SlideShare une entreprise Scribd logo
1  sur  43
MUSEU-FÓRUM:
TEORIA E EMERGÊNCIA NA CIBERCULTURA
PESQUISA EXPLORATÓRIA GEROU A PERGUNTA INICIAL ...
Se alguém tivesse de projetar formas
de presença online de um museu de
ciências brasileiro, quais deveriam ser
as orientações teóricas e as bases
tecnológicas?
... QUE GEROU MUITAS OUTRAS PERGUNTAS ...
Estudos
CTS?
Que
tecnologias
WEB?
O que há
de novo na
museologia?
O que é
um museu,
afinal??
E a situação
brasileira?
CONTRIBUIÇÕES DOS ESTUDOS CTS PARA A
CONCEPÇÃO DE MUSEUS DE CIÊNCIAS NA INTERNET
• ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA (STS)
• CTS NA AMÉRICA LATINA
HOJE: TEORIA POLÍTICA
Pressuposto:
A dependência do conhecimento especialista é
o problema-chave da democracia contemporânea.
Reivindicação:
O reconhecimento da esfera técnica como esfera
política.
Conseqüência:
Substituição do Modelo de Déficit de
Conhecimento pelo Modelo Construtivista
/Interacionista CTS
ESPECIALISTAS LEIGOS
CONTRIBUIÇÕES
DOS ESTUDOS CTS
PARA A CONCEPÇÃO
DE MUSEUSDE CIÊNCIAS
NA INTERNET
• ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA (STS)
• CTS NA AMÉRICA LATINA
Pressupostos do Modelo de Déficit de
Compreensão Pública da Ciência
Falta de capacidade do público em
compreender as conquistas da ciência;
A superação do estado de ignorância resulta
em atitudes favoráveis às inovações
tecnocientíficas;
Problematização das relações entre ciência e
público polarizando o discurso neste último.
Resultado: Adoção de uma postura
transmissionista de informação
ESPECIALISTAS LEIGOS
CONTRIBUIÇÕES
DOS ESTUDOS CTS
PARA A CONCEPÇÃO
DE MUSEUSDE CIÊNCIAS
NA INTERNET
• ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA (STS)
• CTS NA AMÉRICA LATINA
Problema:
Escassez de espaços públicos latino-
americanos disponíveis para a prática do
debate público entre especialistas e não-
especialistas, fora dos sistemas formais
de Ensino.
CONTRIBUIÇÕES
DOS ESTUDOS CTS
PARA A CONCEPÇÃO
DE MUSEUSDE CIÊNCIAS
NA INTERNET
PAPEL SOCIAL DOS MUSEUS E
CENTROS DE CIÊNCIA NO SÉCULO XXI
FUNÇÃO DOS MUSEUS DE CIÊNCIAS
“mostrar a evolução da Natureza, do Homem e das suas
realizações científicas e técnicas; fornecer informação
inteligível sobre o avanço da Ciência e da Tecnologia;
fazer despertar no indivíduo, sobretudo jovem, uma
vocação destes domínios; educar, no sentido da aquisição
de um espírito e mentalidade científica; contribuir para que
o indivíduo não se sinta marginalizado ou temeroso
perante a Ciência e a Tecnologia e possa compreender,
avaliar e julgar os diferentes usos – incluindo os negativos
- que delas faz a sociedade contemporânea.”
(GIL, 1988, p.74) (grifo meu)
Para redefinir sua função social, em uma
sociedade moldada tecnologicamente, os
museus deveriam praticar uma negociação
mais estreita com seu público, adquirindo a
função de mediadores entre sociedade e
organismos decisórios.
PAPEL SOCIAL DOS
MUSEUS E CENTROS
DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
MUSEUS
lugares de OBJETOS
ou
lugares de IDÉIAS?
PAPEL SOCIAL DOS
MUSEUS E CENTROS
DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
MUSEU TEMPLO
Lugar do acervo.
+
MUSEU FÓRUM
Lugar de confrontação,
experimentação e debate.
PAPEL SOCIAL DOS
MUSEUS E CENTROS
DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
..............................................
The Museum, A Temple Or The
Forum, Duncan Cameron, 1971
MUSEU FÓRUM
