SlideShare une entreprise Scribd logo
Cap. I Introdução EXÓRDIO
Cap. II
Cap. III
Cap. IV
Cap. V
em geral
Louvores
em particular
Desenvolvimento
em geral
Repreensões
em particular
Exposição
e
confirmação
Cap. VI Conclusão Peroração
Capítulo I
• “Vos estis sal terrae”
S. Mateus, capítulo V, versículo 13
• VÓS SOIS O SAL DA TERRA
Os conceitos predicáveis são
expressões retiradas das Sagradas
Escrituras que encerram uma
determinada verdade que vai servir
de mote ao sermão.
Conceito predicável
Primeiro passo para a captatio
benevolentiae (apelar à atenção – cativar
o auditório).
O Exórdio é uma parte que se
reveste de grande importância.
Vos estis sal terrae – “Vós sois o sal da terra.”
PregadoresVós
Sal Mensagem Evangélica
Terra Ouvintes
Propriedades
Sal Pregadores
► Conservar
► Evitar a
corrupção
► Louvar o bem
► Impedir o mal
A terra está corrupta
Porque o sal
não salga.
(pregadores)
Porque a terra não
se deixa salgar.
(ouvintes)
Motivos Motivos
- Os pregadores não pregam
a verdadeira doutrina.
- Os pregadores dizem uma
coisa e fazem outra.
- Os pregadores pregam-se
a si mesmos e não a Cristo.
- Os ouvintes não querem
receber a verdadeira
doutrina.
- Os ouvintes querem
imitar o que os pregadores
fazem e não o que eles
dizem.
- Os ouvintes querem
servir aos seus apetites
em vez de servir a Deus.
Possível solução
Ao sal Aos pregadores
Resposta de Cristo Resposta de Santo António
Lança-lo fora como inútil
Ser pisado por todos
Mudou de púlpito
Mudou de auditório
EXPOSIÇÃO
E CONFIRMAÇÃO
Capítulos
II, III, IV e V
Capítulo II
Louvores dos peixes
em geral
Capítulo III
Louvores de peixes
em particular
Capítulo IV
Repreensão dos peixes
em geral
Capítulo V
Repreensão de peixes
em particular
"(...) para que procedamos com alguma clareza,
dividirei, peixes, o vosso sermão em dois pontos:
no primeiro louvar-vos-ei as vossas atitudes, no
segundo repreender-vos-ei os vossos vícios."
A partir deste capítulo todo o sermão é uma
alegoria porque os peixes são metáfora dos Homens. As
suas virtudes são, por contraste, metáforas dos defeitos
dos Homens e os seus vícios são directamente metáfora
dos defeitos dos homens. O pregador fala aos peixes,
mas o alvo é o Homem.
Os peixes são melhores que os Homens, pelo que,
quanto mais longe destes estiverem, melhor.
Capítulo II
PROPRIEDADES DO SAL
Preservar do malConservar o são
Propriedades das pregações de Santo António
Louvar o bem para conservá-lo. Repreender o mal para preservar o bem.
Louvar as virtudesRepreender os vícios
VIRTUDES NATURAIS E GERAIS DOS PEIXES
Os peixes ouvem e não falam. Os homens falam muito e ouvem pouco.
Virtudes que dependem sobretudo de
Deus
Virtudes naturais
dos peixes
• foram as primeiras criaturas criadas por
Deus.
• foram as primeiras criaturas nomeadas pelo
homem.
• são os mais numerosos e os maiores.
• obediência, quietação, atenção, respeito e
devoção com que ouviram a pregação de
Santo António.
• não se domam.
• não se domesticam.
• escaparam todos do dilúvio
porque não tinham pecado.
Os peixes não foram castigados por Deus no dilúvio, sendo, por isso,
