Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
“Para saber mandar, é preciso saber
fazer”.
O acabamento da sua peça reflete
quem você é e o tipo de cliente que
terá no f...
Regras
• Ao ausentar-se da máquina, a mesma deverá ser desligada;
• Solicitar ao professor/monitor, em caso de quebra, a t...
Tudo nosso.............
Agulhas: Partes da agulha.
Os cabos e tamanhos de agulhas podem varias de acordo com a
máquina.
Troca de agulhas _chave al...
Agulhas
Existem diferentes tipos de agulhas que são usadas em máquinas de costura
industriais, com características diferen...
Canaleta
É um canal que percorre todo o corpo da agulha e que protege a linha quando
a agulha penetra no tecido. A linha é...
Ponta
A ponta é a extremidade inferior da agulha e sua concepção e seleção são de
extrema importância.
As mais usadas são:...
Cabos de agulha
1 - cilíndrica 2 - um lado achatado 3 - dois lados achatados 4 - com encaixe
Principais referências de agulhas por máquinas.
Agulhas Referência Maquina /Finalidade
DBx1 Costura reta em geral
DPx5 Cos...
Maquina de costura simples
18 Pontos: Básicos (reto/ziguezague), Essenciais (3 pontinhos/bainha invisível), Flexíveis
(par...
Maquina de costura industrial
(301)
Reta industrial:
Máquina de ponto fixo (300).
Sistema automático de lubrificação
Máqui...
Reta Zigue-Zague 3 pontos
A figura mostra uma máquina de costura reta de ponto fixo, da classe 300, o
tipo de ponto é de nº 301.
Cabeçote - É a part...
Nomenclatura do cabeçote
1. Visor do fluxo de óleo - É uma peça de acrílico transparente que permite verificar se o sistem...
Caixa de bobina
Guarda a bobina, deixando que a laçada da linha da agulha
passe em sua volta. Permite que a bobina desenro...
Bobina (caixa alta/ baixa/plástica)
É a peça onde é enrolada a linha que alimenta a parte inferior
do ponto.
É a peça onde é colocada a caixa
de bobina. Serve para lançar
a linha da bobina para cima.
Como funciona
Colocação de linha na Máquina Ponto 301
Colocação da linha superior
Desligar a máquina.
- Girar o volante manualmente até ...
- Levantar calcador.
- Colocar a bobina no pino do enchedor de bobinas e pressionar a alavanca até
o final.
- Enrolar a li...
Colocação da linha inferior
Colocação da linha inferior
Esta operação consiste em colocar a bobina
cheia na caixa de bobin...
– Verificar a tensão do
fio inferior, se
necessário faça o
ajuste através do
parafuso de modo
que a caixa de bobina
não ca...
Tensão
Retrocesso/ponto
São equipamentos colocados nas máquinas de costura para auxiliar na
confecção, aumentando a produção e a qualidade do trab...
calcadores
2.3. Trocar a agulha da máquina
Esta operação consiste em trocar a agulha defeituosa ou inadequada ao tipo
de material a s...
- Manter a cabeça e a
parte superior das
espáduas levemente
inclinada para frente.
- Ocupar o máximo do
assento da cadeira...
Overloque (500)
Maquina overloque:
Ponto de chuleio: classe do 500 ponto 504.
Maquina monobloco: Possuem um corpo único.
U...
Galoneira (400 e 600)
Galoneira: (ponto 400 e 600)
Base elevada
Pontos:
406 = feito com duas linhas na agulha e uma no lup...
1- Reguladores de tensão
2- Looper trançador
3- Transportadores
4- Looper inferior
5- Esticadores de linha
6- Cobertura in...
• Esta máquina trabalha
com o ponto da classe
600, que são conhecidos
também como ponto de
cobertura, produzindo um
ponto ...
• Esse equipamento é
indicado para uso no
segmento de malharia,
na confecção de bainhas,
aplicação de galão ou
viés, costu...
Galoneira em uso
Tipos de pontos
A costura tem por finalidade unir diferentes componentes de uma peça de
vestuário pela formação de uma cos...
Classificação
Classe 200 ponto feito mão
• 201
• 202
• 204
• 209
Classe 300 ponto fixo
Estes pontos são formados por uma ou mais linhas da agulha introduzidas de um lado do
material que s...
Classe 400 ponto corrente 2 ou mais
linhas.
Estes pontos diferenciam-se dos da classe 100 devido à existência de uma
linha...
Classe 500 acabamento de bordas
Estes pontos são geralmente utilizados para dar acabamento na
borda de uma folha de materi...
Classe 600-ponto corrente de
cobertura.
