Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

UC's - Conservação de Espécies e Populações

Material de apoio utilizado em aula ministrada na Faculdade de Jaguariúna, SP, para o curso de graduação em Engenharia Ambiental, turma do nono semestre, na disciplina de Gestão de Áreas Protegidas.

  • Identifiez-vous pour voir les commentaires

  • Soyez le premier à aimer ceci

UC's - Conservação de Espécies e Populações

  1. 1. 12/03/14   1   GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS Engenharia  Ambiental  –  2014     Aula  5   Prof.  Biól.  Leandro  A.  Machado  de  Moura   lammoura@uol.com.br   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Fauna       •  tem   papel   na   manutenção   do   meio   ambiente   saudável   permi@ndo   a   prestação  dos  serviços  necessários  à  manutenção  da  vida  humana,  tais   como   alimento,   polinização   e   dispersão   de   plantas,   manutenção   do   equilíbrio  de  populações,  e  controle  de  pragas.   Quanto   mais   espécies   ameaçadas   existem,   maior   é   o   risco   sofrido   pelo   meio   ambiente   que   essas   espécies   se   encontram,   ou   seja,   existem   uma   redução   da   qualidade   dos   recursos  ambientais,  como  água,  solo  fér@l,  ar   e  produtos  oriundos  da  natureza.   627  ESPÉCIES   AMEÇADAS  DE   EXTINÇÃO  NO   BRASIL   (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  2. 2. 12/03/14   2   Conservação  de  Espécies  e  Populações   •  As  Unidades  de  Conservação  (UC)  são  ferramentas  fundamentais  para  a   proteção  da  biodiversidade,  uma  vez  que  protegem  o  habitat  essencial   para  a  sobrevivência  das  espécies  da  fauna  brasileira.     •  A   avaliação   da   correlação   entre   Unidades   de   Conservação   e   espécies   ameaçadas   permite   iden@ficar   quais   espécies   (em   biomas   ou   estados)   carecem   da   criação   de   áreas   protegidas   (UC)   para   garan@r   sua   preservação,   e   orientar   as   polí@cas   públicas   de   conservação   da   biodiversidade.     •  Assim,  uma  das  metas  nacionais  para  a  conservação  da  biodiversidade  é   ter  100%  das  espécies  da  fauna  ameaçada  protegidas  em  Unidades  de   Conservação.                              (Fonte:  ICMBio,  2014)   Fauna  e  as  Unidades  de  Conservação     Conservação  de  Espécies  e  Populações   Fauna     (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  3. 3. 12/03/14   3   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção       A   avaliação   do   estado   de   conservação   das   espécies   é   realizada   por   grupos   taxonômicos,   u@lizando   a   metodologia   criada   pela   União   Internacional   para   Conservação   da   Natureza   -­‐   UICN,   na   qual   cada   espécie   é   classificada   em   diferentes   categorias   de   acordo   com   sua   situação   na   natureza   e   risco   de   ex@nção   em   um   futuro   próximo,   de   acordo  com  informações  sobre:     •  distribuição  geográfica,     •  tamanho  populacional,   •  caracterís@cas  biológicas,   •  ameaças  a  que  está  exposta,  e     •  ações  de  conservação  existentes.   (Fonte:  ICMBio,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  4. 4. 12/03/14   4   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     Segura  ou  pouco  preocupante  ou  Least  Concern,  em  inglês  (LC):       Esta  é  a  categoria  de  risco  mais  baixo.  Se  a  espécie  não  se  enquadra  nas   8   categorias   que   denotam   algum   grau   de   risco   de   ex@nção,   ela   é   classificada   como   "Segura   ou   Pouco   Preocupante".   Espécies   abundantes  e  amplamente  distribuídas  são  incluídas  nesta  categoria.   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     Quase  ameaçada  ou  Near  Threatened,  em  inglês  (NT):       A   espécie   é   incluída   nesta   categoria   quando,   avaliada   pelos   critérios   de   classificação,  está  perto  de  ser  classificada  ou  provavelmente  será  incluída   numa  das  categorias  de  ameaça  ('Cri@camente  em  Perigo'  ,  'Em  Perigo'  ou   'Vulnerável')  num  futuro  próximo.   Quando   se   usa   o   termo   "Ameaçado"   na   Lista   Vermelha   da   IUCN,   isso   significa  que  a  espécie  se  enquadra  em  uma  das  três  categorias  abaixo:   CriEcamente  em  Perigo,  ou  Em  Perigo,  ou  Vulnerável.  