exemplo para os homens que pouco ouvem e falam muito, pouco respeito têm
pela palavra de Deus.
Evidencia-se que os animais que convivem com os homens foram
castigados, estão domados e domesticados, sem liberdade.
Animais que se domesticam Animais que vivem presos
cavalo, boi, bugio, leões, tigres, aves que se
criam e vivem com os homens, papagaio,
rouxinol, açor, aves de rapina
rouxinol, papagaio, açor,
bugio, cão, boi, cavalo, tigres e
leões
LOUVOR DAS VIRTUDES PARTICULARES DOS PEIXES
Louvores
em particular
PEIXE DE TOBIAS
- o fel sara a cegueira;
o coração expulsa
os demónios;
RÉMORA
-tão pequeno no corpo e
tão grande na força e
no poder;
QUATRO-OLHOS
-dois olhos voltados para cima
para se vigiarem das aves;
-dois olhos voltados para
baixo para se vigiarem dos
peixes.
TORPEDO
-descarga eléctrica
que faz tremer
o braço do pescador;
"o fel era bom para curar
da cegueira";
"o coração para lançar
fora os demónios
"(...) se se pega ao leme
de uma nau da índia (...)
a prende e amarra mais
que as mesmas âncoras,
sem se poder mover,
nem ir por diante."
"Está o pescador com a cana
na mão, o anzol no fundo e a
bóia sobre a água, e em lhe
picando na isca o torpedo,
começa a lhe tremer o braço.
Pode haver maior, mais breve
e mais admirável efeito?"
"e como têm inimigos no mar e
inimigos no ar, dobrou-lhes a
natureza as sentinelas e deu-lhes
dois olhos, que direitamente
olhassem para cima, para se
vigiarem das aves, e outros dois que
direitamente olhassem para baixo,
para se vigiarem dos peixes."
Paralelo com Santo António
Capítulo III
O peixe de
Tobias
A Rémora O Torpedo O Quatro-Olhos
Efeitos
• sarou a cegueira
do pai de Tobias.
• lançou fora os
demónios.
• pega-se ao leme de
uma nau.
• prende a nau e
amarra-a.
• faz tremer o braço do
pescador.
• não permite pescar.
• defende-se dos peixes.
• defende-se das aves.
Comparação
peixe de Tobias
Santo António
• alumiava e
curava as
cegueiras dos
ouvintes.
• lançava os
demónios fora de
casa.
Rémora
Santo António
• a língua de S. António
domou a fúria das
paixões humanas:
Soberba, Vingança,
Cobiça, Sensualidade.
Torpedo
Santo António
• 22 pescadores
tremeram ouvindo as
palavras de S. António
e converteram-se.
Quatro-Olhos
o pregador
• o peixe ensinou o
pregador e olhar para o
Céu (para cima) e para o
Inferno (para baixo).
Capítulo IV
“ Antes porém que vos vades, assi como ouvistes os vossos
louvores, ouvi também agora as vossas repreensões.”
- A primeira grave condenação que tem a fazer é ao
facto de os peixes se comerem uns aos outros e, sobretudo,
os maiores comerem os mais pequenos (ictiofagia).
“Olhai, peixes, lá do mar para a terra.”
Matos e sertão Cidade
VEDE
“Cuidais que só os Taquias
se comem uns aos outros?”
“… muito maior açoute é o
de cá, muito mais se comem
os brancos…”
“ Pois tudo aquilo é andarem buscando os Homens como
hão de comer e como se hão de comer.” - antropofagia
REPREENSÃO DOS VÍCIOS EM GERAL
Peixes Defeitos Argumentos
Exemplos de
homens
Os
Roncadores
soberba
orgulho
Pequenos mas muita língua; facilmente
