Seminário_CETAM.pptx

Manaus – AM
2023
Alunos: Jane Silva; Mateus Barros; Glaucia Santos; Lenizia Picanço;
Carina Yasmin; Alisson Rebouças.
Método de Coombs Direto
(Teste da Antiglobulina Direto – TAD)
Escola de Formação Profissional
Enfª Francisca Saavedra
Curso de Procedimentos Técnicos em Imuno-
Hematologia
Centro de Educação Tecnológica do Amazonas –
CETAM
2
INTRODUÇÃO – Conceitos básicos
 Sangue:
Fluído que entrega substâncias necessárias para todos os tecidos (nutrientes, oxigênio...).
Constituído por uma infinidade de moléculas e células;
Células sanguíneas
Hematopoiese
e
constituintes
do
sangue
Sangue
periférico
Sangue
Centrifugado
Celular
Acelular
Plasma - 55%
Buffy coat - 1%
Eritrócitos - 44%
Proteínas
8%
Água
91%
Outros
1%
Eritrócitos
99%
Leucócitos e Plaquetas
1%
3
INTRODUÇÃO – Conceitos básicos
 Antígeno: estrutura/molécula que é capaz de ser reconhecida pelo sistema imunológico.
- Pode ser um proteína, um lipídeo, etc. – geralmente “não próprio”
 Anticorpos: moléculas produzidas por células B que se ligam à antígenos específicos.
Antígeno
Células B
Micróbios
Resposta imune
Anticorpo
Receptor
4
TESTE DE ANTIGLOBULINA DIRETO (TAD)
HISTÓRIA
DO
MÉTODO
DE
COOMBS
 Descrito pela primeira vez no século XX (1908);
 Carlos Moreschi – Cientista/Patologista Italiano.
”A utilização de anticorpos (obtidos a partir de coelhos imunizados
com soro humano) são capazes de realçar outros anticorpos in
vitro de outra forma não detectável (soro antiglobulina).”
Carlos Moreschi (1876-1921)
Reação de Aglutinação
 Descoberta permaneceu negligenciada devido à escassez
de conhecimentos científicos na época.
5
TAD – O método “novo” de Coombs
HISTÓRIA
DO
MÉTODO
DE
COOMBS
 Descobertas resgatadas em meados do século XX (1945);
 Robin Coombs – Cientista/Imunologista Britânico.
 Atuou também nas pesquisas do sistema de antígenos Rh.
Robin Coombs (1921-2006)
 Introdução o TAD na rotina laboratorial – Hemoterapia
 Uso de antiglobulinas humanas (AGHs) para detectar in vivo a sensibilização
de hemácias por anticorpos, tornando possível o diagnóstico da doenças
hemolíticas autoimunes.
Prêmio Nobel de Fisiologia ou
Medicina (1965)
“Quando esses anticorpos reagiam com os glóbulos vermelhos, eles se
tornavam revestidos com imunoglobulinas anti-Rh, e um outro
anticorpo de "ponte" direcionado contra a fração constante de
globulina do soro aglutinaria as células.”
6
ANTI-GLOBULINA HUMANA (Soro de Coombs)
BASES
CONCEITUAIS
DO
TESTE
DE
COOMBS
 As AGHs são produzidas após imunização de animais, como coelhos (ou cabras),
com imunoglobulinas humanas e frações do sistema complemento.
 Podem ser poliespecíficos ou monoespecíficos.
 Os soros poliespecíficos contém anticorpos contra as imunoglobulinas humanas e contra a
fração C3d do Complemento.