Os pontos desta classe utilizam entre duas e quatro linhas de agulha, uma
linha de...
A máquina pespontadeira
• 2 agulhas
• Lançadeira Grande
• Transporte duplo (dente e agulha)
• > Aplicação: Tecidos pesados
• > Lançadeira Grande
1. Reguladores de
tensão
2. Chapa da bobina
3. Calcador e
transportador
4. Agulhas
1
2
3
4
Características específicas:
• Trabalha com duas
bobinas, uma para cada
agulha
• Possui duas lançadeiras,
sendo que a caix...
As máquinas especiais
• Existe uma variedade de máquinas
especiais com funções bem
específicas, as mais importantes das
quais são as máquinas de...
Máquina de pregar botões
• Existem dois tipos de máquinas:
• No primeiro a agulha se movimenta verticalmente sem
deslocame...
Máquina de casear
• As casas podem ser feitas em ponto de zig-zag com uma linha ou com
duas linhas.
• A abertura das casas...
Máquinas de travete
• O ponto de reforço ou travete destina-se a reforçar uma
costura já existente, como os cantos de bols...
Monobloco
Estrutura da Máquina
A: cabeça B: corpo C:Braço D:Base
Tipos de Base:
Base Plana: Base elevada
Outras maquinas
cilíndrica
Braço canhão
Base em suporte vertical
Resistência da costura
• A resistência da costura e muito importante
existem elementos que podem afetar essa
resistência t...
Elasticidade
A elasticidade de uma costura deve ser maior do
que a elasticidade do tecido que ela une.
A elasticidade depe...
Tecidos
Fibras naturais
Vantagens
São bem confortáveis, flexíveis, duráveis e resistentes. Além de serem
práticas, de toque agradá...
Fibras artificiais ou sintéticas
Vantagens
São resistentes, retêm bem as cores − ou seja, desbotam pouco − e têm um toque ...
Vídeos
Propriedades dos tecidos
• 1) Tecido sem sentido determinado :
• As partes do molde poderão ser posicionadas
(mantendo o f...
TIPOS DE TECIDO DESCRIÇÃO SÍMBOLOS EXEMPLO
• Sem sentido com direito e avesso Visto de
qualquer ângulo tem a mesma cor e
t...
• Estique o tecido tem uma elasticidade natural no sentido da trama.
(se o tecido tiver elastano esta no sentido da trama)...
Estique
O tecido tem uma certa elasticidade natural no sentido da trama. No sentido do urdume, se você
puxar o tecido, vai...
Listras
• Se você entende um pouco de tecidos, provavelmente
sabe que existem tecidos listrados de dois tipos: os
que fora...
Fios fantasia
Outra maneira fácil de investigar o sentido do fio é conferindo os fios
fantasia. O fio fantasia é qualquer ...
Ondulação
Em alguns tecidos, há uma diferença entre a ondulação dos fios
de trama e de urdume. Quando há, geralmente os fi...
Resistência
Como vimos no teste anterior, o fio de urdume é mais resistente
que a trama. Um dos testes possíveis é tentar ...
Encaixe e corte
O encaixa auxilia na redução de matéria-prima
(manual/automático)
1-Risco manual direto no tecido: pouco u...
Cuidados ao enfestar
• Tecidos com pé
• Tecidos com estampa com pé
• Tecidos acetinados
• Estampa sem pé
• Tecidos barrados
Enfesto/
É a operação pelo qual o tecido é estendido em camadas, completamente
planas e alinhadas, a fim de serem cortadas...
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Prochain SlideShare
Chargement dans…5
×

Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas

17 166 vues

Publié le

Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas

  1. 1. “Para saber mandar, é preciso saber fazer”. O acabamento da sua peça reflete quem você é e o tipo de cliente que terá no futuro.
  2. 2. Regras • Ao ausentar-se da máquina, a mesma deverá ser desligada; • Solicitar ao professor/monitor, em caso de quebra, a troca da agulha da máquina; • O laboratório dispõe de alguns materiais para empréstimo (caso haja esquecimento) e que deverão ser devolvidos ao final da aula no devido lugar de onde foram retirados. • Cada aluno é responsável pelo seu material • Nenhum equipamento ou material podem ser retirados dos laboratórios sem a prévia autorização do técnico responsável pelo mesmo; • O ambiente de estudo deve ser mantido limpo e organizado. O local deverá ser conservado no estado em que foi encontrado • Usar sapatos ao utilizar os maquinários.
  3. 3. Tudo nosso.............
