Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Caso clínico Febre Reumática

5 815 vues

Publié le

Enfermagem

Publié dans : Santé & Médecine
  • Identifiez-vous pour voir les commentaires

Caso clínico Febre Reumática

  1. 1. Assistência de Enfermagem ao Paciente com Febre Reumática Glayce Renata Enfermeira Residente Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Recife 2015
  2. 2. Objetivos • Compreender a fisiopatologia, manifestações clínicas e tratamento da febre reumática; • Relatar o caso de um paciente com febre reumática. • Correlacionar a evolução clínica do caso apresentado com os achados da literatura; • Elaborar um plano de cuidados de enfermagem.
  3. 3. Introdução • A DR é uma doença inflamatória aguda, que aparece como consequência tardia, de uma infecção de vias aéreas superiores pelo Streptococcus B-hemolítico do grupo A. • Decorre da resposta imune tardia a esta infecção em populações geneticamente predispostas. • A DR constitui um sério problema de saúde pública, principalmente nos países pobres e em desenvolvimento. BONOW; MANN; ZIPES; LIBBY.,2013.
  4. 4. Epidemiologia • A DR pode ocorrer em qualquer faixa etária, mas, seu pico de incidência é entre 5 – 15 anos. • É responsável por 400.000 mortes/ano. • É a principal causa de cardiopatias adquiridas até a 3ª década de vida, e responsável por 40% das cirurgias cardíacas no Brasil.
  5. 5. Patogênese Infecção de Orofaringe Período de Latência Doença Propriamente Dita Aproximadamente de 3 semanas Várias reações de hipersensibilidade, ocorrência de anticorpos de reação cruzada contra vários componentes da fibra cardíacas. Resposta imunológica humoral e celular.
  6. 6. Quadro Clínico • Febre • Cardite • Artrite • Pericardite • Coreia • Nódulos subcutâneos • Eritema marginatum
  7. 7. Diagnóstico • O diagnóstico deverá ser feito com base na combinação entre as manifestações clínicas, exames laboratoriais e ecocardiograma.
  8. 8. Tratamento • O tratamento da DR tem como objetivos: 1. Suprimir o processo inflamatório tecidual: complicações cardíacas; 2. Erradicar o estreptococo beta-hemolítico: prevenção primária; 3. Prevenir novas infecções estreptpcócicas: prevenção secundária.
  9. 9. Tratamento  Tratamento do Processo Inflamatório • O corticoide está indicado em todos os casos de comprometimento cardíaco. Prednisona é a droga de escolha. Tratamento Cirúrgico • Deve ser considerado nos casos graves com resposta insatisfatória ao tratamento clínico. Objetiva corrigir os distúrbios hemodinâmicos causados pelas sequelas da agressão valvar da fase aguda da DR.
  10. 10. Relato de Caso D.S.A., sexo feminino, 64 anos, procedente de Recife, com diagnóstico de febre reumática aos 26 anos, durante o parto, quando foi internada no HBL e depois foi encaminhada para o HUOC. Tem história de troca valvar mitral em 1991, com retroca em 2001 + troca valvar Ao. Biológica. Em 2002 fez re-re-troca mitral por prótese mecânica e correções da bioprótese Ao. Vem desde 2014 com disfunção da prótese Ao. Estava em tratamento clínico, pelo alto risco de nova cirurgia. Em 19/10/15 deu entrada na E.C. do PROCAPE encaminhada do ambulatório, com queixas de dispneia piorada nos últimos dias + DPN e ortopneia.
  11. 11. Exame Físico • EGR, em AVM, caquética, hipocorada (+2/+4), acianótica, anictérica, afebril. • ACV: RCI, bulhas hiperfonéticas SS em FM (+3/+6), SD em FAo (+2/+6) e SS em FT (+3/+6), FC: 80 bpm e PA: 110 x 70 mmHg, impulsão de meso e ictus propulsivo. • AR: MV + em AHT com creptos em bases e roncos. FR: 18 e SaO2: 99%. • Abd. escavado, indolor a palpação, fígado palpável +- 4 cm RCD.
  12. 12. Medicações Em Uso • Furosemida • Enalapril • Marevan • Digoxina
  13. 13. Exames Complementares
  14. 14. Eletrocardiograma
  15. 15. Ecocardiograma TT VE: Paredes com espessura aumentada / hipocinesia septal. AE: Cavidade aumentada de grau importante. AD e VDs: Átrio D. com aumento de grau importante e VD com aumento de grau moderado. Valva Ao: Prótese biológica com refluxo periprotéticode grau importante. Valva Mitral, artéria e Valva pulmonar normais. Valva Tricúspide: Refluxo de grau importante. Conclusão: Disfunção de bioprótese Ao/ Aumento biatrial importante/ VD com aumento importante / Falha dos folhetos da tricúspide e IT importante.
  16. 16. Radiografia de Tórax
  17. 17. Sistematização da Assistência de Enfermagem - SAE NANDA, 2011
  18. 18. Sistematização da Assistência de Enfermagem - SAE NANDA, 2011
  19. 19. Conclusão Paciente encontra-se internada na UCO-I, grave, em AVM, aguardando possível cirurgia para troca de valva Ao e plastia de valva tricúspide.
  20. 20. Referências Bibliográficas • BONOW, MANN, ZIPES, LIBBY. Braunwald Tratado de Doenças Cardiovasculares. São Paulo. Elsevier, 2013. • CARPENITO, L.J. Diagnóstico de enfermagem: Aplicação a prática clínica; trad. Ana Thorell. Ged. Porto Alegre, Artes Médicas, 2012. • North American Nursing Diagnosis Association (NANDA). Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e classificação 2009-2011. Tradução de Cristina Correa. Porto Alegre: Artmed, 2009. • PEDROSA, C.L.; OLIVEIRA, W. Doenças do Coração. Recife. Revinter, 2010.
  21. 21. OBRIGADA!

×