 Os soros monoespecíficos contém anticorpos contra apenas um tipo de imunoglobulina
(IgG, IgM, IgA) ou contra uma fração do sistema complemento (C3c, C3d, C4b, C4d).
Infusão de
moléculas
humanas em
coelhos
Reação imune Produção de AGHs
Soro de
Coombs
7
MÉTODO DE COOMBS DIRETO - TAD
 O que é?
 Técnica laboratorial para determinar se os eritrócitos foram fixados in vivo
(opsonizados) por anticorpos, fragmentos do sistema complemento, ou ambos.
 Usado principalmente na investigação de:
•Anemias hemolíticas pós-transfusionais/auto-imunes/induzidas por drogas;
•Doença hemolítica do recém-nascido (DHRN)/Eritroblastose Fetal;
8
MÉTODO DE COOMBS DIRETO - TAD
 Usado principalmente na investigação de:
•Anemias hemolíticas pós-transfusionais/auto-imunes/induzidas por drogas;
•Doença hemolítica do recém-nascido (DHRN)/Eritroblastose Fetal;
Como ocorre a eritroblastose fetal?
Pai Rh+
Mãe Rh-
Durante a gravidez No parto Pós-parto
Na 2ª gestação
de uma criança
Rh+
Mãe Rh-
com bebê
Rh+
Sangue do
bebê Rh+ entra
na circulação
da mãe
Produção de
anticorpos
anti-Rh
Acs
permanecem
na circulação
Acs anti-Rh
atacam
células
sanguíneas
Rh+ do bebê
9
MÉTODO DE COOMBS DIRETO
REAGENTES
NECESSÁRIOS
 Como é feito?
Tipo de amostra utilizada
Sangue total colhido com o anticoagulante EDTA (tampa roxa/lilás).
Reagentes necessários
•Soro de Coombs – antiglobulina mono/poli-específica, anti-IgG ou anti-complemento;
•Solução Salina 5% - controle negativo;
Amostra de
sangue
Solução salina
(soro fisiológico)
Soro de Coombs
10
MÉTODO DE COOMBS DIRETO
PASSO
A
PASSO
 Como é feito?
Técnica em tubo
1. Preparar uma suspensão salina (5%) das hemácias a serem testadas (paciente);
Amostra do
paciente
Transferir 50uL
de sangue
Salina/Solução
fisiológica
Transferir 950uL
de salina
Suspensão salina de
hemácias a 5%
Homogeneizar!!
11
MÉTODO DE COOMBS DIRETO
PASSO
A
PASSO
 Como é feito?
Técnica em tubo
2. Realizar 3 lavagens das hemácias serem testadas;
Suspensão de
hemácias a serem
testadas
Transferir 100uL da
suspensão de hemácias
Salina/Solução
fisiológica
Adicionar 2 gotas
de salina
Centrifugar a
3000rpm/1min
Desprezar
sobrenadante
com cuidado!!
(Na última vez, com auxílio de papel de toalha.)
12
MÉTODO DE COOMBS DIRETO
PASSO
A
PASSO
 Como é feito?
Técnica em tubo
3. Realizar o teste de Coombs direto;
Soro de Coombs
Transferir (2 gotas)
100uL do reagente
Centrifugar a
1500rpm/1min
Leitura do resultado!!
a) agitar levemente o tubo;
b) observe se há aglutinação das hemácias;
Homogeneizar!!
13
MÉTODO DE COOMBS DIRETO
LEITURA
DO
RESULTADO
 Como é feito?
Técnica em tubo
4. Realizar a interpretação do resultado;
Sem aglutinação
(teste negativo)
Presença de aglutinação
(teste positivo)
14
Vídeo – Método de Coombs (Direto)
OBRIGADO!
1 sur 15

