A representação na amada na lírica de Camões

C
Cristina Martinsprofessora à agrupamento de escolas josé sanches Alcains
Nome autores
A representação
da amada na
lírica de Camões
A representação da amada
Na poesia lírica, Camões representa dois
tipos de mulher.
Retrato realista Retrato petrarquista
Na medida velha
(em redondilhas)
Na medida nova
(sobretudo nos sonetos)
A representação da amada – retrato realista
(características)
Retrato realista da figura feminina
(modelo de Vénus)
Botticelli, A Primavera
(pormenor), c. 1478.
Figura terrena
Bela e sensual
Com vestuário colorido e adereços
que realçam a sua beleza
Apaixonada e alegre Exaltação da dimensão
terrena do amor
Acessível e recetiva ao amor
Em cenas da vida quotidiana e cenários
naturais (na fonte, no campo) que espelham
a vitalidade e o brilho da figura feminina
Descrição marcada pelo
desejo
A representação da amada – retrato realista (exemplos)
Vilancete «Descalça vai para a fonte»
Jovem mulher que vai à fonte buscar água
Enquadrada num cenário campestre
Bela («tão linda que o mundo espanta»)
e graciosa («chove nela graça tanta»)
Vestuário/adereços e cores que realçam a sua beleza:
– cinta e fita vermelhas (força, alegria e sensualidade)
– pele branca e saia branca (pureza)
– «cabelos d’ouro» (perfeição)
Tímida, insegura/ansiosa
Figura do povo (vai à fonte e está descalça)
William-Adolphe Bouguereau,
Italiana na fonte, 1870.
A representação da amada – retrato realista (exemplos)
Vilancete «Minina dos olhos verdes»
Jovem mulher de belos olhos verdes
William-Adolphe Bouguereau,
Jovem pastora de pé, 1887.
Cantiga «Verdes são os campos»
Cor da esperança e da Natureza
A representação da amada – retrato realista (exemplos)
Endecha «Aquela cativa»
Jovem escrava bela e graciosa
Beleza singular: de pele escura, cabelo negro, olhos negros e meigos
Contraste com o modelo de mulher da época
(pele clara, olhos claros, cabelos louros)
Recatada e doce
Alegre
Serena e ponderada
Paul Gauguin, A semente de Areoi,
1892.
A representação da amada – retrato petrarquista
(características)
Retrato petrarquista da figura feminina
(modelo de Laura, de Petrarca – renascentista)
Retrato estereotipado e idealizado:
pele, cabelo e olhos claros (perfeição física
que espelha a perfeição interior)
Modesta, equilibrada, discreta, serena e grave
(perfeição psicológica e moral)
Ser perfeito, superior, divino, permitindo ao amador elevar-se através de
um amor exclusivamente espiritual
Exaltação da dimensão
espiritual do amor
Botticelli, Retrato de uma jovem,
c. 1480-1485.
Impalpável, incorpórea, de uma beleza inefável (traços pouco definidos)
Abstrata, ausente, inacessível ao amador (amor impossível)
A quem o sujeito poético presta vassalagem (relação suserano-vassalo)
A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos)
Soneto «Um mover d’olhos, brando e piadoso»
Riso suave e honesto / quase forçado (ambiguidade)
Rosto doce e humilde
Contida, recatada
Leonardo da Vinci, Mona Lisa,
1503-1505.
Serena
Modesta
Piedosa
Mulher ideal, divina, inefável, de «celeste fermosura»
Retrato esfumado (uso do determinante indefinido)
A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos)
Soneto «Ondados fios d’ ouro reluzente»
Cabelos loiros e brilhantes («Ondados fios d’ ouro reluzente»)
Faces rosadas («as rosas»)
Olhar doce («olhos, que vos moveis tão docemente»)
Botticelli, Vénus e Marte
(pormenor), c. 1485.
Olhos luminosos («em mil divinos raios encendidos»)
Dentes brancos, como «perlas»
Lábios vermelhos, como «corais»
Honesta («Honesto riso»)
Bela e encantadora, mesmo à distância
