SlideShare une entreprise Scribd logo
A CULTURA AFRICANA
REFLETIDA NA MODA
BRASILEIRA
Sociologia Geral e da Educação- Cultura Afro -Ameríndio
O QUE É A MODA E COMO ELA SE
EXPRESSA?
A moda pode expressar o modo de
se vestir, a personalidade, os
interesses e outras características
que demonstram o tempo histórico
em que os seres humanos se
encontram inseridos, demonstrando
comportamentos e permeando
processos comunicativos e culturais.
A moda volta-se para as raízes antropológicas das
civilizações, abrangendo transformações em vários setores
da sociedade. Trata-se de uma linguagem sociocultural indo
além do vestir, adentrando-se no “universo de tecnologias
da beleza, design de superfície, design de joias e bijuterias,
decoração, gostos de consumo cultural etc.” (SANT’ANNA,
2009, p. 50).
Quando falamos da cultura africana, sabemos da sua
riqueza de detalhes e nos seus símbolos presente em
cada vestimenta. Produtos feitos a mão, com variadas
cores (e cores vibrantes), estampas e etc. A produção
própria, trazendo os significados é o diferencial que fez
chegar até na moda e, permanece até hoje, mesmo que
muitos não saibam que esta influência seja da cultura
negra como: Algodão branco, Miçangas, Renda branca
e etc.
A ANCESTRALIDADE AFRICANA NA MODA
BRASILEIRA :
ALGODÃO BRANCO
No período escravocrata os negros
produziam suas roupas e não
demorou para produzirem também
para colono. E a matéria-prima que
tinham acesso era algodão rústico,
sem passar pelo processo de
tingimento e, a partir da produção
ao colonizador, é iniciado a
produção em massa, existindo
diferentes moldes de tamanhos
para fazer as peças. Atualmente, na
moda brasileira e mundial a
camiseta branca de algodão com
calças de linho é quase uma
unanimidade.
Na cultura africana as miçangas são muito
utilizadas como adorno, símbolo de
beleza, riqueza e proteção; além dos
penduricalhos dos balangandãs da crioula
baiana da era colonial representados por
figas, búzios e moedas, entre outros.
Na cultura afro-brasileira a influência de
religiões de matriz africana, como a
umbanda, nascida no Brasil, destacam o
uso de miçangas como símbolos de
proteção. O uso como acessórios de moda
vem crescendo desde 2019 e tendo cada
vez mais adeptos no mercado brasileiro.
Atualmente, o uso de búzios em colares,
pulseiras e brincos é forte tendência aos
verões, brasileiro.
Miçangas
O uso de renda branca em eventos
tem origem na cultura afro-brasileira,
onde mulheres baianas participantes da
umbanda usam vestidos de renda
branca como uma maneira de barrar
energias negativas em dias de trabalho
mediúnicos como uma maneira de
fazer distinção entre o sagrado e o
profano. A tradição baiana, portanto
difundiu o uso da renda em eventos
diversos.
RENDA BRANCA
EM OCASIÕES
FESTIVAS
Estampas
A cultura africana em geral,
utiliza de várias cores e
estampas como símbolos de
identidade e prosperidade do
grupo e, adotada na moda afro-
brasileira. Aderimos às cores
fortes, estampas geométricas e
esta é a tendência mais
evidente da influência africana
na nossa moda
várias cores e estampas como símbolos de identidade
“Por que temos cabelos crespos? A resposta é simples: adaptação climática. A
África é um continente tropical, ou seja, de temperatura elevada. Os africanos
desenvolveram cabelos crespos para se adaptar ao clima quente. O formato do
cabelo crespo serve como proteção para o couro cabeludo, como um chapéu
natural devido ao entrelaçamento dos fios. Ao longo da história africana, os
cabelos indicavam a posição social, a identidade étnica, a religião, origem e a
riqueza da pessoa.”
Caroline Paulino
ANCESTRALIDADE NO CABELO
PENTEADOS DE INFLUÊNCIA AFRICANA
O turbante chegou em terras brasileiras trazido pelas
escravas africanas, que cobriam os cabelos curtos ou
raspados com o tecido, e ressurgiu nos anos 1960, como
um símbolo da cultura negra na luta pelos direitos civis.
AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE AFRO-BRASILEIRA.
Faixa Turbante
OBRIGADO
Alunos:
Daniel Francisco da Silva
Rosane Vitória Ferreira da Silva
Rosilene Barbosa Ferreira da Silva
Thaysa Mª Santos da Silva Figueiredo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
TURBANTE: símbolo de resistência e empoderamento. Me ajude na transição. Disponível em:
https://meajudenatransicao.com.br/ . Acesso em: 21 de fev. 2023.
GONÇALVES, Geize. Estampas Africanas . Disponível em:
file:///C:/Users/PC/Downloads/fae66961f7b4273e24c88fc3a5300e6a.pdf . Acesso em: 21 de fev. 2023
CAROLLEE. Às quatro principais, herança ancestral a moda brasileira. Disponível em:
https://carolsociety.com.br/influencias-da-cultura-afro-brasileira-na-moda/. Acesso em: 21 de fev. 2023.
PAULINO, Caroline. Máximo respeito: cabelo crespo é história. De Benguela. Disponível em:
https://debenguela.com.br/noticias/maximo-respeito-cabelo-crespo-e-historia. Acesso em: 21 de fev. 2023
SANT’ANNA, Patrícia. Moda: uma apaixonante história das formas (2009). Disponível em:
http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v61n1/a20v61n1.pdf. Acesso em: 20 de fev. 2023.