pescados. Os peixes grandes têm
pouca língua
muita arrogância, pouca firmeza.
Pedro
Golias
Caifás
Pilatos
Os
Pegadores
parasitismo
Vivem na dependência dos grandes,
morrem com eles.
Os grandes morrem porque comeram,
os pequenos morrem sem terem
comido.
Toda a família
da corte de
Herodes
Adão e Eva
Os
Voadores
presunção
ambição
Foram criados peixes e não aves
são pescados como peixes e caçados
como aves morrem queimados.
Simão mago
O Polvo traição
Ataca sempre de emboscada porque
se disfarça.
Judas
Capítulo V - REPREENSÃO DOS VÍCIOS EM PARTICULAR
Comparação entre os peixes e Santo António
Peixes Santo António
Os Roncadores: soberbos e
orgulhosos, facilmente pescados
Tendo tanto saber e tanto poder, não se
orgulhou disso, antes se calou. Não foi
abatido, mas a sua voz ficou para sempre.
Os Pegadores: parasitas,
aduladores, pescados com os
grandes
Pegou-se com Cristo a Deus e tornou-se
imortal.
Os Voadores: ambiciosos e
presunçosos
Tinha duas asas: a sabedoria natural e a
sabedoria sobrenatural. Não as usou por
ambição; foi considerado leigo e sem
ciência, mas tornou-se sábio para sempre.
O Polvo: traidor
Foi o maior exemplo da candura, da
sinceridade e verdade, onde nunca houve
mentira
Episódio do Polvo
•Introdução: a aparência do polvo "O polvo… mansidão" (ll.177-179).
•Desenvolvimento: a realidade "E debaixo… pedra" (ll.179-187).
•Conclusão: a consequência "E daqui… fá-lo prisioneiro" (ll.187-189).
•Comparação: "Fizera… traidor" (ll.190-196).
Capítulo Vi
Peroração: conclusão com a utilização de um desfecho forte, capaz de
impressionar o auditório e levá-lo a pôr em prática os ensinamentos do
pregador.
Animais/Peixes Peixes Homens
Foram escolhidos
para os
sacrifícios.
Estes podiam ir
vivos para os
sacrifícios.
Ofereçam a Deus
o ser sacrificado.
Ofereçam a Deus
o sangue e a
vida.
Não foram escolhidos
para os sacrifícios.
Só poderiam ir mortos.
Deus não quer que Lhe
ofereçam coisa morta.
Ofereçam a Deus não
ser sacrificados.
Ofereçam a Deus o
respeito e a obediência.
Os homens também chegam
mortos ao altar porque vão em
pecado mortal. Assim, Deus não os
quer.
O orador quer que os homens imitem os peixes, isto é,
guardem respeito e obediência a Deus. Numa palavra, pretende que
os homens se convertam.
Orador Peixes
Tem inveja dos peixes.
Ofende a Deus com
palavras.
Tem memória.
Ofende a Deus com o
pensamento.
Ofende a Deus com a
vontade.
Não atinge o fim para
que Deus o criou.
• Têm mais vantagens do que o pregador.
• A sua “bruteza” é melhor do que a razão do
orador.
• Não ofendem a Deus com a memória.
• O seu instinto é melhor que o livre arbítrio do
orador; não falam; não ofendem a Deus com o
pensamento; não ofendem a Deus com a vontade;
atingem sempre o fim para que Deus os criou.
A escolha do hino Benedicite reforça objectivo final
do Sermão “Louvai a Deus”, encerrando o Sermão com
um tom festivo, adequado à comemoração de Santo
António, cuja festa se celebrava. A palavra Ámen significa
"Assim seja", "que todos louvem a Deus".
Trabalho realizado pela docente: Lídia Araújo

