Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
Chargement dans…3
×
1 sur 80

Slides pacto modulo ii rede municipal

  1. 1. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Módulo II Rede Municipal
  2. 2. Gestão Comunicação Controle social e Mobilização Materiais, Literatura, Tecnologias Avaliação Formação Incentivo e reconhecimento Revisando as ações do PACTO
  3. 3. Objetivos do Módulo II (24 a 25 de abril) Este módulo se volta para o cumprimento das ementas das Unidades 2 e 3, cujos conteúdos são os que se seguem:  Planejamento do ensino na alfabetização;  Rotina da alfabetização na perspectiva do letramento;  Recursos didáticos na alfabetização;  O funcionamento do SEA;  Apropriação do SEA e relação com a consciência fonológica;  Planejamento de situações didáticas no ensino do SEA.
  4. 4. Programação Geral do Módulo II Quarta 24/04 Quinta 25/04 Sexta 26/04 Temática do dia Planejamento na alfabetização O Sistema de Escrita Alfabética O Sistema de Escrita Alfabética Manhã - Retomada do Módulo I - Expectativas quanto ao Módulo II - “Para que”, “O que é” e “Como planejar” no Ciclo de Alfabetização - SEA: aprofundamento teórico - Encaminhamento de tarefas (entre Módulo II e Módulo III) - Questões para o trabalho da tarde - Planejamento do 2º Encontro - Avaliação do Módulo Tarde - Planejamento escolar - Planejamento e rotina - Registro do dia - SEA: compartilhando - Recursos didáticos no Ciclo de Alfabetização - Interseções entre Planejamento e SEA - Mesa-redonda: Currículo nas séries inicias Recursos didáticos Consciência fonológica
  5. 5. Negociando metodologias de registro  Registros ao longo do dia?  Registros de retomada do dia anterior?  Registro ao final da semana?
  6. 6. Retomada do Módulo I UNIDADE 1 Concepções de alfabetização, currículo no ciclo de alfabetização, interdisciplinaridade, avaliação da alfabetização, inclusão como princípio fundamental do processo educativo
  7. 7. Expectativas quanto ao Módulo II O que você espera deste Módulo?
  8. 8. 1º DIA PLANEJAMENTO NA ALFABETIZAÇÃO
  9. 9. Agenda do dia Manhã: Iniciando a conversa...  Leitura deleite  Retomada do Módulo I  Expectativas quanto ao Módulo II  Levantamento: “para que”, “o que é” e “como” planejar no Ciclo de Alfabetização Tarde: Aprofundando o tema / Compartilhando / Aprendendo Mais  Planejamento escolar: alfabetização e ensino de Língua Portuguesa  Planejamento e rotina no ciclo de alfabetização  Recursos didáticos
  10. 10. Objetivos da Unidade 2  aprofundar os conhecimentos sobre a concepção de alfabetização na perspectiva do letramento;  conhecer os recursos didáticos distribuídos pelo Ministério da Educação (livros didáticos e obras complementares aprovados no PNLD; livros do PNBE e PNBE Especial; jogos didáticos distribuídos pelo MEC) e planejar situações didáticas em que tais materiais sejam usados;  planejar o ensino na alfabetização, analisando e criando propostas de organização de rotinas da alfabetização na perspectiva do letramento;  criar um ambiente alfabetizador, que favoreça a aprendizagem das crianças;  compreender a importância da literatura nos anos iniciais do Ensino Fundamental e planejar situações de uso de obras literárias em sala de aula
  11. 11. Referências Fontes de referência: UNIDADE 2  ANO 1: PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA  ANO 2: A ORGANIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E DA ROTINA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO  ANO 3: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA ROTINA NA ALFABETIZAÇÃO
  12. 12. Leitura deleite...
  13. 13. Iniciando a conversa “Touro”, as onze litografias de Picasso
  14. 14. Iniciando a conversa 1) Pensando no ciclo de alfabetização:  O que planejar?  Como planejar?  Para que planejar? 2) Qual é a relação entre planejamento, avaliação e inclusão? 3) Como podemos relacionar os quadros dos direitos da aprendizagem e a questão do planejamento? 4) Como se dá o planejamento escolar e a organização da rotina na proposta municipal em curso?