Contenu connexe

Tendances

TRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docx
TRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docxTRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docx
TRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docx
ssuserb5a19b
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Nancihorta
 
Origem da festa junina
Origem da festa juninaOrigem da festa junina
Origem da festa junina
Leo Costa
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Fabiola Oliveira
 

Tendances (20)

TRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docx
TRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docxTRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docx
TRABALHANDO GÊNEROS MUSICAIS 6º ANO.docx
 
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRACONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
 
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOSCONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
 
Características sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Características sobre a cultura da Região Norte no BrasilCaracterísticas sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Características sobre a cultura da Região Norte no Brasil
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
 
Instrumentos musicais africanos
Instrumentos musicais africanosInstrumentos musicais africanos
Instrumentos musicais africanos
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
Arte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
Arte Indígena Rituais Música e Dança.pptArte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
Arte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaral Tarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
 
Cultura africana
Cultura africanaCultura africana
Cultura africana
 
Origem da festa junina
Origem da festa juninaOrigem da festa junina
Origem da festa junina
 
Danças afro
Danças afroDanças afro
Danças afro
 
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No Brasil
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
 
História da festa junina e tradições
História da festa junina e tradiçõesHistória da festa junina e tradições
História da festa junina e tradições
 

Similaire à A CULTURA AFRICANA REFLETIDA NA MODA BRASILEIRA.pptx

Cultura afroeindigena
Cultura afroeindigenaCultura afroeindigena
Cultura afroeindigena
Anny Caroline
 
Negro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua FaceNegro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua Face
Nádia Rabelo
 

Similaire à A CULTURA AFRICANA REFLETIDA NA MODA BRASILEIRA.pptx (20)

Cultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - ResumoCultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - Resumo
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
 
Apresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdf
Apresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdfApresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdf
Apresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdf
 
Contribuição africana
Contribuição africanaContribuição africana
Contribuição africana
 
Resam
ResamResam
Resam
 
Cultura afroeindigena
Cultura afroeindigenaCultura afroeindigena
Cultura afroeindigena
 
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileiraAtividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileira
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
 
Historia da Africa
Historia da AfricaHistoria da Africa
Historia da Africa
 
OS SIMBOLOS DA IDENTIDADE NEGRA- CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO IFARADÁ.ppt
OS SIMBOLOS DA IDENTIDADE NEGRA- CURSO DE  ESPECIALIZAÇÃO IFARADÁ.pptOS SIMBOLOS DA IDENTIDADE NEGRA- CURSO DE  ESPECIALIZAÇÃO IFARADÁ.ppt
OS SIMBOLOS DA IDENTIDADE NEGRA- CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO IFARADÁ.ppt
 
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
 
arteeculturaafricanaeafro-brasileira.pptx
arteeculturaafricanaeafro-brasileira.pptxarteeculturaafricanaeafro-brasileira.pptx
arteeculturaafricanaeafro-brasileira.pptx
 
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair AguilarDiversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
 
20171030120022
2017103012002220171030120022
20171030120022
 
Paper africa
Paper africaPaper africa
Paper africa
 
Africanidades
AfricanidadesAfricanidades
Africanidades
 
Negro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua FaceNegro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua Face
 
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e ConhecimentoOficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
 
Presenças africanas
Presenças africanasPresenças africanas
Presenças africanas
 
Os africanos
Os africanosOs africanos
Os africanos
 

Dernier

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Dernier (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