Recommandé

Apresentação tipagem sanguinea par
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaMaria Auxiliadora Nascimento Ferreira
8.2K vues40 diapositives
Grupos sanguineos par
Grupos sanguineosGrupos sanguineos
Grupos sanguineosAndre Luiz Nascimento
2.3K vues23 diapositives
Imunodiagnostico par
ImunodiagnosticoImunodiagnostico
ImunodiagnosticoTaillany Caroline
4.2K vues40 diapositives
Tipagem sanguinea par
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguineaMaria Auxiliadora Nascimento Ferreira
834 vues30 diapositives
Sangue e Sistema abo par
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboaferna
7.1K vues26 diapositives
Aula 01 sangue e células par
Aula 01   sangue e célulasAula 01   sangue e células
Aula 01 sangue e célulasMarianaSerra19
91 vues54 diapositives

Contenu connexe

Similaire à Seminário_CETAM.pptx

PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013 par
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013Ionara Urrutia Moura
2.5K vues32 diapositives
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013 par
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_20133 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013CotucaAmbiental
71 vues32 diapositives
Hematologia M.Z (1).pptx par
Hematologia M.Z (1).pptxHematologia M.Z (1).pptx
Hematologia M.Z (1).pptxluiskiani
4 vues82 diapositives
sistema.pptx par
sistema.pptxsistema.pptx
sistema.pptxcristinanatasha
4 vues26 diapositives
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx par
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxSLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxcristinanatasha
15 vues26 diapositives
Laboratório par
LaboratórioLaboratório
Laboratóriopauloalambert
2.9K vues73 diapositives

Similaire à Seminário_CETAM.pptx(20)

PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013 par Ionara Urrutia Moura
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013 par CotucaAmbiental
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_20133 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013
CotucaAmbiental71 vues
Hematologia M.Z (1).pptx par luiskiani
Hematologia M.Z (1).pptxHematologia M.Z (1).pptx
Hematologia M.Z (1).pptx
luiskiani4 vues
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx par cristinanatasha
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxSLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
cristinanatasha15 vues
Slides de Aula - Unidade II.pdf par BrunoMatson1
Slides de Aula - Unidade II.pdfSlides de Aula - Unidade II.pdf
Slides de Aula - Unidade II.pdf
BrunoMatson13 vues
Laboratório em Reumatologia par pauloalambert
Laboratório em ReumatologiaLaboratório em Reumatologia
Laboratório em Reumatologia
pauloalambert1.2K vues
Imunohematologia e-sistema-abo-731041 par Jhon Almeida
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Jhon Almeida6.3K vues

Dernier

a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere... par
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...HelpEducacional
18 vues2 diapositives
Caça-palavras sobre BANDEIRAS NO BRASIL.docx par
Caça-palavras sobre BANDEIRAS NO BRASIL.docxCaça-palavras sobre BANDEIRAS NO BRASIL.docx
Caça-palavras sobre BANDEIRAS NO BRASIL.docxJean Carlos Nunes Paixão
82 vues2 diapositives
3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137): par
3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137):3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137):
3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137):azulassessoriaacadem3
75 vues2 diapositives
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf par
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
100 vues28 diapositives
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023 par
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023IntegrareAcademy2
59 vues2 diapositives
Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ... par
Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ...Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ...
Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ...azulassessoriaacadem3
31 vues2 diapositives

Dernier(20)

a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere... par HelpEducacional
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...
HelpEducacional18 vues
3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137): par azulassessoriaacadem3
3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137):3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137):
3. Qual a teologia no discurso dos exilados? (Lamentações 1-2; Salmo 137):
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf par Vítor Santos
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos100 vues
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023 par IntegrareAcademy2
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023
Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ... par azulassessoriaacadem3
Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ...Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ...
Considerando o exposto, faça uma pesquisa elencando dois recursos que possam ...
LISTE cinco condições clínicas e para cada uma delas CITE as metas/objetivos ... par azulassessoriaacadem3
LISTE cinco condições clínicas e para cada uma delas CITE as metas/objetivos ...LISTE cinco condições clínicas e para cada uma delas CITE as metas/objetivos ...
LISTE cinco condições clínicas e para cada uma delas CITE as metas/objetivos ...
2- Redigir um texto de no mínimo 15 e no máximo 30 linhas que contemple uma b... par azulassessoriaacadem3
2- Redigir um texto de no mínimo 15 e no máximo 30 linhas que contemple uma b...2- Redigir um texto de no mínimo 15 e no máximo 30 linhas que contemple uma b...
2- Redigir um texto de no mínimo 15 e no máximo 30 linhas que contemple uma b...
b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial... par azulassessoriaacadem3
b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial...b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial...
b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial...
Ao longo da história, ocorreram inúmeros movimentos que foram modificando as ... par IntegrareAcademy2
Ao longo da história, ocorreram inúmeros movimentos que foram modificando as ...Ao longo da história, ocorreram inúmeros movimentos que foram modificando as ...
Ao longo da história, ocorreram inúmeros movimentos que foram modificando as ...
Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl... par azulassessoriaacadem3
Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl...Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl...
Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl...
ATIVIDADE PROPOSTA Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat... par azulassessoriaacadem3
ATIVIDADE PROPOSTA   Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...ATIVIDADE PROPOSTA   Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...
ATIVIDADE PROPOSTA Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par... par azulassessoriaacadem3
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par... par IntegrareAcademy2
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Paulino Silva - BSC - III Jornadas Contabilidade ISCAP - Slideshare.pdf par Paulino Silva
Paulino Silva - BSC - III Jornadas Contabilidade ISCAP - Slideshare.pdfPaulino Silva - BSC - III Jornadas Contabilidade ISCAP - Slideshare.pdf
Paulino Silva - BSC - III Jornadas Contabilidade ISCAP - Slideshare.pdf
Paulino Silva35 vues
MAPA - SSOC - FUNDAMENTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS DO SERVIÇO SOCIAL - 54/2023 par IntegrareAcademy2
MAPA - SSOC - FUNDAMENTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS DO SERVIÇO SOCIAL - 54/2023MAPA - SSOC - FUNDAMENTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS DO SERVIÇO SOCIAL - 54/2023
MAPA - SSOC - FUNDAMENTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS DO SERVIÇO SOCIAL - 54/2023
c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ... par azulassessoriaacadem3
c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ...c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ...
c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ...
Com seu entendimento sobre os processos, faça como Capote sugeriu, e descreva... par azulassessoriaacadem3
Com seu entendimento sobre os processos, faça como Capote sugeriu, e descreva...Com seu entendimento sobre os processos, faça como Capote sugeriu, e descreva...
Com seu entendimento sobre os processos, faça como Capote sugeriu, e descreva...