A representação da amada – traços comuns
Traços comuns da representação da
amada na medida velha e na medida nova
Retrato plástico da mulher amada
recursos retóricos e pictóricos que exploram:
elementos e imagens da Natureza
vestuário/acessórios [na medida velha /
modelo de Vénus] ou metais preciosos
[na medida nova / modelo petrarquista]
sugestões cromáticas
jogos de palavras
Poder transformador da amada
sobre a Natureza, os homens, o sujeito poético…
A representação da amada – inovação do cânone literário
Tentativa de síntese
entre a mulher carnal e a
mulher etérea
Elogio da beleza exótica (mulher
de pele morena/escura)
Combinação dos traços
típicos do modelo de Vénus
da lírica tradicional e do
modelo petrarquista da
poesia de influência clássica
Inovação do cânone literário
na representação da amada
Consolida
1- Seleciona a opção que completa cada afirmação.
Solução
em medida velha.
A Na lírica camoniana, a representação da mulher amada é feita nos poemas compostos
B A representação da mulher amada na lírica camoniana
em medida nova.
em medida velha e em medida nova.
centra-se nas características físicas.
centra-se nas características psicológicas/morais.
foca características físicas e psicológicas/morais.
C O retrato da figura feminina nas redondilhas camonianas
corresponde ao modelo de Vénus (figura terrena, marcada pela sensualidade).
corresponde ao modelo de Laura (figura idealizada, com uma dimensão etérea).
retoma o retrato da figura feminina das cantigas de amigo.
Consolida
1- Seleciona a opção que completa cada afirmação.
Solução
na figura de Vénus, com contornos definidos e palpáveis.
D O modelo de Laura, em voga no Renascimento, é inspirado
E Fisicamente, a mulher cantada nos sonetos camonianos
na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão espiritual do amor.
na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão terrena do amor.
é dotada de uma beleza exótica.
tem pele, cabelos e olhos claros.
tem pele, cabelos e olhos escuros.
F No retrato petrarquista, a figura feminina
demonstra modéstia, discrição, serenidade e gravidade.
revela equilíbrio, serenidade, gravidade uma certa altivez.
as duas opções anteriores estão corretas.
Consolida
2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas.
Solução
Verdadeira.
A Na lírica camoniana em medida nova, a representação da figura feminina segue o modelo de Laura,
presente nos poemas de Petrarca.
B Nos poemas que correspondem ao ideal de Laura, a mulher surge como uma figura concreta,
corpórea e com traços definidos.
Falsa. … como uma figura impalpável, incorpórea e com traços pouco definidos.
C O ideal de Laura está associado a um amor carnal e que permite ao eu poético elevar-se.
Falsa. … a um amor exclusivamente espiritual e que permite ao eu poético elevar-se.
D O ideal petrarquista da mulher reproduz a relação entre vassalo e suserano, presente
na poesia provençal e nas cantigas de amor da poesia galego-portuguesa.
Verdadeira.
Consolida
2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas.
Solução
Verdadeira.
E Na lírica camoniana, a descrição da mulher amada é feita com recurso a elementos e imagens da
Natureza e tirando partido de vestuário e acessórios, metais preciosos e sugestões cromáticas.
F A mulher amada, pela sua perfeição, tem a capacidade de transformar a Natureza e o sujeito poético.
Verdadeira.
G Como demonstra o poema «Aquela cativa», Camões limita-se a seguir o cânone literário.
Falsa. … Camões, ao elogiar a beleza exótica, inova a forma de retratar a mulher.
Consolida
1 sur 16

