Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

BRASIL X EUA

8 vues

Publié le

BRASIL X EUA

Publié dans : Formation
  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

BRASIL X EUA

  1. 1. INTRODUÇÃO O abismo em termos de desenvolvimento econômico que separa os Estados Unidos do Brasil é mínimo quando o assunto é inclusão social da população negra. Em ambos os países, o racismo ainda é um fator de risco seja no acesso à educação de qualidade, ao trabalho e remuneração e mesmo no atendimento no sistema de saúde.
  2. 2. Estilos musicais A música dos Estados Unidos tem “a cara” da população daquele país, multi- étnica, mas, alguns ritmos são as “raízes” de toda sonoridade que existe nos dias atuais. Os ritmos dos Estados Unidos são:o rock and roll, country, blues, jazz, rhythhm, hip hop, techno, pop e country. Podemos dizer que são os ritmos que prevalecem e que se espalham pelo mundo todo, mas há espaço para outros estilos também.
  3. 3. Estilos musicais Muito dos ritmos populares de hoje da música americana foi influenciado pela música negra, com uma pegada do blues e também ajudou nessa mistura, a popularidade que a música gospel ganhou nos anos de 1920. Com um mix de elementos de índios, das músicas da Europa e usando a base afro-americana foi se construindo os ritmos musicais dos Estados Unidos.
  4. 4. Estilos musicais A principal influência da cultura negra em relação a música no Brasil é, sem dúvidas, o samba. O estilo hoje é o cartão-postal musical do País e está envolvido na maioria das ações culturais da atualidade. Gerou também diversos sub-gêneros e dita o ritmo da maior festa popular brasileira, o Carnaval. Mas os tambores de África trouxeram também outros cantos e danças. Sons e ritmos que percorrem e conquistam o Brasil de ponta a ponta.
  5. 5. Oportunidades no mercado de trabalho Quase 129 anos depois da abolição da escravatura, o mercado de trabalho brasileiro ainda é marcado pela cor do preconceito. A segregação no ambiente profissional persiste, revelando que estamos longe de ter um país igual. Essa discriminação, velada, apresenta- se em forma de remunerações menores e de cargos sem status de liderança para a população negra.
  6. 6. Oportunidades no mercado de trabalho A luta do movimento negro e o aumento das oportunidades, como com a qualificação profissional, têm ajudado na inserção dos negros no mercado de trabalho. Mas sabemos que ainda são exceções os profissionais que ocupam cargos mais altos nas empresas. Se considerarmos mulheres negras, aí é mais raro ainda.
  7. 7. Oportunidades no mercado de trabalho A segregação legal nos Estados Unidos pode ter acabado há mais de 50 anos. Mas, em muitas partes do país, americanos de raças diferentes não são vizinhos, não frequentam as mesmas escolas, não compram nas mesmas lojas e nem sempre têm acesso aos mesmos serviços.
  8. 8. Oportunidades no mercado de trabalho Os assassinatos cometidos pela polícia contra mulheres e homens negros desarmados nos últimos anos desencadearam novamente um debate sobre as relações entre as raças nos Estados Unidos, Mas o desafio mais importante continua: décadas após o movimento pelos direitos civis, muitos americanos, brancos e negros, simplesmente não se misturam. E, enquanto os Estados Unidos lutam com problemas raciais, conhecer uns aos outros é um passo adiante na compreensão e resolução destes problemas.
  9. 9. Moda e mercado da beleza Atualmente temos observado muitas pessoas negras de ambos os sexos assumindo sua beleza natural, valorizando a estética negra (seus traços, textura capilar, cor de pele) que durante muitos anos foi considerada feia e motivo para opressão por parte de pessoas que assumiam que a única estética apreciável era a que remetia ao padrão de beleza europeu.
  10. 10. Moda e mercado da beleza Hoje em dia o cenário está mudando e vemos pessoas negras de todas as idades e classes sociais não só se assumindo esteticamente, mas politicamente como negras e servindo de exemplo para as novas gerações, que hoje já têm uma representatividade positiva maior na sociedade do que as gerações passadas.
  11. 11. Moda e mercado da beleza Sendo assim, poderíamos concluir facilmente que a beleza negra está sendo fortemente valorizada e incentivada, mas podemos cair num equívoco, pois gosto é construção social e o padrão do “belo” é construído de acordo com a sociedade em que estamos inseridos e os valores que essa sociedade perpetua.
  12. 12. Moda e mercado da beleza Malcom X disse: “Temos sido um povo que odeia as nossas características africanas. Nós odiávamos nosso cabelo, nós odiávamos a forma do nosso nariz, queríamos ter um daqueles narizes longos e finos, você sabe. Sim. Nós odiávamos a cor da nossa pele, odiávamos o sangue da África que estava em nossas veias. E em odiar os nossas características, nossa pele e nosso sangue acabamos odiando a nós mesmos.”
  13. 13. Moda e mercado da beleza Portanto, podemos afirmar que a estética negra é, sem sombra de dúvidas, um instrumento de autoaceitação, de resistência, de empoderamento, uma forma de mostrar que não aceitamos o padrão socialmente imposto, mas que o negro é belo, é lindo, é diverso, é versátil. Somos seres políticos e a nossa opção estética diz muito sobre nós, nossas crenças, nossos valores, afirma nossa existência e nossa resistência contra as tentativas de nos enquadrar em modismos que banalizam nossa cultura, nossa estética.
  14. 14. Posições de destaque na sociedade O Brasil é o país com a segunda maior população negra do mundo. Contudo, analisando o mercado de trabalho, percebe-se que a quantidade de negros em setores "elitizados" é muito baixa. O mesmo problema ocorre no ingresso do negro nas universidades do Brasil. De acordo com a pesquisa realizada pela FASE (Federação para Assistência Social e Educacional de São Paulo), a possibilidade de um negro ingressar na universidade é de 18%, enquanto esta possibilidade para os brancos é de 43%.
  15. 15. Posições de destaque na sociedade Outro dado importante é que, segundo o IBGE, em relação a qualidade de vida da população, o Brasil ocupa a 63ª posição no mundo. Considerando-se a população negra, o Brasil fica na 120ª posição mundial, ressaltando com isso a diferença entre os níveis de vida da população branca e da população negra.

×