  15. 15. Aprofundando o tema: planejamento escolar Leitura em grupos (Textos da Unidade 2) GRUPO A: Texto 1 (Ano 1) Planejamento do ensino: alfabetização e ensino/aprendizagem do componente curricular - Língua Portuguesa GRUPO B: Texto 1 (Ano 2) Planejamento no ciclo de alfabetização: objetivos e estratégias para o ensino relativo ao componente curricular - Língua Portuguesa GRUPO C: Texto 1 (Ano 3) Planejamento do ensino: princípios didáticos e modos de organização do trabalho pedagógico
  16. 16. Planejamento do ensino: eixos norteadores (Texto 1, Ano 1)  Planejar o ensino de Língua Portuguesa no ciclo de alfabetização requer a retomada dos eixos de ensino  O planejamento é diretamente afetado pela forma como compreendemos cada um desses eixos. Eixos de ensino da língua: norteadores do planejamento escolar leitura produção escrita análise linguística oralidade
  17. 17. Planejamento de ensino: o plano anual (Texto 1, Ano 1)  A importância do PLANO ANUAL  A relação entre plano anual, avaliação diagnóstica e metas de aprendizagem: De onde partir? Onde chegar? O que e como fazer? “(...) sem um plano anual, corremos o risco de deixarmos determinados conteúdos de lado, ou até mesmo priorizarmos uns em detrimento de outros, prejudicando, assim, o aprendizado de nossos alunos. Finalmente, ressaltamos a necessidade de se elaborar um planejamento anual de forma a podermos especificar nossas ações e termos clareza das metas de aprendizado para os nossos alunos e, a partir dele, elaborar planos semanais e diários, enfim, construir uma rotina de trabalho.” (Unidade 2, Ano 1, p. 16)
  18. 18. Planejamento de ensino: objetivos e estratégias (Texto 1, Ano 2) EIXO ESTRATÉGIAS Produção de texto Explorar as condições de produção: lugar, tempo reservado, público-alvo, forma de interação com o receptor do texto, posição social do locutor e do interlocutor, objetivo da interação Oralidade Incluir gêneros formais Analisar textos orais na modalidade oral (e não como transcrição) Análise linguística Utilizar jogos e atividades que promovam reflexão metafonológica em ações de comparar, montar e desmontar palavras Explorar a norma ortográfica
  19. 19. Planejamento de ensino: objetivos e estratégias (Texto 1, Ano 2) EIXO ESTRATÉGIAS Leitura Pré-leitura: Antecipar sentidos do texto Ativar conhecimentos prévios Estabelecer finalidades para a leitura Durante e/ou pós-leitura: Localizar informação explícita de um texto Elaborar inferências Estabelecer relações lógicas entre partes do texto Identificar tema ou apreender o sentido geral do texto Interpretar frases e expressões Distinguir ponto de vista do “autor” de opiniões do leitor Estabelecer relações de intertextualidade Explorar vocabulário e recursos coesivos Explorar características do gênero textual Explorar recursos estéticos e expressivos do texto Explorar imagens como elemento constitutivo de sentidos Explorar dialetos e registros Identificar ideia central a partir do texto Emitir opinião sobre o texto Responder aos textos (extrapolação) Levantar e confirmar hipóteses (previsões sobre o texto)
  20. 20. Sobre o planejamento de atividades de leitura:
  21. 21. Planejamento de ensino: didática e organização (Texto 1, Ano 3) Princípios didáticos sob a perspectiva sociointeracionista de ensino: 1. Ensino reflexivo 2. Ensino centrado na problematização 3. Ensino centrado na interação em pares 4. Ensino centrado na explicitação verbal 5. Favorecimento da argumentação 6. Sistematização dos saberes 7. Valorização dos conhecimentos dos alunos 8. Incentivo à participação dos alunos 9. Diversificação de estratégias didáticas 10.Ensino centrado na progressão Como podemos pensar tais princípios na prática? De que forma tais princípios contribuem para uma educação significativa e inclusiva?
