Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.

Espaço SINDIMETAL 79

Economia deverá entrar num novo ciclo

  • Soyez le premier à commenter

  • Soyez le premier à aimer ceci

Espaço SINDIMETAL 79

  1. 1. 79 - Novembro / Dezembro 2019 | ANO 13
  2. 2. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r N este ano, o SINDIMETAL finalizou a revisão do seu Planejamento Estratégico, onde ficou evidente a preocupação com a sustentabilidade e a representatividade da entidade. Muito se discutiu sobre o papel do sindicato, bem como de que maneira é possível auxiliar as empresas a ampliar os seus mercados e a sua produtividade, tornando-se, assim, mais competitivas. Estes assuntos são fundamentais e de extrema relevância para que as nossas indústrias se fortaleçam e permaneçam no mercado. Em 2019, o SINDIMETAL promoveu diferentes ações com ênfase nestes temas. Porém, destaco outros dois pontos, que também foram incluídos no Planejamento Estratégico. São eles: participação do empresariado e atração da mão de obra jovem para a indústria. Em 2010, foi criado um grupo para o desenvolvimento de lideranças, pois já estava evidente a carência de líderes em diferentes segmentos. O SINDIMETAL, com uma visão inovadora, investiu fortemente neste tema. Naquele momento, foi reforçada a necessidade do pensamento associativo, que permeou diversas agendas e momentos de qualificação. Agora este assunto volta com força, na revisão do Planejamento Estratégico. É fundamental a participação dos empresários com pensamento associativo. Não podemos continuar dividindo a sociedade e os empresários. Estamos vivendo anos muito difíceis. Para conseguirmos passar por este período e ficarmos fortes no futuro, precisamos unir forças. Somos gaúchos e temos o hábito de dividir, como diz um amigo empresário, temos o hábito da “grenalização”. Temos que somar, pois somos todos brasileiros e a grande maioria está sofrendo muito com o estrago ocorrido na economia, nos últimos anos. Para a indústria voltar a ser exitosa no País, temos que unir forças, pensar juntos de forma associativa. Isto só vai acontecer com a participação efetiva dos empresários, trazendo ideias, discordando e somando com vistas a alcançarmos um novo patamar de desenvolvimento. Outro aspecto bastante relevante é a atração da mão de obra jovem para a indústria. Este tema teve uma semente plantada em 2013, no Desenvolvimento de Lideranças (DL1), por ocasião de uma capacitação realizada junto à entidade. Naquele momento, os empresários falavam sobre a falta de interesse do jovem em trabalhar na indústria, bem como a baixa qualificação da mão de obra. A partir deste ano, este tema foi incluído no Planejamento Estratégico. Inclusive, formou-se um grupo específico para discutir o assunto e realizar ações a respeito das possibilidades, que agreguem valor e contribuam para avançar, neste quesito. Muito já se trabalhou e discutiu a respeito. Foram convidadas pessoas especializadas na área da educação, que contribuíram para auxiliar o grupo a compreender melhor o tema, bem como onde atuar para aprimorar a qualidade da mão de obra. O escopo de trabalho está em fase final e algumas questões ficaram claras. Mais uma vez precisamos do envolvimento e da participação do empresariado, cobrando uma educação de qualidade. Além disto, é necessário apoiar entidades, que estejam de fato preocupadas com o assunto, como é o caso do SESI, que vem realizando um trabalho fantástico junto as suas escolas de Ensino Médio e, também, em conjunto com o Estado do RS e alguns municípios. Outro aspecto de extrema relevância é a necessidade das empresas se adaptarem ao novo mundo, que inclui tecnologia e mais agilidade nas decisões. O jovem precisa ser atraído para este universo, pois somente assim desejará trabalhar na indústria. Os desafios são grandes.Temos muito trabalho pela frente. Mas acreditamos que unindo forças e valorizando o pensamento associativo, com certeza, teremos um ano de 2020 cheio de oportunidades e muito crescimento! PARTICIPAÇÃO DO EMPRESARIADO PARA UMA INDÚSTRIA MAIS FORTE PONTO DE VISTA 02 Vice-Presidente do SINDIMETAL RS Sofia Copé Heller Michel ...valorizando o pensamento associativo, com certeza, teremos um ano de 2020 cheio de oportunidades e muito crescimento!
  3. 3. E stamos finalizando um ano de muitos avanços no SINDIMETAL RS. Com uma história bem construída, partimos agora para novos passos em direção a consolidação da entidade, junto às associadas e filiadas. A agenda de atividades, em 2019, foi ampla e abrangente, atendendo as demandas das empresas sedentas por novidades. O Ponto de Vista, na página 02, assinado pela vice-presidente Sofia Copé Heller Michel, apresenta a importância do Planejamento Estratégico e das diretrizes, que têm norteado o trabalho da entidade. Confira! Na sequência, o Banco de Alimentos Vale do Sinos elege novos Conselhos de Administração e Fiscal. Conheça a lista completa, na página 04. Um resumo da palestra com o economista da FIERGS revela as expectativas, na economia, para 2020. Assunto que mereceu a capa desta edição e que poderá ser conferido na página 05. Um momento elogiado pelos participantes foi a palestra com o Corpo de Bombeiros, uma ação em parceria com diferentes entidades sindicais patronais. A cobertura está na página 06, assim como a Reunião de Diretoria, em Novo Hamburgo. Marcada pela alegria e pela emoção foi a inauguração da Escola SESI de Ensino Médio, em São Leopoldo. Veja mais informações na página 07, onde também são abordadas as melhorias no processo de comunicação da entidade. Um tema pertinente foi a palestra 2020 e Além - Como a tecnologia e a mudança de comportamento afetam seu negócio? Acompanhe as dicas, na página 08. O trabalho prisional já é uma realidade no Estado. Na página 09, o tema foi apresentado com propriedade por integrantes da divisão de trabalho prisional da  Superintendência dos Serviços Penitenciários (SUSEPE). A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) irá afetar as empresas. A mesma tem previsão para entraremvigorem agosto de 2020. Verifique as orientações repassadas aos empresários, na página 10, assim como a palestra sobre Desburocratização e simplificação da NR 12. Nas páginas 11, 12 e 13 podem ser conferidos os artigos Jurídico e Técnico Ambiental, Trabalhista e Tributário, respectivamente. Já nas páginas 14 e 15, além da cobertura do encerramento da SIPAT, o destaque são as empresas HT Micron, Copé, Taurus e Itecê. Associadas que, juntamente com a Sulcromo, na contracapa, enchem de orgulho a entidade. Parabéns pela trajetória de sucesso! Missão cumprida! Boas festas! Que venha 2020! Estamos preparados! Encerrando 2019! SINDIMETAL RS Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico e Eletrônico de São Leopoldo PRESERVE O MEIO AMBIENTE Rua José Bonifácio, nº 204 - 5º andar - Centro das Indústrias - São Leopoldo/RS - Fone (51) 3590.7700 editorial Diretor Executivo: Valmir Pizzutti Relacionamento Institucional: Andrea Maganha Redação: Jornalista Neusa Medeiros (Mtb 5062) Informativo bimestral Tiragem: 1.500 exemplares Circulação: gratuita e dirigida Edição e Produção: Edição 3 Comunicação Empresarial Ltda. Gráfica: Impressos Portão Ltda. Fotos: divulgação Trabalhos assinados são de responsabilidade de seus autores. relacionamento@sindimetalrs.org.br www.sindimetalrs.org.br ÍNDICE EXPEDIENTE PRESIDENTE Sergio de Bortoli Galera VICE-PRESIDENTES Arno Tomasini Jean Carlo Peluso Sofia Copé Heller Michel Valdir Luiz Huning Vitor Fabiano Ledur Volker Lübke SECRETÁRIO Roberto Petroll TESOUREIRA Caroline Capelão Vargas CONSELHO FISCAL - TITULARES Alexandre R. dos Santos Luiz Antônio Gonçalves Rubén Antônio Duarte CONSELHO FISCAL - SUPLENTES Andrea P. Gremes Pereira Gustavo Geremia Mauro Fernando Dutra DELEGADOS REPRESENTANTES JUNTO À FIERGS TITULARES Raul Heller Sergio de Bortoli Galera SUPLENTES Volker Lübke Arno Tomasini DELEGADOS REPRESENTANTES Estância Velha/ Dois Irmãos/ Ivoti: Marcelino Leopoldo Barth Esteio / Sapucaia do Sul: Juliano Ilha Morro Reuter: Ronei Feltes São Sebastião do Caí/ Montenegro: Vitor Fabiano Ledur Sapiranga: Emilio Neuri Haag Vale Real: Roberto Petroll DIRETORIA | GESTÃO 2019 - 2021 02 - PONTO DE VISTA 10 - AÇÃO 08 e 09 - GRUPOS 16 - VITRINE 05 - AÇÃO / INSTITUCIONAL 13 - JURÍDICO TRIBUTÁRIO 06 - AÇÃO / INSTITUCIONAL 14 - AÇÃO / MERCADO 07 - INSTITUCIONAL 15 - MERCADO 03 - EDITORIAL 11 - JURÍDICO E TÉCNICO AMBIENTAL 04 - INSTITUCIONAL 12 - JURÍDICO TRABALHISTA DIRETORES Adilso Klaus Christine Lange DanielCarlos Pereira Darlan Geremia Emílio Neuri Haag Juliano Ilha Leonardo Pedroso Filho Marcelino Leopoldo Barth Marcelo Mariani Pedro Paulo Lamberty RobertoAlexandre Schroer Roberto Dauber Ronei Feltes Sandro Morais Nogueira UdoWondracek