Recommandé

Ondados fios de ouro reluzente par
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
58.6K vues14 diapositives
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta par
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
461.2K vues13 diapositives
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira par
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
127K vues9 diapositives
Sermão de Santo António - Resumo par
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
219.9K vues12 diapositives
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106 par
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
103.3K vues10 diapositives
Canto viii 96_99 par
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Maria Teresa Soveral
56.3K vues5 diapositives

Contenu connexe

Tendances

Canto vii est 78_97 par
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Maria Teresa Soveral
48.5K vues8 diapositives
Resumos de Português: Camões lírico par
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
53.5K vues3 diapositives
Análise de Os Lusíadas par
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
591.5K vues103 diapositives
Canto v 92_100 par
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100Maria Teresa Soveral
64.2K vues7 diapositives
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta par
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCatarina Sousa
31.6K vues8 diapositives
Descalça vai para a fonte par
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
109.4K vues11 diapositives

Tendances(20)

Resumos de Português: Camões lírico par Raffaella Ergün
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün53.5K vues
Análise de Os Lusíadas par Lurdes Augusto
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto591.5K vues
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta par Catarina Sousa
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Catarina Sousa31.6K vues
Sermão de santo antónio aos peixes par vermar2010
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010742.9K vues
Crónica de D. João I de Fernão Lopes par Gijasilvelitz 2
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2200.7K vues
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes par António Fernandes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes19.5K vues
Camões Lírico (10.ºano/Português) par Dina Baptista
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista294.4K vues
O heteronimo Alberto Caeiro par guest155834
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834144.6K vues
Estrutura externa e interna d'os lusíadas par claudiarmarques
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques146.9K vues

Similaire à A representação na amada na lírica de Camões

A representação na amada na lírica de Camões.pptx par
A representação na amada na lírica de Camões.pptxA representação na amada na lírica de Camões.pptx
A representação na amada na lírica de Camões.pptxCristinaCarvalho717285
54 vues16 diapositives
Camões lírico 2017 par
Camões lírico 2017Camões lírico 2017
Camões lírico 2017Rosa Fernandes
10.3K vues13 diapositives
Resumos Exame Nacional Português 12º ano par
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Paula Pereira
84.8K vues43 diapositives
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo par
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo
Dolce Stil Nuovo, Petrarca e o petrarquismo Maria Luísa de Castro Soares
3.2K vues22 diapositives
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx par
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptxldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptx
ldia10_ppt_poesia_trovadoresca.pptxMarta Ferreira
69 vues14 diapositives
Folhas caídas características gerais da obra par
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obraHelena Coutinho
48.8K vues19 diapositives

Similaire à A representação na amada na lírica de Camões(20)

Resumos Exame Nacional Português 12º ano par Paula Pereira
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Paula Pereira84.8K vues
Folhas caídas características gerais da obra par Helena Coutinho
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
Helena Coutinho48.8K vues
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico par Vanda Sousa
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Vanda Sousa8.8K vues
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro par Vanda Sousa
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Vanda Sousa5.4K vues
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011 par Vanda Sousa
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa759 vues
Endechas Bárbara escrava par Maria Gois
Endechas Bárbara escravaEndechas Bárbara escrava
Endechas Bárbara escrava
Maria Gois15K vues
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011 par Vanda Sousa
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa5.6K vues
Analise dos poemas de camoes ... apresentação par Angela Silva
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Angela Silva61.5K vues
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011 par Vanda Sousa
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa99 vues
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p... par RobertsonKircher
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
RobertsonKircher561 vues

Dernier

Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f... par
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...azulassessoriaacadem3
59 vues2 diapositives
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr... par
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...LuizHenriquedeAlmeid6
49 vues56 diapositives
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm. par
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.azulassessoriaacadem3
34 vues2 diapositives
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi... par
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...HelpEducacional
59 vues3 diapositives
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr... par
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...azulassessoriaacadem3
147 vues4 diapositives
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ... par
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...azulassessoriaacadem3
116 vues4 diapositives

Dernier(20)

Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f... par azulassessoriaacadem3
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr... par LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm. par azulassessoriaacadem3
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.
b) Estime, com base no modelo obtido em (A), a massa de uma mulher de 160 cm.
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi... par HelpEducacional
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
HelpEducacional59 vues
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr... par azulassessoriaacadem3
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...
6- Sabendo que o caso do paciente 3 está sendo causado por uma condução elétr...
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ... par azulassessoriaacadem3
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...
a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ... par azulassessoriaacadem3
a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ...a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ...
a) Elenque de forma sucinta as dificuldades apresentadas no relato do caso e ...
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi... par HelpEducacional
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
4) Explique a diferença dos coxibes em relação aos AINEs convencionais, consi...
HelpEducacional46 vues
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ... par azulassessoriaacadem3
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...
b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante... par HelpEducacional
b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante...b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante...
b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante...
HelpEducacional80 vues
CONSTRUA UM TEXTO ARGUMENTATIVO que explique: por que os materiais cerâmicos ... par azulassessoriaacadem3
CONSTRUA UM TEXTO ARGUMENTATIVO que explique: por que os materiais cerâmicos ...CONSTRUA UM TEXTO ARGUMENTATIVO que explique: por que os materiais cerâmicos ...
CONSTRUA UM TEXTO ARGUMENTATIVO que explique: por que os materiais cerâmicos ...
O agronegócio desempenha um papel crucial na economia global, fornecendo alim... par azulassessoriaacadem3
O agronegócio desempenha um papel crucial na economia global, fornecendo alim...O agronegócio desempenha um papel crucial na economia global, fornecendo alim...
O agronegócio desempenha um papel crucial na economia global, fornecendo alim...
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car... par HelpEducacional
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
HelpEducacional173 vues
2- Dos valores de pressão arterial apresentados pelo paciente, qual é a SÍSTO... par azulassessoriaacadem3
2- Dos valores de pressão arterial apresentados pelo paciente, qual é a SÍSTO...2- Dos valores de pressão arterial apresentados pelo paciente, qual é a SÍSTO...
2- Dos valores de pressão arterial apresentados pelo paciente, qual é a SÍSTO...
b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante... par HelpEducacional
b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante...b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante...
b) Explique os componentes das valvas cardíacas e o seu funcionamento durante...
HelpEducacional22 vues
Ao refletir sobre a importância da idealização de práticas inovadoras na Educ... par azulassessoriaacadem3
Ao refletir sobre a importância da idealização de práticas inovadoras na Educ...Ao refletir sobre a importância da idealização de práticas inovadoras na Educ...
Ao refletir sobre a importância da idealização de práticas inovadoras na Educ...
3) Os AINEs são classificados de acordo com sua composição química. A esse re... par HelpEducacional
3) Os AINEs são classificados de acordo com sua composição química. A esse re...3) Os AINEs são classificados de acordo com sua composição química. A esse re...
3) Os AINEs são classificados de acordo com sua composição química. A esse re...
HelpEducacional93 vues
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ... par mariaclarinhaa2723
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx par LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptxSlides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx

A representação na amada na lírica de Camões

  • 1. Nome autores A representação da amada na lírica de Camões
  • 2. A representação da amada Na poesia lírica, Camões representa dois tipos de mulher. Retrato realista Retrato petrarquista Na medida velha (em redondilhas) Na medida nova (sobretudo nos sonetos)
  • 3. A representação da amada – retrato realista (características) Retrato realista da figura feminina (modelo de Vénus) Botticelli, A Primavera (pormenor), c. 1478. Figura terrena Bela e sensual Com vestuário colorido e adereços que realçam a sua beleza Apaixonada e alegre Exaltação da dimensão terrena do amor Acessível e recetiva ao amor Em cenas da vida quotidiana e cenários naturais (na fonte, no campo) que espelham a vitalidade e o brilho da figura feminina Descrição marcada pelo desejo
  • 4. A representação da amada – retrato realista (exemplos) Vilancete «Descalça vai para a fonte» Jovem mulher que vai à fonte buscar água Enquadrada num cenário campestre Bela («tão linda que o mundo espanta») e graciosa («chove nela graça tanta») Vestuário/adereços e cores que realçam a sua beleza: – cinta e fita vermelhas (força, alegria e sensualidade) – pele branca e saia branca (pureza) – «cabelos d’ouro» (perfeição) Tímida, insegura/ansiosa Figura do povo (vai à fonte e está descalça) William-Adolphe Bouguereau, Italiana na fonte, 1870.
  • 5. A representação da amada – retrato realista (exemplos) Vilancete «Minina dos olhos verdes» Jovem mulher de belos olhos verdes William-Adolphe Bouguereau, Jovem pastora de pé, 1887. Cantiga «Verdes são os campos» Cor da esperança e da Natureza
  • 6. A representação da amada – retrato realista (exemplos) Endecha «Aquela cativa» Jovem escrava bela e graciosa Beleza singular: de pele escura, cabelo negro, olhos negros e meigos Contraste com o modelo de mulher da época (pele clara, olhos claros, cabelos louros) Recatada e doce Alegre Serena e ponderada Paul Gauguin, A semente de Areoi, 1892.
  • 7. A representação da amada – retrato petrarquista (características) Retrato petrarquista da figura feminina (modelo de Laura, de Petrarca – renascentista) Retrato estereotipado e idealizado: pele, cabelo e olhos claros (perfeição física que espelha a perfeição interior) Modesta, equilibrada, discreta, serena e grave (perfeição psicológica e moral) Ser perfeito, superior, divino, permitindo ao amador elevar-se através de um amor exclusivamente espiritual Exaltação da dimensão espiritual do amor Botticelli, Retrato de uma jovem, c. 1480-1485. Impalpável, incorpórea, de uma beleza inefável (traços pouco definidos) Abstrata, ausente, inacessível ao amador (amor impossível) A quem o sujeito poético presta vassalagem (relação suserano-vassalo)
  • 8. A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos) Soneto «Um mover d’olhos, brando e piadoso» Riso suave e honesto / quase forçado (ambiguidade) Rosto doce e humilde Contida, recatada Leonardo da Vinci, Mona Lisa, 1503-1505. Serena Modesta Piedosa Mulher ideal, divina, inefável, de «celeste fermosura» Retrato esfumado (uso do determinante indefinido)
  • 9. A representação da amada – retrato petrarquista (exemplos) Soneto «Ondados fios d’ ouro reluzente» Cabelos loiros e brilhantes («Ondados fios d’ ouro reluzente») Faces rosadas («as rosas») Olhar doce («olhos, que vos moveis tão docemente») Botticelli, Vénus e Marte (pormenor), c. 1485. Olhos luminosos («em mil divinos raios encendidos») Dentes brancos, como «perlas» Lábios vermelhos, como «corais» Honesta («Honesto riso») Bela e encantadora, mesmo à distância