Ao considerar o problema de restrição
orçamentária para a construção do fórum
como espaço público distinto, mas
complementar ao museu, Cameron sugeriu
que, na impossibilidade do distanciamento
estrutural, os ambientes fossem diferenciados
com recursos visuais e psicológicos.
PAPEL SOCIAL DOS
MUSEUS E CENTROS
DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
AS PRÁTICAS MUSEOLÓGICAS EMERGENTES NA
INTERNET E AS TECNOLOGIAS QUE AS VIABILIZAM
TRANSMISSÃO
DE INFORMAÇÃO
INTERAÇÃO
SOCIAL
INTERAÇÃO
ENTRE DADOS
AS PRÁTICAS
MUSEOLÓGICAS
EMERGENTES NA
INTERNET E AS
TECNOLOGIAS
QUE AS VIABILIZAM
Classificação de Piacente (1996):
folhetos, museu no mundo virtual
e realmente interativos
Problema:
Novas tecnologias e formas de
interação on line
AS PRÁTICAS
MUSEOLÓGICAS
EMERGENTES NA
INTERNET E AS
TECNOLOGIAS
QUE AS VIABILIZAM
(Na interação mútua) “os agentes
transformam-se mutuamente durante o
processo e o relacionamento que emerge
entre eles vai sendo recriado a cada
intercâmbio. Pode-se afirmar que se torna
impossível prever o que acontecerá nessas
interações (...) pois o encaminhamento do
relacionamento é negociado durante a
interação.
Por outro lado, as interações reativas (...)
são limitadas por certas determinações e,
se a mesma ação fosse tomada uma
segunda vez (mesmo que por outro
interagente), o efeito seria o mesmo.”
(PRIMO, 2007, p.57)
MUSEUS NA WEB - Espiral das Formas de Presença Online
MUSEUS NA WEB - Espiral das Formas de Presença Online
COMO SE CARACTERIZA O USO DA INTERNET
PELOS MUSEUS DE CIÊNCIAS BRASILEIROS?
4%
5%
MUSEUS DE CIÊNCIAS BRASILEIROS NA WEB
CONCLUSÃO
Os pressupostos dos Estudos CTS
podem ser uma alternativa ao Modelo de
Déficit de Conhecimento como orientador
das práticas de divulgação científica;
CONCLUSÃO
O conceito de Museu-Fórum constitui
uma resposta pertinente às demandas da
atualidade por agências mediadoras
entre sociedade e organismos
decisórios;
O estudo indicou que as práticas
museológicas emergentes na internet
caminham para a flexibilização da
autoridade museal, rumo à adoção de
uma postura dialógica com seu público.
Os museus, independente da tipologia,
tendem a ocupar e a se apropriar da web
em estágios evolutivos;
CONCLUSÃO
A Espiral Evolutiva das Formas de
Presença Online permite a visualização
do fenômeno progressivo, de ocupação a
apropriação da internet, pelos museus.
O atual estágio de desenvolvimento da
web favorece a configuração de Museus-
Fórum online;
CONCLUSÃO
A ocupação do ambiente virtual pelos
museus de ciências brasileiros limita-se,
quase que em sua totalidade, ao modelo
transmissionista de divulgação do museu
físico e de fornecimento de conteúdo
complementar às visitas, em um
comportamento típico da web de primeira
geração.
CONCLUSÃO
Acervos como objetos de aprendizagem,
elementos identitários de cada instituição
e objetos estratégicos para a deflagação
de diálogos
Público como intelecutores
Conhecimento como uma construção social
Museus online orientados pelos estudos
CTS entendem:
CONCLUSÃO
Espera-se que o presente esforço contribua
para uma maior compreensão do papel dos
museus em sociedades tecnocientíficas,
enfatizando que o déficit democrático não
pode ser vencido, unicamente, pelo
saneamento do déficit de conhecimento
científico, mas também pela ampliação das
formas de participação cidadã nas decisões
que afetam toda a sociedade.
Obrigada.
denise.eler@gmail.com