  22. 22. A percepção das crianças sobre o planejamento...  Relato: aspectos valorizados pelas crianças (Unidade 2, Ano 3, p. 09) Leitura compartilhada: relatos de várias crianças (p.9-11)
  23. 23. Planejamento e rotina no ciclo de alfabetização Dinâmica: representações de ROTINA? ROTINA
  24. 24. Aprofundando o tema: a rotina no ciclo de alfabetização Leitura em grupos (Textos da Unidade 2) GRUPO A: Texto 2 (Ano 1) As rotinas da escola e da sala de aula: referências para a organização do trabalho do professor alfabetizador GRUPO B: Texto 2 (Ano 2) Rotinas de alfabetização na perspectiva do letramento: a organização do processo de ensino e de aprendizagem GRUPO C: Texto 2 (Ano 3) Rotina na alfabetização: integrando diferentes componentes curriculares
  25. 25. Rotina: organização do trabalho do professor (Texto 2, Ano 1)  Desmistificando certos sentidos de “rotina” e de “planejamento”... “Na década de 1980, com a difusão das teorias construtivista e sócio-interacionista de ensino aprendizagem, as práticas pedagógicas baseadas no desenvolvimento de rotinas pré-estabelecidas, que contemplavam a realização diária das mesmas atividades, passaram a ser amplamente criticadas. No entanto, por meio de uma interpretação equivocada da teoria construtivista, passou-se a criticar tudo o que se relacionava com planejamento e organização do trabalho pedagógico com a justificativa de que era “tradicional”, velho e ultrapassado. Tal fato fez crescer um discurso em prol da não sistematização do ensino e da falta de programação das atividades, com a justificativa de que o trabalho de sala de aula deveria considerar apenas o que os alunos traziam da sua realidade. O professor, nesse contexto, seria o mediador desses conhecimentos na sua prática cotidiana escolar e não precisaria se programar para realizar as atividades, pois estas iriam surgir na própria prática cotidiana.” (Unidade 2, Ano 1, p. 19)
  26. 26. Rotina: organização do trabalho do professor (Texto 2, Ano 1) Análise e problematização da rotina semanal (In: Unidade 2, Ano 1, p. 26): Em grupos, analise a rotina semanal da professora, identificando suas atividades permanentes, a relevância, de que forma a sistematização ocorre em sua rotina. Avalie o quadro comparando-o com sua realidade local.
  27. 27. Rotina: organização do ensino e aprendizagem (Texto 2, Ano 2) Questões norteadoras na organização das atividades:
  28. 28. Rotina: organização do ensino e aprendizagem (Texto 2, Ano 2) Como planejar considerando-se a heterogeneidade?
  29. 29. Análise e problematização da rotina semanal (In: Unidade 2, Ano 2, p. 25): Em grupos, analise a rotina semanal da professora, identificando os eixos de ensino bem como quais direitos de aprendizagem são contemplados/podem ser explorados (vide quadros da Unidade 1). Avalie a disposição desta rotina, sinalizando pontos positivos e negativos (se houver).