  • 10. A representação da amada – traços comuns Traços comuns da representação da amada na medida velha e na medida nova Retrato plástico da mulher amada recursos retóricos e pictóricos que exploram: elementos e imagens da Natureza vestuário/acessórios [na medida velha / modelo de Vénus] ou metais preciosos [na medida nova / modelo petrarquista] sugestões cromáticas jogos de palavras Poder transformador da amada sobre a Natureza, os homens, o sujeito poético…
  • 11. A representação da amada – inovação do cânone literário Tentativa de síntese entre a mulher carnal e a mulher etérea Elogio da beleza exótica (mulher de pele morena/escura) Combinação dos traços típicos do modelo de Vénus da lírica tradicional e do modelo petrarquista da poesia de influência clássica Inovação do cânone literário na representação da amada
  • 13. 1- Seleciona a opção que completa cada afirmação. Solução em medida velha. A Na lírica camoniana, a representação da mulher amada é feita nos poemas compostos B A representação da mulher amada na lírica camoniana em medida nova. em medida velha e em medida nova. centra-se nas características físicas. centra-se nas características psicológicas/morais. foca características físicas e psicológicas/morais. C O retrato da figura feminina nas redondilhas camonianas corresponde ao modelo de Vénus (figura terrena, marcada pela sensualidade). corresponde ao modelo de Laura (figura idealizada, com uma dimensão etérea). retoma o retrato da figura feminina das cantigas de amigo. Consolida
  • 14. 1- Seleciona a opção que completa cada afirmação. Solução na figura de Vénus, com contornos definidos e palpáveis. D O modelo de Laura, em voga no Renascimento, é inspirado E Fisicamente, a mulher cantada nos sonetos camonianos na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão espiritual do amor. na mulher cantada por Petrarca e representante da dimensão terrena do amor. é dotada de uma beleza exótica. tem pele, cabelos e olhos claros. tem pele, cabelos e olhos escuros. F No retrato petrarquista, a figura feminina demonstra modéstia, discrição, serenidade e gravidade. revela equilíbrio, serenidade, gravidade uma certa altivez. as duas opções anteriores estão corretas. Consolida
  • 15. 2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas. Solução Verdadeira. A Na lírica camoniana em medida nova, a representação da figura feminina segue o modelo de Laura, presente nos poemas de Petrarca. B Nos poemas que correspondem ao ideal de Laura, a mulher surge como uma figura concreta, corpórea e com traços definidos. Falsa. … como uma figura impalpável, incorpórea e com traços pouco definidos. C O ideal de Laura está associado a um amor carnal e que permite ao eu poético elevar-se. Falsa. … a um amor exclusivamente espiritual e que permite ao eu poético elevar-se. D O ideal petrarquista da mulher reproduz a relação entre vassalo e suserano, presente na poesia provençal e nas cantigas de amor da poesia galego-portuguesa. Verdadeira. Consolida
  • 16. 2- Indica se é verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. Corrige as falsas. Solução Verdadeira. E Na lírica camoniana, a descrição da mulher amada é feita com recurso a elementos e imagens da Natureza e tirando partido de vestuário e acessórios, metais preciosos e sugestões cromáticas. F A mulher amada, pela sua perfeição, tem a capacidade de transformar a Natureza e o sujeito poético. Verdadeira. G Como demonstra o poema «Aquela cativa», Camões limita-se a seguir o cânone literário. Falsa. … Camões, ao elogiar a beleza exótica, inova a forma de retratar a mulher. Consolida