Contenu connexe

Similaire à Museus Eler 2008

Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
CursoTICs
 
Colecção públicos Serviços Educativos
Colecção públicos  Serviços EducativosColecção públicos  Serviços Educativos
Colecção públicos Serviços Educativos
João Lima
 
Arqueologia da mídia
Arqueologia da mídiaArqueologia da mídia
Arqueologia da mídia
Aline Corso
 
Livingstone cibercultura
Livingstone ciberculturaLivingstone cibercultura
Livingstone cibercultura
Gabi Senzafine
 
A ciência das relações públicas
A ciência das relações públicasA ciência das relações públicas
A ciência das relações públicas
Dragodragons
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizar
UEM
 

Similaire à Museus Eler 2008 (20)

"Biblioteconomia" no Orkut: estudo exploratório de uma comunidade virtual for...
"Biblioteconomia" no Orkut: estudo exploratório de uma comunidade virtual for..."Biblioteconomia" no Orkut: estudo exploratório de uma comunidade virtual for...
"Biblioteconomia" no Orkut: estudo exploratório de uma comunidade virtual for...
 
Arqueologia da mídia
Arqueologia da mídiaArqueologia da mídia
Arqueologia da mídia
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
 
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos OnlineAs Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
As Adaptações da Etnografia Virtual à Análise de Ambientes Gráficos Online
 
Colecção públicos Serviços Educativos
Colecção públicos  Serviços EducativosColecção públicos  Serviços Educativos
Colecção públicos Serviços Educativos
 
Antropolia, estudos culturais e educação
Antropolia, estudos culturais e educaçãoAntropolia, estudos culturais e educação
Antropolia, estudos culturais e educação
 
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
 
Arqueologia da mídia
Arqueologia da mídiaArqueologia da mídia
Arqueologia da mídia
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
 
Digital Ethnography: An Examination of the Use of New Technologies for Social...
Digital Ethnography: An Examination of the Use of New Technologies for Social...Digital Ethnography: An Examination of the Use of New Technologies for Social...
Digital Ethnography: An Examination of the Use of New Technologies for Social...
 
Cts apresentacao
Cts apresentacaoCts apresentacao
Cts apresentacao
 
Livingstone cibercultura
Livingstone ciberculturaLivingstone cibercultura
Livingstone cibercultura
 
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
 
Eler 2008 Mest Cefetmg Bx
Eler 2008 Mest Cefetmg BxEler 2008 Mest Cefetmg Bx
Eler 2008 Mest Cefetmg Bx
 
A ciência das relações públicas
A ciência das relações públicasA ciência das relações públicas
A ciência das relações públicas
 
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizar
 
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).pptCiencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
 
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).pptCiencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
 
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
 

Plus de Denise Eler

Plus de Denise Eler (19)

Ixdsa2011
Ixdsa2011Ixdsa2011
Ixdsa2011
 
DaVinci-Case_Isvor_Fiat
DaVinci-Case_Isvor_FiatDaVinci-Case_Isvor_Fiat
DaVinci-Case_Isvor_Fiat
 
MINDSETTING: A questão essencial para uma cultura de inovação
MINDSETTING: A questão essencial para uma cultura de inovação  MINDSETTING: A questão essencial para uma cultura de inovação
MINDSETTING: A questão essencial para uma cultura de inovação
 
DESIGN THINKING NO GLOBAL FORUM AMERICA LATINA 2011
DESIGN THINKING NO GLOBAL FORUM AMERICA LATINA 2011DESIGN THINKING NO GLOBAL FORUM AMERICA LATINA 2011
DESIGN THINKING NO GLOBAL FORUM AMERICA LATINA 2011
 
T shaped people
T shaped peopleT shaped people
T shaped people
 
Design Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação SustentávelDesign Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação Sustentável
 
Design Thinking na Indústria
Design Thinking na IndústriaDesign Thinking na Indústria
Design Thinking na Indústria
 
Design Thinking: pensamento estratégico
Design Thinking: pensamento estratégicoDesign Thinking: pensamento estratégico
Design Thinking: pensamento estratégico
 
Design Thinking - 10 faces da Inovação
Design Thinking - 10 faces da InovaçãoDesign Thinking - 10 faces da Inovação
Design Thinking - 10 faces da Inovação
 
4 aplicações do design thinking
4 aplicações do design thinking4 aplicações do design thinking
4 aplicações do design thinking
 
Design Thinking - Desing and Business
Design Thinking - Desing and BusinessDesign Thinking - Desing and Business
Design Thinking - Desing and Business
 
Think First Diagram
Think First DiagramThink First Diagram
Think First Diagram
 
design thinking - Think first diagram
design thinking - Think first diagramdesign thinking - Think first diagram
design thinking - Think first diagram
 
Design Thinking - Think first diagram
Design Thinking - Think first diagramDesign Thinking - Think first diagram
Design Thinking - Think first diagram
 