  5. 5. 12/03/14   5   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     Vulnerável  ou  Vulnerable  (VU):       Uma  espécie  está  Vulnerável  quando  as  melhores  evidências  disponíveis   indicam  que  enfrenta  um  risco  elevado  de  ex@nção  na  natureza  em  um   futuro  bem  próximo,  a  menos  que  as  circunstâncias  que  ameaçam  a  sua   sobrevivência   e   reprodução   melhorem.   Espécies   vulneráveis   são   monitoradas  e,  frequentemente,  encontradas  em  ca@veiro,  onde  podem   ser  abundantes.  Atualmente  há  4.796  animais  e  5.099  plantas  classificadas   como  vulneráveis.   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     Em  perigo  ou  Endangered  (EN):       Quando   a   melhor   evidência   disponível   indica   que   uma   espécie   provavelmente  será  ex@nta  num  futuro  próximo.       Este  é  o  segundo  estado  de  conservação  mais  grave  para  as  espécies  na   natureza.  3.219  animais  e  3.009  plantas  estão  ameaçadas  de  ex@nção  em   todo  o  mundo.  
  6. 6. 12/03/14   6   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     CriOcamente  em  Perigo  ou  Em  Perigo  CríOco  ou  CriEcally  Endangered  (CR):       É  a  categoria  de  maior  risco  atribuído  pela  Lista  Vermelha  da  IUCN  para  espécies   selvagens.  São  aquelas  que  enfrentam  risco  extremamente  elevado  de  ex@nção  na   natureza.  Há  2.169  animais  e  1.957  plantas  com  essa  avaliação.     Não   se   considera   uma   espécie   ex@nta   até   que   extensas   pesquisas   tenham   sido   realizadas  e  comprovadas  -­‐  é  possível  que  espécies  ex@ntas  ainda  estejam  listadas   como  "Cri@camente  em  Perigo".     Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     ExOnta  na  natureza  ou  ExEnct  in  the  Wild  (EW):       Uma  espécie  é  presumida  como  tal  quando  estudos  exaus@vos  em  seus   habitats  conhecido  e/ou  esperados,  em  momentos  apropriados,  ao  longo   de  sua  distribuição  histórica,  não  conseguem  encontrar  um  único   indivíduo.       São  espécies  conhecidas  por  sobreviver  apenas  em  ca@veiro  ou  como  uma   população  naturalizada  fora  de  sua  área  natural.  
  7. 7. 12/03/14   7   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     ExOnta  ou  ExEnct,  em  inglês  (EX):       Quando  não  há  qualquer  dúvida  razoável  que  o  úl@mo  indivíduo  morreu,  a   espécie  é  considerada  Ex@nta.       O  momento  de  ex@nção  é  geralmente  considerado  como  sendo  a  morte  do   úl@mo   indivíduo   da   espécie,   embora   a   capacidade   de   sobrevivência   da   espécie  -­‐  devido  ao  baixo  número  de  indivíduos  -­‐  possa  ter  sido  perdida   antes  deste  ponto.   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     Dados  Insuficientes  ou  Data  Deficient  (DD):       Não  existem  informações  adequadas  para  fazer  uma  avaliação,  direta  ou   indireta,   do   risco   de   ex@nção   de   uma   espécie,   com   base   na   sua   distribuição  e/ou  status  da  população.  Uma  espécie  aqui  classificada  pode   ser  bem  estudada  e  sua  biologia  bem  conhecida,  mas  faltam  dados  sobre   seu  número  e  distribuição.       A   categoria   "Dados   Insuficientes"   não   é,   portanto,   uma   forma   de   descrever  o  grau  de  risco  da  espécie.  Trata-­‐se  do  reconhecimento  de  que   são   necessárias   mais   informações   e   que   uma   inves@gação   futura   irá   mostrar  que  a  classificação  ameaçada  é  apropriada  ou  não.  