  4. 4. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 04 institucional Banco de Alimentos Vale do Sinos elege novos Conselhos de Administração e Fiscal O presidente do SINDIMETAL RS, empresário Sergio de Bortoli Galera, a partir do primeiro dia útil de janeiro de 2020 até 31 de dezembro de 2021, passará a presidir o Conselho de Administração do Banco de Alimentos Vale do Sinos. A eleição ocorreu no dia 28 de outubro, ocasião em que o ex-presidente do SINDIMETAL RS, empresário Raul Heller, passou a titularidade do Conselho de Administração para o atual presidente da entidade. Foram eleitos também, os conselheiros fiscais. A posse efetiva deverá ocorrer no primeiro dia útil de janeiro de 2020. Na oportunidade, Galera agradeceu a confiança depositada e mencionou que dará continuidade “ao belo trabalho realizado pelo Raul, que durante anos foi incansável para o sucesso do Banco de Alimentos Vale do Sinos”. Reforçou que a entidade é um orgulho para todos. O presidente da Diretoria Executiva do Banco de Alimentos Vale do Sinos, Pe. Idinei Augusto Zen, da Unisinos, manifestou a honra em fazer parte deste projeto e saudou a todos pela dedicação, agradecendo o envolvimento nesta nobre causa. Os Bancos de Alimentos são organizações sem fins lucrativos que atuam minimizando a fome nas localidades onde estão instalados. Arrecadam, classificam, armazenam e doam alimentos às instituições beneficentes cadastradas (creches, asilos, lares de excepcionais, entre outros). Inaugurado no dia 11 de setembro de 2008, este núcleo regional do Banco de Alimentos atende instituições dos municípios de São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Esteio e Portão. Em 2019 (até outubro), foram doados 46.787 Kg de alimentos, quantidade que beneficiou aproximadamente 60 entidades/mês e 6.577 pessoas." Na manhã do dia 21 de novembro, ocorreu, na sede da entidade, o Workshop de escuta com a indústria metalmecânica, promovido pelo Centro de Inovação SESI em Fatores Psicossociais, que contou com a parceria do SINDIMETAL e do SINMAQ SINOS. O objetivo foi promover um espaço democrático para ouvir sobre os desafios que a indústria enfrenta em relação à temática dos Fatores Psicossociais, uma vez que transtornos mentais e comportamentais estão entre os maiores casos Conselho de Administração-Titulares Sergio de Bortoli Galera Rochele Cassanta Rossi Silvia Regina Klein Maria do Socorro da Cruz Bittencourt Longuinho Muzykant José Carlos Groth Adalgiro Antônio Basso Paulo Renê Bernhard Vilson de Paiva Celso Luiz Rodrigues Erni Grave Lourivardo de Barros Pinto Jacqueline Mariani Gilmar Zanini da Silva Valdir Luiz Hüning Arlindo Paludo Sergio Bolzan Panerai Herberto Henrique Fleck Junior Rejane Terezinha Manzoni Bravo Eliane Dall’ Agnese Empresa SINDIMETAL Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Gerdau Riograndense ACIST São Leopoldo ACISE Esteio ACIS Sapucaia do Sul Altus Sistemas de Automação SA Centro Inds RS-Conselho Cidadania FIERGS CICS – Portão Indústria de Auto Peças Schuck Itecê Ind Com Equip Agric Ltda Lions Clube São Leopoldo Padre Réus Metalúrgica Mariani Ltda Rotary Club São Leopoldo - Sul Sebras Ind Com Ltda SINBORSUL SINDARTCOURO SINDIVEST SINDUSCOM Stihl Ferramentas Motorizadas Ltda. Cargo Presidente Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselho de Administração-Suplentes Roberto Alexandre Schroer Adriana Lange Darlan Geremia Alexandre Rodrigues dos Santos Marcelino Leopoldo Barth Conselho Fiscal-Titulares Cláudio José Seibel José Lair Reichert Túlia Margareth M.Delapieve Conselho Fiscal-Suplentes Arno Edwino Muller Jaime Larri de Vargas Sérgio Renato de Quadros Dutra Empresa Infasul Facas Industriais Ltda Ind Ferramentas IFLA Ltda Rijeza Indústria Metalúrgica Ltda Sanlarte Ltda Viva Cor Comercial de Tintas Ltda Empresa OAB Sub Seção S.Leopoldo SINCONTECSINOS Advogada Empresa Ernesto Muller Ind. Com. Telas CDL-Portão Centro Medianeira Cargo Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Cargo Conselheiro Conselheiro Conselheiro Cargo Conselheiro Conselheiro Conselheiro de afastamento das indústrias do País e do mundo; e propor estratégias para a gestão dos mesmos. Os principais pontos evidenciados servirão de subsídio para o desenvolvimento de novas soluções, bem como ideias para futuros editais de inovação. O evento contou com a participação dos integrantes dos Grupos de RH do SINDIMETAL e SINMAQSINOS, além de representantes da área de Saúde e Segurança do Trabalho. Workshop de escuta com a indústria metalmecânica Idinei Zen, Sergio Galera, Raul Heller, Edson Garcez e Paulo Renê Bernhard
  5. 5. s i n d i m e t a l @ s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 05 AÇÃO / INSTITUCIONAL Balanço 2019 e Perspectivas para 2020 Um momento sempre muito esperando pela diretoria, empresários e assessorias do SINDIMETAL RS é o evento de Confraternização das Associadas. Neste ano, a atividade, que ocorreu dia 13 de dezembro, contribuiu para aproximar ainda mais a entidade das lideranças do setor da região. O momento cultural ficou a cargo do Grupo Arte Gaúcha, da Presto Produções e Promoções Artísticas, seguido de um jantar na sede do sindicato. A cobertura completa, incluindo fotos desta tradicional festa de final de ano, será registrada no próximo ESPAÇO, que circula no final de fevereiro. Empresários e gestores estiveram reunidos, dia 05 de dezembro, para assistir o economista- chefe da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), André Nunes de Nunes, que apresentou um balanço do ano, a partir da análise dos cenários nacional e internacional, destacando, também, as tendências econômicas para 2020. A iniciativa foi do SINDIMETAL RS, em parceria com o Sindicato da Indústria de Máquinas e Implementos Industriais e Agrícolas de Novo Hamburgo e Região (SINMAQSINOS).  Ao saudar os presentes, o presidente da entidade, empresário Sergio Galera, destacou a importância de ações desta natureza, que contribuem para ampliar o conhecimento sobre o atual contexto econômico. Segundo o economista, o Estado terá um crescimento do Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB) de 2,6% em 2019, superior ao do País, que aumentará 1,1%, mas que será reduzido para 1,8% no próximo ano. “Dois fatores principais contribuíram para o resultado da economia gaúcha em 2019: a elevada produtividade da colheita de grãos em relação à safra de 2018 (incremento de 6,1%, enquanto a brasileira foi de 3,8%) e o bom desempenho da Indústria de Transformação no primeiro semestre, com forte crescimento, puxado pelo desempenho da fabricação de veículos automotores (+21%)”, afirma o economista. PERSPECTIVAS - André Nunes destacou, que mesmo completando o terceiro ano consecutivo de crescimento, as economias do Brasil e do Rio Grande do Sul, no final de 2019, ainda operam muito aquém do período pré- crise, com a produção física industrial do Estado mais de 14% abaixo do pico. Mas o economista vê perspectivas positivas a partir do ano que vem. “Se para a economia global o melhor já passou, tendo em vista a aproximação do fim de um longo ciclo de crescimento, no caso do Brasil, o pior já passou”, afirmou ele, observando que o menor avanço do PIB gaúcho para 2020 em relação ao Brasil se explica porque o Estado partirá de uma base de crescimento mais elevada. Já o desempenho nacional, embora houvesse a expectativa de retomada mais vigorosa no início de 2019, foi influenciado por diferentes fatores: a queda da demanda externa, especialmente daArgentina; o patamar das taxas de juros ainda alto e insuficiente para estimular a economia; e a incerteza em relação à aprovação da Reforma da Previdência, promulgada apenas em novembro. Além disso, o desempenho da indústria nacional foi afetado também pela queda na Indústria extrativa (-9,8%) em função do desastre de Brumadinho. Em relação ao mercado de trabalho, a expectativa de queda no desemprego e maior geração de vagas formais, bem como a inflação baixa e controlada, têm impacto positivo sobre a renda. Por sua vez, a taxa de juros em níveis historicamente baixos deve melhorar as condições de crédito para empresas e famílias. Soma-se a isso a confiança elevada demonstrada pelos empresários, principalmente após a Reforma da Previdência e o comprometimento do governo com a continuidade da agenda de reformas. É preciso, ainda, melhorar a confiança dos consumidores, essencial para retomada mais robusta. Para 2020, a FIERGS projeta que o crescimento esperado para o PIB terá como principal vetor a continuidade do processo de expansão do mercado consumidor interno. A melhora na confiança dos consumidores – impactados pela liberação de recursos do FGTS – e a evolução positiva do mercado de trabalho, bem como as taxas de juros e inflação baixas, proporcionam as condições para a aceleração do crescimento no próximo ano. “O desafio de longo prazo da economia brasileira e gaúcha reside na necessidade de elevação da competitividade e produtividade dos trabalhadores”, finaliza o economista. Mais informações em www.fiergs.org.br/numeros- da-industria/balanco-economico-e-perspectivas. André Nunes e Sergio Galera
  6. 6. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 06 NOVA LEGISLAÇÃO CONTRA INCÊNDIO DO RS REUNIÃO DE DIRETORIA EM NOVO HAMBURGO AÇÃO / INSTITUCIONAL Numa promoção do SINDIMETAL RS, em parceria com SINBORSUL, SINDARTCOURO, SINDIVEST, SINDUSCOM Vales, SINMAQSINOS e SINCONTECSINOS ocorreu, no dia 25 de novembro, na sede da entidade, a palestra Uma abordagem sobre a nova legislação de prevenção de segurança contra incêndio do RS. Na abertura, o diretor Executivo, Valmir Pizzutti, destacou que a atividade teve como objetivo  esclarecer sobre os enquadramentos dos Planos de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) e a Resolução 05, de fiscalização extraordinária. Os temas foram abordados pelo Major Deoclides Silva da Rocha; Sargentos Luís Rodrigo Bialoso e Celso Martins, do 2º Batalhão de Bombeiro Militar de São Leopoldo.  Entre as questões, o Major Deoclides destacou que, em breve, toda Concluindo a iniciativa de realizar reuniões de diretoria, junto a sua base, teve lugar, no dia 24 de outubro, mais uma edição deste encontro mensal, desta vez em Novo Hamburgo, juntamente com as diretorias do SINMAQSINOS e do SEBRAE. O presidente do SINMAQSINOS, Marlos Schmidt, agradeceu a presença de todos na reunião conjunta dos setores metalmecânico e máquinas, na FENAC, e o presidente do SINDIMETAL RS, Sergio Galera, registrou a importância de iniciativas como essa. Dando início aos trabalhos, o diretor Executivo da FENAC, Mauro de Paula, apresentou a estrutura do respectivo Centro de Eventos e Negócios. Outro momento incluído na pauta foi a apresentação dos Projetos SEBRAE RS, a cargo do diretor Técnico, Ayrton Pinto Ramos; e da analista de Inovação, Gabriela Paiva Villarinho. O diretor Executivo do SINDIMETAL RS, Valmir Pizzutti, igualmente pontuou sobre a análise dos PPCIs da região estará centralizada na sede do Batalhão, em São Leopoldo, “mantendo assim uma padronização e dirimindo possíveis erros”.   