Design Thinking - Services Design
Design Thinking - Services DesignDesign Thinking - Services Design
Design Thinking - Services Design
 
Design Thinking e Educação Corporativa
Design Thinking e Educação CorporativaDesign Thinking e Educação Corporativa
Design Thinking e Educação Corporativa
 
Design Thinking - Calando o Advogado do Diabo nos Negócios
Design Thinking - Calando o Advogado do Diabo nos NegóciosDesign Thinking - Calando o Advogado do Diabo nos Negócios
Design Thinking - Calando o Advogado do Diabo nos Negócios
 
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE, un nouveau paradigme pour les métiers de l...
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE,  un nouveau paradigme pour les métiers de l...DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE,  un nouveau paradigme pour les métiers de l...
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE, un nouveau paradigme pour les métiers de l...
 
Design Durable
Design DurableDesign Durable
Design Durable
 

Dernier

Dernier (8)

ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 

Museus Eler 2008

  • 2. PESQUISA EXPLORATÓRIA GEROU A PERGUNTA INICIAL ... Se alguém tivesse de projetar formas de presença online de um museu de ciências brasileiro, quais deveriam ser as orientações teóricas e as bases tecnológicas?
  • 3. ... QUE GEROU MUITAS OUTRAS PERGUNTAS ... Estudos CTS? Que tecnologias WEB? O que há de novo na museologia? O que é um museu, afinal?? E a situação brasileira?
  • 4. CONTRIBUIÇÕES DOS ESTUDOS CTS PARA A CONCEPÇÃO DE MUSEUS DE CIÊNCIAS NA INTERNET
  • 5. • ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA (STS) • CTS NA AMÉRICA LATINA HOJE: TEORIA POLÍTICA Pressuposto: A dependência do conhecimento especialista é o problema-chave da democracia contemporânea. Reivindicação: O reconhecimento da esfera técnica como esfera política. Conseqüência: Substituição do Modelo de Déficit de Conhecimento pelo Modelo Construtivista /Interacionista CTS ESPECIALISTAS LEIGOS CONTRIBUIÇÕES DOS ESTUDOS CTS PARA A CONCEPÇÃO DE MUSEUSDE CIÊNCIAS NA INTERNET
  • 6. • ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA (STS) • CTS NA AMÉRICA LATINA Pressupostos do Modelo de Déficit de Compreensão Pública da Ciência Falta de capacidade do público em compreender as conquistas da ciência; A superação do estado de ignorância resulta em atitudes favoráveis às inovações tecnocientíficas; Problematização das relações entre ciência e público polarizando o discurso neste último. Resultado: Adoção de uma postura transmissionista de informação ESPECIALISTAS LEIGOS CONTRIBUIÇÕES DOS ESTUDOS CTS PARA A CONCEPÇÃO DE MUSEUSDE CIÊNCIAS NA INTERNET
  • 7. • ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA (STS) • CTS NA AMÉRICA LATINA Problema: Escassez de espaços públicos latino- americanos disponíveis para a prática do debate público entre especialistas e não- especialistas, fora dos sistemas formais de Ensino. CONTRIBUIÇÕES DOS ESTUDOS CTS PARA A CONCEPÇÃO DE MUSEUSDE CIÊNCIAS NA INTERNET
  • 8. PAPEL SOCIAL DOS MUSEUS E CENTROS DE CIÊNCIA NO SÉCULO XXI
  • 9. FUNÇÃO DOS MUSEUS DE CIÊNCIAS “mostrar a evolução da Natureza, do Homem e das suas realizações científicas e técnicas; fornecer informação inteligível sobre o avanço da Ciência e da Tecnologia; fazer despertar no indivíduo, sobretudo jovem, uma vocação destes domínios; educar, no sentido da aquisição de um espírito e mentalidade científica; contribuir para que o indivíduo não se sinta marginalizado ou temeroso perante a Ciência e a Tecnologia e possa compreender, avaliar e julgar os diferentes usos – incluindo os negativos - que delas faz a sociedade contemporânea.” (GIL, 1988, p.74) (grifo meu)
  • 10. Para redefinir sua função social, em uma sociedade moldada tecnologicamente, os museus deveriam praticar uma negociação mais estreita com seu público, adquirindo a função de mediadores entre sociedade e organismos decisórios. PAPEL SOCIAL DOS MUSEUS E CENTROS DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