Contenu connexe

Tendances

Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
beonline5
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
Liliana Matos
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
ClaudiaSacres
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Daniel Sousa
 

Tendances (20)

Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo vSermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de santo antonio aos peixes
Sermão de santo antonio aos peixesSermão de santo antonio aos peixes
Sermão de santo antonio aos peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 

Similaire à Sermão de Santo António aos peixes

Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
Rafael Nadal
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
marfat
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
marfat
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixes
Mónica Alexandra
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixes
camoespirata
 
Portugues8 2
Portugues8 2Portugues8 2
Portugues8 2
Pedro Vaz
 

Similaire à Sermão de Santo António aos peixes (20)

Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)Sermão de santo antónio aos peixes(2)
Sermão de santo antónio aos peixes(2)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes- cap III IV e V.pdf
Sermão de Santo António aos Peixes- cap III IV e V.pdfSermão de Santo António aos Peixes- cap III IV e V.pdf
Sermão de Santo António aos Peixes- cap III IV e V.pdf
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixes
 
Sermaodesantoantonioaospeixes
SermaodesantoantonioaospeixesSermaodesantoantonioaospeixes
Sermaodesantoantonioaospeixes
 
Sermão
SermãoSermão
Sermão
 
Portugues8 2
Portugues8 2Portugues8 2
Portugues8 2
 
Sermão Santo António
Sermão Santo AntónioSermão Santo António
Sermão Santo António
 
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulosSermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
Sermão de sto antónio aos peixes resumo i e ii capítulos
 

Plus de nanasimao

Plus de nanasimao (20)

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
 

Dernier

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Dernier (20)

Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Sermão de Santo António aos peixes

