Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Suporte Nutricional na Clínica Cirúrgica

434 vues

Publié le

Fundamentos da Nutrição Artificial e do Metabolismo Perioperatório

Publié dans : Santé & Médecine
  • Login to see the comments

Suporte Nutricional na Clínica Cirúrgica

  1. 1. FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO ARTIFICIAL Dr Ozimo Gama Cirurgia do Aparelho Digestivo
  2. 2. Studley HO: Percentage weight loss, a basic indicator of surgical risk in patients with chronic peptic ulcer. JAMA 1936, 106:458-460.  Perda de Peso X Mortalidade  Cirurgia por UPGD > 20% perda de peso  Mortalidade = 33,3% X 3,5% (10X)  Desnutrição : Altera mecanismos imunológicos Metabolismo Perioperatório
  3. 3. Aspectos Históricos Século XX 1969 : Stanley J. Dudrick 1980 : FDA - TNP Metabolismo Perioperatório
  4. 4. Digestão e Absorção  Criptas / Vilosidades  Microvilosidades  Renovação : 5 dias  Lúmen Intestinal Metabolismo Perioperatório
  5. 5. Metabolismo Perioperatório
  6. 6. TRAUMA LESÃOTECIDUAL CHOQUE ACIDOSE CATABOLISMO TEMPERATURA DOR Metabolismo Perioperatório
  7. 7. CIRURGIA RESPOSTA NEURONAL RESPOSTA ENDÓCRINA RESPOSTA HUMORAL Alterações Primárias SNC / HIPOTÁLAMO Metabolismo Perioperatório
  8. 8. Metabolismo Perioperatório
  9. 9. Metabolismo Perioperatório
  10. 10. Metabolismo Perioperatório
  11. 11. Metabolismo Perioperatório
  12. 12. Metabolismo Perioperatório
  13. 13. Metabolismo Perioperatório
  14. 14. Metabolismo Perioperatório
  15. 15. Metabolismo Perioperatório
  16. 16. Europa Clínico 30 Europa Cirúrgico 50 EUA Clínico 48 EUA Cirúrgico 65 Brasil* Clínico 57 Brasil* Cirúrgico 40-70*IBRANUTRI, 1998 DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR Local Tipo Prevalência% Metabolismo Perioperatório
  17. 17.  Peso e altura desconhecidos  Controle da ingestão alimentar  Rotatividade dos profissionais  Exames Complementares  RETARDO NA TERAPIA NUTRICIONAL O esqueleto no armário... Metabolismo Perioperatório
  18. 18. Desnutrição Hospitalar Estado Nutricional  Função Imunológica  Musculatura Respiratória  Cicatrização  Funções Orgânicas MAIOR MORTALIDADE MAIOR MORBIDADE MAIORES CUSTOS Conseqüências Metabolismo Perioperatório
  19. 19. Metabolismo Perioperatório Desnutrição Hospitalar 27 16,8 12,4 4,7 9 6 0 10 20 30 40 50 60 Desnutridos Hígidos IBRANUTRI, 1998 Morbidade Mortalidade Internação RR Infecção > 1.93
  20. 20. Pacientes Cirúrgicos Metabolismo Perioperatório
  21. 21. Metabolismo Perioperatório Pacientes Cirúrgicos
  22. 22. Impacto da Desnutrição no Custo e Permanência Hospitalar DESNUTRIDO HÍGIDO Tempo de internação 15.6* dias 8.2 dias Custos Hospitalares $ 16.691* $ 7.692 Robinson, 1987*p<0,05 Metabolismo Perioperatório
  23. 23. Desnutrição Estado mórbido secundário a uma deficiência ou excesso, relativo ou absoluto, de um ou mais nutrientes essenciais. (Jellife, 1966) Metabolismo Perioperatório
  24. 24. Avaliação Nutricional  Medidas Antropométricas  Testes Bioquímicos  Testes Imunológicos  Outros Metabolismo Perioperatório
  25. 25. Composição Corporal Metabolismo Perioperatório 23,4 30,9 21,7 24 0 5 10 15 20 25 30 35 ADULTO Gordura Mmagra AIC AEC
  26. 26. Metabolismo Perioperatório
  27. 27. Metabolismo Perioperatório
  28. 28. Antropometria  Índice de Quetelet (IMC) Metabolismo Perioperatório
  29. 29.  > 10% do PH em 6 meses.  > 5% do PH em 1 mês.  > 3% do PH em 3 semanas. (Morgan DB, 1980) Metabolismo Perioperatório Perda Ponderal
  30. 30. Metabolismo Perioperatório
  31. 31.  Albumina < 3,5 g/dl (21 d) Pré-albumina < 5 mg/ml (2 d)  Transferrina < 200 mg/dl (8 d)  Linfócitos < 1500 cel/mm³ Metabolismo Perioperatório Bioquímica
  32. 32. Dudrick SJ, 1969 “...não podem comer, não devem comer, não comem o suficiente ou não querem comer.” Metabolismo Perioperatório
  33. 33. Nutrientes (Kcal) Harris-Benedict  25 – 30 Kcal / Kg/dia 0,8 – 2 g/Kg/dia Metabolismo Perioperatório
  34. 34. “Se o intestino funciona, USE-O!” Metabolismo Perioperatório
  35. 35. Nutrição Enteral  Integridade Intestinal  Facilidade Logística  Menor índice de Infecção  Custo (1/5) Metabolismo Perioperatório
  36. 36. PARENTERAL ENTERAL Metabolismo Perioperatório
  37. 37. Metabolismo Perioperatório
  38. 38. Nutrição Enteral Metabolismo Perioperatório
  39. 39. Nutrição Enteral  Artesanais  Modulares  Poliméricas  Oligo/Monoméricas Metabolismo Perioperatório
  40. 40. Nutrição Enteral COMPLICAÇÕES  Mecânicas  Oclusão / Retirada Acidental  Gastrointestinais  Diarréia  Metabólicas  Desidratação Metabolismo Perioperatório
  41. 41. Nutrição Parenteral  Fístulas Digestivas de Alto Débito  Desnutrição Pré-operatória  Síndrome do Intestino Curto  Oclusão Intestinal  Pancreatite Aguda Grave Metabolismo Perioperatório
  42. 42. Nutrição Parenteral  GLICOSE: 45-60% VCT  até 7g/kg/dia Geral : 4 – 5 g/kg/dia  NPP > 15% e NPT > 35%  PROTEÍNA: 10-20% VCT  0,8 - 2,0g/kg/dia  LIPÍDEO: 20-35% VCT  1 - 2g/kg/dia Metabolismo Perioperatório
  43. 43. Nutrição Parenteral COMPLICAÇÕES  Mecânicas (7%)  Punção Venosa (Mal posicionamento)  Metabólicas (26%)  Intolerância á Glicose (25%) e PFH  Infecciosas (5%)  Cateter de Infusão (Intolerância á Glicose) Metabolismo Perioperatório
  44. 44. Controle Clínico  Verificação do Acesso  Balanço Hídrico - PESO DIÁRIO  Bioquímica (Rotinas L & C) Glicemia Capilar 6/6h  Complicações / Aporte Calórico Metabolismo Perioperatório

×