  4. 4. Agulhas: Partes da agulha. Os cabos e tamanhos de agulhas podem varias de acordo com a máquina. Troca de agulhas _chave aliem _Chave de fenda Para cada tipo de tecido usamos uma agulha diferente. (Agulhas de malha normalmente tem ponta bola) A agulha tem “tempo de vida útil” devem ser sempre substituídas. •Agulha torta •Agulha com a ponta amassada (desfia o tecido) •Agulha quebrada
  5. 5. Agulhas Existem diferentes tipos de agulhas que são usadas em máquinas de costura industriais, com características diferentes, para atender a finalidades específicas. É necessário portanto, conhecer bem as características e as particularidades das agulhas a fim de selecionar as mais adequadas ao trabalho que se pretende executar. 1 – cabo - cone – lâmina /Haste – canaleta – chanfro/cava – olho/Furo - ponta
  6. 6. Canaleta É um canal que percorre todo o corpo da agulha e que protege a linha quando a agulha penetra no tecido. A linha é enfiada do lado dessa canaleta. A profundidade do canal deve estar de acordo com o diâmetro da linha de modo a penetrar sem restriç ões. As formas mais comuns de canaleta estão ilustradas a seguir: A canaleta em espiral é especialmente útil em máquinas que tem a barra da agulha de curso longo, onde a linha sofre uma torç ão e a finalidade dessa canaleta é favorecer a passagem da linha e serve para evitar que a costura de materiais densos e resistentes provoque o desfilamento da linha. Cava/chanfro A cava é um rebaixo que se encontra do lado oposto a canaleta e acima do buraco da agulha, e tem por objetivo o ajuste da lanç adeira para trabalhar mais perto da agulha de modo a assegurar que a lanç adeira entre com mais facilidade na laç ada da agulha.
  7. 7. Ponta A ponta é a extremidade inferior da agulha e sua concepção e seleção são de extrema importância. As mais usadas são: Ponta redonda ou cônica – é a ponta de utilização mais comum, este tipo de ponta caracteriza-se por penetrar o tecido apartando as fibras sem rompê-las. Ponta bola – esta agulha possui sua extremidade em formato esférico. As agulhas com ponta bola são produzidas com bolas que vão de leve a pesada com relação ao tamanho da agulha. Esta ponta caracteriza-se por penetrar o material afastando as fibras do tecido e penetrando nos espaços entre os fios do tecido.
  8. 8. Cabos de agulha 1 - cilíndrica 2 - um lado achatado 3 - dois lados achatados 4 - com encaixe
  9. 9. Principais referências de agulhas por máquinas. Agulhas Referência Maquina /Finalidade DBx1 Costura reta em geral DPx5 Costura reta e travete DC x 27 Overlock e interlock Uy x 128 Gas Maquina fechadeira ,cós, Galoneira, goleira.
  10. 10. Maquina de costura simples 18 Pontos: Básicos (reto/ziguezague), Essenciais (3 pontinhos/bainha invisível), Flexíveis (para costurar malhas) e Decorativos. Base plana que pode ser usada em mesa ou gabinete para máquina de costura. Comprimento e largura dos pontos ajustáveis. 3 posições de agulha. Velocidade até 850 pontos por minuto
  11. 11. Maquina de costura industrial (301) Reta industrial: Máquina de ponto fixo (300). Sistema automático de lubrificação Máquina de alta velocidade Sistema de levantamento do calcador por alavanca e joelheira *o ponto da classe 300 e formado por duas linhas e tem a mesma aparência dos dois lados. Todas as categorias desse ponto utilizam caixa de bobina. Dados Técnicos: Comprimento máximo do ponto 5mm Altura do calcador de 5,5mm Tipo de agulha DP-1 5.000 pontos por minuto Essa máquina possui alguns aparelhos e acessórios que podem ser comprados ou fabricados. Exemplo: calcador para franzir, calcador para zíper, calcador para galão e aparelhos para viés e elástico. Parte essenciais: Caixa de bobina: E colocada dentro da lançadeira e usada juntamente com a bobina. Bobina: onde colocamos a linha que vai fazer a composição do ponto. Impelentes: serve para deslocar o tecido para frente em uma distância predeterminado. (Determinado pelo regulador de ponto). Calcador: a função e segurar com firmeza o tecido contra a chapa de agulha. Chapa de agulha: a função é apresentar uma superfície lisa sobre qual o material passa. Retrocesso: Arremata o ponto antes costurar e depois ao finalizar (utilizar a alavanca de retrocesso). Os pontos podem ser regulados de acordo com tecido usado sendo 2,5 a 3,0 o ponto de costura tradicionais pontos 4 e 5 para franzir (esse ponto desmancha com facilidade).
