Ce diaporama a bien été signalé.
Nous utilisons votre profil LinkedIn et vos données d’activité pour vous proposer des publicités personnalisées et pertinentes. Vous pouvez changer vos préférences de publicités à tout moment.
Artigo de opinião
Professora Ana Lúcia Moura Neves
Artigo de
opinião
É um
gênero
textual
Dissertativo
Discorre sobre um tema específico.
Argumentativo
Mostra o ponto de vist...
A diferença é que,
na notícia, o jornalista
traz informações sobre
dados e fatos, e no
artigo de opinião, o
articulista op...
Não merecemos Carnaval
Alexandre Vidal Porto
Nos últimos dias, estive em Denver, Nova York e Washington. Nos Estados
ouvi ...
De acordo com pesquisa citada pelo site "Business Insider", o Brasil tem 19
das 50 cidades mais violentas do planeta em te...
Antes que o Planalto acuse: não se trata de complexo de vira-latas nem de
complô contra o Brasil. Trata-se da realidade qu...
Enquanto isso, passamos semanas nos preaquecendo para o Carnaval.
Nas minhas mídias sociais, as pessoas aparecem fantasiad...
Para discussão…
 Quem é o autor do texto? Em que esse autor é especialista?
 Onde o texto foi publicado?
 Qual a questã...
Estrutura do artigo de opinião
SEMPRE
POLÊMICO
CONTESTAÇÃO
Leia o artigo de opinião Engravidar é um ato egoísta e identifique
nele os seguintes aspectos do artigo de opinião:
 A au...
Engravidar é um ato egoísta
Desde a desinformação entre os mais pobres até a irresponsabilidade de
de classe média.
Karen ...
Há vários motivos para essa explosão demográfica. Desde a desinformação
entre os mais pobres até a irresponsabilidade de f...
Países como o Brasil precisam abandonar posturas hipócritas que dificultam a
adoção internacional. As nações ricas, que tê...
Depois de conversar com várias pessoas sobre esse tema, costumo ouvir os
mesmos argumentos. O mais enfático deles é aquele...
Se a genética e o desejo de engravidar não justificam o repúdio contra a
adoção, é possível concluir que o que as futuras ...
Lembre-se de que, em um artigo de
opinião, você deve
 começar contextualizando, ou seja, relatando um fato ou um conjunto...
Prochain SlideShare
Chargement dans…5
×

