Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Trabalho historia

702 vues

Publié le

Publié dans : Actualités & Politique
  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

Trabalho historia

  1. 1. Distinguir na persistência das estruturas arcaicas da sociedade portuguesa, um factor de resistência do liberalismo, principalmente na nobreza e no papel que esta teve nesse tempo Portugal, no início do século XIX, encontrava-se desprovido de ideias iluministas, traduzidas no liberalismo. Essas naturalmente, tomaram como centro a França, e daí irradiavam para o restante da Europa. · O príncipe D. João (futuro D. João VI), que o Estado de loucura da sua mãe, D. Maria I, o fizera regente, governava um país profundamente arreigado ao Antigo Regime. As actividades primárias predominavam. Pesadas obrigações senhoriais condenavam o campesinato à miséria. - Economia eminentemente agrícola A vida era arcaica e simples. Apesar do Marquês de Pombal ter reconstruído uma Lisboa moderna, a modernidade não chegou a todos. Instituições como a Real Mesa Censória (zelava pela interdição de obras consideradas subversivas) e a Intendência Geral da Polícia (repressão aos ideais iluministas), anteriormente criadas por M. de Pombal, defendiam os interesses do poder político absolutista, através de acções repressivas e da censura. · Porém, uma burguesia comercial ansiava pela mudança. Assim como um grupo restrito de intelectuais que frequentavam cafés e botequins. Constituíam um terreno fértil para a propagação dos ideais da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade vindas de França. Muitos filiavam-se à lojas maçónicas e iniciam uma forte crítica a toda organização do país, pugnavam pelo exercício de liberdade política e económica, pelo fim dos privilégios sociais, dos constrangimentos religiosos, do fanatismo, em suma, da TIRANIA. O que vai favorecer a concretização destes anseios dos iluminados serão as Invasões Francesas. Após a revolução liberal de 1820 em Portugal, surgiram oposições ao novo regime. Os absolutistas, na sua maioria nobreza e clero - classes privilegiadas, queriam a restauração do poder absoluto. Também entre os liberais, Haviam os mais moderados e os mais radicais. A implementação do Liberalismo em Portugal foi difícil. Em 1823 e 1824, D. Miguel faz dois golpes militares com vista à restauração do Absolutismo. Após a morte de D. João VI, em 1826, põe-se o problema da sucessão, visto que D. Pedro (o filho primogénito) tinha proclamado a indepêndencia do Brasil em 1822 e era na altura o imperador deste país. Assim, D. Pedro abdicou da coroa portuguesa em
  2. 2. favor da sua filha D. Maria, e combina o casamento desta com D. Miguel. Como D. Maria é ainda criança, D. Miguel governaria em Portugal, mas com uma condição: respeitar a Carta Constitucional dada por D. Pedro. D. Miguel aceita, mas logo a seguir proclama-se rei absoluto e persegue todos os partidários do Liberalismo. Ao saber disto, D. Pedro regressa a Portugal e junta-se ao liberais, para fazer valer os direitos da sua filha. Desencadeia-se, então, uma guerra civil entre absolutistas e liberais que dura dois anos, vencendo definitivamente o Liberalismo. Antecedentes e Conjuntura (conjunto de factores de origens diversas) A coexistência do Antigo Regime e de forças predispostas à inovação Sociedade de ordens, fortemente hierarquizada onde prevaleciam os privilégios do clero e da nobreza; Economia agrícola, de fraco rendimento em que os camponeses viviam na dependência dos senhores das terras; Sistema político absolutista submetido à regência do príncipe D. João e à repressão ditada pela Inquisição, pela Real Mesa Censória e pela Intendência da Polícia.

×