Seminário_CETAM.pptx

  • 1. Manaus – AM 2023 Alunos: Jane Silva; Mateus Barros; Glaucia Santos; Lenizia Picanço; Carina Yasmin; Alisson Rebouças. Método de Coombs Direto (Teste da Antiglobulina Direto – TAD) Escola de Formação Profissional Enfª Francisca Saavedra Curso de Procedimentos Técnicos em Imuno- Hematologia Centro de Educação Tecnológica do Amazonas – CETAM
  • 2. 2 INTRODUÇÃO – Conceitos básicos  Sangue: Fluído que entrega substâncias necessárias para todos os tecidos (nutrientes, oxigênio...). Constituído por uma infinidade de moléculas e células; Células sanguíneas Hematopoiese e constituintes do sangue Sangue periférico Sangue Centrifugado Celular Acelular Plasma - 55% Buffy coat - 1% Eritrócitos - 44% Proteínas 8% Água 91% Outros 1% Eritrócitos 99% Leucócitos e Plaquetas 1%
  • 3. 3 INTRODUÇÃO – Conceitos básicos  Antígeno: estrutura/molécula que é capaz de ser reconhecida pelo sistema imunológico. - Pode ser um proteína, um lipídeo, etc. – geralmente “não próprio”  Anticorpos: moléculas produzidas por células B que se ligam à antígenos específicos. Antígeno Células B Micróbios Resposta imune Anticorpo Receptor
  • 4. 4 TESTE DE ANTIGLOBULINA DIRETO (TAD) HISTÓRIA DO MÉTODO DE COOMBS  Descrito pela primeira vez no século XX (1908);  Carlos Moreschi – Cientista/Patologista Italiano. ”A utilização de anticorpos (obtidos a partir de coelhos imunizados com soro humano) são capazes de realçar outros anticorpos in vitro de outra forma não detectável (soro antiglobulina).” Carlos Moreschi (1876-1921) Reação de Aglutinação  Descoberta permaneceu negligenciada devido à escassez de conhecimentos científicos na época.
  • 5. 5 TAD – O método “novo” de Coombs HISTÓRIA DO MÉTODO DE COOMBS  Descobertas resgatadas em meados do século XX (1945);  Robin Coombs – Cientista/Imunologista Britânico.  Atuou também nas pesquisas do sistema de antígenos Rh. Robin Coombs (1921-2006)  Introdução o TAD na rotina laboratorial – Hemoterapia  Uso de antiglobulinas humanas (AGHs) para detectar in vivo a sensibilização de hemácias por anticorpos, tornando possível o diagnóstico da doenças hemolíticas autoimunes. Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina (1965) “Quando esses anticorpos reagiam com os glóbulos vermelhos, eles se tornavam revestidos com imunoglobulinas anti-Rh, e um outro anticorpo de "ponte" direcionado contra a fração constante de globulina do soro aglutinaria as células.”
  • 6. 6 ANTI-GLOBULINA HUMANA (Soro de Coombs) BASES CONCEITUAIS DO TESTE DE COOMBS  As AGHs são produzidas após imunização de animais, como coelhos (ou cabras), com imunoglobulinas humanas e frações do sistema complemento.  Podem ser poliespecíficos ou monoespecíficos.  Os soros poliespecíficos contém anticorpos contra as imunoglobulinas humanas e contra a fração C3d do Complemento.  Os soros monoespecíficos contém anticorpos contra apenas um tipo de imunoglobulina (IgG, IgM, IgA) ou contra uma fração do sistema complemento (C3c, C3d, C4b, C4d). Infusão de moléculas humanas em coelhos Reação imune Produção de AGHs Soro de Coombs