RESPONSABILIDADE - Segundo o Major, “o incêndio acontece onde a prevenção falha. Se não trabalharmos com a prevenção teremosproblemas”.Paraqueissoaconteça, alerta que é necessária a participação e colaboração de todos os envolvidos, como responsável técnico, proprietário e Corpo de Bombeiros. “Em média temos 80% de reprovação dos PPCIs, muito em função, inclusive, da falta de cuidado e objetividade ao preencher a documentação”, assegura. O prazo, atualmente, é de sete dias de análise e mais sete para vistoria, graças a ampliação do efetivo. A próxima fase é verificar ‘in loco’ se as medidas foram aplicadas com segurança, conforme a legislação. “O ato de fiscalização é uma responsabilidade muito grande, pois não deve ser cometido nenhum excesso e nenhuma negligência”, assegura. Na ocasião, também apresentou as diferenças básicas entre Processo Judicial e Processo Administrativo. O Judicial é instaurado mediante provocação das partes. Estabelece uma relação trilateral (autor, réu e juiz). Em regra, é oneroso. Já o administrativo é instaurado mediante provocação do interessado ou de ofício, pela própria administração. O prazo para saneamento das irregularidades constatadas será de cinco até 30 dias úteis, dependendo da gravidade. A exceção de 24h fica por conta de infrações cometidas em eventos temporários ou provisórios. Já o sargento Celso, analista do Corpo de Bombeiros, destacou a importância de uma prevenção eficiente e efetiva, enfatizando os erros comuns no processo de análise. “Nosso objetivo não é atrasar os processos, mas sim contribuir para que a engrenagem ande com segurança”. Alertou, também, para o cuidado ao contratar o responsável técnico, pois deve ser um profissional com conhecimento pleno sobre a legislação. Ao finalizar, o sargento Rodrigo enfatizou sobre a inviabilidade técnica, um recurso criado pela prevenção de incêndio. “Todas as nossas decisões têm uma uniformidade, para que sejam de fato assertivas, de acordo com as leis vigentes e visando sempre a total segurança”, afirma. “A prevenção de incêndio tem que ser vista como investimento e não como um gasto, pois a vida não tem preço”, conclui. as ações desenvolvidas pela entidade, destacandoasparcerias,alémdosserviços realizados pelas assessorias. Também apresentou os espaços para locação e os meios de comunicação, que estão sendo utilizados pelo sindicato. Na sequência, a diretora Executiva do SINMAQSINOS e ABRAMEQ, Cristiane Stoffel Pinheiro, explanou sobre as ações desenvolvidas pelas respectivas entidades. Major Deoclides apresenta nova legislação Após a reunião, os empresários realizaram uma visita aos estandes da Mostratec, uma feira de ciência e tecnologia de expressivo destaque, realizada anualmente pela  Fundação Liberato, no município de Novo Hamburgo. A mesma apresenta projetos de pesquisa em diversas áreas do conhecimento humano, realizados por jovens cientistas do Ensino Médio e da Educação ProfissionalTécnica, de nível Médio. Integrantes da diretoria e convidados
  7. 7. s i n d i m e t a l @ s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 07 Inaugurada Escola SESI de Ensino Médio Comunicação ampliada INSTITUCIONAL A soma de muitos esforços resultou na realização de um sonho, na área da educação para a região. A consolidação deste projeto, em São Leopoldo, ocorreu no dia 12 de novembro, com a inauguração das instalações da Escola SESI de Ensino Médio. A quinta unidade da escola SESI está localizada na rua Alberto Scherer, nº 743 e terá capacidade para atender 300 alunos por ano. Inicialmente serão abertas vagas para 100 alunos do primeiro ano do Ensino Médio, e assim, sucessivamente, para os próximos anos escolares. A Escola SESI foi batizada com o nome do industrial José Pedro Fernando Piovan, primeiro presidente do SINDIMETAL RS, motivo de orgulho para a entidade, que tem pautado a sua trajetória incentivando fortemente a educação. “Eventos como este são importantes, pois permitem mostrar uma das razões que substancialmente motivam o trabalho da FIERGS, que é cuidar do futuro da indústria gaúcha, investindo adequadamente no futuro dos nossos jovens. E isso se faz pormeio da educação, apoiando professores, criando novas metodologias, e construindo escolas como a que estamos inaugurando hoje”, declarou o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul, Gilberto Porcello Petry, durante a cerimônia, que contou com a presença de representantes empresariais e do Poder Público. Entre as lideranças do SINDIMETAL RS, presidente Sergio Galera, e demais integrantes da diretoria; ex-presidente, empresário Raul Heller, grande incentivador da criação desta escola no município. O secretário de Educação do Rio Grande do Sul, Faisal Karam, destacou a parceria do SESI na qualificação da educação do Estado. “Mudar essa modelagem de formação, tanto de professores quanto de alunos, olhando o mercado de trabalho com um real potencial de oportunidades, é uma necessidade do Estado e do nosso País”, reflete. Já o prefeito de São Leopoldo, Ary José Vanazzi, lembrou que a cidade foi a segunda que mais gerou empregos no Estado, em 2018. “Com uma estrutura como a do SESI, que aproxima os estudantes do momento tecnológico que vivemos, temos um futuro ainda mais promissor”, comentou. O presidente do Conselho Consultivo do SESI e SENAI de São Leopoldo, Cláudio Guenther, destacou que “esse projeto contribui com a formação de pessoas, para torná-las, não só preparadas tecnicamente, mas com valores éticos. E ele só é possível pelo trabalho desenvolvido pelas indústrias do Estado”. PROPOSTA EDUCACIONAL - As Escolas SESI de Ensino Médio, com unidades também em Pelotas, Sapucaia do Sul, Gravataí e Montenegro, oferecem uma matriz curricular diferenciada, com carga horária superior em Ciências da Natureza e Matemática, buscando promover o aprendizado não só pelo repertório de conteúdo, mas pela capacidade de relacioná-los à interpretação e à resolução de problemas da sociedade e da indústria. Organizado em turno integral, o currículo privilegia a aprendizagem por meio da pesquisa, experimentação, criação e inovação, com base no desenvolvimento de competências relacionadas ao mundo do trabalho e à excelência acadêmica, bem como de competências cognitivas e socioemocionais, que potencializem as relações coletivas e colaborativas. Reconhecida pelo MEC, em 2015, como instituição inovadora, a Escola SESI de Ensino Médio prevê o período de duração de 630 dias letivos e 4,8 mil horas, com atividades em salas ambiente e articuladas ao trabalho interdisciplinar das áreas de conhecimento. “O grande objetivo é capacitar os estudantes de maneira diferenciada, utilizando modernas técnicas de ensino e ferramentas tecnológicas disponíveis hoje, inserindo aspectos de cultura geral, empreendedorismo, educação financeira, valores e muitas outras questões do dia a dia, que são necessárias para formar o aluno para o mundo do trabalho e para a vida", explica o superintendente do SESI-RS, Juliano Colombo. As Escolas SESI oferecem bolsas de até 100% para dependentes de trabalhadores da indústria. O edital do processo seletivo está aberto e pode ser acessado pelo link www.sesirs.org.br/escola- sesi/processo-seletivo. O início das aulas será no dia 13 de fevereiro de 2020. Num mundo globalizado, a comunicação da entidade, com seus diferentes públicos, precisa ser cada vez mais assertiva, buscando ampliar e fortalecer a aproximação com o segmento e a sociedade em que está inserida. Nesta lógica, seguem, em andamento, as melhorias no processo de comunicação da entidade com seus associados e filiados. Recentemente, o SINDIMETAL RS implementou mais dois canais de relacionamento e comunicação: Fanpage no Facebook e grupo de divulgação no Whats. Acompanhe as iniciativas, artigos, notícias da indústria e empresas associadas, na página do Facebook. Fique bem atualizado sobre as ações da entidade e a agenda de atividades, seguindo o SINDIMETAL RS nas redes sociais. No Grupo de divulgação, através do Whats, são veiculadas informações sobre convenções coletivas; notícias fundamentais para a indústria, além de agendas importantes, disseminando, através deste canal, uma comunicação mais direta e rápida. Solicite o acesso ao grupo. Contate: (51) 9 9596-0230. Uma comunicação mais efetiva aproxima e fortalece o segmento! Fonte: FIERGS | Foto: Dudu Leal
