que se prima, e que quer melhorar e progredir, precisa se adequar a uma lei. Por isto, Deus deixou uma lei natural, para reger o progresso da Humanidade. Na Questão 777, Kardec questiona novamente. Partindo da premissa de que, no estado primitivo, o homem não tem tantos anseios, não tem tantas preocupações, e, por consequência, também não tem tantas frustrações, há de pensar que o homem primitivo é mais feliz do que o homem mais evoluído.
  7. 7. Kardec fez uma afirmativa, mas, ao mesmo tempo, interrogando os Espíritos, e recebeu como resposta que a felicidade que ele estava se referindo é do homem bruto; que não considera e não compreende outras pessoas; é a felicidade do animal. Poderia também se dizer que a criança é mais feliz que o homem. Então, poderíamos concluir que a felicidade não está com o primata, nem com a criança, nem com o animal; ela está com o homem, à medida que vai se adequando a essa lei. Na Questão 778, Kardec pergunta se o homem pode retrogradar, e os Espíritos respondem que não. Deus jamais permite que um ser de sua Criação caminhe para trás. Ele está programado para a perfeição, e deve caminhar sempre para a frente. Na Questão 779 é perguntado aos Espíritos se esse progresso está dentro do ser, e se pode ser realizado por si mesmo ou é através de ensinamento.
  8. 8. E a resposta foi a seguinte: todos nós trazemos a possibilidade de evoluirmos, e, cada um, evolui a seu tempo. Normalmente, os que estão à frente auxiliam os que vêm na retaguarda; como disse Jesus, cego não pode guiar cego, pois, os dois cairiam no abismo. Então, há sempre uma criatura mais esclarecida auxiliando uma outra mais ignorante. A proposta divina é o crescimento de todos os elementos de sua Criação. Na Questão 780, Kardec questiona os Espíritos se o progresso moral acompanha o progresso intelectual; e obtém como resposta, que a evolução moral é sempre precedida pela evolução intelectual. Via de regra são atreladas; mas a evolução moral nunca caminha passo a passo com a evolução intelectual. Na grande maioria, ela vem bem depois.
  9. 9. Então, para nós termos uma moral precisamos ter o conhecimento; de outra forma, isso seria impossível. Na Questão 781 é perguntado se o homem pode paralisar essa marcha. E é respondido, jamais. O homem pode criar embaraços para o seu próprio progresso e o progresso dos outros. Mas não pode impedir esse progresso. Numa subpergunta, Kardec questiona se aquela pessoa que trabalha para impedir o progresso da Humanidade, que fim ela terá. É respondido que ela será “castigada” por Deus. Será levada de roldão pela torrente que procura deter. Então, não se pode obstaculizar o progresso. Na Questão 784, Kardec faz uma consideração: mas tem momentos, com postura inadequada da Humanidade, posturas descabidas e até retratando profunda inferioridade, dá-se a entender que a Humanidade retrograda, está caminhando para trás.
  10. 10. Como resposta, os Espíritos dizem que não. Porque, mesmo nas experiências mais negativas, as criaturas estão adquirindo conhecimento a serem usados num determinado momento, para o seu progresso. Então, de qualquer forma, mesmo naquelas situações mais embaraçosas, a criatura está aprendendo Dizem que uma criatura que assume uma postura infeliz, como um assassinato ou roubo, ela está caminhando para trás. Não é verdade. Aquela experiência vai lhe custar um sofrimento muito grande; e fruto dessa experiência, certamente ela vai evoluir. Na Questão 785, Kardec pergunta qual o maior obstáculo ao progresso; e ao Espíritos respondem que são o orgulho e o egoísmo. No caso do orgulho, é aquela pessoa que sempre se acha dotada de uma bagagem fantástica; eu já sei tudo; eu não preciso aprender mais nada.
  11. 11. Isto está atravancando o seu progresso. O outro elemento é o egoísmo, que faz a pessoa pensar somente em si, não pensando nos outros, uma vez que nós jamais poderemos progredir isoladamente. Nós sempre vamos progredir com alguém ao nosso lado. Na Questão 789, Kardec pergunta aos Espíritos se haverá um tempo em que todos os povos, mediante evolução, estarão participando de uma só nação. Os Espíritos responderam que uma nação única, não. Mas todos os povos terão a vigência de um único mandamento, que é a lei de amor e de caridade, onde eles vão ajudar, uns aos outros, e não vão tirar partido da desgraça alheia. A proposta de Deus é nos unir como uma nação única; agindo fraternalmente, caridosamente tratando com amor uns aos outros.
  12. 12. Na Questão 793, Kardec pergunta aos Espíritos como é que nós podemos reconhecer uma civilização completa. E os Espíritos respondem que é aquela civilização que afastou todos os vícios da comunidade que a desonram e que praticam o verdadeiro sentido da caridade. Essa é a civilização completa. Na Questão 794, Kardec pergunta aos Espíritos se a sociedade poderia viver sem uma lei humana, porque nós somos regidos por leis humanas, muitas, por sinal. Então os Espíritos dizem que sim; a sociedade pode viver, mas seria necessário que a sociedade estudasse e entendesse essa lei e a vivenciasse, porque, senão, ela careceria dessa lei humana. Na Questão 795, Kardec questiona qual a razão da instabilidade das nossas leis, que ainda são versáteis. A lei humana um dia é uma, no outro dia é outra.