  12. 12. Reta Zigue-Zague 3 pontos
  13. 13. A figura mostra uma máquina de costura reta de ponto fixo, da classe 300, o tipo de ponto é de nº 301. Cabeçote - É a parte superior da máquina, constituída de várias peças. Mesa - É a parte onde está assentado o cabeçote, é de madeira recoberta com fórmica, sendo seus pés de metal. Motor - É um equipamento elétrico que serve para colocar a máquina em movimento. Pedal - É a parte da máquina que está ligada ao motor pela barra de união. Aciona o motor, controla a velocidade, e para a máquina. Joelheira – Levanta o calcador e solta a tensão da linha de cima. Deixa o operador com as mãos livres para o trabalho. Polia - Abaixa e levanta a agulha, quando a máquina estiver parada. Porta – fios - Suporte para colocar os tubos ou cones de linha.
  14. 14. Nomenclatura do cabeçote 1. Visor do fluxo de óleo - É uma peça de acrílico transparente que permite verificar se o sistema de lubrificação está funcionando. 2. Transportador - É uma peça com dentes afilados que leva o tecido de um ponto feito para o próximo a ser feito. 3. Calcador - Segura o material durante a costura enquanto a agulha penetra no mesmo. 4. Barra do Calcador - É uma peça cilíndrica que tem o calcador fixado em sua extremidade inferior 5. Agulha - É uma peça cilíndrica que em sua extensão possui espessuras diferentes. É feita de aço temperado e cromado, serve para conduzir a linha de um lado para o outro lado do material a ser costurado, possibilitando assim o entrelaçamento da linha superior com a linha inferior, formando o ponto. 6. Barra da Agulha - É uma peça cilíndrica que tem um orifício em sua extremidade inferior onde se encaixa a agulha. Um parafuso permite a fixação ou a remoção da agulha. 7. Guias de linha - São todas as peças que levam a linha do porta - fios até a agulha. 8. Esticador de linha - Puxa a linha do cone soltando uma quantidade suficiente para a formação da laçada puxando, em seguida, a linha da laçada para o ajuste do ponto. 9. Regulador de Tensão - Conjunto de peças que controla o fornecimento de linhas para agulha, dando a tensão necessária. 10. Chapa da agulha – É uma chapa metálica com um orifício para passagem da agulha e abertura para os dentes do transportador. Sustenta o material que está sendo costurado. 11. Chapa móvel - É uma chapa metálica que serve para visualizar o local onde se introduz a caixa de bobina. 12. Regulador do comprimento do ponto - Permite controlar o comprimento do ponto. 13. Polia do volante – Em conjunto com a polia do motor e através da correia recebe a força do motor, serve também para posicionar a agulha quando a máquina está parada. 14. Alavanca de retrocesso – É uma peça que quando pressionada muda o sentido da costura.
  15. 15. Caixa de bobina Guarda a bobina, deixando que a laçada da linha da agulha passe em sua volta. Permite que a bobina desenrole a linha na hora certa, com a tensão certa.
  16. 16. Bobina (caixa alta/ baixa/plástica) É a peça onde é enrolada a linha que alimenta a parte inferior do ponto.
  17. 17. É a peça onde é colocada a caixa de bobina. Serve para lançar a linha da bobina para cima.
  18. 18. Como funciona
  19. 19. Colocação de linha na Máquina Ponto 301 Colocação da linha superior Desligar a máquina. - Girar o volante manualmente até que o esticador de linha fique no seu ponto mais alto. Conforme figura acima. - Passar a linha pelos guias conforme numeração. - Passar pelos discos de tensão. Conforme detalhe da figura. - Passar a linha pelo orifício da agulha no sentido da esquerda para direita, deixando a linha por baixo e para trás do calcador.
  20. 20. - Levantar calcador. - Colocar a bobina no pino do enchedor de bobinas e pressionar a alavanca até o final. - Enrolar a linha algumas vezes em torno da bobina, na direção indicada pela seta. - Pisar no pedal, a linha inferior começará a enrolar. - Quando a bobina estiver cheia, retirar a bobina e cortar o fio conforme indicado na figura. Nota: A quantidade de linha não deverá exceder 80% da capacidade total da bobina.