  30. 30. retomando os eixos e suas dimensões:  leitura e escrita  dimensão sociodiscursiva (condições de produção, propósitos, gêneros etc)  dimensão cognitiva (estratégias)  dimensão linguística (SEA)  oralidade  Valorização de textos de tradição oral  Oralização do texto escrito  Relações entre fala e escrita  Produção e compreensão de gêneros orais  análise linguística  Caracterização e reflexão sobre os gêneros e suportes textuais  Reflexão sobre o uso de recursos linguísticos para constituição de efeitos de sentido em textos orais e escritos (incluindo convenções gramaticais)  Domínio do sistema alfabético e norma ortográfica  Ensino de nomenclaturas gramaticais. Rotina: diferentes componentes curriculares (Texto 2, Ano 3)
  31. 31. Rotina: diferentes componentes curriculares (Texto 2, Ano 3) Como contemplar os diferentes eixos de ensino de modo integrado aos diferentes componentes curriculares? Os GÊNEROS TEXTUAIS como objetos de ensino e interação: considerar a variedade de gêneros e seu predomínio nas diversas áreas do conhecimento geografia e história matemática ciências literatura
  32. 32. Direitos de aprendizagem: História Leitura compartilhada: quadros (seção Compartilhando dos cadernos)  Leia as definições dos conceitos fundamentais da disciplina História (fatos históricos, sujeitos históricos e tempo)  Dê uma olhada nos quadros apresentados. Selecione alguns conhecimentos/habilidades e discuta em grupos de que maneira eles são/podem ser contemplados no ciclo de alfabetização.  Selecione um livro do PNLD Obras complementares e planeje uma atividade que contemple conhecimentos/habilidades expostas nos quadros de direitos de aprendizagem dos componentes curriculares História e Língua Portuguesa. (In: Sugestão para os encontros em grupos)
  33. 33. Recursos didáticos In: Unidade 2, Ano 1, p. 38-44  PNLD  PNLD Obras Complementares  Programa Nacional da Biblioteca da Escola (PNBE)  Programa Nacional da Biblioteca da Escola Especial (PNBE Especial)  PNLD Dicionários  Jogos de Alfabetização  PNBE do Professor  Coleção Explorando o Ensino Quais conhecemos? Quais usamos/podemos usar?
  34. 34. Recursos didáticos essenciais no ciclo de alfabetização In: Unidade 2, Ano 1, p. 32 1 – Livros que aproximem as crianças do universo literário, ajudando-as a se constituírem como leitoras, a terem prazer e interesse pelos textos, a desenvolverem estratégias de leitura e a ampliarem seus universos culturais, tais como os livros literários de contos, poemas, fábulas, dentre outros. 2 – Livros que ampliem o contato com diferentes gêneros e espaços sociais, considerando as diferentes finalidades de leitura, tais como os livros de reflexão sobre o mundo da ciência, as biografias, os dicionários, os livros de receitas, dentre outros. 3 – Livros que estimulem a brincadeira com as palavras e promovam os conhecimentos sobre o Sistema de Escrita Alfabética. 4 – Revistas e jornais variados que promovam a diversão e o acesso a informações, tais como os jornais, com destaque aos suplementos infantis, as revistas infantis e os gibis. 5 – Os livros didáticos, que agrupam textos e atividades variadas.
  35. 35. Recursos didáticos essenciais no ciclo de alfabetização 6 – Materiais que estimulem a reflexão sobre palavras, com o propósito de ensinar o sistema alfabético e as convenções ortográficas, tais como jogos de alfabetização, abecedários, pares de fichas de palavras e figuras, envelopes com figuras e letras que compõem as palavras representadas pelas figuras e coleções de atividades de reflexão sobre o funcionamento do sistema de escrita. 7 – Os materiais que circulam nas ruas, estabelecimentos comerciais e residências, com objetivos informativos, publicitários, dentre outros, como os panfletos, cartazes educativos e embalagens. 8 – Os materiais cotidianos com os quais nos organizamos no tempo e no espaço, como calendários, folhinhas, relógios, agendas, quadros de horários de todos os tipos, catálogos de endereços e telefones, mapas, tinerários de transportes públicos etc. 9 – Os registros materiais a respeito da vida da criança e dos membros de seus grupos de convívio: registro de nascimento/batismo ou casamento (dos pais e/ou dos parentes), boletim escolar, cartões de saúde/vacinação, fotografias (isoladas e em álbuns), cartas ou e-mails, contas domésticas, carnês, talões cheque, cartões de crédito etc. 10 – Recursos disponíveis na sociedade que inserem as crianças em ambientes virtuais e que promovem o contato com outras linguagens (televisão, o rádio, o computador, dentre outros).