  • 11. MUSEUS lugares de OBJETOS ou lugares de IDÉIAS? PAPEL SOCIAL DOS MUSEUS E CENTROS DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
  • 12. MUSEU TEMPLO Lugar do acervo. + MUSEU FÓRUM Lugar de confrontação, experimentação e debate. PAPEL SOCIAL DOS MUSEUS E CENTROS DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI .............................................. The Museum, A Temple Or The Forum, Duncan Cameron, 1971
  • 13. MUSEU FÓRUM Ao considerar o problema de restrição orçamentária para a construção do fórum como espaço público distinto, mas complementar ao museu, Cameron sugeriu que, na impossibilidade do distanciamento estrutural, os ambientes fossem diferenciados com recursos visuais e psicológicos. PAPEL SOCIAL DOS MUSEUS E CENTROS DE CIÊNCIA NO SÉC. XXI
  • 14. AS PRÁTICAS MUSEOLÓGICAS EMERGENTES NA INTERNET E AS TECNOLOGIAS QUE AS VIABILIZAM
  • 15.
  • 17.
  • 18. AS PRÁTICAS MUSEOLÓGICAS EMERGENTES NA INTERNET E AS TECNOLOGIAS QUE AS VIABILIZAM Classificação de Piacente (1996): folhetos, museu no mundo virtual e realmente interativos Problema: Novas tecnologias e formas de interação on line
  • 19. AS PRÁTICAS MUSEOLÓGICAS EMERGENTES NA INTERNET E AS TECNOLOGIAS QUE AS VIABILIZAM (Na interação mútua) “os agentes transformam-se mutuamente durante o processo e o relacionamento que emerge entre eles vai sendo recriado a cada intercâmbio. Pode-se afirmar que se torna impossível prever o que acontecerá nessas interações (...) pois o encaminhamento do relacionamento é negociado durante a interação. Por outro lado, as interações reativas (...) são limitadas por certas determinações e, se a mesma ação fosse tomada uma segunda vez (mesmo que por outro interagente), o efeito seria o mesmo.” (PRIMO, 2007, p.57)
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. MUSEUS NA WEB - Espiral das Formas de Presença Online
  • 30. MUSEUS NA WEB - Espiral das Formas de Presença Online
  • 31. COMO SE CARACTERIZA O USO DA INTERNET PELOS MUSEUS DE CIÊNCIAS BRASILEIROS?
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. 4% 5%
  • 36. MUSEUS DE CIÊNCIAS BRASILEIROS NA WEB
  • 38. Os pressupostos dos Estudos CTS podem ser uma alternativa ao Modelo de Déficit de Conhecimento como orientador das práticas de divulgação científica; CONCLUSÃO O conceito de Museu-Fórum constitui uma resposta pertinente às demandas da atualidade por agências mediadoras entre sociedade e organismos decisórios; O estudo indicou que as práticas museológicas emergentes na internet caminham para a flexibilização da autoridade museal, rumo à adoção de uma postura dialógica com seu público.
  • 39. Os museus, independente da tipologia, tendem a ocupar e a se apropriar da web em estágios evolutivos; CONCLUSÃO A Espiral Evolutiva das Formas de Presença Online permite a visualização do fenômeno progressivo, de ocupação a apropriação da internet, pelos museus. O atual estágio de desenvolvimento da web favorece a configuração de Museus- Fórum online;
  • 40. CONCLUSÃO A ocupação do ambiente virtual pelos museus de ciências brasileiros limita-se, quase que em sua totalidade, ao modelo transmissionista de divulgação do museu físico e de fornecimento de conteúdo complementar às visitas, em um comportamento típico da web de primeira geração.
  • 41. CONCLUSÃO Acervos como objetos de aprendizagem, elementos identitários de cada instituição e objetos estratégicos para a deflagação de diálogos Público como intelecutores Conhecimento como uma construção social Museus online orientados pelos estudos CTS entendem:
  • 42. CONCLUSÃO Espera-se que o presente esforço contribua para uma maior compreensão do papel dos museus em sociedades tecnocientíficas, enfatizando que o déficit democrático não pode ser vencido, unicamente, pelo saneamento do déficit de conhecimento científico, mas também pela ampliação das formas de participação cidadã nas decisões que afetam toda a sociedade.