  8. 8. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 08 Como a tecnologia e a mudança de comportamento afetam seu negócio grupos Com o objetivo de provocar o público sobre a importância de criar e sustentar relacionamentos comerciais, nos dias de hoje, esteve em pauta, no dia 11 de novembro, na sede do SINDIMETAL RS, a palestra 2020 e Além - Como a tecnologia e a mudança de comportamento afetam seu negócio? A atividade enfatizou questionamentos sobre mudanças que ocorreram nos últimos anos e o que precisamos fazer para estar conectados com a nova geração, que hoje passou a ocupar as cadeiras, que tomam decisões nas empresas. O tema foi abordado pelo engenheiro químico Leandro Fagundes, fundador da Noord Consulting & Services, com MBA em Gestão Empresarial.  Consultor de empresas, Leandro é palestrante e mentor de vendas, sendo especialista nesta área e também em planejamento estratégico. A abertura do evento foi realizada pelo vice-presidente do SINDIMETAL RS, empresário Valdir Luiz Huning, coordenador do Grupo Estratégico Mercado, que desenvolveu uma proposta de trabalho focada em engajamento para vendas, junto à Noord Consulting & Services. RESULTADO – Após situar os participantes sobre o atual mercado financeiro e a complexidade para efetivar a abertura e manter uma empresa no Brasil, Leandro foi enfático ao afirmar: “temos que ser muito assertivos, pois no mercado de trabalho o que interessa é o resultado e não as ‘tempestades’, que você encontrou no caminho para chegar até aqui”. Apresentou muitas opções, que estão disponíveis para agilizar o trabalho, entre elas a versão Business do WhatsApp, que também pode ser baixado grátis. Ele facilita a interação com os clientes, fornecendo ferramentas para automatizar, classificar e responder rapidamente as mensagens.      “Precisamos estar onde os clientes estão”, afirmou Leandro. Dentro desta lógica, comentou que foi verificado, através de uma pesquisa, que, no Brasil, o Instagram é a rede social preferida, sendo utilizado por cerca de 69 milhões de pessoas, na faixa etária entre 30 e 49 anos. Quando a empresa acompanha estas tendências ela passa a ser vista com mais empatia pelo cliente, lembrando que tem sido bem utilizado o Instagram Business, que também é gratuito. O produto ganhou muito valor. Quem procura algum serviço também deseja ter a garantia que será bem atendido, com precisão e tecnologia. “O cliente precisa perceber que o fornecedor possui informação sobre o que oferece. A partir desta concepção, passa a respeitar e considerar a sua opinião, ficando o preço em segundo lugar”, afirma o palestrante. Outro destaque é a valorização do bom relacionamento entre as pessoas. “Entender o cliente para agregar valor às suas necessidades, sempre com sutileza e não arrogância, pois muitas vezes o óbvio está ofuscado”, analisa. Na sua opinião, a receita para o sucesso se resume a possuir “bons produtos; boa equipe de vendas e bons clientes, além de um relacionamento de confiança”. PESSOAS - As estratégias de marketing devem estar também bem presentes. É necessário identificar as bases; selecionar os segmentos a serem atendidos; e desenvolver um plano de atendimento.Dentrodalógicadofunildemarketing(atrair,converter, relacionar e vender) sugere uma mescla com o funil de vendas (prospectar, orçar, acompanhar e fechar). “Defendo a integração dos dois, pois precisamos do marketing digital com estratégica, atraindo as mídias sociais, relacionamento, clientes, para termos um bom resultado”, assegura Leandro. Mas alertou muito sobre a importância das pessoas, neste processo. “Por mais que o negócio seja estruturado, ele é conduzido por pessoas e por esta razão conhecer sobre elas faz toda a diferença”, afirma. “Converse com pessoas diferentes; amplie seu círculo de relacionamento, pois assim estará acrescentando novas possibilidades ao seu negócio”. Também enfatizou a diferença entre sorte e resultado. “Se desejamos um resultado diferente nos negócios precisamos chegar onde outros ainda não estão. Preciso fazer diferente”. Para isso criou uma agenda de crescimento e renovação denominada 70/30, onde 70% é relativo a rotina e 30% é inovação, “pois acredito que a solução está em nós. Empresas não fazem negócios e não estendem a mão, mas pessoas sim, então nunca se esqueça da importância delas”, destaca Leandro. O engajamento para vendas também contou com três workshops. Nos dias 18 e 27 de novembro, os temas foram Quem é o nosso cliente hoje? e Planejamento Tático Comercial, respectivamente; e no dia 02 de dezembro, Marketing de Relacionamento. AtrocadeinformaçõesreferenteàsrotinasdeRecursosHumanos tem sido a principal temática entre os participantes dos Grupos de RH. No dia 21 de novembro, o SINDIMETAL RS promoveu um encontro de integração entre os grupos de RH, das cidades de São Leopoldo, São Sebastião do Caí e Sapiranga, juntamente com o Grupo de RH do SINMAQSINOS, de Novo Hamburgo. A atividade, que ocorreu numa reunião-almoço e contou com a presença dos presidentes dos respectivos sindicatos Sergio Galera e Marlos Schmidt, objetivou a troca de experiências e conhecimentosentreosparticipantes.Ospresidentesressaltaram a importância de os empresários disponibilizarem seus gestores para a participação das reuniões mensais dos grupos. GRUPOS DE RH Leandro enfatiza a importância da relação com o cliente
  9. 9. s i n d i m e t a l @ s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 09 grupos A reunião do Grupo Estratégico Valemetalsinos, que ocorreu no dia 20 de novembro, sob a coordenação do empresário Mauro Fernando Dutra,   contou com a participação da diretoria do SINDIMETAL RS,  do secretário de Estado da Administração Penitenciária, César Luis de Araújo Faccioli; e demais integrantes da divisão de trabalho prisional da Superintendência dos Serviços Penitenciários (SUSEPE). Na ocasião, houve a apresentação do projeto, que está em andamento no Estado, de fomento da mão de obra prisional, pela coordenadora da Divisão de Trabalho Prisional, Elisandra Minozzo. “A respectiva divisão tem a missão de estabelecer parcerias com empresas e entidades públicas ou privadas capazes de oportunizar trabalho às pessoas privadas de liberdade, como forma de promover a inclusão social”, afirma Elisandra. O trabalho do preso é regido pela Lei nº 7.210/84 (Lei de Execuções Penais, nos artigos 28 ao 37), podendo ocorrer através de um Termo de Cooperação/Compromisso: Lei de Licitações nº 8.666/1993 e as Instruções Normativas “IN CAGE nº 05 e 06/2016”. Elisandra apresentou os benefícios, para o apenado, do trabalho prisional. Entre eles estão a remição da pena, que diminui um dia a cadatrêstrabalhados;aprofissionalizaçãoerecolocaçãonomercado de trabalho; além do aumento da autoestima e a contribuição no orçamento familiar. Já para o empresário, há isenção de todos os encargos sociais. O piso salarial de cada trabalhador é fixado em 3/4 do salário mínimo nacional; o trabalhador não se sujeita à CLT; o empregador fica isento de encargos como férias, mais 1/3; 13º salário; e FGTS. Também tem isenção de aluguel e IPTU, pela utilização da estrutura do estabelecimento penal; custos menores de produção; além do exercício da responsabilidade social; e colaboração com a segurança pública. Entre as opções de oportunidade está a utilização de espaço de trabalho dentro da Casa Prisional; com espaços disponíveis na região. Também existe a possibilidade da utilização de mão de obra de monitorados com tornozeleira eletrônica. OPORTUNIDADE –  Segundo o secretário Faccioli, os candidatos passam por uma rigorosa seleção psicossocial, onde são avaliados se estão aptos para participar do trabalho prisional. Além do salário, os apenados monitorados recebem vale transporte e vale alimentação para auxiliarnas despesas, no caso de o trabalho ocorrer dentro da empresa. Atualmente, existem 11.829 trabalhadores nestas condições, atuando em diferentes frentes. “O nosso compromisso é propiciar oportunidade para que o preso possa se readequar à O Grupo EstratégicoAtração da Mão de ObraJovem para a Indústria segue focando as suas ações na Escola Técnica Estadual Frederico Guilherme Schmidt e intermediando mais apoios, junto aos demais grupos estratégicos. Nos dias 08 e 09 de novembro, prestigiaram a 21ª Exposchmidt os empresários Andressa e Andrea Peres Gremes Pereira (Grefortec); Sofia Copé Heller Michel (Copé); Udo e Marli Wondracek (Alu-Cek); Juliana dos Reis Chaves (Transmaq); e Juliano Ilha (Artestampo), juntamente com o diretor Executivo da entidade, Valmir Pizzutti. As empresas Alu-Cek, Artestampo, CCV, Coester, Copé, Ernesto Müller, Gedore, Grefortec, Ifla, Itecê, Sanlarte, Sebras, SS Usinagem e Transmaq, juntamentecomoSINDIMETAL,patrocinaramascamisetas, que os alunos usaram durante a feira. Além disso, as empresas Alu- Cek ,CCV, Sanlarte, Sebras e SS Usinagem apadrinharam os seguintes trabalhos: C.R.A.T.A - Cadeira de Rodas Auxiliadora no Transporte de Acamados, que ficou em terceiro lugar (CCV); Kit rotativo de espetos portátil (Sanlarte); Sistema de geração de energia por movimento rotativo (Alu-Cek); Dispositivo para monitoramento de consumo de energia em equipamentos elétricos (SS Usinagem); e S.E.R.A (Separador Eletromagnético de Resíduos de Alumínio) (Sebras). A Exposchmidt tem como objetivo principal estimular a utilização dos conhecimentos adquiridos durante o processo de formação acadêmica,assimcomo,promoverasocializaçãoeatrocadesaberes. Na mostra deste ano, participaram 158 alunos das turmas de terceiros e quartos anos, dos cursos de Eletromecânica e Eletrotécnica, além de 23 professores (orientadores e coorientadores) e toda a equipe pedagógica da escola. Trabalho prisional em pauta na reunião do Valemetalsinos Empresários dos Grupos Estratégicos prestigiam a Exposchmidt sociedade, por esta razão estamos muito empenhados em expandir a empregabilidade, lembrando sempre, que no futuro eles irão retornar para a sociedade”, justifica Faccioli. “Estamos fazendo todo o esforço para que os apenados não reincidam e sabemos que o trabalho é um caminho importante para afastá-lo do crime e mudar mais rapidamente a realidade prisional”, analisa. “O nosso sonho é que tenhamos o primeiro presídio onde 100% dos presos trabalhem, para que a partir desta oportunidade a ‘roda da sociedade’ volte a girar também neste aspecto”. Para o presidente do SINDIMETAL RS, empresário Sergio Galera, a iniciativa é muito válida, pois existe um valor social e um ganho real para as empresas. “A parceria empresa e Estado poderá resultar em ganho para todos. Agradecemos a oportunidade de conhecer este movimento em prol da segurança pública e acreditamos que poderemos avançar sim e quem sabe num futuro próximo utilizarmos essa mão de obra nas empresas”, afirma Galera.               Prestigiaram igualmente a atividade: o assessor do secretário de Estado da Administração Penitenciária, Roberto Carlos de Souza; o diretor de Políticas Penitenciárias, Sandro Oliveira; e a diretora do departamento de Tratamento Penal, Adriana Feijó; o assessor jurídico do SINDIMETAL, advogado Cláudio Garcez; e o diretor Executivo da entidade, Valmir Pizzutti. Representantes do Valemetalsinos, SUSEPE e SINDIMETAL RS