  36. 36. 2º DIA O SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA
  37. 37. Agenda do dia Manhã: Iniciando a conversa...  Levantamento das concepções sobre SEA  Discussão: algumas polêmicas  Estudo dirigido: Unidade 3, Ano 1 Tarde: Aprofundando o tema / Compartilhando / Aprendendo Mais  Estudo dirigido: Unidade 3, Anos 2 e 3  Compartilhando: relatos de professoras  Recursos didáticos
  38. 38. Objetivos da Unidade 3  Entender a concepção de alfabetização na perspectiva do letramento, compreendendo que a aprendizagem da escrita alfabética constitui um processo de compreensão de um sistema de notação e não a aquisição de um código;  Analisar as contribuições da teoria da psicogênese da escrita para compreensão do processo de apropriação do Sistema de Escrita Alfabética;  Entender as relações entre consciência fonológica e alfabetização, analisando e planejando atividades de reflexão fonológica e gráfica de palavras, utilizando materiais distribuídos pelo MEC;  Analisar diferentes alternativas didáticas para o ensino do Sistema de Escrita Alfabética com uso de diferentes materiais distribuídos pelo MEC, identificando os objetivos a elas associados.
  39. 39. Referências Fontes de referência: UNIDADE 3  ANO 1: A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA  ANO 2: A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO  ANO 3: O ÚLTIMO ANO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO: CONSOLIDANDO OS CONHECIMENTOS
  40. 40. Iniciando a conversa 1) Retome os objetivos desta Unidade (slide anterior) e tente antecipar a discussão dos cadernos, utilizando seus conhecimentos prévios acerca dos conceitos ali mencionados. 2) Discuta:  Como se constitui na prática uma concepção de alfabetização na perspectiva do letramento?  Qual é a importância de nos voltarmos para as hipóteses de escrita das crianças?  O que seria uma “atividade de consciência fonológica”?
  41. 41. Aprofundando o tema Leitura em grupos (Textos da Unidade 3, Ano 1) GRUPO A: Texto 1 A escrita alfabética: por que ela é um sistema notacional e não um código? Como as crianças dela se apropriam? Artur Gomes de Morais Tânia Maria S.B. Rios Leite GRUPO B: Texto 2 O Ensino do Sistema de Escrita Alfabética: por que vale a pena promover algumas habilidades de consciência fonológica? Tânia Maria S. B. Rios Leite Artur Gomes de Morais
  42. 42. Escrita como sistema notacional e não um código (Texto 1, Ano 1)
  43. 43. Escrita como sistema notacional e não um código (Texto 1, Ano 1) O que são sistemas notacionais? “Assim como a numeração decimal e a moderna notação musical (com pentagrama, claves de sol, fá e ré), a escrita alfabética é um sistema notacional. Nestes sistemas, temos não só um conjunto de “caracteres” ou símbolos (números, notas musicais, letras), mas, para cada sistema, há um conjunto de “regras” ou propriedades , que definem rigidamente como aqueles símbolos funcionam para poder substituir os elementos da realidade que notam ou registram.” (Unidade 3, Ano 1, p. 11) Quais seriam, então, essas propriedades?
  44. 44. As propriedades do SEA (Morais, 2012) (Texto 1, Ano 1)
  45. 45. Revisando o percurso de escrita das crianças (Texto 1, Ano 1)  PRÉ-SILÁBICO
  46. 46. Revisando o percurso de escrita das crianças (Texto 1, Ano 1)  SILÁBICO
  47. 47. Revisando o percurso de escrita das crianças (Texto 1, Ano 1)  SILÁBICO-ALFABÉTICO
  48. 48. Revisando o percurso de escrita das crianças (Texto 1, Ano 1)  ALFABÉTICO (Unidade 3, Ano 1, p.12-15)
  49. 49. Compreendendo as hipóteses de escrita da criança Por que essa criança está escrevendo desse jeito?  Revolução: consciência de que o que colocamos no papel tem relação com as partes orais  Emília Ferreiro chama esse período de fonetização da escrita.  Natural para a criança: uma letra para cada sílaba.