  • 1.
  • 2. Cap. I Introdução EXÓRDIO Cap. II Cap. III Cap. IV Cap. V em geral Louvores em particular Desenvolvimento em geral Repreensões em particular Exposição e confirmação Cap. VI Conclusão Peroração
  • 4. • “Vos estis sal terrae” S. Mateus, capítulo V, versículo 13 • VÓS SOIS O SAL DA TERRA Os conceitos predicáveis são expressões retiradas das Sagradas Escrituras que encerram uma determinada verdade que vai servir de mote ao sermão. Conceito predicável
  • 5. Primeiro passo para a captatio benevolentiae (apelar à atenção – cativar o auditório). O Exórdio é uma parte que se reveste de grande importância. Vos estis sal terrae – “Vós sois o sal da terra.” PregadoresVós Sal Mensagem Evangélica Terra Ouvintes
  • 6. Propriedades Sal Pregadores ► Conservar ► Evitar a corrupção ► Louvar o bem ► Impedir o mal A terra está corrupta Porque o sal não salga. (pregadores) Porque a terra não se deixa salgar. (ouvintes) Motivos Motivos - Os pregadores não pregam a verdadeira doutrina. - Os pregadores dizem uma coisa e fazem outra. - Os pregadores pregam-se a si mesmos e não a Cristo. - Os ouvintes não querem receber a verdadeira doutrina. - Os ouvintes querem imitar o que os pregadores fazem e não o que eles dizem. - Os ouvintes querem servir aos seus apetites em vez de servir a Deus.
  • 7. Possível solução Ao sal Aos pregadores Resposta de Cristo Resposta de Santo António Lança-lo fora como inútil Ser pisado por todos Mudou de púlpito Mudou de auditório
  • 8.
  • 9. EXPOSIÇÃO E CONFIRMAÇÃO Capítulos II, III, IV e V Capítulo II Louvores dos peixes em geral Capítulo III Louvores de peixes em particular Capítulo IV Repreensão dos peixes em geral Capítulo V Repreensão de peixes em particular "(...) para que procedamos com alguma clareza, dividirei, peixes, o vosso sermão em dois pontos: no primeiro louvar-vos-ei as vossas atitudes, no segundo repreender-vos-ei os vossos vícios."
  • 10. A partir deste capítulo todo o sermão é uma alegoria porque os peixes são metáfora dos Homens. As suas virtudes são, por contraste, metáforas dos defeitos dos Homens e os seus vícios são directamente metáfora dos defeitos dos homens. O pregador fala aos peixes, mas o alvo é o Homem. Os peixes são melhores que os Homens, pelo que, quanto mais longe destes estiverem, melhor. Capítulo II
  • 11. PROPRIEDADES DO SAL Preservar do malConservar o são Propriedades das pregações de Santo António Louvar o bem para conservá-lo. Repreender o mal para preservar o bem. Louvar as virtudesRepreender os vícios
  • 12. VIRTUDES NATURAIS E GERAIS DOS PEIXES Os peixes ouvem e não falam. Os homens falam muito e ouvem pouco. Virtudes que dependem sobretudo de Deus Virtudes naturais dos peixes • foram as primeiras criaturas criadas por Deus. • foram as primeiras criaturas nomeadas pelo homem. • são os mais numerosos e os maiores. • obediência, quietação, atenção, respeito e devoção com que ouviram a pregação de Santo António. • não se domam. • não se domesticam. • escaparam todos do dilúvio porque não tinham pecado.
  • 13. Os peixes não foram castigados por Deus no dilúvio, sendo, por isso, exemplo para os homens que pouco ouvem e falam muito, pouco respeito têm pela palavra de Deus. Evidencia-se que os animais que convivem com os homens foram castigados, estão domados e domesticados, sem liberdade. Animais que se domesticam Animais que vivem presos cavalo, boi, bugio, leões, tigres, aves que se criam e vivem com os homens, papagaio, rouxinol, açor, aves de rapina rouxinol, papagaio, açor, bugio, cão, boi, cavalo, tigres e leões
  • 14. LOUVOR DAS VIRTUDES PARTICULARES DOS PEIXES Louvores em particular PEIXE DE TOBIAS - o fel sara a cegueira; o coração expulsa os demónios; RÉMORA -tão pequeno no corpo e tão grande na força e no poder; QUATRO-OLHOS -dois olhos voltados para cima para se vigiarem das aves; -dois olhos voltados para baixo para se vigiarem dos peixes. TORPEDO -descarga eléctrica que faz tremer o braço do pescador; "o fel era bom para curar da cegueira"; "o coração para lançar fora os demónios "(...) se se pega ao leme de uma nau da índia (...) a prende e amarra mais que as mesmas âncoras, sem se poder mover, nem ir por diante." "Está o pescador com a cana na mão, o anzol no fundo e a bóia sobre a água, e em lhe picando na isca o torpedo, começa a lhe tremer o braço. Pode haver maior, mais breve e mais admirável efeito?" "e como têm inimigos no mar e inimigos no ar, dobrou-lhes a natureza as sentinelas e deu-lhes dois olhos, que direitamente olhassem para cima, para se vigiarem das aves, e outros dois que direitamente olhassem para baixo, para se vigiarem dos peixes." Paralelo com Santo António Capítulo III