  10. 10. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r Proteção de Dados nas empresas Desburocratização e simplificação da NR 12 A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) – Lei nº 13.709, sancionada no Brasil em agosto de 2018, irá afetar a maneira como as empresas capturam, manipulam e armazenam os dados de seus clientes, funcionários diretos e terceirizados. A mesma tem previsão para entrar em vigor em agosto de 2020. Atento à importância do assunto, o SINDIMETAL RS realizou, no dia 30 de outubro, em sua sede, a palestra Lei Geral de Proteção de Dados, sua empresa está preparada? A atividade contou com a parceria do Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade do Vale do Sinos (SINCONTECSINOS).     “Desejamos que as informações sejam de muita utilidade, pois sabemos de todo o empenho e esforço de que estão imbuídos para atuar de forma correta e transparente junto ao mercado”, registra o diretor Executivo do SINDIMETAL RS, Valmir Pizzutti. A palestra foi ministrada pelo especialista em proteção e privacidade de dados, Jandrey Schmidt, CEO da Helpweb Brasil, uma startup regtech. O SINDIMETAL RS promoveu, no dia 17 de outubro, a palestra sobre Desburocratização e simplificação da NR 12, na sede da entidade. A atividade foi ministrada pelo engenheiro de Segurança do Trabalho e de Produção Mecânica,  Giovane Motta de Castro, sócio diretor da empresa SISTRA, especialista em NR 12 – Máquinas e Equipamentos. O presidente da entidade, empresário Sergio Galera, destacou que o assunto tem sido muito debatido pela classe industrial nos últimos anos. “É uma das mais importantes e extensas das 37 normas regulamentadoras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), tendo passado por várias 10 ação DESTAQUES – A LGPD ou LGPDP, Lei nº 13.709/2018, regulamenta as atividades de tratamento de dados pessoais, alterando, também, o  Marco Civil da Internet. Ela define e determina, que todos os dados pessoais só podem ser coletados mediante  observação dos princípios e bases legais para o tratamento de dados, sendo o consentimento do usuário apenas um dos critérios, que sozinho pode ser revogado. A importância da proteção de dados é um fato. A segurança e a privacidade das informações estão permanentemente em pauta. “O acesso, a coleta, o processamento e o armazenamento dos dados devem ser protegidos. Estamos tão conectados, que muitas vezes nem percebemos, que acabamos facilitando a divulgação de informações pessoais e até mesmo empresariais”, argumenta Jandrey. Mas como a LGPD afeta as empresas brasileiras? A partir de 2020, as empresas devem se preparar para as mudanças previstas em lei, já que impactarão diretamente os métodos de trabalho. “A multa pode chegar até 2% do faturamento anual bruto da empresa, por esta razão, precisamos nos adequar a esta nova realidade com muita responsabilidade”, justifica o palestrante. As empresas que não estiverem de acordo com a normativa, poderão perder relações comerciais com países que integram a União Europeia, que já estão em conformidade com a GDPR”, alerta o palestrante. DPO –  Segundo Jandrey, na prática deve ser feita uma revisão de todos os contratos com funcionários e clientes. A política de privacidade deve ser clara e estar bem visível, na empresa, assim como os termos de consentimento. “Para realizar estas etapas, com isenção e conhecimento, existe o Encarregado de Proteção de Dados (Data Protection Officer – DPO). É uma nova função no mercado. Um profissional imprescindível para todas empresas, pois é o único qualificado para revisar e instruir os colaboradores. Estamos vivendo um novo momento e precisamos nos adequar a essa realidade com sabedoria e profissionalismo. Leia mais na página 12. atualizações, conforme o desenvolvimento da indústria nacional”.  “Vale ressaltar que estes debates em nenhum momento objetivam reduzir a segurança do trabalhador”, enfatiza Galera. “Muitas vezes, máquinas fabricadas em países como Alemanha, produzidas dentro das normas de segurança europeia, quando chegavam ao Brasil tinham que ser adaptadas para a NR12, correndo o risco de perderem a sua garantia”. Para Galera a nova regulamentação traz mais objetividade e clareza ao ambiente regulatório brasileiro e melhora assim a competitividade das empresas, sem colocar em risco a segurança do trabalhador.        ALTERAÇÕES – Criada em 08 de junho de 1978, pelo Ministério do Trabalho e Emprego, a NR 12, tem como objetivo agora, resguardar, e não mais garantir, que máquinas e equipamentos sejam seguros para o uso do trabalhador. “Esta NR e seus anexos definem referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para resguardar a saúde e a integridade física dos trabalhadores. Estabelece requisitos mínimos para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas fases de projeto e de utilização de máquinas e equipamentos. Também a sua fabricação, importação, comercialização, exposição e cessão a qualquer título, em todas as atividades econômicas, sem prejuízo da observância do disposto nas demais NRs aprovadas pela Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978, nas normas técnicas oficiais ou nas normas internacionais aplicáveis e, na ausência ou omissão destas, nas normas europeias tipo C harmonizadas”, destaca Giovane. Segundo o palestrante, a NR 12 passou por várias etapas. “Foram recebidas mais de 350 propostas de alteração nos itens, tendo sido concluído o texto no final de abril e publicada a tramitação do processo em 30 de julho”, esclarece Giovane. “A NR 12 passou a ser dividida em 18 títulos, mas nem por isso ficou mais branda, apenas mais esclarecedora, resguardando os trabalhadores e as empresas, dificultando que seja burlada”. Entreosganhosapresentadosestáofatodasmáquinasimportadas e exportadas serem compatíveis com a NR 12, desde que atendam as normas técnicas internacionais e/ ou as normas harmonizadas europeias, e/ou como a ABNT NBR ISO 13849 – partes 1 e 2. Também foi considerada maior valorização para a apreciação de risco, bem como a simplificação do capítulo de ergonomia. Conforme destaca Giovane, outras alterações significativas são o fato de resolver conflito entre NR 12 e NR 10 e permitir a manutenção em processos produtivos com características de inércia térmica, sem necessidade de paradas do forno. Houve uma desburocratização, simplificação e modernização, com substituição de inúmeras expressões em toda a norma, como por exemplo “Chave de segurança” x “Dispositivo de Intertravamento’ e “Impeça a burla” x “Dificulte a burla”. Ao encerrar a palestra, Giovane destacou ser importante que estejamos receptivos às transformações, que são uma exigência do mundo atual. Giovane de Castro
  11. 11. s i n d i m e t a l @ s i n d i m e t a l r s . o r g . b r Liderança sustentável e a parceria com os seus stakeholders em busca de uma gestão responsável para a sustentabilidade valorizaçãodoserhumanonasempresaseespecialmente das lideranças pelo seu papel de agente de mudanças, com a sua visão inspiradora, capaz de conduzir os seus liderados para objetivos comuns é um assunto estratégico presente na agenda das organizações. Dessa forma, os líderes são os principais responsáveis pela promoção da elaboração e da execução da estratégia das organizações, buscando de forma equilibrada a participação dos stakeholders envolvidos na sua cadeia de valor, bem como a obtenção de resultados coerentes com a cultura da empresa. O grande desafio enfrentado pelas organizações é o estabelecimento de uma estrutura capaz de desenvolver os seus profissionais alinhados a sua cultura organizacional, em um ambiente de equidade de oportunidades e respeito às características de cada indivíduo, e que proporcione condições para o atingimento das metas, resultando, principalmente, na rentabilidade esperada para o negócio. Dentro deste contexto, é comum identificar práticas de gestão de pessoas muito bem estruturadas e, por outro lado, estratégias de desenvolvimento de competências superficiais que podem comprometer os profissionais envolvidos no processo. Em um cenário extremamente dinâmico e de mudanças constantesasorganizaçõesbuscammanterasuasustentabilidade estabelecida a partir de vários aspectos, dos quais se destaca a gestão de pessoas como um fator de competitividade e estratégico. A liderança dentro das organizações é um dos agentes responsáveis pela promoção da sua sustentabilidade, principalmente no que diz respeito à gestão de pessoas, pois são elas (as pessoas) as protagonistas dos processos de trabalho, dos resultados, do clima organizacional, da inovação, da perpetuação da organização. De acordo com a sua cultura e alinhadas com os propósitos da sua estratégia as organizações estabelecem as suas competências essenciais e específicas para cada posição e adotam as ferramentas mais eficazes de desenvolvimento dos gestores, considerando as suas particularidades, e que proporcionem às suas lideranças o estímulo ao autodesenvolvimento, bem como à capacidade do líder trabalhar no desenvolvimento dos seus liderados. Neste sentido, um conceito importante está sendo percebido nas organizações que é o papel da liderança sustentável no sucesso dos negócios. Hoje, a empresa e seus líderes estão descobrindo maneiras de formar parcerias com os seus stakeholders em busca da sustentabilidade. Entre os stakeholders externos que influenciam mais diretamente na cadeira de valor, por serem necessários para conceber e distribuir um produto ou serviço ao consumidor final, se destacam: os fornecedores, os distribuidores, os clientes, e a comunidade. As possibilidades de sinergia entre estes atores promovem o desenvolvendo de relações de comprometimento e criam condições para a oferta de produtos e serviços com alto valor agregado. Existem muitas ferramentas consagradas capazes de auxiliar uma organização para visualizar oportunidades e desenvolver soluções inéditas por meio de parcerias com o seus stakeholders em busca de uma gestão responsável para a sustentabilidade. Torna-se um exercício bastante complexo a adoção da ferramenta que mais esteja adequada para a organização considerando todos os seus stakeholders e mais ainda na sua cadeia de valor. Antes de adotar uma destas ferramentas de promoção da sustentabilidade é importante avaliar critérios que possibilitem que a ferramenta escolhida seja compatível com outras práticas existentes na organização e possível de comparação com outras organizações proporcionando condições de benchmarketing para medir a sua evolução ao longo do tempo. Com base nas ferramentas de gestão e indicadores para sustentabilidade, consideradas mais próximas da realidade da organização (ISO 26001, GRI, ETHOS, ISE e outros) a organização poderá avaliar com as suas lideranças os melhores indicadores para medir a evolução da sustentabilidade em toda a sua cadeia de valor. Para saber mais informações específicas sobre liderança sustentável, faça sua consulta pessoalmente às áreas jurídicas e técnicas no SINDIMETAL ou via remota conforme necessidade. 