Artigo de opinião

1 025 vues

Publié le

leitura de artigo de opinião, partes e características do artigo de opinião

Publié dans : Formation
  • Identifiez-vous pour voir les commentaires

Artigo de opinião

  1. 1. Artigo de opinião Professora Ana Lúcia Moura Neves
  2. 2. Artigo de opinião É um gênero textual Dissertativo Discorre sobre um tema específico. Argumentativo Mostra o ponto de vista do autor sobre o assunto usando argumentos com o objetivo de convencer o leitor. Diferencia-se da dissertação clássica por ser POLÊMICO e manifestar claramente a posição do autor.
  3. 3. A diferença é que, na notícia, o jornalista traz informações sobre dados e fatos, e no artigo de opinião, o articulista opina sobre a questão polêmica que uma notícia pode despertar. O artigo de opinião, normalmente, é publicado em jornais e revistas e, nele, o autor fala sobre um fato atual, alguma notícia ou assunto em voga.
  4. 4. Não merecemos Carnaval Alexandre Vidal Porto Nos últimos dias, estive em Denver, Nova York e Washington. Nos Estados ouvi falar do Brasil mais do que gostaria. Em todos os canais de notícia, nosso país aparece como referência de ponto da epidemia de zika. Nos restaurantes, as pessoas comentam. Sem nos darmos conta, transformamo-nos em ameaça para a saúde global. falando para o mundo. O Brasil tornou-se território estéril, o país em que não se pode engravidar. Você, mulher em idade reprodutiva, viria para cá? Faremos uma Olímpiada no Rio de Janeiro, e a notícia que vemos estampada mundo afora é a de lixo boiando nas águas pútridas da baía de Guanabara. As fotos da imundície não são montagem, e os atletas estrangeiros expressam preocupação. As autoridades brasileiras dizem que a água é segura. Você e daria um mergulho?
  5. 5. De acordo com pesquisa citada pelo site "Business Insider", o Brasil tem 19 das 50 cidades mais violentas do planeta em termos de homicídios per capita. É mais fácil ser assassinado no Brasil que na maioria dos países do mundo. Se você for homossexual ou negro, suas chances de ter morte violenta são ainda maiores. Você se arriscaria a vir passar as férias no Brasil e virar estatística de criminalidade? As referências elogiosas ao país desapareceram. Ninguém entende exatamente o que acontece. Quando me pedem para explicar, eu falo de uma classe política parasitária, de falta de espírito público e vergonha na cara, de incompetência, arrogância e corrupção. A sensação que fica é de que o país é um lugar perigoso, berço de desonestos, onde se morre antes da hora.
  6. 6. Antes que o Planalto acuse: não se trata de complexo de vira-latas nem de complô contra o Brasil. Trata-se da realidade que nós, ignorando ou não, vivemos. Até a simpatia com que contavam os brasileiros mundo afora parece ter-se perdido na cara amarrada da presidente que não consegue presidir. O mundo até queria gostar do Brasil, mas o país não se ajuda. Você gastaria seu dinheirinho para vir para cá? Você se arriscaria a sofrer violência desnecessariamente, a adoecer por descaso das autoridades sanitárias, a ter um filho microcefálico porque quem tinha de fazer seu trabalho não fez? Viver já é perigoso demais para que você se exponha às estatísticas. Para ter férias e diversão, há muitos outros lugares além do nosso desgovernado país –e sempre se pode assistir à Olímpiada na televisão.
  7. 7. Enquanto isso, passamos semanas nos preaquecendo para o Carnaval. Nas minhas mídias sociais, as pessoas aparecem fantasiadas, e uma amiga me disse ontem que passou a tarde costurando uma saia de cetim azul. Pergunto-me como nos damos ao luxo, com tanta coisa precisando ser feita no país. Eu não entendo. O resto do mundo não entende. Nada me parece mais individualista e inconsequente do que dançar enquanto nosso país se desfaz. Não merecemos recesso –momesco ou não– enquanto não terminarmos a faxina da sujeira que nos envolve. http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandrevidalporto/2016/02/1736036-nao-merecemos-carnaval.shtml (Acesso em 18/05/2016)
  8. 8. Para discussão…  Quem é o autor do texto? Em que esse autor é especialista?  Onde o texto foi publicado?  Qual a questão polêmica?  O autor refere-se a um acontecimento que o levou a escrever artigo. Que acontecimento foi esse?  Qual a posição do autor a respeito da polêmica?  Que argumentos ele usa para justificar sua posição?  No texto, o autor apresenta argumentos de pessoas que discordam dele. Que argumentos são esses?  O autor propõe alguma alternativa de solução para a polêmica?
  9. 9. Estrutura do artigo de opinião SEMPRE POLÊMICO CONTESTAÇÃO
  10. 10. Leia o artigo de opinião Engravidar é um ato egoísta e identifique nele os seguintes aspectos do artigo de opinião:  A autora do texto e sua especialidade.  Onde e quando o texto foi publicado.  Qual a questão polêmica e qual a tese da autora sobre essa questão.  A situação que levou a autora a escrever sobre o tema.  Os argumentos ela usa para justificar sua posição.  Os argumentos que a autora apresenta de pessoas que dela e como ela contesta esses argumentos. A proposta da autora para solucionar a questão.