  21. 21. Colocação da linha inferior Colocação da linha inferior Esta operação consiste em colocar a bobina cheia na caixa de bobina e ambas dentro da lançadeira para alimentar a parte inferior do ponto. - Colocar a bobina cheia na caixa de bobina, deixando a linha com uma ponta de 10cm aproximadamente. - Passar a linha pelo corte da caixa de bobina . Em seguida puxar a linha por debaixo da mola . - Girar o volante com a mão, deixando a agulha no seu ponto mais alto. - Segurar a caixa de bobina pela lingüeta com a abertura para cima deixando a linha por cima do dedo indicador e encaixe- a no pino central da lançadeira. - Segurar com a mão esquerda a linha da agulha, para cima, e, com a mão direita, girar o volante para frente, até que a agulha desça e suba laçando a linha inferior. a) Puxar a linha da agulha. Ela trará para cima uma laçada de linha da bobina. b) Puxar a linha inferior e colocar as duas pontas de linha por baixo e para trás do calcador.
  22. 22. – Verificar a tensão do fio inferior, se necessário faça o ajuste através do parafuso de modo que a caixa de bobina não caia por seu próprio peso quando segura pelo fio que sai da caixa de bobina. - Costurar o tecido Observação: Para regular as tensões das linhas use um retalho do mesmo tecido a ser costurado. - Verificar as tensões das linhas, olhando a costura por cima e por baixo. - Fazer o ajuste do fio superior apertando ou folgando a porca do regulador de tensão de modo a equilibrar as tensões das linhas até que a amarração dos pontos se forme no centro do material. Observe figura. Observação: Quando a amarração dos pontos se formar no centro do material e a costura se apresentar franzida, Verificar: a) Se as linhas da bobina e da agulha estão com muita tensão. Neste caso diminua a tensão das linhas. b) Se a linha da bobina foi enrolada com muita tensão, diminua a tensão do enchedor de bobina
  23. 23. Tensão
  24. 24. Retrocesso/ponto
  25. 25. São equipamentos colocados nas máquinas de costura para auxiliar na confecção, aumentando a produção e a qualidade do trabalho, oferecendo ao mesmo tempo segurança ao operador. Calcador para franzir – Usado para franzir o tecido durante a costura Calcador de teflon – Usado em materiais como nylon e plástico onde se pretende diminuir o atrito entre o calcador e o material. Aparelho para viés – Utilizado para dar acabamento em gola, punho, alças, etc. Nota: Existem ainda no mercado uma infinidade de modelos para diversas aplicações, podendo inclusive ser fabricados sob encomenda para aplicações específicas.
  26. 26. calcadores
  27. 27. 2.3. Trocar a agulha da máquina Esta operação consiste em trocar a agulha defeituosa ou inadequada ao tipo de material a ser costurado, por outra perfeita ou adequada. - Desligar a máquina. - Girar o volante até que a barra da agulha fique no seu ponto mais alto. - Retirar a agulha soltando o parafuso da barra da agulha com chave de fenda. Observação: O parafuso deve permanecer na barra da agulha. Evitando assim sua perda. - Colocar a agulha na barra da agulha com a cava voltada para a ponta da lançadeira (observe figura). Observação: Encostar o cabo da agulha até o final do furo. - Apertar o parafuso mantendo a agulha na posição correta. Observação: Verificar o alinhamento da canaleta pelo lado esquerdo do cabeçote. Nota: Em todas as máquinas a cavada agulha deve estar voltada para a ponta da lançadeira ou ponta do looper.
  28. 28. - Manter a cabeça e a parte superior das espáduas levemente inclinada para frente. - Ocupar o máximo do assento da cadeira. - Regular a altura da cadeira, a distância e altura do encosto de acordo com a estatura do operador. - Ajustar a altura da máquina e posição da joelheira de acordo com às características físicas do operador. - Os braços devem ficar na altura da máquina e as mãos devem apenas guiar o material, prendê-lo ou arrastá-lo.
  29. 29. Overloque (500) Maquina overloque: Ponto de chuleio: classe do 500 ponto 504. Maquina monobloco: Possuem um corpo único. Utilizam 1 linha e 2 fios para costura. Usada amplamente em malhas e para chulear as peças. Agulhas trocadas por chave aliem. Possuem luper com olhal e luper cego. O uso de pinças e indispensável para essa máquina para colocação de linhas e fios. Para colocação de linha e fio deve se abrir a máquina. O levantamento do calcador e feito acionamento do pedal direito (pelo pé direito). A máquina deve ser lubrificada com óleo e nas passagens de linha com silicone. OBS: A regulagem do ponto e feito apertando o botão na parte inferior da máquina e rodando o volante da máquina até o ponto desejado. (Às vezes e necessário regular o diferencial da máquina) Essa máquina pode ser adaptada para frufru/o arremate pode ser adaptado ou feito com uma agulha. Muito importante: a máquina corta enquanto costura devesse cortar o mínimo possível a margem para essa costura e de 0,5 cm.