11 JURÍDICO E TÉCNICO AMBIENTAL • Advogado integrante da equipe de profissionais do escritório Garcez Advogados Associados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL RS, nas áreas Trabalhista, Ambiental e de Representação Comercial; • Engenheira Química da Bee Assessoria e Consultoria Ltda., Assessoria Técnica Ambiental da entidade. Eduardo Gaelzer OAB/RS 58.660 Ana Curia CREA 104376-D Ampla infraestrutura à disposição dos associados, filiados e parceiros, na sede do SINDIMETAL RS, junto ao Centro das Indústrias, em São Leopoldo. Diferentes opções para locação, disponíveis para atividades com foco empresarial. Consulte o site ou contate: (51) 3590-7708. Locação de espaços num ambiente diferenciado A
  12. 12. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 12 Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD E m agosto de 2018, foi sancionada a Lei nº 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD), seguida das alterações estabelecidas pela Medida Provisória nº 869 e, em julho de 2019, na Lei nº 13.853/2019. A proteção de dados pessoais não é novidade (haja vista as disposições do CDC, do Marco Civil da Internet e etc.) no Brasil. O que ocorre é que a LGPD compila e amplia o que havia legislado a respeito, muito pela influência da lei de proteção europeia (GDPR) a partir de maio de 2018. É o marco legal da proteção de dados pessoais no Brasil e tem o intuito de regular e fortalecer a proteção da privacidade de pessoas e de seus dados. Isto é, o objetivo é dar proteção a dados que, desprotegidos, teriam força para abalar direitos fundamentais do cidadão, tais como os de liberdade, de privacidade e o do livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural. Os fundamentos desta proteção são voltados ao respeito a direitos eminentemente humanos e pessoais (de pessoas físicas). Assim como ocorreu na Europa (GDPR), o surgimento de lei desta natureza decorre de novas necessidades da sociedade digital que exige, de maneira irreversível, mais transparência nas relações, buscando a segurança jurídica. E não é por menos, a configuração do modelo de negócios atual, em grande parcela, transformou dados em bem / comodities, no sentido de troca (ou venda, ou aluguel ou mesmo cessão gratuita) de dados do usuário por acesso a bens, serviços, conveniências ou dinheiro. Estamos vivendo a “Era dos dados”, um período que (talvez) será lembrado pela extrema valorização social e econômica de informações pessoais dos indivíduos. Deve ser registrado que os dados sempre existiram, o que houve foi a sua inserção (e extremo, gigantesco crescimento) na sociedade digital. A abrangência da LGPD é para todas as pessoas físicas ou jurídicas que façam operação de “tratamento” de dados pessoais (de pessoa física). A não deixar dúvidas, repete-se: a LGPD se aplica a toda e qualquer pessoa física ou jurídica que trate dados pessoais, e isto independentemente se este tratamento é digital (no pc, em aplicativo, na internet, na nuvem...) ou analógico (no papel, no arquivo do DP/RH...), no Brasil ou no exterior e se, também, não importa se esta pessoa que trata os dados é MEI, micro, pequena, média, grande ou enorme empresa! Isto altera profundamente o cenário mercadológico, porque os modelos de negócio desenvolvidos com base no uso de dados, obrigatoriamente, precisam instituir novos procedimentos de tratamento que obedeçam às regras da LGPD. A cartilha é permitir que a livre iniciativa possa inovar desde que siga valores que estejam condizentes com o respeito aos direitos humanos fundamentais, mas acima de tudo, que o faça com a máxima transparência possível no que toca ao tratamento destes dados pessoais. “Dado pessoal” é toda e qualquer informação relacionada a uma pessoa natural. “Dado pessoal sensível” é todo dado pessoal que possa relacionar uma pessoa natural com algum tipo de associação, movimento, sindicato, partido político, questões de ordem étnica, religiosa, política, filosófica, vida sexual e etc. Os dados médicos, biométricos e genéticos são, pela lei, considerados também dados sensíveis. Isto é, dado pessoal sensível é todo aquele dado que pode gerar, em algum âmbito, a discriminação ou preconceito por parte de outros. Pois bem, “tratamento de dados” é toda e qualquer operação realizada com dados pessoais - coleta, recepção, produção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transmissão, distribuição, processamento, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação ou controle da informação, modificação, comunicação, transferência, difusão ou extração. Todas as empresas, seja lá o tamanho que tenham, em algum momento (ou em vários momentos), com certeza, tratam dados nas mais diversas atividades, inclusive sensíveis. Todas as empresas devem correr atrás de implementar a LGPD? Se a empresa trata dados pessoais, sim! E em compliance com a LGPD (que não seja para “inglês ver 1 ”)! Ok. A empresa trata dados pessoais e agora, por que implementar a LGPD? Conseguimos pinçar dois motivos que até podem soar contraditórios: evitar despesas e ou fazer investimento! Evitar despesas, porque as multas para agentes de tratamento que cometerem as infrações (várias formas e possibilidades de infrações... situações relativamente simples) previstas na lei são muito, mas muito altas: de até 2% do faturamento do infrator (limitado a R$ 50 milhões!), multa diária, publicização da infração, bloqueio de dados, etc., por ato! Fazer investimento, porque (retórica) quanto de vantagem terá a empresa, frente aos concorrentes e ao mercado em geral, que estiver em compliance (certificada) com a LGPD? Se a empresa trata dados pessoais, não seria um ativo demonstrar aos clientes que está preocupada com seus dados e que lhes confere o tratamento que a lei determina? O status desta empresa no quesito segurança da informação (estamos na “Era dos Dados”!!!) é diferenciado. Portanto, a LGPD, obrigatoriamente, deve estarno roadmap de prioridades dos gestores, ainda mais em empresas que contam com estrutura de governança (compliance, TI, Segurança da Informação e Gestão de Dados). Notícia ruim (para quem não enxerga como investimento) é que, se é necessária a implementação da LGPD, evidentemente, serão necessários investimentos, atualização de ferramentas de segurança de dados, revisão documental, melhoria de processos e, principalmente, mudança de cultura! Para o que enxerga como investimento, a notícia é boa! Quem faz a implementação? A empresa: alta direção, gerência, trabalhadores, DP/RH, jurídico, TI, segurança da informação, negócios, marketing (faltou alguém?!), etc., através da dita incorporação de uma nova cultura empresarial que aplique e valorize as melhores práticas de gestão para atingir a compliance de dados pessoais. 1 https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_para_inglês_ver. • Advogado integrante da equipe de profissionais do escritório Garcez Advogados Associados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL, nas áreas Trabalhista, Ambiental e de Representação Comercial. jurídico trabalhista Fernando de Morais Garcez OAB/RS 69.356
  13. 13. s i n d i m e t a l @ s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 13 TRANSAÇÃO NA ÁREA TRIBUTÁRIA Medida Provisória nº 899, de 16 de outubro de 2019, estabeleceu os requisitos e as condições para que a União e os devedores ou as partes adversas realizem transação resolutiva de litígio, nos termos do artigo 171 do Código Tributário Nacional. A União, em juízo de oportunidade e conveniência, poderá celebrar transação sempre que, motivadamente, entender que a medida atenda ao interesse público. Aplica-se o disposto nesta Medida Provisória: I - aos créditos tributários não judicializados sob a administração da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil do Ministério da Economia; II - à dívida ativa e aos tributos da União, cuja inscrição, cobrança ou representação incumbam à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional; e, III - no que couber, à dívida ativa das autarquias e das fundações públicas federais, cuja inscrição, cobrança e representação incumbam à Procuradoria-Geral Federal e aos créditos cuja cobrança seja competência da Procuradoria-Geral da União. Para fins desta Medida Provisória, são modalidades de transação: I - a proposta individual ou por adesão na cobrança da dívida ativa; II - a adesão nos demais casos de contencioso judicial ou administrativo tributário; e III - a adesão no contencioso administrativo tributário de baixo valor.   