  50. 50. Compreendendo as hipóteses de escrita da criança Por que essa criança está escrevendo desse jeito?  Ainda não compreende que a escrita nota a pauta sonora  Passível de REALISMO NOMINAL (coisas grandes, muitas letras...)  Desafio: perceber a relação grafia-som
  51. 51. Compreendendo as hipóteses de escrita da criança Por que essa criança está escrevendo desse jeito?  Começa a relacionar os sons no interior das sílabas  Percebe que as letras representam sons menores que sílabas  Dilema: hipótese silábica e hipótese alfabética (macaco = A A O )
  52. 52. Compreendendo as hipóteses de escrita da criança Por que essa criança está escrevendo desse jeito?  Já compreende que a escrita nota a pauta sonora das palavras  “Deslizes” ortográficos ainda são recorrentes  Alcançar a hipótese alfabética não significa estar alfabetizado  Necessidade de consolidação do aprendizado das normas ortográficas
  53. 53. Discussão  Que intervenções poderão ser pensadas para cada uma das etapas de escrita anteriormente apresentadas?  Por que vale a pena promover algumas habilidades de consciência fonológica?  Como esse trabalho é sugerido no Pacto e como ele dialoga com a proposta em curso?
  54. 54. Consciência fonológica: conceito (Texto 2, Ano 1) “(...) a consciência fonológica é um vasto conjunto de habilidades que nos permitem refletir sobre as partes sonoras das palavras (cf. BRADLEY; BRYANT, 1987; CARDOSO-MARTINS, 1991; FREITAS, 2004; GOMBERT, 1992). Sim, além de usar as palavras para nos comunicar, podemos assumir diante delas uma atitude metacognitiva, refletindo sobre sua dimensão sonora.” (Unidade 3, Ano 1, p. 20) “Dizemos que um indivíduo exerce uma atividade metacognitiva quando ele, conscientemente, analisa seu raciocínio e suas ações mentais, “monitorando” seu pensamento. Quando a pessoa faz isso sobre a linguagem oral ou escrita, dizemos que ela está exercendo uma atividade metalinguística. Tal reflexão consciente sobre a linguagem pode envolver palavras, partes das palavras, sentenças, características e finalidades dos textos, bem como as intenções dos que estão se comunicando oralmente ou por escrito. Quando reflete sobre os segmentos das palavras, a pessoa está pondo em ação a consciência fonológica.” (Unidade 3, Ano 1, p. 21)
  55. 55. O que a consciência fonológica NÃO é... Consciência fonológica não é sinônimo de método fônico Nos métodos fônicos, os alfabetizandos são treinados a pronunciar isoladamente os fonemas das palavras. Seus autores e defensores acreditam que, segmentando oralmente os fonemas das palavras e memorizando as letras a eles correspondentes, as crianças dominariam a escrita alfabética. (Unidade 3, Ano 1, p. 23) (...) a capacidade de refletir sobre partes sonoras das palavras é uma condição necessária para a criança avançar em direção a uma hipótese alfabética, mas não é condição suficiente para dar conta de reconstruir as 10 propriedades do SEA apresentadas no Quadro 1 de seção anterior, neste caderno. (Unidade 3, Ano 1, p. 24)
  56. 56. O que a consciência fonológica NÃO é... Consciência fonológica não é sinônimo de consciência fonêmica É preciso esclarecer, portanto, que “consciência fonológica” não é sinônimo de “consciência fonêmica” ou de “método fônico”, uma vez que o que consideramos como “consciência fonológica” é mais abrangente que a consciência fonêmica, envolvendo não apenas a capacidade de analisar e manipular fonemas, mas também, e sobretudo, unidades sonoras como sílabas e rimas. (Unidade 3, Ano 2, p. 10)