A CULTURA AFRICANA REFLETIDA NA MODA BRASILEIRA.pptx

  • 1. A CULTURA AFRICANA REFLETIDA NA MODA BRASILEIRA Sociologia Geral e da Educação- Cultura Afro -Ameríndio
  • 2. O QUE É A MODA E COMO ELA SE EXPRESSA? A moda pode expressar o modo de se vestir, a personalidade, os interesses e outras características que demonstram o tempo histórico em que os seres humanos se encontram inseridos, demonstrando comportamentos e permeando processos comunicativos e culturais.
  • 3. A moda volta-se para as raízes antropológicas das civilizações, abrangendo transformações em vários setores da sociedade. Trata-se de uma linguagem sociocultural indo além do vestir, adentrando-se no “universo de tecnologias da beleza, design de superfície, design de joias e bijuterias, decoração, gostos de consumo cultural etc.” (SANT’ANNA, 2009, p. 50).
  • 4. Quando falamos da cultura africana, sabemos da sua riqueza de detalhes e nos seus símbolos presente em cada vestimenta. Produtos feitos a mão, com variadas cores (e cores vibrantes), estampas e etc. A produção própria, trazendo os significados é o diferencial que fez chegar até na moda e, permanece até hoje, mesmo que muitos não saibam que esta influência seja da cultura negra como: Algodão branco, Miçangas, Renda branca e etc.
  • 5. A ANCESTRALIDADE AFRICANA NA MODA BRASILEIRA : ALGODÃO BRANCO No período escravocrata os negros produziam suas roupas e não demorou para produzirem também para colono. E a matéria-prima que tinham acesso era algodão rústico, sem passar pelo processo de tingimento e, a partir da produção ao colonizador, é iniciado a produção em massa, existindo diferentes moldes de tamanhos para fazer as peças. Atualmente, na moda brasileira e mundial a camiseta branca de algodão com calças de linho é quase uma unanimidade.
  • 6. Na cultura africana as miçangas são muito utilizadas como adorno, símbolo de beleza, riqueza e proteção; além dos penduricalhos dos balangandãs da crioula baiana da era colonial representados por figas, búzios e moedas, entre outros. Na cultura afro-brasileira a influência de religiões de matriz africana, como a umbanda, nascida no Brasil, destacam o uso de miçangas como símbolos de proteção. O uso como acessórios de moda vem crescendo desde 2019 e tendo cada vez mais adeptos no mercado brasileiro. Atualmente, o uso de búzios em colares, pulseiras e brincos é forte tendência aos verões, brasileiro. Miçangas
  • 7. O uso de renda branca em eventos tem origem na cultura afro-brasileira, onde mulheres baianas participantes da umbanda usam vestidos de renda branca como uma maneira de barrar energias negativas em dias de trabalho mediúnicos como uma maneira de fazer distinção entre o sagrado e o profano. A tradição baiana, portanto difundiu o uso da renda em eventos diversos. RENDA BRANCA EM OCASIÕES FESTIVAS
  • 8. Estampas A cultura africana em geral, utiliza de várias cores e estampas como símbolos de identidade e prosperidade do grupo e, adotada na moda afro- brasileira. Aderimos às cores fortes, estampas geométricas e esta é a tendência mais evidente da influência africana na nossa moda
  • 9. várias cores e estampas como símbolos de identidade
  • 10.
  • 11.
  • 12. “Por que temos cabelos crespos? A resposta é simples: adaptação climática. A África é um continente tropical, ou seja, de temperatura elevada. Os africanos desenvolveram cabelos crespos para se adaptar ao clima quente. O formato do cabelo crespo serve como proteção para o couro cabeludo, como um chapéu natural devido ao entrelaçamento dos fios. Ao longo da história africana, os cabelos indicavam a posição social, a identidade étnica, a religião, origem e a riqueza da pessoa.” Caroline Paulino ANCESTRALIDADE NO CABELO PENTEADOS DE INFLUÊNCIA AFRICANA
  • 13. O turbante chegou em terras brasileiras trazido pelas escravas africanas, que cobriam os cabelos curtos ou raspados com o tecido, e ressurgiu nos anos 1960, como um símbolo da cultura negra na luta pelos direitos civis. AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE AFRO-BRASILEIRA. Faixa Turbante
  • 14. OBRIGADO Alunos: Daniel Francisco da Silva Rosane Vitória Ferreira da Silva Rosilene Barbosa Ferreira da Silva Thaysa Mª Santos da Silva Figueiredo.
  • 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS TURBANTE: símbolo de resistência e empoderamento. Me ajude na transição. Disponível em: https://meajudenatransicao.com.br/ . Acesso em: 21 de fev. 2023. GONÇALVES, Geize. Estampas Africanas . Disponível em: file:///C:/Users/PC/Downloads/fae66961f7b4273e24c88fc3a5300e6a.pdf . Acesso em: 21 de fev. 2023 CAROLLEE. Às quatro principais, herança ancestral a moda brasileira. Disponível em: https://carolsociety.com.br/influencias-da-cultura-afro-brasileira-na-moda/. Acesso em: 21 de fev. 2023. PAULINO, Caroline. Máximo respeito: cabelo crespo é história. De Benguela. Disponível em: https://debenguela.com.br/noticias/maximo-respeito-cabelo-crespo-e-historia. Acesso em: 21 de fev. 2023 SANT’ANNA, Patrícia. Moda: uma apaixonante história das formas (2009). Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v61n1/a20v61n1.pdf. Acesso em: 20 de fev. 2023.