  8. 8. 12/03/14   8   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     (Fonte:  IUCN,  2014)   Não  avaliada  ou  Not  Evaluated  (NE):       Uma   espécie   não   é   avaliada   quando   ainda   não   foi   subme@da   aos   critérios  de  avaliação  de  risco.   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Avaliação  do  Risco  de  ExOnção     (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  9. 9. 12/03/14   9   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)     ObjeOvos     São   instrumentos   de   gestão   que   tem   como   principal   obje@vo   a   troca   de   experiência   entre   os   atores   envolvidos,   no   sen@do   de   agregar   e   buscar   novas   ações  de  conservação,  reunindo  e  potencializando  os  esforços  na  conservação,  e   racionalizando  a  captação  e  gestão  dos  recursos  para  conservação  das  espécies   ou  ambientes  focos  dos  planos  de  ação.     Elaboração  e  Implementação       O  processo  de  elaboração,  monitoria  e  revisão  adotado,  ins@tuído  pela  Instrução   NormaOva   ICMBio   nº   25/2012,   é   baseado   no   planejamento   estratégico   e   estabelece   um   método   simples   e   robusto   que   pode   ser   aplicado   em   todos   os   níveis  taxonômicos  ou  geográficos.  Estes  níveis  podem  incluir  uma  única  espécie,   grupos  ou  conjuntos  de  espécies  e  subespécies  individuais,  bem  como  em  âmbito   global,  regional  ou  nacional.     (Fonte:  ICMBio,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Plano  de  Ação  Nacional  (PAN)     Os  Planos  de  Ação  Nacional  para  a  Conservação  das  Espécies  Ameaçadas   de  ExOnção  ou  do  Patrimônio  Espeleológico  (PAN)  são  polí@cas  públicas,   pactuadas   com   a   sociedade,   que   iden@ficam   e   orientam   as   ações   prioritárias  para  combater  as  ameaças  que  põem  em  risco  populações  de   espécies  e  os  ambientes  naturais  e  assim  protegê-­‐los.      
  10. 10. 12/03/14   10   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)  
  11. 11. 12/03/14   11   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Plano  de  Ação  Nacional  (PAN)   (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  12. 12. 12/03/14   12   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)   (Fonte:  ICMBio,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)   (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  13. 13. 12/03/14   13   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Fauna  Ameaçada  de  ExOnção     (Fonte:  ICMBio,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)     Para  garan@r  que  o  plano  de  ação  tenha  maior  êxito  na  implementação,  o   processo  contempla  a  parOcipação  mulOlateral,  visando  o  estabelecimento   de  um  pacto  envolvendo:       •  segmentos  do  governo,     •  organizações  não  governamentais  ligadas  à  conservação,     •  especialistas  em  conservação  de  espécies,   •  representantes  das  comunidades  locais  ou  das  autoridades  locais,     •  setor  privado  (p.e.:  representante  de  empresas  florestais,  mineradoras   ou  operadores  de  turismo),  e     •  Entre  outras  partes  chave  interessadas.     (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  14. 14. 12/03/14   14   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)     Desta  forma,  promove  a  integração  de  várias  estratégias  e  polí@cas  públicas   potencializando  seu  efeito.       São  medidas  recorrentes  adotadas  nos  PAN:       •  a  criação  e  implementação  de  UC,     •  regularização  fundiária,     •  licenciamento  e  compensação  ambiental,     •  pesquisa  aplicada,     •  educação  ambiental,     •  fiscalização,     •  recuperação  de  áreas  degradadas,     •  projetos  de  usos  sustentáveis  dos  recursos  naturais.   (Fonte:  ICMBio,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)     Monitoria  dos  Planos  de  Ação     Por   meio   de   monitorias   regulares,   é   verificada   a   implementação   das   ações   e   realizado   os   ajustes   necessários   ao   plano.   As   monitorias   são   coordenadas   e   promovidas   pelo   ICMBio   anualmente   e   contam   com   a   par@cipação  do  Grupo  Assessor  cons@tuído  para  cada  plano.     O  sucesso  das  ações  estratégicas  para  a  conservação  das  espécies,  por   meio   dos   planos   de   ação   e   das   recomendações   de   medidas   para   a   proteção   de   espécies   e   grupos,   é   avaliado   ao   longo   do   tempo   pela   atualização  do  diagnósOco  das  espécies  brasileiras.   (Fonte:  ICMBio,  2014)  