  30. 30. Galoneira (400 e 600) Galoneira: (ponto 400 e 600) Base elevada Pontos: 406 = feito com duas linhas na agulha e uma no luper (muito utilizada em bainhas de camiseta) 407= feito com três linhas nas agulhas e uma no luper (são muito usados em malharia já que são mais elásticos do que ponto fixo, Em contrapartida são salientes na parte debaixo, o que pode causar o maior desgaste da peça. 602 = quatro linhas duas nas agulhas e duas no luper (praia e lingerie) 605= três linhas nas agulhas e duas no luper (praia e lingerie) *deve evitar tencionar muito as linhas pois facilitam o arrebentamento das mesmas. A uma grande variedade de aparelhos que podem ser utilizados nessa máquina tais como aparelho de viés de 1 e 2 dobras aparelhos de elásticos comuns e tipo México e aparelhos para dobra de bainhas entre outros. Para fazer o ponto espinha de peixe deve fazer a regulagem tencionando a linha do luper superior e invertendo as linhas das agulhas deixando a primeira e a terceira linha com a menor tensão.
  31. 31. 1- Reguladores de tensão 2- Looper trançador 3- Transportadores 4- Looper inferior 5- Esticadores de linha 6- Cobertura inferior
  32. 32. • Esta máquina trabalha com o ponto da classe 600, que são conhecidos também como ponto de cobertura, produzindo um ponto muito elástico. A máquina de costura industrial galoneira é ideal para tecidos leves e médios com trançador superior e inferior.
  33. 33. • Esse equipamento é indicado para uso no segmento de malharia, na confecção de bainhas, aplicação de galão ou viés, costuras decorativas e outras. Pode ser equipada com diversos tipos de aparelhos para diferentes costuras.
  34. 34. Galoneira em uso
  35. 35. Tipos de pontos A costura tem por finalidade unir diferentes componentes de uma peça de vestuário pela formação de uma costura constituída por pontos. Outros métodos existem, tais como a utilização de ultra-sons, a termocolagem, etc., que tem importância limitada em confecção e se aplicam a materiais termoplásticos por ação do calor e da pressão. Entre as técnicas de união mecânica, a costura mantém uma posição predominante devido a sua simplicidade, sofisticação e método de produção econômica, com uma elasticidade controlável. A classificação dos pontos encontra-se normatizada através da NBR 13483 (set/1995). Os diferentes pontos são designados por um número com três algarismos. O algarismo das centenas corresponde a uma das seis classes de pontos. •Classe 100 – ponto corrente simples •Classe 200 – ponto feito à mão, originalmente. •Classe 300 – ponto fixo •Classe 400 – ponto corrente de duas ou mais linhas •Classe 500 – ponto corrente de acabamento de bordas •Classe 600 – ponto corrente de cobertura
  36. 36. Classificação
  37. 37. Classe 200 ponto feito mão • 201 • 202 • 204 • 209
  38. 38. Classe 300 ponto fixo Estes pontos são formados por uma ou mais linhas da agulha introduzidas de um lado do material que se entrelaçam com a linha da bobina do outro lado. • 301 • 304 • 309
  39. 39. Classe 400 ponto corrente 2 ou mais linhas. Estes pontos diferenciam-se dos da classe 100 devido à existência de uma linha inferior extra, ou linha de lançadeira É possível utilizar tensões mais baixas aumentando a elasticidade das costuras, sendo a produtividade mais elevada em relação ao ponto fixo devido ao fato de as linhas serem alimentadas diretamente de cones de grandes dimensões sem necessidade de parar freqüentemente para a troca de bobina. 401
  40. 40. Classe 500 acabamento de bordas Estes pontos são geralmente utilizados para dar acabamento na borda de uma folha de material ou para unir e dar acabamento na borda de duas folhas em uma mesma operação, especialmente em malhas, uma vez que esta classe de pontos possui excelentes propriedades elásticas quando se utilizam linhas apropriadas. A linha da agulha é responsável pela resistência, enquanto que as linhas das lançadeiras são escolhidas de modo a melhorar a aparência e maciez. 504
  41. 41. Classe 600-ponto corrente de cobertura. Os pontos desta classe utilizam entre duas e quatro linhas de agulha, uma linha de lançadeira inferior e uma ou duas linhas de lançadeira superior ou linhas de cobertura. Todos estes pontos são altamente elásticos e produzem costuras planas e resistentes. 602
  42. 42. A máquina pespontadeira
  43. 43. • 2 agulhas • Lançadeira Grande • Transporte duplo (dente e agulha) • > Aplicação: Tecidos pesados • > Lançadeira Grande
  44. 44. 1. Reguladores de tensão 2. Chapa da bobina 3. Calcador e transportador 4. Agulhas 1 2 3 4
  45. 45. Características específicas: • Trabalha com duas bobinas, uma para cada agulha • Possui duas lançadeiras, sendo que a caixa da bobina é fixa. • As agulhas trabalham em oposição, conforme a figura:
  46. 46. As máquinas especiais
  47. 47. • Existe uma variedade de máquinas especiais com funções bem específicas, as mais importantes das quais são as máquinas de pregar botões, as de casear e o travete.