A transação na cobrança da dívida ativa da União poderá ser proposta pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, de forma individual ou por adesão, ou por iniciativa do devedor, ou pela Procuradoria-Geral Federal e pela Procuradoria-Geral da União. A proposta de transação deverá expor os meios para a extinção dos créditos nela contemplados e estará condicionada, no mínimo, à assunção dos seguintes compromissos pelo devedor: I - não utilizar a transação de forma abusiva, com a finalidade de limitar, falsear ou prejudicar de qualquer forma a livre concorrência ou a livre iniciativa econômica; II - não utilizar pessoa natural ou jurídica interposta para ocultar ou dissimular a origem ou a destinação de bens, de direitos e de valores, seus reais interesses ou a identidade dos beneficiários de seus atos, em prejuízo da Fazenda Pública federal; III - não alienar nem onerar bens ou direitos sem a devida comunicação ao órgão da Fazenda Pública competente, quando exigível em decorrência de lei; e IV - renunciar a quaisquer alegações de direito, atuais ou futuras, sobre as quais se fundem ações judiciais, incluídas as coletivas, ou recursos que tenham por objeto os créditos incluídos na transação, por meio de requerimento de extinção do respectivo processo com resolução de mérito, nos termos da alínea “c” do inciso III do caput do artigo 487 - Código de Processo Civil. A transação poderá dispor sobre: I - a concessão de descontos em créditos inscritos em dívida ativa da União que, a exclusivo critério da autoridade fazendária, sejam classificados como irrecuperáveis ou de difícil recuperação, desde que inexistam indícios de esvaziamento patrimonial fraudulento; II - os prazos e as formas de pagamento, incluído o diferimento e a moratória; eT III - o oferecimento, a substituição ou a alienação de garantias e de constrições. É permitida a utilização de mais de uma das alternativas previstas para o equacionamento dos créditos inscritos em dívida ativa da União, vedada a acumulação das reduções previstas com quaisquer outras asseguradas na legislação em relação aos créditos abrangidos pela proposta de transação. É vedada a transação que envolva: I - a redução do montante principal do crédito inscrito em dívida ativa da União; II - as multas previstas no em dobro nos lançamentos de oficio, e multas do IPI não lançado em nota fiscal, e as de natureza penal; e III - os créditos: a) do Simples Nacional; b) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS; e c) não inscritos em dívida ativa da União. A proposta de transação observará os seguintes limites: I - quitação em até 84 meses, contados da data da formalização da transação; e II - redução de até 50% do valor total dos créditos a serem transacionados. Na hipótese de transação que envolva pessoa natural, microempresa ou empresa de pequeno porte o prazo poderá ser de até 100 meses e a redução de até 70%. Implicará a rescisão da transação: I - o descumprimento das condições, das cláusulas ou dos compromissos assumidos; II - a constatação, pelo credor, de ato tendente ao esvaziamento patrimonial do devedor como forma de fraudar o cumprimento da transação, ainda que realizado anteriormente à sua celebração; III - a decretação de falência ou de extinção, pela liquidação, da pessoa jurídica transigente; IV - a ocorrência de alguma das hipóteses rescisórias adicionalmente previstas no respectivo termo de transação. O devedor será notificado sobre a incidência de alguma das hipóteses de rescisão da transação e poderá impugnar o ato, no prazo de 30 dias. É admitida a regularização do vício que ensejaria a rescisão durante o prazo concedido para a impugnação, preservada a transação em todos os seus termos. Ato do Procurador-Geral da Fazenda Nacional disciplinará: I - os procedimentos necessários à aplicação da norma em comento, inclusive quanto à rescisão da transação II - a possibilidade de condicionar a transação ao pagamento de entrada, à apresentação de garantia e à manutenção das já existentes; III - as situações em que a transação somente poderá ser celebrada por adesão, autorizado o não-conhecimento de eventuais propostas de transação individual; IV - o formato e os requisitos da proposta de transação e os documentos que deverão ser apresentados; V - os critérios para aferição do grau de recuperabilidade das dívidas, os parâmetros para aceitação da transação individual e a concessão de descontos, dentre eles o insucesso dos meios ordinários e convencionais de cobrança e a vinculação dos benefícios a critérios preferencialmente objetivos que incluam ainda a idade da dívida inscrita, a capacidade contributiva do devedor e os custos da cobrança judicial; e VI - a observância do princípio da publicidade, resguardadas as informações protegidas por sigilo. O normativo ora comentado foi publicado no Diário Oficial da União de 17 de outubro de 2019, quando entrou em vigor. jurídico tributário • Advogada da equipe Buffon & Furlan Advogados Associados - Assessoria Jurídica do SINDIMETAL RS, na área Tributária. Marina Furlan OAB/RS 51.789 A
  14. 14. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 14 A chuva forte, que marcou o domingo do dia 27 de outubro, foi um diferencial para quem prestigiou a 9ª Corrida Rústica e a 6ª Caminhada do Trabalhador. Participaram da iniciativa funcionários das empresas, que aderiram à SIPAT Comunitária Itinerante, associadas e filiadas ao SINDIMETAL RS, além do público em geral. O evento, realizado no CAT SESI, em São Leopoldo, sinalizou o encerramento da SIPAT Comunitária Itinerante, organizada pelo SINDIMETALRS em parceria com o SESI.Amesma, que contou com uma programação focada na saúde e no bem-estar do trabalhador, ação / mercado Rústica e Caminhada do Trabalhador HT Micron Semicondutores completa 10 anos Fonte: HT MICRON ocorreu no período de 13 de maio a 25 de outubro, na sede das 24 empresas participantes. Neste ano, excepcionalmente, a equipe do SINDIMETAL RS, também realizou a sua SIPAT interna, que contou igualmente com a participação de outras entidades parceiras, sediadas junto ao Centro das Indústrias. Participaram da SIPAT: Altus, Bio Engenharia, Celsus, Cooling and Freezing, Copé, DMG, Higra, HT Micron, Imac, Imobras, Imotech, Infasul, Inpel, Industrial São Sebastião, Lorscheitter, Loth, Max, Metalsinos, Metalthaga, Nunes, Projelmec, Rijeza, Teikon e Transmaq. PROGRAMAÇÃO – As atividades tiveram início às 8h, com uma aula de zumba, a cargo de Gabriela Duarte, orientadora de atividades físicas do SESI. Na sequência, a Caminhada do Trabalhador, com percurso de 3Km; e a Corrida Rústica, que totalizou 5Km. Os organizadores premiaram os participantes com troféus para Maior Equipe; Geral Masculino: 1° ao 3° lugar; Geral Feminino: 1° ao 3° lugar; bem como troféus aos campeões de cada categoria; incluindo medalhas para 2° ao 5° lugar de cada categoria e para todos os participantes. Confira os destaques no site da entidade. Segundo o presidente do SINDIMETAL RS, empresário Sergio Galera, “a experiência, organizada pela entidade, em parceria com o SESI, tem sido bem acolhida pelas associadas e filiadas, trazendo muitos esclarecimentos e orientações para os trabalhadores”. Para o diretor do SINDIMETAL RS, Udo Wondracek, da Alu-Cek, que anualmente prestigia a Rústica, a experiência de correr com tanta chuva foi inédita. “Posso dizer que é uma outra corrida, pois a roupa e os tênis ficam mais pesados, mas certamente sempre vale a pena”, argumenta. “É um desafio, mas o interessante é perceber que não estamos sozinhos, o grupo acaba motivando”. Fundada em 2009, a HT Micron é uma empresa brasileira dedicada a prover soluções avançadas em encapsulamento e testes de semicondutores. O portfólio de produtos abrange memórias para computadores, celulares e smart TVs. O mais novo lançamento, o inovador chip SiP iMCP HT32SX, atende o mercado global de Internet dasCoisas.Éfrutodacooperaçãotecnológica entre o Brasil e a Coréia do Sul. Sua sede está localizada no parque tecnológico de Tecnosinos, em São Leopoldo-RS. As operações começaram em julho de 2011 em uma infraestrutura prévia com sala limpa, denominada Basecamp, dando início à produção local de semicondutores no Brasil. Sua sede definitiva com 10.000 m² de área construída e sala limpa de 7.200 m² foi inaugurada em 2014, ampliando sua capacidade de produção de componentes semicondutores, utilizando as mais avançadas tecnologias. Novos produtos foram lançados, entre outros, em 2018, a linha de eMCP de altas densidades. Esse componente multichip que integra memórias de armazenamento e processamento em um só produto e é utilizado em dispositivos móveis e wearables. Completando 10 anos de atuação no mercado, a HT Micron comemora o lançamento do primeiro semicondutor voltado à Internet das Coisas (IoT), totalmente projetado e fabricado no Brasil. O iMCP HT32SX é também o primeiro SiP do mundo que utiliza a rede de conectividade Sigfox com característica Monarch, ou seja, permite que o dispositivo se conecte nas redes Sigfox em todo o mundo, de maneira automática. O pequeno chip integra todos os componentes necessários para prover a conectividade, adicionando apenas a bateria e a antena. A HT Micron incentiva o campo de pesquisas, desenvolvimento e inovação, destacando-se a parceira com a Unisinos desde o início do empreendimento e a forte cooperação com o Instituto Tecnológico de Semicondutores ittChip em São Leopoldo. Com constantes investimentos, novos produtos e parcerias estratégicas, a HT Micron consolidou-se como uma das principais fabricantes de semicondutores do Brasil. Parabéns e muito sucesso à direção e à toda equipe! Na opinião das irmãs Andrea Peres  Gremes Pereira, também integrante da diretoria do SINDIMETAL RS, e Andressa, ambas da Grefortec,“foimaravilhoso correr na chuva”. Embora reconheçam que dificulte o desempenho, “a energia é muito boa”, afirmam. Andrea iniciou a atividade esportiva há três anos e recomenda muito. “O bem-estar é incrível. Tudo mudou depois que comecei a participar do grupo de corrida do SESI”. Já para Andressa essa foi a sua segunda corrida. “Estou aqui por amor ao SINDIMETAL e a experiência foi muito válida. Conclui o trajeto com a alma literalmente lavada”, assegura. A iniciativa arrecadou 167 kg de alimentos para o Banco de Alimentos Vale do Sinos. Aquecimento com Zumba Andressa, Udo e Andrea
