Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Modelo - Noticiário do Dia

185 vues

Publié le

Noticiário do Dia é uma publicação produzida pela Informe Comunicação para a Assessoria de Comunicação Social do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) com base na análise de jornais de veiculação nacional.

Publié dans : Actualités & Politique
  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

Modelo - Noticiário do Dia

  1. 1. O Estado de S. Paulo – 21/06/2017 Revés governista eleva dúvida sobre aprovação de reformas Mudanças. Texto foi rejeitado na Comissão de Assuntos Sociais com três votos de senadores considerados da base aliada, mostrando falhas na articulação governista; Planalto minimizou a derrota e disse que projeto será aprovado no plenário com 46 votos O governo sofreu uma inesperada e dura derrota com a reforma trabalhista no Senado. A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) rejeitou, por 10 votos a 9, o parecer que pedia a aprovação do projeto. Três deputados da base governista votaram contra o projeto, o que surpreendeu o Planalto. Mesmo com a derrota, a tramitação segue e o governo estima que aprovará o projeto no plenário com apoio de 46 senadores. Considerada "a mais fácil" das duas reformas estruturais em tramitação no Congresso – a outra é a da Previdência –, a mudança na legislação trabalhista foi rejeitada diante da insatisfação de alguns governistas com o projeto. O desconforto ficou evidente no debate que antecedeu a votação: em 90 minutos, apenas dois defenderam o projeto – o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), e o próprio relator, Ricardo Ferraço (PSDB-ES). O governo previa vitória com placar de 11 a 8 ou até 12 a 8. O projeto muda a relação entre patrões e empregados. Prevê, por exemplo, que os acordos coletivos tenham força de lei. Também acaba com a obrigatoriedade da contribuição sindical e permite a flexibilização de contratos de trabalho. Direitos como o 13.º salário, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e salário mínimo estão preservados. Na Rússia, Temer minimizou a derrota, e reafirmou a aposta da vitória no plenário. Governistas contam com pelo menos 46 votos de apoio na votação, que exige 41 votos para aprovação. Antes do plenário, o tema será avaliado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a partir desta quarta-feira. O governo não escondeu, porém, sua insatisfação, ao executar uma "caça às bruxas" para encontrar os culpados pela derrota. O ministro-chefe da Casa Civil, Moreira Franco, disse "lamentar" o voto contrário dos governistas Hélio José (PMDBDF) e Eduardo Amorim (PSDB-SE), e ressaltou
  2. 2. que houve surpresa "principalmente porque o PSDB sempre alardeou ser favorável às reformas". Politicamente, a derrota foi entendida como uma vitória da articulação do líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), sobre o líder do governo, Romero Jucá. Governistas contavam com o voto de Sérgio Petecão (PSDAC), que não chegou a tempo do Acre e foi substituído por Otto Alencar (PSD-BA), que votou contra. Além disso, a base não conseguiu convencer o sindicalista e aliado de Renan, Hélio José, a faltar à sessão. Outra leitura sobre o episódio é de que, diante da crise no governo, os parlamentares do Nordeste estão desconfortáveis em votar a favor da reforma. Isto porque o presidente Temer enfrenta os piores índices de aprovação na região.

×