  • 15. O peixe de Tobias A Rémora O Torpedo O Quatro-Olhos Efeitos • sarou a cegueira do pai de Tobias. • lançou fora os demónios. • pega-se ao leme de uma nau. • prende a nau e amarra-a. • faz tremer o braço do pescador. • não permite pescar. • defende-se dos peixes. • defende-se das aves. Comparação peixe de Tobias Santo António • alumiava e curava as cegueiras dos ouvintes. • lançava os demónios fora de casa. Rémora Santo António • a língua de S. António domou a fúria das paixões humanas: Soberba, Vingança, Cobiça, Sensualidade. Torpedo Santo António • 22 pescadores tremeram ouvindo as palavras de S. António e converteram-se. Quatro-Olhos o pregador • o peixe ensinou o pregador e olhar para o Céu (para cima) e para o Inferno (para baixo).
  • 16. Capítulo IV “ Antes porém que vos vades, assi como ouvistes os vossos louvores, ouvi também agora as vossas repreensões.” - A primeira grave condenação que tem a fazer é ao facto de os peixes se comerem uns aos outros e, sobretudo, os maiores comerem os mais pequenos (ictiofagia). “Olhai, peixes, lá do mar para a terra.” Matos e sertão Cidade VEDE “Cuidais que só os Taquias se comem uns aos outros?” “… muito maior açoute é o de cá, muito mais se comem os brancos…” “ Pois tudo aquilo é andarem buscando os Homens como hão de comer e como se hão de comer.” - antropofagia REPREENSÃO DOS VÍCIOS EM GERAL
  • 17. Peixes Defeitos Argumentos Exemplos de homens Os Roncadores soberba orgulho Pequenos mas muita língua; facilmente pescados. Os peixes grandes têm pouca língua muita arrogância, pouca firmeza. Pedro Golias Caifás Pilatos Os Pegadores parasitismo Vivem na dependência dos grandes, morrem com eles. Os grandes morrem porque comeram, os pequenos morrem sem terem comido. Toda a família da corte de Herodes Adão e Eva Os Voadores presunção ambição Foram criados peixes e não aves são pescados como peixes e caçados como aves morrem queimados. Simão mago O Polvo traição Ataca sempre de emboscada porque se disfarça. Judas Capítulo V - REPREENSÃO DOS VÍCIOS EM PARTICULAR
  • 18. Comparação entre os peixes e Santo António Peixes Santo António Os Roncadores: soberbos e orgulhosos, facilmente pescados Tendo tanto saber e tanto poder, não se orgulhou disso, antes se calou. Não foi abatido, mas a sua voz ficou para sempre. Os Pegadores: parasitas, aduladores, pescados com os grandes Pegou-se com Cristo a Deus e tornou-se imortal. Os Voadores: ambiciosos e presunçosos Tinha duas asas: a sabedoria natural e a sabedoria sobrenatural. Não as usou por ambição; foi considerado leigo e sem ciência, mas tornou-se sábio para sempre. O Polvo: traidor Foi o maior exemplo da candura, da sinceridade e verdade, onde nunca houve mentira Episódio do Polvo •Introdução: a aparência do polvo "O polvo… mansidão" (ll.177-179). •Desenvolvimento: a realidade "E debaixo… pedra" (ll.179-187). •Conclusão: a consequência "E daqui… fá-lo prisioneiro" (ll.187-189). •Comparação: "Fizera… traidor" (ll.190-196).
  • 19. Capítulo Vi Peroração: conclusão com a utilização de um desfecho forte, capaz de impressionar o auditório e levá-lo a pôr em prática os ensinamentos do pregador. Animais/Peixes Peixes Homens Foram escolhidos para os sacrifícios. Estes podiam ir vivos para os sacrifícios. Ofereçam a Deus o ser sacrificado. Ofereçam a Deus o sangue e a vida. Não foram escolhidos para os sacrifícios. Só poderiam ir mortos. Deus não quer que Lhe ofereçam coisa morta. Ofereçam a Deus não ser sacrificados. Ofereçam a Deus o respeito e a obediência. Os homens também chegam mortos ao altar porque vão em pecado mortal. Assim, Deus não os quer.
  • 20. O orador quer que os homens imitem os peixes, isto é, guardem respeito e obediência a Deus. Numa palavra, pretende que os homens se convertam. Orador Peixes Tem inveja dos peixes. Ofende a Deus com palavras. Tem memória. Ofende a Deus com o pensamento. Ofende a Deus com a vontade. Não atinge o fim para que Deus o criou. • Têm mais vantagens do que o pregador. • A sua “bruteza” é melhor do que a razão do orador. • Não ofendem a Deus com a memória. • O seu instinto é melhor que o livre arbítrio do orador; não falam; não ofendem a Deus com o pensamento; não ofendem a Deus com a vontade; atingem sempre o fim para que Deus os criou.
  • 21. A escolha do hino Benedicite reforça objectivo final do Sermão “Louvai a Deus”, encerrando o Sermão com um tom festivo, adequado à comemoração de Santo António, cuja festa se celebrava. A palavra Ámen significa "Assim seja", "que todos louvem a Deus".
  • 22. Trabalho realizado pela docente: Lídia Araújo