  57. 57. Algumas interpretações em torno do tema... “Infelizmente, em tempos recentes, esse ensino tem, muitas vezes, sido abandonado, porque supostamente estaria relacionado aos tradicionais métodos de alfabetização, que promoviam um ensino direto, explícito e sistemático do SEA por meio da repetição e da memorização. Tal fenômeno tem sido denominado por Soares (2004) de “desinvenção da alfabetização”, para expressar o processo de obscurecimento e, consequentemente, de destituição da especificidade da alfabetização em relação ao letramento. Essa autora adverte que se age “como pudesse ocorrer de forma incidental e natural a aprendizagem de objetos de conhecimento que são convencionais e, em parte significativa, arbitrários – o sistema alfabético e o sistema ortográfico .” (Unidade 3, Ano 2, p. 15-16)
  58. 58. Consciência fonológica: exemplos (Texto 2, Ano 1) Diferentes tipos de operação e tipos de segmento sonoro (portanto, para além do nível fonêmico)
  59. 59. Como planejar atividades de consciência fonológica? Reconhecendo que a consciência fonológica é uma condição necessária, mas não suficiente para uma criança se alfabetizar, consideramos essencial criar situações por meio das quais nossos alunos possam refletir sobre as formas orais e escritas das palavras. Elas envolvem as capacidades de partir palavras em sílabas, comparar palavras quanto ao tamanho, comparar palavras quanto a semelhanças sonoras (de suas sílabas, rimas ou fonemas iniciais). Nessa perspectiva, alguns textos se prestam especialmente para refletirmos sobre a dimensão sonora das palavras. Eles são textos poéticos (músicas, quadrinhas, cantigas, parlendas) e trava-línguas que contêm rimas e aliterações (isto é, sílabas ou fonemas idênticos, no início ou no meio da palavra). Por serem curtos e os alunos, muitas vezes, os saberem de cor, seu uso permite uma reflexão específica sobre as relações entre partes orais (o que pronunciamos) e as partes escritas do texto (as palavras, sílabas e letras) que substituem, no papel, o que pronunciamos, ao cantar o texto. (Unidade 3, Ano 1, p. 29 )
  60. 60. Consciência fonológica: contexto e ludicidade “Para alguns docentes, existe uma questionável compreensão de que ter momentos dedicados ao ensino daqueles temas pode significar um retorno a uma abordagem tradicional de alfabetização. A discussão mais relevante, entretanto, não deve ser acerca da presença ou ausência do ensino, mas sobre como as correspondências letra-som podem ser ensinadas de forma reflexiva e prazerosa.” (Unidade 3, Ano 3, p. 08) Consciência fonológica: reflexão sobre a relação entre partes orais e escritas de forma sistematizada, contextualizada e lúdica
  61. 61. A consciência fonológica e seu papel inclusivo (Texto 2, Ano 1) “(...) as habilidades de consciência fonológica importantes para uma criança se alfabetizar não aparecem com a maturação biológica, como parte do desenvolvimento corporal. Elas dependem de oportunidades para refletir sobre as palavras em sua dimensão sonora e, portanto, a escola tem um papel essencial em fomentar seu desenvolvimento no final da educação infantil e no começo do ensino fundamental” (Unidade 3, Ano 1, p. 23)
  62. 62. 1º ANO DO CICLO
  63. 63. Apropriação do SEA no 1º ano do ciclo Quadro “Análise Linguística: Apropriação do SEA” – ANO 1
  64. 64. Compartilhando... Leitura em grupos seguida de relato e discussão (Textos da Unidade 3, Ano 1) GRUPO A: Texto: Trabalhando as atividades do livro didático em sala de aula GRUPO B: Texto: Os jogos como importante recurso didático para a aprendizagem do SEA GRUPO C: Texto: O trabalho em sala de aula com os livros dos acervos complementares
  65. 65. 2º ANO DO CICLO
  66. 66. Aprofundando o tema Leitura em grupos (Textos da Unidade 3, Ano 2) GRUPO A: Texto 1 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidação da alfabetização GRUPO B: Texto 2 O ensino do Sistema de Escrita Alfabética no segundo ano do ciclo de alfabetização