  48. 48. Máquina de pregar botões • Existem dois tipos de máquinas: • No primeiro a agulha se movimenta verticalmente sem deslocamento transversal. O botão é preso por uma peça especial que se desloca para a direita e esquerda. No caso de botões com quatro furos a peça deve ter movimento para avanço e recuo. • No outro tipo de máquina, a agulha tem um movimento oscilatório, mantendo fixo o botão e os tecidos.
  49. 49. Máquina de casear • As casas podem ser feitas em ponto de zig-zag com uma linha ou com duas linhas. • A abertura das casas pode ser feita antes ou depois da costura. Se feita antes, é preciso uma costura cerzida para evitar o desfiamento. • As máquina de casear podem ser de dois tipos: • Uma com movimento oscilatório para fazer o zig-zag. O tecido fica preso pelo calcador a uma placa que se desloca sob a agulha com uma trajetória correspondente a forma da casa. • Em outra, o tecido permanece imóvel, enquanto todos os elementos de formação do ponto se deslocam
  50. 50. Máquinas de travete • O ponto de reforço ou travete destina-se a reforçar uma costura já existente, como os cantos de bolso, extremidades das casas, gancho das calças, zíperes, etc. • Podem se usadas também para fixar pequenas peças e etiquetas. • Para executar este tipo de ponto utiliza-se uma máquina específica ou pode-se adaptar a caseadeira ou a de pregar botões.
  51. 51. Monobloco
  52. 52. Estrutura da Máquina A: cabeça B: corpo C:Braço D:Base
  53. 53. Tipos de Base: Base Plana: Base elevada
  54. 54. Outras maquinas cilíndrica
  55. 55. Braço canhão
  56. 56. Base em suporte vertical
  57. 57. Resistência da costura • A resistência da costura e muito importante existem elementos que podem afetar essa resistência tais como: • Tipo de ponto • Comprimento do ponto • Tipo de costura • Resistência da linha • Tensão da linha
  58. 58. Elasticidade A elasticidade de uma costura deve ser maior do que a elasticidade do tecido que ela une. A elasticidade depende: •Tensão da linha •Tipo de ponto •Elasticidade da linha
  59. 59. Tecidos
  60. 60. Fibras naturais Vantagens São bem confortáveis, flexíveis, duráveis e resistentes. Além de serem práticas, de toque agradável e deixarem a pele respirar, as fibras naturais não deformam. Desvantagens Amassam com facilidade e podem desbotar com o tempo. (algodão, linho, lã e seda)
  61. 61. Fibras artificiais ou sintéticas Vantagens São resistentes, retêm bem as cores − ou seja, desbotam pouco − e têm um toque sedoso. Secam rápido e quase não amassam. Desvantagens Por não absorverem a transpiração, podem deixar aquele cheiro desagradável nas peças. Queimam com facilidade e, por isso, devem ser passadas a ferro a baixas temperaturas e sem vapor. E atenção, pois esse tipo de fibra acumula eletricidade estática! É muito importante olhar sempre as etiquetas que estão nas roupas para saber como lavar, estender, secar e passar. Além disso, você saberá pela etiqueta qual é a composição das fibras da peça. Algumas dicas: • Uma peça com maior quantidade de tecido natural é mais fresca e costuma ser mais cara. • Uma peça com maior quantidade de tecido sintético é mais quente e é vendida, em geral, por preços mais acessíveis. •Todo tecido que estica tem mais partículas sintéticas. • Tecidos sintéticos são ótimos para mala de viagem, pois não amassam. Por serem sensíveis ao (poliéster, acrílico, elastano, poliamida, nylon, lycra, viscose, acetato).
  62. 62. Vídeos
  63. 63. Propriedades dos tecidos • 1) Tecido sem sentido determinado : • As partes do molde poderão ser posicionadas (mantendo o fio) em qualquer • sentido. Ex.: Tecido Denim • 2) Tecido com sentido determinado: • As partes do molde deverão ser posicionadas em um só sentido. • Ex.: Veludo cotelê; tecido com pé.