  15. 15. 12/03/14   15   (Fonte:  ICMBio,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Painel  de  Gestão  dos  Planos  de  Ação  Nacional  (PAN)   (Fonte:  CBD,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Espécies  ExóOcas  Invasoras     De  acordo  com  a  Convenção  sobre  Diversidade  Biológica  –  CDB:     Espécie  ExóOca:  é  toda  espécie  que  se  encontra  fora  de  sua  área  de  distribuição   natural.       Espécie   ExóOca   Invasora:   é   definida   como   sendo   aquela   que   ameaça   ecossistemas,   hábitats   ou   espécies.   Estas   espécies,   por   suas   vantagens   compe@@vas  e  favorecidas  pela  ausência  de  inimigos  naturais,  têm  capacidade   de  se  proliferar  e  invadir  ecossistemas,  sejam  eles  naturais  ou  antropizados.    
  16. 16. 12/03/14   16   (Fonte:  MMA,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Espécies  ExóOcas  Invasoras     As  espécies  exó@cas  invasoras  são  beneficiadas  pela  degradação  ambiental.     À   medida   que   novos   ambientes   são   colonizados   e   ocupados   pelo   homem,   plantas   e   animais   domes@cados   são   transportados,   proporcionando,   para   diversas   espécies,   condições  de  dispersão  muito  além  de  suas  reais  capacidades.       Com   o   crescente   aumento   do   comércio   internacional,   espécies   exó@cas   são   introduzidas,   intencional   ou   não   intencionalmente,   para   locais   onde   não   encontram   inimigos   naturais,   tornando-­‐se   mais   eficientes   que   as   espécies   na@vas   no   uso   dos   recursos.     Dessa  forma,  mul@plicam-­‐se  rapidamente,  podendo  ocasionar:       •  o  empobrecimento  dos  ambientes,       •  a  simplificação  dos  ecossistemas,  e       •  a  ex@nção  de  espécies  na@vas.   (Fonte:  MMA,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Espécies  ExóOcas  Invasoras     •  As  espécies  exó@cas  invasoras  já  contribuíram,  desde  o  ano  1600,  com  39%   de  todos  os  animais  ex@ntos,  cujas  causas  são  conhecidas  (CDB).     •  Mais   de   120   mil   espécies   exó@cas   de   plantas,   animais   e   microrganismos   foram  introduzidas  nos  E.U.A.,  Reino  Unido,  Austrália,  Índia,  África  do  Sul  e   Brasil  (Pimentel  et  al.,  2001).   •  Es@ma-­‐se  que  um  total  aproximado  de  480  mil  espécies  exó@cas  já  foram   introduzidas  nos  diversos  ecossistemas  da  Terra.     •  Aproximadamente  20  a  30%  dessas  espécies  são  consideradas  pragas  e  são   responsáveis  por  grandes  problemas  ambientais  (Pimentel  et  al.,  2001).     •  perdas  econômicas  anuais  decorrentes  das  invasões  biológicas  nas   culturas,   pastagens   e   nas   áreas   de   florestas   ultrapassa   os   336   bilhões  de  dólares  (Pimentel  et  al.,  2001).  
  17. 17. 12/03/14   17   (Fonte:  MMA,  2014)   Conservação  de  Espécies  e  Populações   Espécies  ExóOcas  Invasoras     Isto   indica   o   enorme   desafio   que   deverá   ser   enfrentado   para   o   controle,   monitoramento  e  erradicação  das  espécies  exó<cas  invasoras  no  mundo,  com   significa<va  influência  nos  processos  de  conservação.       Programa  Global  para  Espécies  ExóOcas  Invasoras  –  GISP     No  Brasil:  Câmara  Técnica  Permanente  sobre  Espécies  Exó@cas  Invasoras  –  CTPEEI  -­‐  no   âmbito  da  Comissão  Nacional  de  Biodiversidade  –  CONABIO.   Estratégia  Nacional  sobre  Espécies  ExóOcas  Invasoras  (Resolução  nº  5,  de  21  de   outubro   de   2009):   prevê   o   estabelecimento   de   ações   prioritárias   a   serem   desenvolvidas   e/ou   apoiadas   pelo   MMA,   ou   por   meio   de   suas     vinculadas,   IBAMA,  ICMBio  e  Ins@tuto  de  Pesquisa  Jardim  Botânico  do  Rio    de  Janeiro  –  JBRJ,   bem   como   por   outros   órgãos   do   Governo   Federal,   com   recomendações   dos   mecanismos  de  ação  a  serem  empregadas  na  prevenção,  erradicação,  miOgação   e   controle   de   Espécies   ExóOcas   Invasoras,   sejam   exóOcas   ao   país   ou   ao   ecossistema.  -­‐  BIOSSEGURANÇA  

×