  • 7. 7 MÉTODO DE COOMBS DIRETO - TAD  O que é?  Técnica laboratorial para determinar se os eritrócitos foram fixados in vivo (opsonizados) por anticorpos, fragmentos do sistema complemento, ou ambos.  Usado principalmente na investigação de: •Anemias hemolíticas pós-transfusionais/auto-imunes/induzidas por drogas; •Doença hemolítica do recém-nascido (DHRN)/Eritroblastose Fetal;
  • 8. 8 MÉTODO DE COOMBS DIRETO - TAD  Usado principalmente na investigação de: •Anemias hemolíticas pós-transfusionais/auto-imunes/induzidas por drogas; •Doença hemolítica do recém-nascido (DHRN)/Eritroblastose Fetal; Como ocorre a eritroblastose fetal? Pai Rh+ Mãe Rh- Durante a gravidez No parto Pós-parto Na 2ª gestação de uma criança Rh+ Mãe Rh- com bebê Rh+ Sangue do bebê Rh+ entra na circulação da mãe Produção de anticorpos anti-Rh Acs permanecem na circulação Acs anti-Rh atacam células sanguíneas Rh+ do bebê
  • 9. 9 MÉTODO DE COOMBS DIRETO REAGENTES NECESSÁRIOS  Como é feito? Tipo de amostra utilizada Sangue total colhido com o anticoagulante EDTA (tampa roxa/lilás). Reagentes necessários •Soro de Coombs – antiglobulina mono/poli-específica, anti-IgG ou anti-complemento; •Solução Salina 5% - controle negativo; Amostra de sangue Solução salina (soro fisiológico) Soro de Coombs
  • 10. 10 MÉTODO DE COOMBS DIRETO PASSO A PASSO  Como é feito? Técnica em tubo 1. Preparar uma suspensão salina (5%) das hemácias a serem testadas (paciente); Amostra do paciente Transferir 50uL de sangue Salina/Solução fisiológica Transferir 950uL de salina Suspensão salina de hemácias a 5% Homogeneizar!!
  • 11. 11 MÉTODO DE COOMBS DIRETO PASSO A PASSO  Como é feito? Técnica em tubo 2. Realizar 3 lavagens das hemácias serem testadas; Suspensão de hemácias a serem testadas Transferir 100uL da suspensão de hemácias Salina/Solução fisiológica Adicionar 2 gotas de salina Centrifugar a 3000rpm/1min Desprezar sobrenadante com cuidado!! (Na última vez, com auxílio de papel de toalha.)
  • 12. 12 MÉTODO DE COOMBS DIRETO PASSO A PASSO  Como é feito? Técnica em tubo 3. Realizar o teste de Coombs direto; Soro de Coombs Transferir (2 gotas) 100uL do reagente Centrifugar a 1500rpm/1min Leitura do resultado!! a) agitar levemente o tubo; b) observe se há aglutinação das hemácias; Homogeneizar!!
  • 13. 13 MÉTODO DE COOMBS DIRETO LEITURA DO RESULTADO  Como é feito? Técnica em tubo 4. Realizar a interpretação do resultado; Sem aglutinação (teste negativo) Presença de aglutinação (teste positivo)
  • 14. 14 Vídeo – Método de Coombs (Direto)

Notes de l'éditeur

  1. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  2. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  3. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  4. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  5. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  6. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  7. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  8. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  9. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  10. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  11. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  12. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  13. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2019.00726/full#h1
  14. Adicionar recidiva/recaída da doença?