  64. 64. TIPOS DE TECIDO DESCRIÇÃO SÍMBOLOS EXEMPLO • Sem sentido com direito e avesso Visto de qualquer ângulo tem a mesma cor e tonalidade • Sem sentido sem direito e avesso visto de qualquer ângulo tem a mesma cor e tonalidade • Com sentido com direito e avesso visto de ângulos diferentes mudam de cor e tonalidade • Com pé com direito e avesso ,o tom, o toque ou o desenho mudam de acordo com a inclinação dos pelos. • Sarja normal/índigo normal • Popeline/Oxford/Chiffon • Sarja peletizada/índigo soft/Veludos • Estampados/Personalizados/100% Poliamida
  65. 65. • Estique o tecido tem uma elasticidade natural no sentido da trama. (se o tecido tiver elastano esta no sentido da trama) • Listas Existem tecidos que são estampados/ Outros que foram tramados no sentido do urdume. • Fio fantasia Esses fios são irregulares (fios metálicos ou Rústicos ) e por isso ficam na trama porque não podem ser muito esticado durante a fiação. • Ondulação Os fios da trama são mais ondulado que os fios de urdume. • Resistência Os fios de urdume são mais resistentes que os da trama, tente arrebentar um deles.
  66. 66. Estique O tecido tem uma certa elasticidade natural no sentido da trama. No sentido do urdume, se você puxar o tecido, vai sentir que ele não cede, não estica nem um pouco. Já se puxar no sentido da trama, vai ver que ele estica. Para fazer o teste, puxe o tecido no sentido de um dos fios (não vale puxar no viés). Em seguida, puxe no sentido do fio perpendicular a esse. O que ceder menos é o urdume.
  67. 67. Listras • Se você entende um pouco de tecidos, provavelmente sabe que existem tecidos listrados de dois tipos: os que foram estampados, e os que foram tramados. Este teste só serve para os tramados, ou seja, os que foram feitos com fios coloridos. Para saber se este é o seu caso, confira se as listras aparecem iguais no avesso e direito do tecido. Caso a resposta seja sim, o seu tecido tem listras tramadas. • As listras tramadas ajudam a identificar o fio porque normalmente os tecidos listrados têm as listras na vertical, ou seja, no urdume. Se o seu tecido é tricoline para camisaria, é muito provável que as listras estejam no sentido do urdume.
  68. 68. Fios fantasia Outra maneira fácil de investigar o sentido do fio é conferindo os fios fantasia. O fio fantasia é qualquer fio irregular, ou trabalhado, como fios chenille, fios rústicos que têm partes mais grossas que outras, fios metálicos, etc. Quando o tecido tem esse tipo de fio, normalmente ele vai na trama do tecido, pois não são resistentes ou regulares o suficiente para serem urdume. Os fios de urdume precisam ser lisos e finos para que os fios de trama passem entre eles sem problemas. Precisam ser resistentes pois ficam bem esticados durante a fabricação do tecido.
  69. 69. Ondulação Em alguns tecidos, há uma diferença entre a ondulação dos fios de trama e de urdume. Quando há, geralmente os fios de urdume são menos ondulados que os fios de trama, ou os ondulados são mais espaçados Em alguns tecidos, há uma diferença entre a ondulação dos fios de trama e de urdume. Quando há, geralmente os fios de urdume são menos ondulados que os fios de trama, ou os ondulados são mais espaçados
  70. 70. Resistência Como vimos no teste anterior, o fio de urdume é mais resistente que a trama. Um dos testes possíveis é tentar arrebentar dois fios de sentidos diferentes e observar qual deles é mais resistente. O que arrebenta mais fácil, normalmente, é a trama.
  71. 71. Encaixe e corte O encaixa auxilia na redução de matéria-prima (manual/automático) 1-Risco manual direto no tecido: pouco usado atualmente. Executado sobre a última folha do tecido, contornando os moldes, por meio de giz especial, lápis ou caneta . Apresenta os seguintes problemas: 1. Lentidão na execução 2. O giz não se apaga 3. Tecido com elastano deforma o risco 4. Não permite cópias • 2 – Risco manual sobre o papel: pouca vantagem sobre o primeiro. • 3 – Risco Automatizado: muito usado atualmente
  72. 72. Cuidados ao enfestar • Tecidos com pé • Tecidos com estampa com pé • Tecidos acetinados • Estampa sem pé • Tecidos barrados
  73. 73. Enfesto/ É a operação pelo qual o tecido é estendido em camadas, completamente planas e alinhadas, a fim de serem cortadas em pilhas. MÉTODOS DE CORTE: 1 – Manual 2 – Mecanizado 3 – Eletronico

×