  13. 13. Outrora será outra lei. Então os Espíritos disseram que, em épocas remotas, transatas, a lei foi feita pelo homem ignorante, primata, de muita força física, que dava a ele ensejo de se locupletar nas esperanças daquelas leis criadas. Mas esse homem foi evoluindo, e foi-se dando conta da razão, da verdade e da justiça e, por conta disso teve que modificar a sua lei, para adequá-la ao atendimento da comunidade inteira. Então, quanto mais evoluída a Humanidade, mais instável a sua lei, até o ponto em que ela se unirá à lei natural, que vai reger essa comunidade perfeita. Na Questão 796, Kardec questiona por que a severidade das leis humanas, e os Espíritos responderam que, em determinadas situações, a humanidade detecta tantas atitudes infelizes, retratando a mazela, a dureza do coração humano e, por isso, essa sociedade carece de uma lei muito dura.
  14. 14. Infelizmente essa lei foi criada para condenar, para castigar, e não para realizar a profilaxia do erro, por conta de falta de educação, porque somente a educação vai fazer com que o homem deixe de errar, busque o acerto e se adeque à proposta de vida. Na Questão 798, Kardec questiona qual seria o papel do Espiritismo. Se ele veio para ser uma crença popular ou uma crença comum. E os Espíritos responderam que o Espiritismo, como o Consolador prometido, veio para ser uma crença popular, porque na Doutrina Espírita estão inseridas as leis naturais. Então, quem não abraçar o Espiritismo passará pelo ridículo, por não estar se aquando e essa lei natural. Então, o Espiritismo veio para ficar e ser uma crença popular. Na Questão 799, Kardec pergunta qual o papel do Espiritismo no progresso da Humanidade, e os Espíritos responderam;
  15. 15. fazendo com que o homem compreenda os seus verdadeiros interesses, vivendo muito bem o dia de hoje, para construir um bem no futuro, desfazendo-se de todo preconceito, e tornando os homens verdadeiramente irmãos em Cristo. Na Questão 800, mais uma vez, Kardec, questiona os Espíritos, para saber se o Espiritismo vai conseguir essa façanha, porque é muito difícil modificar os interesses das pessoas, quando elas estão voltadas para a materialidade, enaltecendo o espiritualismo; será que ele vai conseguir esse desiderato? E Eles disseram que sim; logicamente, não de imediato; o Espiritismo veio para rasgar os céus, ou seja, a cortina que impede o homem de ver a verdade. Na Questão 801, Kardec indaga: se a proposta do Espiritismo é realmente trazer o progresso para a Humanidade, por que os Espíritos atrasaram muito esse trabalho, uma vez que começaram agora?
  16. 16. E os Espíritos disseram que, cada tempo tem a sua verdade; antes, a Humanidade não tinha estrutura para se defrontar com a verdade e assimilá- la. Na Questão 802, Kardec, que foi considerado, por Léon Denis, o bom senso reencarnado, deu o Xeque-mate. Visto que o Espiritismo tem o papel de fazer avançar a Humanidade, esclarecendo-a, por que os Espíritos não apressam de vez a comunidade para o Espiritismo, a fim de se esclarecer melhor? Então, os Espíritos disseram que Deus quer que o homem tenha o mérito da razão para que ele não seja desvalorizado. O homem tem que conhecer a doutrina, entendê-la, usar a sua razão, para ter o seu mérito, e utilizá-la em seu benefício.
  17. 17. Então, o grande papel do Espiritismo é preencher três pilastras que o sustenta. A primeira pilastra é a da reencarnação; seria humanamente impossível entendermos a vida sem o entendimento da reencarnação; seria um absurdo entendermos que a vida começa no berço e termine no túmulo. A segunda pilastra é a lei de causa e efeito. Nós, muitas das vezes, estamos aqui suportando as mesmas atitudes infelizes que nós realizamos no passado. A terceira pilastra é a caridade. Disse, Pedro, discípulo de Jesus, o amor cobre uma multidão de pecados. Se nós resgatarmos os nossos débitos, de uma maneira mais calma, mais tranquila, vamos praticar a caridade, vamos buscar os infortúnios ocultos, vamos fazer alguma coisa, porque não sabemos o que nos espera depois.
  18. 18. CONCLUSÃO: A lei do progresso, que é inexorável, encaminha o homem para a civilização cristã. Nessa civilização haverá menos egoísmo, cupidez e orgulho, os costumes serão mais intelectuais e morais do que materiais e a bondade e o amor ao próximo serão condutas intrínsecas de todo o indivíduo. Esta é a civilização que o Espiritismo estabelecerá na Terra. Como se vê pelas explicações dos Espíritos e os comentários de Kardec, a civilização incompleta em que vivemos é apenas uma fase de transição entre o mundo pagão da Antiguidade e o mundo cristão do Futuro. Tenhamos em conta a irreversibilidade do tempo, pois os minutos desperdiçados não voltam mais. Se formos negligentes, podemos perder a oportunidade de acrescentar valores morais ao nosso patrimônio espiritual.
  19. 19. Muita Paz! Visite o meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br A serviço da Doutrina Espírita; com estudos comentados. Leia Kardec! Estude Kardec! Pratique Kardec! Divulgue Kardec!

×