  15. 15. s i n d i m e t a l @ s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 15 Com uma história de trabalho e dedicação, a Copé & Cia. Ltda. completa 80 anos de existência. Foi no dia 19 de outubro de 1939, que Gustavo Copé, um ambicioso e idealista engenheiro mecânico, lançou as bases de uma das maiores indústrias de máquinas para beneficiamento de borracha e couro da América Latina. Oriundo de Berlim (Alemanha), Gustavo Copé já pensava longe. Tinha muitos objetivos, sendo que o maior deles  era fazer de sua modesta oficina, situada em Novo Hamburgo, uma grande empresa. Para isso não poupava fôlego e trabalhava dias e noites consertando máquinas para as indústrias da região. Desde sua fundação, a empresa não parou mais de crescer. Em 1954,assumiuagestãodacompanhiaseufilho,LotharProteoCopé, mantendo e incrementando a mesma filosofia de investimentos em pessoal e tecnologia. Firmou-se definitivamente no cenário A Taurus é uma Empresa Estratégica de Defesa, que chega aos seus 80 anos renovada, com o planejamento estratégico definido pela nova administração seguindo seu curso e mostrando resultados efetivos. As medidas adotadas, tanto na gestão quanto nos processos operacionais, se traduzem em resultados sólidos, confirmados pelo aumento das vendas e melhora dos indicadores operacionais e financeiros. Projetando novos investimentos, em dezembro, a empresa inaugura a nova unidade nos Estados Unidos, que dobrará sua capacidade de produção. Sediada em São Leopoldo, a empresa emprega mais de 2.000 pessoas no País e exporta para mais de 100 países nos 5 continentes. Fundada em 1939, iniciou suas operações como forjaria, passando a produzir revólveres na década de 40 e consolidando sua presença nos mercados de armas brasileiro e norte americano na década de 80, com a criação da Taurus International Manufacturing Inc. (TIMI), em Miami, nos EUA, mercado REFERÊNCIA EM SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA PROCESSAMENTO DE BORRACHA Oito décadas de história Lançamento em evidência Fonte: COPÉ Fonte: TAURUS nacional quando, em 1960, passou a projetar exclusivamente equipamentos para beneficiamento de borracha. Na década de 70, ingressou na produção de equipamentos para plásticos, complementando a linha de elastômeros. Em 1981, foi a vez do setor coureiro receber a contribuição da Copé, que desenvolveu máquinas para beneficiamento de couros e peles. Em julho de 1989, foi adquirida a Hidráulicos, Máquinas e Peças Himapel Ltda, líder na fabricação de máquinas e instalações para reconstrução de pneus; e em março de 1996 a Güttler Secadores Industriais Ltda. tradicional fabricante de equipamentos de secagem e pintura de couros. Em 2011, a matriz foi transferida de Novo Hamburgo para São Leopoldo. Em 2012, quando a Himapel se transformou em uma marca da Copé & Cia. Ltda., a empresa passou também a fabricar  máquinas e instalações completas para recapagem de pneus.         Atualmente, com a terceira geração em sua administração geral, tem sua sede e uma filial em São Leopoldo, onde funcionam suas unidades fabris com amplas e modernas instalações.  Em São Paulo, atuam com um time de vendedores. O esforço do imigrante foi recompensado! Parabéns! produzindo diversos modelos de revólveres, pistolas, armas táticas e armas esportivas. Atualmente a Companhia possui três plantas industriais, duas delas no Brasil e uma nos Estados Unidos. As unidades brasileiras estão situadas no Rio Grande do Sul e no Paraná. Em 2014, a Companhia Brasileira de Cartuchos ingressou no capital social da Taurus passando a figurar como seu novo acionista controlador. Dessa forma, a Companhia passou a ter um parceiro estratégico somando esforços em sua reestruturação operacional, administrativa e financeira, confiando no seu potencial de crescimento e geração de valor. A Taurus é uma das maiores fabricantes de revólveres do mundo e a 4ª marca mais vendida nos EUA, tendo recebido dezenas de prêmios como reconhecimento pelo seu elevado padrão de qualidade e inovação. Sucesso na trajetória! A Itecê, empresa 100% brasileira, sediada em São Leopoldo, fundada em 1994, tem se dedicado a produzir soluções destinadas ao setor agrícola-madeireiro, produtos e peças para motosserras, roçadeiras, cortadores e afins. Atenta ao mercado e investindo continuamente no aprimoramento de seu mix de produtos lançou, recentemente, o Sistema de Partida Elétrica para roçadeiras, visando facilitar o trabalho; consulte os modelos disponíveis. Especializada na fabricação de virabrequins, conjuntos de corte como, sabres, pinhões, transmissões, facas e carretéis para roçadeiras e cortadores, além da variada linha de peças de reposição, proporciona aos usuários de seus produtos no Brasil e no Exterior os mais altos padrões de qualidade e desempenho exigidos. Saiba mais através do site: www.itece.com.br. Fonte: ITECÊ
  16. 16. lançamento da cabine de aplicação de TSA (Thermal Spray Aluminum), focada nas demandas dos setores naval e eólico e a ampliação da célula de barras cromadas, que com duas retíficas centerless recém instaladas hoje passa a atender 100 toneladas por mês para o segmento hidráulico, o triplo da produção do início do ano. Porentenderaimportânciadocorpotécnico, um dos pilares da história da empresa é o fortalecimento do conhecimento, razão pela qualdedica sistematicamente recursos para a formação de seus profissionais. A empresa não apenas investe na educação acadêmica da equipe, como também promove cursos internos de capacitação, além de parcerias com instituições como a Escola Técnica Liberato, que há anos direciona estudantes para estágios na Sulcromo. Em sua mais recente parceria, a empresa firmou um acordo de pesquisa com a UFRGS, focada no estudo de revestimentos metálicos aplicados a Engenharia de Materiais. GRANDES PROJETOS, GRANDES DESAFIOS: Neste mês de dezembro a empresa bate seu novo recorde no atendimento de grandes dimensões e alta precisão, revestindo um cilindro da fabricante alemã VOITH de Ø 1800 x 8500mm. A Sulcromo é uma das poucas com capacidade e tecnologia para executar serviços deste nível na América Latina e no mundo. E ao que tudo indica, vai continuar se superando. “Nós poderíamos dizer que nosso carro chefe são revestimentos metálicos, mas isso hoje, tão pouco é verdade”, afirma a direção. "Nosso carro chefe é, na sua essência, criar soluções para os processos industriais de nossos clientes, garantindo não apenas a continuidade de seu fornecimento, mas também a eficácia de sua produção". Certamente essa trajetória será marcada por novos capítulos de sucesso e pioneirismo. Parabéns à direção e equipe. VITRINE F undada em 1972 em Caxias do Sul, a Sulcromo está entre as líderes de mercado no desenvolvimento e fornecimento de soluções em revestimentos metálicos. Além da matriz, a empresa possui uma filial em São Leopoldo, um centro técnico em São Paulo e uma unidade itinerante para atendimento móvel em unidades fabris de todo Brasil. Atenta ao que há de mais moderno no mercado, a empresa investe constantemente na modernização de equipamentos e processos, e orgulha-se de fortalecer a indústria há quase 50 anos com tecnologia associada a agilidade e custos competitivos. Para o sócio-fundador Jorge Mazzocchi, a principal característica que norteia o crescimento e desenvolvimento da Sulcromo é o interesse pelo desafio. “Somos uma das poucas empresas nacionais a atender itens de grande complexidade, porte e precisão. E isto só é possível através de uma atitude técnica e comprometida frente a projetos que fogem das características normais de mercado”. Para Alexandre Ely, sócio da empresa, a Sulcromo é tão grande quanto a sua equipe. “Nosso maior valor está no capital humano. Uma estrutura instalada otimizada é irrelevante sem um time que se dedica todos os dias para o atendimento e satisfação de nossos clientes. E nos orgulhamos muito de termos construído uma equipe técnica polivalente que faz a história acontecer todos os dias”. TRAJETÓRIA: A Sulcromo foi fundada como uma empresa familiar com o objetivo principal de fornecer serviços de cromo duro, um revestimento industrial altamente eficaz para soluções de proteção e produtividade em diversos segmentos. Da fundação até os dias de hoje a empresa ampliou seus serviços para metalização de revestimentos diversos, retífica de grande porte, lapidação e fabricação de equipamentos. SULCROMO: FORTALECENDO A INDÚSTRIA NACIONAL Av. Getúlio Vargas, 4271 – São João Batista, São Leopoldo (51) 99888-8890 - (51) 2112-2600 | www.sulcromo.com.br Através de sua célula de serviços externos, a empresa presta serviço dentro da fábrica do cliente, ideal para manutenção e revestimento de peças de difícil manejo e deslocamento. Apenas neste final de ano, a unidade atenderá máquinas nos estados do Pará, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, que além de evitar desmontagem de grandes máquinas, o serviço tem a vantagem competitiva de acontecer entre paradas curtas de manutenção de 30h a 72h. Certificada pela norma ISO 9001:2015, a Sulcromo está apta a atender mercados cada vez mais exigentes, com processos mapeados em todas as etapas e controle de qualidade. Além disso, a empresa detém certificações específicas de serviços para Petróleo e Gás, Siderurgia, Papel e Celulose, entre outros. FUTURO: Atendendo de norte a sul do país, a empresa, neste momento, planeja- se para avançar nas fronteiras do Mercosul, não apenas através da produção nacional ou beneficiamento de itens de exportação, mas através de uma joint-venture com a argentina Diacrom, buscando levar suas soluções para a Argentina, Uruguai Paraguai e Chile. Outra novidade é o 79 - Novembro / Dezembro 2019

×