  67. 67. Apropriação do SEA no 2º ano do ciclo Voltado para a consolidação desse processo  domínio das correspondências som-grafia da língua  Reconhecimento e uso de diferentes tipos de letra  Uso do espaço em branco na separação de palavras  ensino sistemático das relações entre sons e grafias (por serem convencionais, não serão descobertas espontaneamente pela criança) “Estas não são relações que podem ser construídas individualmente pelas crianças, por meio de um processo espontâneo de interação com a escrita, pois isso resultaria em relações arbitrárias. Sendo assim, para que as crianças elaborem com precisão essas relações, é necessária uma ação intencional, deliberada e planejada por parte dos professores alfabetizadores.” (Gontijo, 2008, p. 121 apud Unidade 3, Ano 2, p.22)
  68. 68. A apropriação do SEA no 2º ano do ciclo Quadro “Análise Linguística: Apropriação do SEA” – ANO 2
  69. 69. Compartilhando... Leitura em grupos seguida de relato e discussão (Textos da Unidade 3, Ano 2) GRUPO A: Texto: Relato de experiência de ensino do Sistema de Escrita Alfabética com o uso do livro didático GRUPO B: Texto: Indicações de obras complementares para o ensino do Sistema de Escrita Alfabética
  70. 70. 3º ANO DO CICLO
  71. 71. Aprofundando o tema Leitura em grupos (Textos da Unidade 3, Ano 3) GRUPO A: Texto 1 A consolidação das correspondências letra-som no último ano do ciclo de alfabetização GRUPO B: Texto 2 O ensino da ortografia no 3º ano do 1º ciclo: o que devemos propor aos alunos no “último” ano da alfabetização?
  72. 72. A apropriação do SEA no 3º ano do ciclo Quadro “Análise Linguística: Discursividade, textualidade, normatividade” – ANO 3
  73. 73. Trabalhar ortografia não implica memorização... “Um ensino sistemático da ortografia não significa que se deva enfatizar a memorização, mas, sim, estabelecer debates sobre os princípios gerativos da norma (as regras). O ensino da ortografia deve ser contínuo ao longo de todo ensino fundamental, apesar de propormos a consolidação de algumas regularidades no ano 3 do Ensino Fundamental, essas mesmas regularidades devem ser retomadas em outras etapas da escolarização. Reforçamos, ainda, que o trabalho mais sistemático com ortografia só deve ser iniciado após domínio do SEA pelas crianças.” (Unidade 3, Ano 3, p. 32)
  74. 74. Exemplos de atividades... Dinâmica: 4 grupos Cada grupo apresenta e discute as atividades sugeridas com base em Leal (2004) In: Unidade 3, Ano 3, p. 10 a 18  Atividades envolvendo a sistematização das correspondências som-grafia  Atividades envolvendo consciência fonológica  Atividades para desenvolver a fluência de leitura  Atividades envolvendo leitura e produção de texto
  75. 75. Compartilhando... Leitura em grupos seguida de relato e discussão (Textos da Unidade 3, Ano 3) GRUPO A: Texto: Obras complementares e jogos: possibilidades de uso nas turmas do ano 3 GRUPO B: Texto: Sequência de atividade para regularidade ortográfica R e RR GRUPO C: Texto: Sugestão de jogo envolvendo o ensino da ortografia
  76. 76. 3º DIA ENCAMINHAMENTOS / PRE-PLANEJAMENTO
  77. 77. Agenda do dia Manhã: Iniciando a conversa...  Encaminhamento de tarefas (para retomada no Módulo III)  Preparação de questões para o período da tarde  Pre-planejamento do 2º Encontro com os Profs. Alfabetizadores  Avaliação do Módulo II Tarde: Aprofundando o tema / Compartilhando / Aprendendo Mais  Mesa-redonda: Prof. Dr. Emerson Pietri (FEUSP)
  78. 78. Tarefa de casa... Encaminhamento de tarefa (a ser retomada no próximo Módulo)
  79. 79. Problematizações... Levantamento de questões para a mesa-redonda
  80. 80. PRE-PLANEJAMENTO

×