  11. 11. Engravidar é um ato egoísta Desde a desinformação entre os mais pobres até a irresponsabilidade de de classe média. Karen Gimenez É provável que minhas palavras incomodem as leitoras da Super que estão folheando a revista ao lado de seus rechonchudos bebês. Ou mesmo desperte sanha dos cristãos mais fervorosos que lembrarão a célebre frase bíblica e multiplicai-vos”. Acontece que, quando tal frase foi dita, a humanidade vivia num mundo completamente diferente. Ainda não havia recenseamento populacional preciso e a Terra parecia pronta para receber todos que aqui chegassem. Hoje, isso não é mais verdade. Dados internacionais mostram que mais de seis bilhões de seres humanos sobre o planeta. O pior é que, em 2050, esse número deve saltar para nove bilhões. Ou seja: em pouco menos de 50 anos, adicionaremos no planeta a metade da população que temos hoje – e custa nada lembrar que levamos cerca de 100 000 anos para atingir esse
  12. 12. Há vários motivos para essa explosão demográfica. Desde a desinformação entre os mais pobres até a irresponsabilidade de famílias de classe média. Independentemente do motivo, o fato é que a população cresce em progressão geométrica, aumentando os problemas sociais e gerando mais violência. Países como a China tentam aplicar o controle de natalidade. Mas o problema é mundial e precisa ser encarado de frente por todos. Não dá mais para se esconder atrás de dogmas morais ou religiosos, enaltecendo o dom da maternidade e o milagre de gerar uma nova vida. Por motivos que estão mais ligados ao lucro do que a preocupações humanitárias, a ciência colabora com essa explosão populacional desenvolvendo, a cada dia, métodos de fertilização artificial. Mas por que, em vez de gerar cada vez mais crianças, não damos condições decentes às que estão abandonadas ou que são obrigadas a trabalhar em fornos de carvão? Em vez de promover métodos de fertilização artificial, por que não se promovem eficientes campanhas de adoção?
  13. 13. Países como o Brasil precisam abandonar posturas hipócritas que dificultam a adoção internacional. As nações ricas, que têm taxas de crescimento negativo, precisam de crianças. Já o Brasil, a Índia e a China têm milhares de crianças desamparadas. Por que, então, não facilitamos o caminho para que elas possam ser criadas por quem tem condições de dar-lhes uma vida confortável? Infelizmente, a hipocrisia não é só do governo. É também de boa parte da imprensa e da população. As mulheres que passam anos fazendo tratamento para engravidar, gastando até dezenas de milhares de dólares, são consideradas, por boa parte das pessoas, heroínas. Tudo porque conseguiram gerar uma nova vida. Imagine o quanto seria útil se todo esse investimento fosse usado para educar crianças que já nasceram.
  14. 14. Depois de conversar com várias pessoas sobre esse tema, costumo ouvir os mesmos argumentos. O mais enfático deles é aquele que defende o desejo da mulher de gerar uma vida dentro de si. Não haveria nada, afinal, que substituísse o ato de sentir um novo ser crescendo dentro da barriga de uma mulher. Mas, ao seguir essa linha de raciocínio, o que a mulher busca, na verdade, é a auto-satisfação – e não seria exagero dizer que ela estaria mais preocupada em conquistar esse prazer do que pensando no bebê em si. Outra argumentação comum é a de que, ao adotar um bebê, não se tem a garantia de saber a origem da criança. Essa desconfiança parte da tese, sem fundamento, de que o filho de um criminoso pode se tornar um criminoso, mesmo que cresça cercado de carinho. Pelo que eu sei, os genes não garantem que alguém será um mau-caráter ou um cidadão exemplar. Até porque criminosos como Hitler e o “Unabomber” eram filhos legítimos de famílias consideradas normais.
  15. 15. Se a genética e o desejo de engravidar não justificam o repúdio contra a adoção, é possível concluir que o que as futuras mães querem é a garantia de que seus filhos terão um tom de pele próximo do delas. O desejo de engravidar a qualquer custo também tem seu lado racista. Até mesmo porque boa parte das crianças abandonadas que poderiam ser adotadas no Brasil são negras. Num planeta cada vez mais desigual, uma mulher que investe em tratamentos para gravidez é, de certa forma, uma egoísta – assim como um casal que tem cinco ou seis filhos. Não têm qualquer preocupação com o futuro do bebê nem com o futuro do planeta. Essa mulher quer apenas provar para ela e para a sociedade que é capaz de cumprir uma falsa obrigação moral: engravidar num mundo cada vez mais cheio de gente. Revista Superinteressante, edição 180, setembro de 2002
  16. 16. Lembre-se de que, em um artigo de opinião, você deve  começar contextualizando, ou seja, relatando um fato ou um conjunto de fatos que levou você a escrever sobre aquele tema;  posicionar-se em relação à questão polêmica que você está colocando em discussão;  conversar com o leitor, chamando-lhe a atenção em determinados momentos, apelando para seu raciocínio e chamando-o para concordar com você;  fazer uso consciente da adjetivação. O uso de adjetivos fortes para desmerecer a opinião contrária à sua é um traço marcante do artigo de opinião.

×